Marcha Popular do Clima: a Revolução começa aqui (por Ricken Patel, publicado no periódico britânico “The Guardian”)

Criar um mundo movido a energia limpa para nos salvar da catástrofe climática é um desafio central do nosso tempo, e requer uma transição revolucionária nas nossas economias. Não podemos esperar por nossos líderes pela solução deste problema; a menos que sintam uma forte pressão pública, eles nunca irão longe o suficiente, ou rápido o suficiente. As revoluções começam com as pessoas, e não com políticos.

Para sobreviver no século 21, temos de descobrir o sentido de propósito comum que tem impulsionado mudanças revolucionárias através da história, a construção de um movimento de massa para ir além do que os nossos políticos acreditam que seja o possível. Temos de estar à frente, não seguir atrás, e arrastar os líderes conosco.

Líderes Mundiais Discutindo a Catástrofe Ecológica...

Líderes Mundiais Discutindo a Catástrofe Ecológica…

Nos anos que antecederam a 2014, com a diferença entre o que a ciência exige e o que nossos políticos fizeram tendo se alargado, um fatalismo começou a se espalhar em parte do movimento climático. Em seguida, um punhado de organizadores fez uma aposta importante no poder das pessoas – chamando a maior mobilização climática na história para mudar a dinâmica política.

E Uau! Isso funcionou. No ano passado, a Marcha Popular do Clima em setembro foi, sem qualquer dúvida, um divisor de águas. Quase 700.000 de nós tomaram as ruas, de longe a maior mobilização climática já realizada. As marchas foram esperançosas, positivas inclusive. Por incrível que pareça, ao redor do mundo, sequer uma única pessoa foi presa. Milhares de organizações, desde ativistas ambientais até grupos religiosos e sindicatos, reuniram-se, mostrando que a mudança climática não é mais uma questão dos ‘verdes’; é um problema de todos agora.

O impacto sobre os políticos foi palpável. Dezenas de ministros de diferentes países terminaram se juntando à marcha, bem como o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Com o rugido da multidão a arrastá-los, vi em seus rostos a percepção de que eles estavam testemunhando a história. Na Cúpula das Nações Unidas no dia seguinte, um líder após o outro citou as marchas e sua intenção de ser mais ambicioso.

As ruas de NYC durante a Marcha Popular do Clima (People's Climate March) 2014

As ruas de NYC durante a Marcha Popular do Clima (People’s Climate March) 2014

Nos meses que se seguiram, os especialistas disseram-nos que não havia nenhuma saída que não fosse a Europa adotar uma meta de redução de emissões de carbono “de pelo menos 40%” até 2030. Com uma campanha constante e a liderança de alguns desses ministros que participaram da marcha, isso foi feito. Em seguida, EUA e China apareceram com compromissos de emissões surpreendentemente fortes, com a China prometendo um pico em suas emissões até 2030 – um passo enorme. O impulso continuou, com um movimento de desinvestimento constrangendo a indústria de combustíveis fósseis, grandes corporações abraçando energia limpa e o Papa trazendo sua enorme credibilidade moral para apoiar a causa. E o movimento tem-se desenvolvido, com milhares de novas flores desabrochando, e um crescente ativismo de ação direta aumentando a urgência moral da questão.

A cúpula climática da ONU em Paris em dezembro será a maior cúpula do clima mundial desta década. Os estágios nacionais e globais trabalham em conjunto, seja arrastando o outro para cima em termos de ambição, seja numa espiral descendente. Devemos fazer de Paris um momento para dar o impulso e aumentá-lo. Uma poderosa forma de fazer isso seria o mundo inteiro, pela primeira vez, concordar com o objetivo de uma economia global descarbonizada, alimentada por energia limpa. Isso serviria como um sinal imediato para os que investem ao mesmo tempo em energia limpa e suja, em todos os lugares, para acelerarem a transição energética que já está em andamento.

