#CyberMuseu

"Demócrito", de Hendrik ter Brugghen

Demócrito“, de Hendrik ter Brugghen

"O Fogo" de Giuseppe-Arcimboldo (1956)

“O Fogo” de Giuseppe-Arcimboldo (1956)

"A Autópsia" de Enrique Simonet (1890)

“A Autópsia” de Enrique Simonet (1890)

"O Sacrifício de Ifigênia" de François Perrier

“O Sacrifício de Ifigênia” de François Perrier

"Hesíodo e a Musa", de Gustave Moreau

“Hesíodo e a Musa”, de Gustave Moreau

"A Dança dos Aldeões", de P Paul Rubens

“A Dança dos Aldeões”, de P Paul Rubens

"As Fúrias atormentam Orestes", de William-Adolphe Bouguereau_(1825-1905)

“As Fúrias atormentam Orestes”, de William-Adolphe Bouguereau (1825-1905)

"A Juventude De Baco", de William-Adolphe Bouguereau_(1825-1905)

“A Juventude De Baco”, de William-Adolphe Bouguereau_(1825-1905)

:: Goethe & Rubens em… Prometeu! ::

Prometeu Acorrentado - Peter Paul Rubens, 1610

“Quando eu era criança
Sem saber meu caminho
Voltei meus olhos errantes
Para o sol, como se lá em cima houvesse
Um ouvido para escutar meu lamento,
Um coração como o meu
Para cuidar dos atormentados.

Quem me ajudou
Contra a cruel insolência dos Titãs?
Quem me resgatou da morte, da escravidão?
Não fizeste tudo isto sozinho,
Sagrado coração em brasa?
E jovem e bom, brilhavas
Enganado, agradecido pelo resgate
Daquele que dormia lá em cima?

Eu, honrar-te? Por quê?
Algum dia aliviaste o sofrimento
dos oprimidos?
Algum dia secaste as lágrimas dos amedrontados?
Não fui levado à idade adulta
Pelo todo-poderoso Tempo
E pelo destino eterno,
Meus mestres, e os teus?

Imaginavas por acaso
Que eu fosse odiar a vida
E fugir para o deserto
Porque nem todos
Os meus sonhos em botão floresceram?

Aqui continuo sentado, forjando homens
À minha própria imagem
Uma raça para ser como eu
Para sofrer, chorar,
Deleitar-se e alegrar-se
E para desafiar-te,
Como eu.”

GOETHE (1749 — 1832)

(como citado por Susan Neiman em “Evil In Modern Tought”)