Adeus a Lou Reed (1942-2013)

lou 2 lou reed lou
R.I.P. LOU REED
(2 de Março de 1942 – 27 de outubro de 2013)
 
Morreu hoje (27/10;2013), aos 71 anos de idade, o ícone Lou Reed (que faz companhia, na foto acima, a seus “trutas” David Bowie e Iggy Pop), um dos grandes poetas do rock and roll e uma das vozes mais singulares da música alternativa das últimas décadas. Leia o necrológio da Rolling Stone gringa [http://rol.st/1g51ym2] e aproveite para relembrar alguns dos álbuns mais importantes de sua carreira-solo e com o Velvet Underground. Descanse em paz, Lou, enquanto nós seguimos embarcando em suas criações e curtindo caminhadas pelo lado selvagem
* * * * *

SOLO

VELVET UNDERGROUND

COMPARTILHE 

Anúncios

Um punhado de poemas inéditos: Cronos, Memento Mori, O Perigo das Gaiolas, Perdendo a Conta…

Goya, "Cronos Devorando Seu Filho"

Francisco Goya (1746-1828), “Saturno Devorando Seu Filho”

CRONOS

Oh dor, oh dor! O tempo devora a vida
E o Inimigo obscuro que nos rói o coração
Do sangue que perdemos cresce e se fortifica.

( Ô douleur, ô douleur! Le Temps mange la vie,
Et l’obscur Ennemi qui nous ronge le cœur
Du sang que nous perdons croît et se fortifie !)

BAUDELAIRE. As Flores do Mal.

Ó Tempo, que teus filhos devora,
Seja noite ou manhã, crepúsculo ou aurora,
De onde tiraste tamanha fome de gula?
Não te cansa ter mandíbulas sempre em obra?

Não permites que escapes às tuas leis férreas
Nem bichos, nem plantas, nem gentes.
A cosmo-ciranda assim segue sua valsa
Enquanto te banqueteias de carnes sangrentas.

Não peço em meu nome exceção ou privilégio;
Sei-me solidário a tudo que vive e é efêmero.
Só não me peças que marche sem angústias no peito!

Enquanto rumo adentro de tua bocarra aberta
Sentindo teus dentes me mordiscando vivo
Ó Cronos, guloso, oponho-te inútil revolta!

* * * * *

MEMENTO MORI

A formiga que o calçado esmaga;
Mosca enredada em aracnídea teia;
UTIs lotadas de vidas que resistem ou desistem;
Sirenes de ambulâncias; defuntos indo pra IMLs;
Eis alguns mementos de Cronos de gula imensa
(Nhác, nhác, nhác!) – que a todos mastiga.

Cada segundo uma mordida,
Que nos arranca tempo a dentadas.
Dia a dia, miríades são devoradas.
Cada vida: uma piscadela.

Talvez viver não passe de um pisco
E o cosmo girante um grande palco
Onde impõe-se que a pálpebra se feche
Como cai no teatro a cortina.

* * * * *

MOÇO ATÉ A COVA

Pois sei-me envelhecente
Caminhante pro ocaso
Andarilho ao crepúsculo
Procuro o que me remoce!

Um bom disco de rock,
Curtido no talo.
Ervas terapêuticas.
Eventualmente um porre.

Um olhar amante quando o Sol raia
– e que acalenta mais que mil estrelas -,
Carícias impudicas sob o manto da noite.

Fontes da juventude
Pra quem sabe-se em fluxo intenso
Na mão-única do tempo
E insiste em ser moço até a cova.

* * * * *

EM LOUVOR ÀS MARÉS

Que o amor não seja sem terremotos,
Que haja furacões que arrastam hábitos,
Que não seja igual a dois caindo na mesmice,
Mas convivência que fecunde e expanda!

Que o amor não seja só alegrias e flores:
toda confeitaria em excesso acaba dando engulhos.
É preciso saber dosar os doces e os amargos
Como um bom músico mescla os agudos e os graves.

Que o amor seja um longo aprendizado,
Em que aprendiz e mestre não tem posições fixas,
Onde um aprende com o outro, de modo dinâmico,
Como peixes que fluem juntos no rio do tempo.

Que seja o amor o balé entre a união e a separação,
A oscilação entre altas e baixas marés.
Pois que monótono seria o mar caso fosse fixa
A quantia de espuma que empurra pras areias!