A esperança está se ampliando, a iniciativa está conosco, mas nós já estivemos aqui antes. Desde a Cúpula da Terra em 1992 até o Protocolo de Quioto em 1997, o mundo avançou no passado, apenas para retroceder pela política tóxica do lobby de combustíveis fósseis, com sua ciência-lixo e negacionismo climático bem financiados. A cada momento, a diferença entre a ação que está sendo adotada e a ação necessária à nossa sobrevivência se alarga. Precisamos de um movimento que seja construído para durar, construído para vencer e continuar vencendo, ao longo de décadas por vir.

É por isso que, em 29 de novembro, um dia antes de os líderes mundiais convergirem em Paris, as pessoas vão se reunir novamente nas ruas para as uma Marcha Popular do Clima global – para quebrar o recorde do ano passado de maior mobilização mudança climática na história. Em milhares de cidades e vilas em todo o planeta, nós vamos nos reunir ou marchar pelas nossas comunidades e por aqueles já em risco pelas mudanças climáticas, pelo futuro dos nossos filhos e netos, e por um mundo mais seguro alimentado por energia limpa. Vamos mostrar aos políticos que este é um movimento que chegou para ficar e está crescendo rapidamente. E vamos inspirar outros a aderirem a este movimento aberto e sem porteiras, para o qual não há é preciso convite – todos são convidados, não só a participar, mas para organizar e liderar. Porque, para uma revolução climática que mude tudo, precisamos de todos.

RICKEN PATEL
People’s Climate March: The Revolution Starts Here
The Guardian (UK), 29 de Julho de 2015

LEIA O ARTIGO ORIGINAL EM INGLÊS:

Este texto foi reblogado do “O Que Você Faria Seu Eu Soubesse O Que Sei”, blog crucial do Alexandre Costa, que é insurgente do PSOL e um dos mais relevantes militantes ecosocialistas do Brasil

P.S. – Em 2014, ano de andanças pelo norte do continente, nós – eu e a Gi Toassa – participamos da Marcha Popular do Clima, lá em Toronto, e foi uma impressionante experiência cívica (além de inesquecível vivência humana!). Eram cerca de 10.000 pessoas que tomaram as ruas da metrópole canadense bradando por energia limpa, pelo fim dos combustíveis fósseis, pelo diminuição radical das emissões de CO2 etc. Nos cartazes e nos gritos, manifestaram preocupações, demandas, revoltas – além de ofensas (legítimas!) dirigidas ao presidente Stephen Harper, ecocida de carteirinha e amicíssimo dos donos de petrodollars em Alberta. O Canadá tem razões de sobra para marchar contra o status quo – a exploração do petróleo dos “tar sands” já é amplamente reconhecido como um dos projetos energéticos mais obscenamente poluidores do planeta, um verdadeiro crime contra a humanidade no atual cenário de agravamento do aquecimento global. Alberta é o nome de um lugar onde os netos de nós, os mortais hoje vivos, estão sendo assassinados por antecipação.

Apesar de pequena em comparação com a marcha de Nova York (que levou cerca de 400.000 manifestantes às ruas), a marcha em Toronto mostrou aos participantes a força deste movimento social nascente. Na próxima década, os destinos políticos globais vão começar a ser diretamente impactados por estas mobilizações que vão ganhando momentum e que talvez impressionem os desavisados em Paris, 2015.

Outro sinal dos tempos estava nas livrarias do Canadá, por todo lado, em 2014 – justo nesta época da Marcha do Clima estava sendo lançado, com alta tiragem e estardalhaço midiático (a revista Now!, publicação gratuita que circula em Toronto, fez um ótimo trabalho neste sentido) de um livro seminal, que li com grande gosto e admiração em 2014, de uma das figuras públicas mais lúcidas e influentes do país, Naomi Klein. Após Doutrina do Choque Sem Logo, Naomi Klein, com seu This Changes Everything, deu à luz uma obra-prima do jornalismo e do ativismo em nosso tempo – e leitura obrigatória para entender o presente e o futuro das “lutas climáticas” (que já começaram a raiar com mais força). O que me estarrece é que no Brasil este livro ainda não foi lançado, o que é um crime contra o brasileiro, que necessita urgentemente ter acesso à informação que Klein ali compartilha.