* * * * *

LUA CHEIA DE SI

Ó Lua tão cheia de si
Brilhando na noite daqui
No breu sou eu que te vê
Deslumbrante iluminar-te ao Sol.

Ó banhista toda despudor,
É assim que te anseia meu olhar –
Me ensinas que a noite é relativa
E que apenas metade de ti está sem luz.

Em breve teu dorso deslizará
Para além de meu campo de visão
E será a vez de nós terráqueos estarmos
Cara-a-cara com o esplendor do Sol.

Ó Lua cheia, tão gélida e distante,
Que bailas pela galáxia gigante,
Não somos assim tão alheios
Já que o mesmo Sol nos banha!

* * * * *

PERDENDO A CONTA

Quantas voltas já deu a Terra
(peralta bola giratória!)
Ao redor desta estrela próxima?
(gloriosa esfera incendiária!)

Suspeito que quando nasceu a matemática
(produto tardio de cérebros primatas!)
Já era bem antiga a rotação galáctica
(bailado cósmico de eternas rodopiadas!)

Eu, que não sei contar nem grãos de areia na praia,
Desespero-me diante da profusão de galáxias!

Incapaz de contabilizar estrelas,
Ou dar o resultado da soma dos átomos,
Demito-me e desisto
Pois diante do infinito
Só sei perder a conta.

* * * * *

O PERIGO DAS GAIOLAS

Um perigo ronda o pássaro em sua jaula:
Que se atrofiem as asas na gaiola,
E que o alpiste que lhe dão de lambuja
Lhe dê cômoda preguiça acomodada.

Se um dia lhe esquecem aberta a porta
Terá a audácia de aventurar-se a asa?
Ou quedará quieta, no cárcere segura,
Julgando a liberdade muito custosa?

Tristes aos ouvidos livres soam
Os blues cantados nas gaiolas!
Felizes dos olhos que testemunham
Pássaros planando na brisa!

Mas quem, porém, é livre de nascença,
Acostumado a vôos sem freios nem peias,
Há de saborear com tanta pureza
Quanto o liberto o sabor de livre tornar-se?

sun

Todos os poemas:
Eduardo Carli de Moraes, Goiânia, 2013.

“A vida só se dá pra quem se deu” – 100 anos atrás, nascia Vinícius de Moraes…

Vinícius de Moraes (1913-1980)

Vinícius de Moraes (1913-1980)

Há exatos 100 anos, em 19 de Outubro de 1913, nascia Vinícius de Moraes. Em homenagem ao mestre, compartilhamos um soneto, uma canção e um texto em prosa. Apreciem sem moderação!

SONETO DE FIDELIDADE

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

* * * * *

COMO DIZIA O POETA

Quem já passou por esta vida e não viveu
Pode ser mais, mas sabe menos do que eu
Porque a vida só se dá pra quem se deu
Pra quem amou, pra quem chorou,
Pra quem sofreu (ai!)
Quem nunca curtiu uma paixão
Nunca vai ter nada, não.

Não há mal pior do que a descrença
Mesmo o amor que não compensa
É melhor que a solidão.

Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair
Pra que somar se a gente pode dividir?
Eu francamente já não quero nem saber
De quem não vai porque tem medo de sofrer

Ai de quem não rasga o coração
Esse não vai ter perdão

* * * * *

Homenagem do Google ao centenário de Vinícius

Homenagem do Google ao centenário de Vinícius

DA SOLIDÃO

“Sequioso de escrever um poema que exprimisse a maior dor do mundo, Poe chegou, por exclusão, à idéia da morte da mulher amada. Nada lhe pareceu mais definitivamente doloroso. Assim nasceu “O Corvo”: o pássaro agoureiro a repetir ao homem sozinho em sua saudade a pungente litania do “nunca mais”.

Será esta a maior das solidões? Realmente, o que pode existir de pior que a impossibilidade de arrancar à morte o seu amado, que fez Orfeu descer aos Infernos em busca de Eurídice e acabou por calar a lira mágica? Distante, separado, prisioneiro, ainda pode aquele que ama alimentar sua paixão com o sentimento de que o objeto amado está vivo. Morto este, só lhe restam dois caminhos: o suicídio, físico ou moral, ou uma fé qualquer. E como tal fé constitui uma possibilidade – que outra coisa é a Divina Comédia para Dante senão a morte de Beatriz? – cabe uma consideração também dolorosa: a solidão que a morte da mulher amada deixa não é, portanto, absoluta, a maior solidão.

Qual será maior então? Os grandes momentos de solidão, a de Jó, a de Cristo no Horto, tinham a exaltá-la uma fé. A solidão de Carlitos, naquela incrível imagem em que ele aparece na eterna esquina, no final de Luzes da Cidade, tinha a justificá-la o sacrifício feito pela mulher amada. Penso com mais frio n’alma na solidão dos últimos dias do pintor Toulouse-Lautrec, em seu leito de moribundo, lúcido, fechado em si mesmo, e no duro olhar de ódio que deitou ao pai, segundos antes de morrer, como a culpá-lo de o ter gerado um monstro.

Penso com mais frio n’alma ainda na solidão total dos poucos minutos que terão restado ao poeta Hart Crane, quando, no auge da neurastenia, depois de se ter jogado ao mar, numa viagem de regresso do México para os Estados Unidos, viu sobre si mesmo a imensa noite do oceano imenso à sua volta, e ao longe as luzes do navio que se afastava. O que terão dito o poeta e a eternidade nesses poucos instantes em que ele, quem sabe banhado de poesia total, boiou a esmo sobre a negra massa líquida, à espera do abandono?

Solidão inenarrável, quem sabe povoada de beleza… Mas será ela, também, a maior solidão? A solidão do poeta Rilke, quando na alta escarpa sobre o Adriático, ouviu no vento a música do primeiro verso que desencadeou as Elegias de Duíno, será ela a maior solidão?

Não, a maior solidão é a do ser que não ama. A maior solidão é a do ser que ausenta, que se defende, que se fecha, que se recusa a participar da vida humana. A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo, no absoluto de si mesmo, e que não dá a quem pede o que ele pode dar de amor, de amizade, de socorro. O maior solitário é o que tem medo de amar, o que tem medo de ferir e de ferir-se, o ser casto da mulher, do amigo, do povo, do mundo. Esse queima como uma lâmpada triste, cujo reflexo entristece também tudo em torno. Ele é a angústia do mundo que o reflete. Ele é o que se recusa às verdadeiras fontes da emoção, as que são o patrimônio de todos, e, encerrado em seu duro privilégio, semeia pedras do alto da sua fria e desolada torre.”

(Trecho do livro “Para Viver Um Grande Amor”)

* * * *

SIGA VIAGEM…

vini antoAdquira algumas obras:

Haikai da Hora

HAIKAI DA HORA

O único relógio que não erra
É o que sempre aponta
Para o eterno agora.

A Tragédia da Obediência

“A desobediência civil não é o nosso problema. Nosso problema é a obediência civil. Nosso problema é que muitas pessoas ao redor do mundo obedeceram às ordens dos líderes de seus governos e foram a guerra, e milhões foram mortos por causa dessa obediência… nosso problema é que as pessoas são obedientes por todo o mundo diante da pobreza, da fome, da estupidez, da guerra e da crueldade. Nosso problema é que as pessoas são obedientes diante de cadeias que estão cheias de batedores de carteira, enquanto grandes bandidos governam a nação. Eis aí o nosso problema.” – Howard Zinn, historiador e cientista político

“You Can’t Be Neutral on a Moving Train”
Entrevista completa (60 min)

Bate-papo de Zinn com Woody Harrelson em 2003,
época da invasão do Iraque (64 min)

O Brasil segundo Ruffato: “…é imenso o peso do nosso legado de 500 anos de desmandos. Continuamos a ser um país onde moradia, educação, saúde, cultura e lazer não são direitos de todos, e sim privilégios de alguns…”

imagem

Discurso do escritor Luiz Ruffato na abertura da Feira do Livro de Frankfurt 2013:

“O que significa ser escritor num país situado na periferia do mundo, um lugar onde o termo capitalismo selvagem definitivamente não é uma metáfora? Para mim, escrever é compromisso. Não há como renunciar ao fato de habitar os limiares do século 21, de escrever em português, de viver em um território chamado Brasil. Fala-se em globalização, mas as fronteiras caíram para as mercadorias, não para o trânsito das pessoas. Proclamar nossa singularidade é uma forma de resistir à tentativa autoritária de aplainar as diferenças.