O vídeo que compartilho a seguir é o documentário de 15 minutos que nasceu daquele dia, em que, excitados e alvoroçados, fomos um casal enamorado e um tanto embriagado com a folia da participação cívica que “esverdejou” as ruas, em meio à impressionante maré humana que tomou conta de Toronto. A todo momento, por trás das câmeras, eu filmava tendo em mente que estava no seio de algo que acontecia simultaneamente mundo afora, em dúzias de outras cidades – foi o primeiro protesto autenticamente global que vivenciei. Filmei Toronto tendo na imaginação imagens do que poderia estar rolando durante as manifestações da Cúpula do Clima da ONU, em Nova York, que sentia o impacto de meio milhão de vozes, nas ruas ruidosas, ensurdecedoramente clamando por soluções para a catástrofe ambiental que se agrava a cada dia.

Confesso ainda – para desenvolver o argumento mais tarde, em outra ocasião… – que sinto que estou cada vez mais entre aqueles que considera, baseado no pequeno e sempre expansível conhecimento que tenho da realidade sócio-ambiental do planeta, que aqueles que mais próximos estão de oferecer uma solução  plausível para nossos dilemas globais são os ecosocialistas. Trata-se de realizar – urgente! – uma system change, not climate change, pra citar o nome de uma das organizações mais significativas do ecosocialismo canadense, e cujo discurso muito me agradou – e digo isso após ter ouvido pessoalmente a uma conferência de Brad Hornick, ativista de Vancouver, no Forum Social de Peuples  2014, em Ottawa. Atualmente estudo o livro de Michael Löwy, “O Que É o Ecosocialismo”, e em breve pinta por aqui um ensaio… Quem se interessar pelo tema, fique de olho na Casa de Vidro!…

GREEN POWER:
The People’s Climate March in Toronto / 2014

This Changes Everything (by Naomi Klein)

a1
Flood Wall
Flood2
Flood6
Flood7
flood10
Flood11
Flood12
Flood15
nyc6Naomi Klein:

“The task is to articulate not just an alternative set of policy proposals but an alternative worldview to rival the one at the heart of the ecological crisis — embedded in interdependence rather than hyper-individualism, reciprocity rather than dominance, and cooperation rather than hierarchy.

This is required not only to create a political context to dramatically lower emissions, but also to help us cope with the disasters we can no longer to avoid. Because in the hot and stormy future we have already made inevitable through our past emissions, an unshakable belief in the equal rights of all people and a capacity for deep compassion will be the only things standing between civilization and barbarism.

We will not win the battle for a stable climate by trying to beat the bean counters at their own game—arguing, for instance, that it is more cost-effective to invest in emission reduction now than disaster response later. We will win by asserting that such calculations are morally monstrous, since they imply that there is an acceptable price for allowing entire countries to disappear, for leaving untold millions to die on parched land, for depriving today’s children of their right to live in a world teeming with the wonders and beauties of creation.

The climate movement has yet to find its full moral voice on the world stage, but it is most certainly clearing its throat—beginning to put the very real thefts and torments that ineluctably flow from the decision to mock international climate commitments alongside history’s most damned crimes.

Some of the voices of moral clarity are coming from the very young, who are calling on the streets and increasingly in the courts for intergenerational justice. Some are coming from great social justice movements of the past, like Nobel laureate Desmond Tutu, former archbishop of Cape Town, who has joined the fossil fuel divestment movement with enthusiasm, declaring that

“To serve as custodians of creation is not an empty title; it requires that we act, and with all the urgency this dire situation demands.”

Most of all, those clarion voices are coming from the front lines of Blockadia, from those lives most directly impacted by both high-risk fossil fuel extraction and early climate destabilization.

* * * * 

Recent years have been filled with moments when societies suddenly decide they have had enough, defying all experts and forecasters—from the Arab Spring (tragedies, betrayals, and all), to Europe’s “squares movement” that saw city centers taken over by demonstrators for months, to Occupy Wall Street, to the student movements of Chile and Quebec. The Mexican journalist Luis Hernández Navarro describes those rare political moments that seem to melt cynicism on contact as the “effervescence of rebellion”.