O maior dilema do ser humano em todos os tempos tem sido exatamente esse, o de lidar com a dicotomia eu-outro. Porque, embora a afirmação de nossa subjetividade se verifique através do reconhecimento do outro – é a alteridade que nos confere o sentido de existir -, o outro é também aquele que pode nos aniquilar… E se a Humanidade se edifica neste movimento pendular entre agregação e dispersão, a história do Brasil vem sendo alicerçada quase que exclusivamente na negação explícita do outro, por meio da violência e da indiferença.

Nascemos sob a égide do genocídio. Dos quatro milhões de índios que existiam em 1500, restam hoje cerca de 900 mil, parte deles vivendo em condições miseráveis em assentamentos de beira de estrada ou até mesmo em favelas nas grandes cidades. Avoca-se sempre, como signo da tolerância nacional, a chamada democracia racial brasileira, mito corrente de que não teria havido dizimação, mas assimilação dos autóctones. Esse eufemismo, no entanto, serve apenas para acobertar um fato indiscutível: se nossa população é mestiça, deve-se ao cruzamento de homens europeus com mulheres indígenas ou africanas – ou seja, a assimilação se deu através do estupro das nativas e negras pelos colonizadores brancos.

Até meados do século XIX, cinco milhões de africanos negros foram aprisionados e levados à força para o Brasil. Quando, em 1888, foi abolida a escravatura, não houve qualquer esforço no sentido de possibilitar condições dignas aos ex-cativos. Assim, até hoje, 125 anos depois, a grande maioria dos afrodescendentes continua confinada à base da pirâmide social: raramente são vistos entre médicos, dentistas, advogados, engenheiros, executivos, artistas plásticos, cineastas, jornalistas, escritores.

Invisível, acuada por baixos salários e destituída das prerrogativas primárias da cidadania –moradia, transporte, lazer, educação e saúde de qualidade–, a maior parte dos brasileiros sempre foi peça descartável na engrenagem que movimenta a economia: 75% de toda a riqueza encontra-se nas mãos de 10% da população branca e apenas 46 mil pessoas possuem metade das terras do país. Historicamente habituados a termos apenas deveres, nunca direitos, sucumbimos numa estranha sensação de não pertencimento: no Brasil, o que é de todos não é de ninguém…

Convivendo com uma terrível sensação de impunidade, já que a cadeia só funciona para quem não tem dinheiro para pagar bons advogados, a intolerância emerge. Aquele que, no desamparo de uma vida à margem, não tem o estatuto de ser humano reconhecido pela sociedade, reage com relação ao outro recusando-lhe também esse estatuto. Como não enxergamos o outro, o outro não nos vê. E assim acumulamos nossos ódios –o semelhante torna-se o inimigo.

A taxa de homicídios no Brasil chega a 20 assassinatos por grupo de 100 mil habitantes, o que equivale a 37 mil pessoas mortas por ano, número três vezes maior que a média mundial. E quem mais está exposto à violência não são os ricos que se enclausuram atrás dos muros altos de condomínios fechados, protegidos por cercas elétricas, segurança privada e vigilância eletrônica, mas os pobres confinados em favelas e bairros de periferia, à mercê de narcotraficantes e policiais corruptos.

Machistas, ocupamos o vergonhoso sétimo lugar entre os países com maior número de vítimas de violência doméstica, com um saldo, na última década, de 45 mil mulheres assassinadas. Covardes, em 2012 acumulamos mais de 120 mil denúncias de maus-tratos contra crianças e adolescentes. E é sabido que, tanto em relação às mulheres quanto às crianças e adolescentes, esses números são sempre subestimados.

Hipócritas, os casos de intolerância em relação à orientação sexual revelam, exemplarmente, a nossa natureza. O local onde se realiza a mais importante parada gay do mundo, que chega a reunir mais de três milhões de participantes, a Avenida Paulista, em São Paulo, é o mesmo que concentra o maior número de ataques homofóbicos da cidade.

E aqui tocamos num ponto nevrálgico: não é coincidência que a população carcerária brasileira, cerca de 550 mil pessoas, seja formada primordialmente por jovens entre 18 e 34 anos, pobres, negros e com baixa instrução.

O sistema de ensino vem sendo ao longo da história um dos mecanismos mais eficazes de manutenção do abismo entre ricos e pobres. Ocupamos os últimos lugares no ranking que avalia o desempenho escolar no mundo: cerca de 9% da população permanece analfabeta e 20% são classificados como analfabetos funcionais –ou seja, um em cada três brasileiros adultos não tem capacidade de ler e interpretar os textos mais simples.