We long for more and in that longing have more company than we ever imagined. No one knows when the next such effervescent moment will open, or whether it will be precipitated by an economic crisis, another natural disaster, or some kind of political scandal. We do know that a warming world will, sadly, provide no shortage of potential sparks.

Thanks in particular to social media, a great many of us are continually engaged in a cacophonous global conversation that, however maddening it is at times, is unprecedented in its reach and power. Given these factors, there is little doubt that another crisis will see us in the streets and squares once again, taking us all by surprise.”

NAOMI KLEIN,
This Changes Everything
Photos: People’s Climate March & Flood Wall Street
September 21st 2014 NYC

Não Há Planeta B: A Aldeia Global Mobiliza-se Em Prol De Um “Futuro Verde”

12

por Eduardo Carli de Moraes || Especial para a Mídia Ninja

Cerca de 400 mil pessoas tomaram conta das ruas de Nova York no domingo, 21 de Setembro, para a People’s Climate March, a maior manifestação global já realizada para demandar ações concretas de combate às causas do aquecimento global. A sociedade civil do planeta azul mobilizou-se em 166 países, que realizaram juntos um total de 2808 eventos (segundo o site oficial).

Este tsunami de participação popular demanda um fim às práticas ecocidas que nos trouxeram ao limiar do colapso ecológico: as polifônicas vozes das ruas, mundo afora, exigem medidas drásticas em prol da redução das emissões dos gases de efeito estufa (em especial CO2 e metano), pedem o fim do desflorestamento e do extrativismo predatórios, enfatizam a necessidade de confrontar o poderio das mega-corporações poluidoras (como as empresas de petróleo e carvão), dentre outras reivindicações.

A jornalista e ativista canadense Naomi Klein, que acaba de lançar seu novo livro Isso Muda Tudo – O Capitalismo Contra o Clima,  oferece uma preciosa contextualização da crise ecológica que assola o planeta e enfatiza a urgência das ações coletivas para evitar que o fogo se alastre por nossa casa coletiva planetária:

“Nós sabemos que se continuarmos no mesmo rumo, permitindo que as emissões aumentem ano após ano, o aquecimento global vai mudar tudo em nosso mundo”, escreve Klein na introdução de sua recém-lançada obra. “Grandes cidades irão para baixo d’água, civilizações ancestrais serão engolidas pelo oceano, e há uma grande chance de que nossos filhos irão passar boa parte de suas vidas fugindo ou recuperando-se de terríveis tempestades e secas extremas. Tudo o que precisamos fazer para que este futuro aconteça é nada.”

Neste Setembro de 2014, um mês histórico para as mobilizações em prol de um “futuro verde”, a Aldeia Global botou a boca no trombone para dizer que um outro mundo não só é possível, ele é imprescindível e inadiável. Uma boa ilustração da crise que vivenciamos é o fato de que, no ano de 2013, catástrofes climáticas expulsaram mais de 22 milhões de pessoas de seus lares, segundo a Reuters [http://reut.rs/XS6JPB]. A tendência é que esse quadro piore com o aumento da temperatura do planeta: no século 20, os termômetros registraram um aumento geral de 0.6º C;  ao fim do século 21, caso não mudemos de rumo, a temperatura deve aumentar entre 1.3 e 5.8º C, de acordo com as previsões do Intergovernmental Panel on Climate Change.

As evidências empíricas de que o clima no planeta Terra está cada vez mais selvagem e fora de controle são inúmeras: segundo Naomi Klein, na década de 1970 as catástrofes climáticas registradas foram 660; na primeira década do novo século, o número quintuplicou e atingiu 3.322. Exemplos da exacerbação da fúria dos elementos não faltam: é só lembrar da devastação causada pelos furacões Mitch (que atingiu a América Central em 1998, causando mais de 18.000 mortes e um dano estimado em mais de 7 bilhões de dólares), Katrina (que em 2005 atacou com ferocidade os estados de Mississipi e Louisiana e causou imensa destruição em New Orleans) e Sandy (cujo custo para New York e New Jersey foi estimado em 65 bilhões de dólares).