A perpetuação da ignorância como instrumento de dominação, marca registrada da elite que permaneceu no poder até muito recentemente, pode ser mensurada. O mercado editorial brasileiro movimenta anualmente em torno de 2,2 bilhões de dólares, sendo que 35% deste total representam compras pelo governo federal, destinadas a alimentar bibliotecas públicas e escolares. No entanto, continuamos lendo pouco, em média menos de quatro títulos por ano, e no país inteiro há somente uma livraria para cada 63 mil habitantes, ainda assim concentradas nas capitais e grandes cidades do interior.

Mas, temos avançado.

A maior vitória da minha geração foi o restabelecimento da democracia – são 28 anos ininterruptos, pouco, é verdade, mas trata-se do período mais extenso de vigência do estado de direito em toda a história do Brasil. Com a estabilidade política e econômica, vimos acumulando conquistas sociais desde o fim da ditadura militar, sendo a mais significativa, sem dúvida alguma, a expressiva diminuição da miséria: um número impressionante de 42 milhões de pessoas ascenderam socialmente na última década. Inegável, ainda, a importância da implementação de mecanismos de transferência de renda, como as bolsas-família, ou de inclusão, como as cotas raciais para ingresso nas universidades públicas.

Infelizmente, no entanto, apesar de todos os esforços, é imenso o peso do nosso legado de 500 anos de desmandos. Continuamos a ser um país onde moradia, educação, saúde, cultura e lazer não são direitos de todos, e sim privilégios de alguns. Em que a faculdade de ir e vir, a qualquer tempo e a qualquer hora, não pode ser exercida, porque faltam condições de segurança pública. Em que mesmo a necessidade de trabalhar, em troca de um salário mínimo equivalente a cerca de 300 dólares mensais, esbarra em dificuldades elementares como a falta de transporte adequado. Em que o respeito ao meio-ambiente inexiste. Em que nos acostumamos todos a burlar as leis.

Nós somos um país paradoxal.

Ora o Brasil surge como uma região exótica, de praias paradisíacas, florestas edênicas, carnaval, capoeira e futebol; ora como um lugar execrável, de violência urbana, exploração da prostituição infantil, desrespeito aos direitos humanos e desdém pela natureza. Ora festejado como um dos países mais bem preparados para ocupar o lugar de protagonista no mundo –amplos recursos naturais, agricultura, pecuária e indústria diversificadas, enorme potencial de crescimento de produção e consumo; ora destinado a um eterno papel acessório, de fornecedor de matéria-prima e produtos fabricados com mão de obra barata, por falta de competência para gerir a própria riqueza.

Agora, somos a sétima economia do planeta. E permanecemos em terceiro lugar entre os mais desiguais entre todos…

Volto, então, à pergunta inicial: o que significa habitar essa região situada na periferia do mundo, escrever em português para leitores quase inexistentes, lutar, enfim, todos os dias, para construir, em meio a adversidades, um sentido para a vida?

Eu acredito, talvez até ingenuamente, no papel transformador da literatura. Filho de uma lavadeira analfabeta e um pipoqueiro semianalfabeto, eu mesmo pipoqueiro, caixeiro de botequim, balconista de armarinho, operário têxtil, torneiro-mecânico, gerente de lanchonete, tive meu destino modificado pelo contato, embora fortuito, com os livros. E se a leitura de um livro pode alterar o rumo da vida de uma pessoa, e sendo a sociedade feita de pessoas, então a literatura pode mudar a sociedade. Em nossos tempos, de exacerbado apego ao narcisismo e extremado culto ao individualismo, aquele que nos é estranho, e que por isso deveria nos despertar o fascínio pelo reconhecimento mútuo, mais que nunca tem sido visto como o que nos ameaça. Voltamos as costas ao outro –seja ele o imigrante, o pobre, o negro, o indígena, a mulher, o homossexual– como tentativa de nos preservar, esquecendo que assim implodimos a nossa própria condição de existir. Sucumbimos à solidão e ao egoísmo e nos negamos a nós mesmos. Para me contrapor a isso escrevo: quero afetar o leitor, modificá-lo, para transformar o mundo. Trata-se de uma utopia, eu sei, mas me alimento de utopias. Porque penso que o destino último de todo ser humano deveria ser unicamente esse, o de alcançar a felicidade na Terra. Aqui e agora.”