Além da fúria dos ventos e das águas, estamos testemunhando também ondas de calor, seca e escassez de água em vários pontos do planeta: os reservatórios de água nunca estiveram tão baixos em toda a história do estado da Califórnia, nos EUA; já no Brasil, o reservatório da Cantareira, em São Paulo, também vivencia uma das mais graves baixas já registradas. Nem a Europa está imune: durante a onda de calor de 2003, “estima-se que 14 802 pessoas, a maioria idosos, morreram somente na França, segundo o maior serviço funerário do país.” (Wikipédia)

 Se nada for feito, o derretimento das geleiras e o aumento do nível dos mares irá em breve inundar inúmeras cidades costeiras e terras férteis, destruindo a economia de países inteiros (como Bangladesh, um dos mais visceralmente afetados) e gerando gigantes fluxos migratórios de “refugiados do clima”. Há grandes chances de um aumento das tensões de fronteira e guerras territoriais, além de um ascenso das ideologias xenófobas anti-imigração expostas tão bem no filme Children of Men, de Alfonso Cuáron.

Em Setembro de 2014, os cidadãos do mundo que estão conscientes da situação emergencial em que o planeta encontra-se provaram, nas ruas e nas redes, que nunca esteve tão forte a convergência de esforços em prol de um futuro verde e sustentável. Unidos nesta luta estão grupos como o 350.org, o Greenpeace, o Avaazo Idle No More, o System Change Not Climate Change, entre inúmeros outros.

A histórica mobilização que culminou com a People’s Climate March foi programada para coincidir com a Cúpula do Clima das Nações Unidas (United Nations Climate Summit). Desde Copenhagen, em 2009, que a ONU não realizava um encontro internacional desta magnitude, que conta em 2014 com a presença de 120 chefes de Estado e promete catalisar novos pactos internacionais que coloquem um freio na devastação ambiental e nas atividades econômicas que agravam o aquecimento global.

Encontros internacionais destinados a definir reduções das emissões de poluentes ocorrem desde a década de 1980: em 1988, em Toronto, ocorreu a Conferência Mundial Sobre Mudanças Na Atmosfera, que reuniu mais de 300 cientistas, além de líderes políticos de 46 países. O primeiro encontro da ONU sobre o tema, conhecido como Earth Summit, ocorreu no Rio de Janeiro em 1992, onde foram definidas as diretrizes que serviriam de base para todas as negociações subsequentes sobre a questão climática. Cinco anos depois, no Japão, quando foi firmado o Protocolo de Kyoto, a situação parecia encaminhar-se para um consenso internacional em prol da redução das emissões.

Infelizmente, o acordo gorou e Kyoto transformou-se em um fiasco: os EUA, por exemplo, que tem apenas um vigésimo da população total do globo mas é responsável por cerca de um quarto de toda a queima de combustíveis fósseis, pulou fora do acordo com o pretexto de que respeitá-lo faria mal à sua economia.  Outros países produtores de petróleo, como Arábia Saudita e Kuwait, também recusaram-se a respeitar o protocolo de Kyoto.  Não faltam evidências de que muitos líderes políticos e corporativos estão dispostos a sacrificar a vida no no altar dos lucros, desdenhar da ecologia em prol da economia, desconsiderar o commons  planetário em prol do enriquecimento da elite confortavelmente sentada no topo da pirâmide financeira global.

Flood7

Como enfatiza Naomi Klein, a encarnação atual do capitalismo, baseado na desregulação do setor privado e na austeridade aplicada à esfera pública, está em guerra contra a vida na Terra: o sistema econômico hegemônico  insiste em perseguir a falácia do crescimento infinito e do consumismo desenfreado, cego ao fato de que os recursos naturais e a capacidade de regeneração do planeta são finitos.