Luiz Ruffato

Luiz Ruffato

Fonte: Estadão

Compartilhe este texto no Facebook ou no Tumblr

“Reality is forever in flux” – O dinamismo cósmico em Diderot (1713-1784)

denis diderot

Denis Diderot (1713-1784)

Na sequência, compartilhamos um trecho magistral de A Filosofia do Iluminismo, de Ernst Cassirer, dedicado à filosofia de Diderot, um dos luminares do Iluminismo. É impressionante a similaridade entre esta visão-de-mundo diderotiana e aquela de Nietzsche. Ambos os pensadores concebem a realidade em fluxo eterno, à la Heráclito. Ambos estão conscientes de que a vida é também um fenômeno necessariamente dinâmico (espécies são extintas, outras espécies surgem, nenhuma espécie possui nenhuma espécie de fixidez ou de identidade sólida e imutável…). Além disso, tanto Diderot quanto Nietzsche são avessos à qualquer tipo de dogmatização, considerando que sistemas filosóficos com pretensão à validade universal ou à verdade absoluta não passam de megalomaníacas ilusões, infiéis ao fluir ininterrupto do real. Mais vale experimentar uma profusão de perspectivas e possibilidades do que estacionar numa visão-de-mundo estática, já que todo conceito que se petrifica torna-se falso ao deixar de acompanhar a líquida correnteza do devir. A inescapável fluidez da realidade, que milênios atrás Heráclito já apontava (“não se entra duas vezes no mesmo rio”), é resgatada em pleno Esclarecimento por Diderot, que neste ponto é precursor de Nietzsche. “Uma nova ordem de coisas nasceu: este é o eterno motto do universo”, escreve Diderot. No rio do tempo, haverá um segundo sequer que não seja inédito?

* * * * *

“It is dangerous when speaking of Diderot to try to characterize his philosophy as a whole at any given time by a certain term and, so to speak, to nail it down in this way. For Diderot’s thought can only be grasped on the wing, that is, in the stages of its unceasing transitions. (…) In the course of his life Diderot changed his viewpoint countless times, but the change in itself is neither accidental nor arbitrary. It is an indication of Diderot’s belief that no particular viewpoint from which we contemplate the universe can do justice to its profusion, its inner variety, its constant mutations. Thus Diderot’s thinking does not strive for crystallization, for expression in definitive formulas. It is and remains a fluid and fleeting element; but it is precisely in this elasticity that Diderot believes he can come nearer to reality, which itself knows no rest but is forever in flux.

This infinitely changeable universe can only be understood by a flexible manner of thinking, by a kind of thinking which permits itself to be borne and driven from one flight to the next, which does not rest content with what is present and given, but which rather luxuriates in the abundance of possibilities and wants to explore and test them. (…) His philosophy is a truly dynamic view of the world. All conceptual schemes, all attempts at mere classification, appear to Diderot as narrow-minded and inadequate; they seem to him useful only to describe the state of knowledge at a particular moment. (…) Our minds must remain open to all new possibilities; we must allow the horizon of experience to be narrowed by any systems or rules. These considerations lead Diderot to a new conception of the philosophy of nature. It is vain to confine nature within limits, vain to seek to subject it to our human classifications. Nature knows only diversity and absolute heterogeneity. None of its forms retains its identity; each form represents merely a transitory state of equilibrium of its shaping forces which can and will cease to be. [1]

“Just as in the animal and vegetable kingdoms, an individual so to speak begins, develops, endures, perishes and vanishes, might it not be the same with whole species?… Who knows all the animal species which have gone before us? Who knows the species which will follow ours? Everything changes, everything passes away; only the whole is permanent. The world is constantly waxing and waning; it begins and ends at every instant… In the immeasurable ocean of matter, there is no molecule which resembles any other molecule – nay, not even itself – for a single moment. ‘A new order of things is born’: such is the eternal motto of the universe.” [2]

cassirerReferências bibliográficas:

[1] CASSIRER, Ernst. The Philosophy of the Enlightenment. Princeton University Press, 1951. Pg. 90-91.

[2] DIDEROT, Denis. De l’Interprétation de la Nature. Sect. LVIII. In: Oeuvres, ed. Assézat, vol. II, pp. 57.