 Diante deste cenário distópico e assustador, não surpreende que são cada vez são mais numerosos os ativistas que percebem que as modificações essenciais para garantir um futuro sustentável entram em choque com a ortodoxia econômica e política hoje reinante. O fato da People’s Climate March ter desaguado no protesto Flood Wall Street é um indício que muita gente já acordou para o fato de que não é possível resolver o problema do aquecimento global sem mexer no vespeiro do fundamentalismo de mercado.

Para nos limitarmos a apenas um exemplo, vejam o quão vantajoso é para a indústria do petróleo prosseguir com suas práticas de devastação ecológica: os lucros das corporações envolvidas na exploração e comércio de combustíveis fósseis prosseguem estratosféricos, sendo que as 5 maiores empresas do ramo, entre 2001 e 2010, registraram somadas um lucro de 900 bilhões de dólares. Apesar do crash de 2008, que gerou uma das piores crises financeiras desde a Grande Depressão dos anos 1930, a gigante do óleo ExxxonMobil ganhou 41 bilhões em 2011 e 45 bilhões em 2012 (o CEO da empresa, Rex Tillerson, fatura cerca de 100.000 dólares por dia).

Do mesmo modo que é do interesse da indústria do tabaco negar que cigarros causam câncer de pulmão, também é do interesse da indústria dos combustíveis espalhar a lorota de que o efeito estufa causado por excesso de emissões de CO2 não existe – e que o consenso de 97% dos cientistas do mundo não passa de um complô de lunáticos e eco-chatos.

Estas corporações sabem muito bem que suas práticas estão contribuindo para o aquecimento global, mas fazem de tudo para impedir mudanças na legislação e desinformar a sociedade civil: subornam políticos, compram eleições, investem milhões em lobby negacionista, ordenam que a mídia corporativa minta para o grande público, dentre outras práticas bem distantes do fair play.  Em suma, os gigantes do petróleo fazem de tudo para negar sua responsabilidade pelo Efeito Estufa e para manter-nos alienados sobre as reais consequências de termos uma civilização tão dependente desta fonte de energia não-renovável e altamente poluente.

Como Naomi Klein demonstra tão bem em seus livros, foi justamente quando o fundamentalismo de mercado atingiu o seu auge (nos anos 1970 e 1980, através de figuras como Pinochet, Suharto, Tatcher e Reagan), que a crise ecológica planetária manifestou-se em toda a sua fúria – o que está longe ser mera coincidência. Agora, o consenso científico de 97% dos pesquisadores soa os alarmes e nos garante: se permitirmos a extração e queima de todo o petróleo, carvão e gás natural do planeta, iremos de encontro a uma série interminável de catástrofes climáticas.

Já que o capitalismo de vista-curta, viciado em lucros imediatos, indiferente às futuras gerações, não parece se importar com o fato de que está legando aos que ainda não nasceram um planeta devastado, de atmosfera irrespirável, é mais do que urgente que os terráqueos humanos, certos de que não há planeta B, levantem-se em defesa de Gaia.

Mother Jones

Para confrontar a crise climática será preciso, entre muitas outras ações, repensar nossos meios de transporte, em especial superando nossa fixação ao automóvel com motor de combustão interna. Somente nos EUA, por exemplo, são mais de 200 milhões de veículos, que no ano de 2001 atravessaram um total de 2,7 trilhões de milhas, emitindo 314 milhões de toneladas de CO2 (LYNAS, Mark. High Tide – The Truth About Our Climate Crisis. Preface, XXI. New York, Picador, 2004) . Um dos passos mais essenciais que hoje são necessários é o aumento dos investimentos em ciclovias e campanhas públicas de incentivo ao uso de bicicletas, além de melhorias no sistema de transporte público movido a energia limpa, o que já é uma realidade em metrópoles como Amsterdam ou Montréal, por exemplo.

 Outro setor que necessita ser urgentemente repensado e modificado é o da produção e consumo de alimentos, em especial pelo devastador efeito ecológico da agropecuária industrial, acusada por muitos pesquisadores de ser responsável por mais de 50% do total de emissões (saiba mais assistindo aos documentários CowspiracyMeat The Truth). É preocupante que seja tão minúsculo o número de consumidores que tem consciência, ao comer um lanche carnívoro em um McDonald’s ou Burger King, do sistema que está por detrás da produção daquela mercadoria. A devastação das florestas na Amazônia, por exemplo, está em larga medida relacionada com a necessidade de “abrir espaço” para os animais destinados a virarem bife: o Brasil é o principal exportador mundial de carne e estima-se que 70% do desflorestamento do “Pulmão do Mundo” deve-se às ações das corporações do mercado carnívoro (leia a reportagem do One Green Planet). O vegetarianismo, portanto, longe de ser uma mera escolha individual, é um dos caminhos coletivos mais promissores se quisermos uma sociedade sustentável.

A crise climática também pode servir como ótima ocasião para uma vasta coalização de movimentos sociais unirem-se em uma luta comum. Nos últimos anos, as resistências à lógica ecocida do mercado manifestaram-se com força em toda parte: em Istambul, a ameaça de demolição de um parque, para pôr em seu lugar um shopping center, fez eclodir um levante na Turquia; na Índia, os mega-projetos desenvolvimentistas e extrativistas, incluindo dúzias de projetos semelhantes ao da usina de Belo Monte, estão sendo confrontados pela guerrilha armada maoísta; em Chiapas, México, há mais de duas décadas os Zapatistas resistem contra o neo-imperialismo liberal (mais feroz do que nunca desde a entrada em vigência do NAFTA em 1994) e prosseguem na defesa da autonomia das populações indígenas e campesinas.

 O Brasil tem tudo para desempenhar um papel de relevância nas lutas globais por um outro mundo possível e por um futuro verde, sustentável, inclusivo. Caso nossas forças coletivas sejam mobilizadas de modo eficaz para a defesa da Amazônia, incluindo suas populações indígenas e sua riquíssima diversidade animal e vegetal, já que estaremos fazendo nossa parte para um mundo melhor. Tudo irá por água abaixo caso fracassemos em contestar a hegemonia do agronegócio depredatório, da bancada ruralista ecocida e do desenvolvimentismo “Belo Montista”.

Para terminar, vale mencionar que nas jornadas de Junho de 2013, quando ocorreu o levante brasileiro contra o aumento das tarifas do transporte público, ficou evidente um descontentamento massivo com o que Marilena Chauí chama de “caos urbano”, o resultado de nossas cidades estarem entregues em larga medida à lógica do capital sem freios. As manifestações no Brasil, que Naomi Klein também analisa em seu novo livro, aparecem-lhe como dignas de serem vinculadas a uma luta global contra as várias manifestações do “caos climático” iminente. Diante desta crise global, que impacta a todos os mais de 7 bilhões de humanos neste planeta, e que também afeta todas as espécies que constituem a Teia da Vida, torna-se cada vez mais necessário que a Aldeia Global levante-se para defender Gaia – e demandar transporte público com passe livre, com energia limpa, além de amplas ciclovias, certamente faz parte do processo.

A cada dia que passa torna-se mais explícito que o “business as usual” é uma rota para o suicídio coletivo e que não vai ser a confiança na Mão Invisível do Mercado, esta versão capitalista da Providência divina, que vai nos salvar dessa enrascada.

Confira também:

Documentário completo
Documentário completo “Disruption” (2014), lançado dias antes da People’s Climate March

* * * * *

Documentário de 15 minutos sobre a People's Climate March em Toronto, no Canadá

Documentário de 15 minutos sobre a People’s Climate March em Toronto, no Canadá

* * * * *

Saiba mais:

Climate Action Network
Intergovernmental Panel on Climate Change
Coalização Eco-socialista “System Change Not Climate Change”
Friends of the Earth
Rising Tide UK
Worldwatch Institute
Grist Magazine

Gaia em Estado de Emergência: A Aldeia Global Mobiliza-se para Soar os Alarmes #PeoplesClimateMobilization #FloodWallStreet

1
2

Amanhã (21 de Setembro) vai rolar a maior manifestação global já feita sobre a crise ecológica que atualmente devasta o planeta Gaia, a People’s Climate March [http://peoplesclimate.org/march/]. Em 2013, desastres naturais relacionados com o aquecimento global expulsaram mais de 22 milhões de pessoas de seus lares [Reuters: http://reut.rs/XS6JPB]. A tendência, nas próximas décadas, é um aumento exponencial dos “refugiados do clima” que serão obrigados a deixar áreas devastadas por inundações, furacões e secas. O evento deste 21 de Setembro, que ocorre simultaneamente nas ruas de mais de 100 cidades mundo afora (inclusive no Rio de Janeiro), é assim sintetizado por Naomi Klein:

“A whole lot of people are going to make the very loud point that climate change is a true emergency for humanity. (…) By sounding this people’s alarm, we will also be saying that we are no longer waiting for politicians to declare climate disruption an emergency and respond accordingly. We are going to declare the emergency ourselves, from below, just as social movements have always done. The day after the march, many will be taking part in Flood Wall Street events, to draw clear connections between the logic of frenetic profit-making that rules financial markets and the collective failure to take the measures necessary to prevent runaway climate change.” – The Guardian

Naomi Klein, que acaba de lançar seu novo livro This Changes Everything, é uma das lideranças mais importantes desta mobilização. Sua nova obra dá prosseguimento a uma carreira magistral como jornalista investigativa – seus livros anteriores são os essenciais No Logo The Shock Doctrine – e escancara o quanto o sistema econômico hegemônico em nosso planeta está em guerra contra a vida. Klein tem a coragem de dizer com toda a simplicidade, sem máscaras nem eufemismos, algumas das verdades mais “inconvenientes” sobre a crise climática global e sua relação com o capitalismo “desregulado” (ou neoliberal): uma das coisas que o neoliberalismo “libera”, afinal de contas, é que as corporações possam poluir a atmosfera e devastar o meio ambiente à vontade, sem que se preocupem com as consequências para as futuras gerações. É o “vale-tudo” dos lucros, que coloca a ganância imediatista à frente do equilíbrio da biosfera de nossa espaçonave Gaia. Se esta crise “muda tudo”, como sugere o título de Naomi Klein, é pois nos mostra a urgência de mudanças revolucionárias em nossos sistemas políticos e econômicos: deixar rolar o “business as usual” do capitalismo desregulado é um caminho suicida. Tudo o que precisamos fazer para que a catástrofe se concretize é… nada.

Portraits of Naomi Klein

“I denied climate change for longer than I care to admit. I knew it was happening, sure. But I stayed pretty hazy on the details and only skimmed most news stories. I told myself the science was too complicated and the environmentalists were dealing with it. And I continued to behave as if there was nothing wrong with the shiny card in my wallet attesting to my “elite” frequent-flyer status.

A great many of us engage in this kind of denial. We look for a split second and then we look away. Or maybe we do really look, but then we forget. We engage in this odd form of on-again-off-again ecological amnesia for perfectly rational reasons. We deny because we fear that letting in the full reality of this crisis will change everything.

And we are right. If we continue on our current path of allowing emissions to rise year after year, major cities will drown, ancient cultures will be swallowed by the seas; our children will spend much of their lives fleeing and recovering from vicious storms and extreme droughts. Yet we continue all the same.

What is wrong with us? I think the answer is far more simple than many have led us to believe: we have not done the things needed to cut emissions because those things fundamentally conflict with deregulated capitalism, the reigning ideology for the entire period we have struggled to find a way out of this crisis. We are stuck, because the actions that would give us the best chance of averting catastrophe – and benefit the vast majority – are threatening to an elite minority with a stranglehold over our economy, political process and media.” – Naomi Klein (The Guardian)

‪#‎FloodWallStreet‬ ‪#‎PeoplesClimateMarch‬

Confira também:

Aproveite e assista o recém-lançado documentário Disruption, completíssimo: