“SAPERE AUDE”: OUSE SABER! – O “Espírito das Luzes” segundo Tzvetan Todorov (São Paulo: Ed. Barcarola, 2006)

“Depois da morte de Deus e do desmoronamento das utopias, sobre qual base intelectual e moral queremos construir nossa vida comum?”

Em sua obra ‘O Espírito das Luzes’, Todorov busca sintetizar o percurso histórico e a relevância presente e futura do Esclarecimento ou Iluminismo; na sequência, A Casa de Vidro apresenta um excerto do livro:

DESENCANTAR PARA EMANCIPAR

Tzvetan_Todorov-Strasbourg_2011_(1)O primeiro traço constitutivo do pensamento das Luzes consiste em privilegiar o que escolhemos e decidimos por nós mesmos em detrimento daquilo que nos é imposto por uma autoridade externa. Essa preferência comporta então duas facetas, uma crítica e outra, construtiva: é preciso subtrair-se a toda tutela imposta aos homens de fora (…). Emancipação e autonomia são as palavras que designam os dois tempos, igualmente indispensáveis, de um mesmo processo. Para poder engajar-se nele, é preciso dispor da inteira liberdade de examinar, de questionar, de criticar, de colocar em dúvida: nenhum dogma ou instrução pode mais ser considerado sagrado.

Uma consequência indireta, porém decisiva, dessa escolha é a restrição que incide sobre o caráter de qualquer autoridade: esta deve estar de acordo com os homens, isto é, ser natural e não sobrenatural. É nesse sentido que as Luzes produzem um mundo ‘desencantado’… A tutela sob a qual viviam os homens antes das Luzes era, em primeiríssimo lugar, de natureza religiosa; sua origem era então ao mesmo tempo anterior à sociedade presente (fala-se nesse caso de ‘heteronomia’) e sobrenatural. É à religião que se dirigirá a maior parte das críticas, visando tornar possível que a humanidade tome nas mãos seu próprio destino. Trata-se, todavia, de uma crítica focada: o que se rejeita é a submissão da sociedade ou do indivíduo a preceitos cuja única legitimidade advém daquilo que uma tradição atribui aos deuses ou aos ancestrais; não é mais a autoridade do passado que deve orientar a vida dos homens, mas seu projeto para o futuro.

A grande corrente das Luzes não pleiteia o ateísmo, mas a religião natural, o deísmo, ou uma de suas numerosas variantes. A observação e descrição das crenças do mundo inteiro, às quais se consagram os homens das Luzes, não têm por objetivo recusar as religiões, mas conduzir a uma atitude de tolerância e à defesa da liberdade de consciência. Tendo rejeitado o antigo jugo, os homens fixarão novas leis e normais com a ajuda de meios puramente humanos – já não há lugar, aqui, para a magia nem para a revelação. À certeza da Luz descida do alto substituir-se-á a pluralidade de luzes que se difundem de pessoa para pessoa.

A primeira autonomia conquistada é a do conhecimento. Este parte do princípio de que nenhuma autoridade, por mais bem estabelecida e prestigiosa que seja, está livre de crítica. O conhecimento só tem duas fontes, a razão e a experiência, e ambas são acessíveis a todos. A liberação do conhecimento abre a via real ao desabrochar da ciência. (…) A física obtém progressos espetaculares, seguida pelas outras ciências: química, biologia e até sociologia ou psicologia. Os promotores desse novo pensamento queriam levar luzes a todos, pois estavam convencidos de que serviriam ao bem de todos: o conhecimento é libertador, eis o postulado. Favorecerão assim a educação em todas as suas formas, desde a escola até as academias, e a difusão do saber, por publicações especializadas ou por enciclopédias dirigidas ao grande público.”

Frontispício da Encyclopédie (1772), de Diderot, D'Alambert e outros, desenhado por Charles-Nicolas Cochin e gravado por Bonaventure-Louis Prévost. Esta obra está carregada de simbolismo: a figura do centro representa a verdade – rodeada por luz intensa (o símbolo central do iluminismo). Duas outras figuras à direita, a razão e a filosofia, estão a retirar o manto sobre a verdade. [Wikipédia]

“Frontispício da Encyclopédie (1772), escrita por Diderot, D’Alambert e outros colaboradores. A obra foi desenhada por Charles-Nicolas Cochin e gravada por Bonaventure-Louis Prévost; está carregada de simbolismo: a figura do centro representa a verdade – rodeada por luz intensa (o símbolo central do iluminismo). Duas outras figuras à direita, a razão e a filosofia, estão a retirar o manto sobre a verdade.” [Wikipédia]

A NOVA DIGNIDADE CONCEDIDA AO MUNDO SENSÍVEL

O princípio de autonomia revoluciona tanto a vida do indivíduo quanto a das sociedades. O combate pela liberdade de consciência, que deixa a cada um a escolha de sua religião, não é novo, mas deve ser perpetuamente recomeçado; ele se prolonga numa demanda de liberdade de opinião, de expressão, de publicação. Aceitar que o ser humano seja fonte de sua lei é também aceitá-lo por inteiro, tal como é, e não tal como deveria ser. Ora, ele é corpo e espírito, paixões e razão, sensualidade e meditação. São, também, infinitamente diversos, o que se constata ao passar-se de um país a outro, mas também de uma pessoa a outra.

É o que saberão dizer, melhor do que toda a literatura erudita, os novos gêneros que põem o indivíduo no centro de sua atenção: romance de um lado, autobiografia de outro. Gêneros que não aspiram mais a revelar as leis eternas das condutas humanas, nem o caráter exemplar de cada gesto, mas que mostram homens e mulheres singulares, envolvidos em situações particulares. (…) Atestam a nova dignidade concedida ao mundo sensível.

A exigência de autonomia transforma ainda mais profundamente as sociedades políticas; prolonga e cumpre a separação do temporal e do espiritual. No século das Luzes, ela produz uma primeira forma de ação: os autores de pesquisas livremente conduzidas se esforçavam para comunicar seus resultados aos soberanos benevolentes, para que estes inflectissem sua política. Isso é o que se espera de Frederico II em Berlim, de Catarina II em São Petersburgo ou de Josef II em Viena. Para além desse despotismo esclarecido – que cultiva a autonomia da razão no monarca, mas preserva a submissão do povo – essa exigência leva a dois princípios.

O primeiro é o da soberania, princípio já antigo que recebe aqui um novo conteúdo: a fonte de todo poder está no povo, e nada é superior à vontade geral. O segundo é o da liberdade do indivíduo em relação a todo poder estatal, legítimo ou ilegítimo, nos limites de uma esfera que lhe é própria; para assegurar essa liberdade, vela-se pelo pluralismo e pelo equilíbrio dos diferentes poderes. Em todos os casos está consumada a separação do teológico e do político; este se organiza desde então em função de seus próprios critérios.

LaiciteTodos os setores da sociedade tendem a se tornar laicos, ainda que os indivíduos permaneçam crentes. Esse programa concerne não somente ao poder político, mas também à justiça: o delito, dano causado à sociedade, é o único a ser reprimido, e deve ser diferenciado do pecado, falta moral para com uma tradição. Também a escola destina-se a ser subtraída ao poder eclesiástico para se tornar um lugar de propagação das Luzes, aberta a todos, portanto gratuita, e ao mesmo tempo obrigatória para todos. E assim a imprensa periódica, que passa a ser o lugar do debate público…

Laïcité

HUMANISMO SECULAR: VALORES TERRESTRES PARA UM MUNDO EMANCIPADO

A vontade do indivíduo, como a das comunidades, emancipou-se das antigas tutelas; isso quer dizer que não conhece mais nenhum limite? Não: o espírito das Luzes não se reduz unicamente à exigência de autonomia, mas traz também seus próprios meios de regulação. O primeiro diz respeito à finalidade das ações humanas permitidas. Esta desce à terra: não visa mais a Deus, mas aos homens. Nesse sentido, o pensamento das Luzes é um humanismo ou, se preferirmos, um antropocentrismo.

Não é mais necessário, como pediam os teólogos, estar sempre pronto a sacrificar o amor das criaturas ao do Criador; é possível contentar-se com amar outros seres humanos. Seja o que for a vida no além, o homem deve dar um sentido à sua existência terrena. A busca de felicidade substitui a da salvação. O próprio Estado não se coloca a serviço de um intento divino, seu objetivo é o bem-estar de seus cidadãos.

A segunda restrição imposta à livre ação tanto dos indivíduos como das comunidades consiste em afirmar que todos os seres humanos possuem, por sua própria natureza humana, direitos inalienáveis. As Luzes absorvem aqui a herança do pensamento do direito natural: ao lado dos direitos de que os cidadãos gozam no âmbito de sua sociedade, eles detêm outros, comuns a todos os habitantes do globo e, portanto, a cada um. (…) O pertencimento ao gênero humano, à humanidade universal, é mais fundamental ainda que o pertencimento a determinada sociedade. Se todos os seres humanos possuem um conjunto de direitos idênticos, decorre que sejam iguais em direito: a demanda de igualdade decorre da universalidade.

Ela permite empreender combates que continuam em nossos dias: as mulheres devem ser iguais aos homens perante a lei; a escravidão abolida, a alienação da liberdade de um  ser humano não pode jamais ser legítima; os pobres, os excluídos, os marginais, reconhecidos em sua dignidade etc. Essa afirmação da universalidade humana gera o interesse por sociedades diferentes daquela em que se nasceu. Os viajantes e os sábios não conseguem, do dia para a noite, deixar de julgar os povos longínquos a partir de critérios provindos de suas próprias culturas; no entanto, sua curiosidade é despertada, eles se tornam conscientes da multiplicidade de formas que a civilização pode assumir e começam a acumular informações e análises que, com o tempo, transformam-lhes a idéia de humanidade.

(…) Tal é, em linhas bem gerais, o generoso programa que se formula no século das Luzes. Como devemos julgá-lo hoje, 250 anos após seu surgimento? (…) Se quisermos hoje encontrar um apoio no pensamento das Luzes para enfrentar nossas dificuldades presentes, não podemos acolher todas as propostas formuladas no século XVIII – não somente porque o mundo mudou, mas também porque esse pensamento é múltiplo, não uno. É antes de tudo de uma refundação das Luzes que precisamos: preservar a herança do passado, mas submetendo-o a um exame crítico, confrontando-o lucidamente com suas consequências desejáveis e indesejáveis. Fazendo isso, não arriscamos trair as Luzes; ao contrário: a verdade é que as criticando, continuamos fiéis a elas, e colocamos em prática seu ensinamento.”

TZVETAN TODOROV
O Espírito das Luzes / L’Ésprit des Lumières
 SP: Barcarola, 2006.
Pgs. 9, 15.

* * * * *

SIGA VIAGEM:

* * * * *

UM CARTUM:

republique-laicite-tolerance-15-01-2015-2

* * * * *

UMA PINTURA:
delacroix (2)

Delacroix, “A Liberdade Liderando o Povo”

* * * * *

UMA ILUSTRA:

* * * * *

UM TEXTO DO KANT:

“O iluminismo representa a saída dos seres humanos de uma tutelagem que estes mesmos se impuseram a si. Tutelados são aqueles que se encontram incapazes de fazer uso da própria razão independentemente da direção de outrem. É-se culpado da própria tutelagem quando esta resulta não de uma deficiência do entendimento mas da falta de resolução e coragem para se fazer uso do entendimento independentemente da direção de outrem. Sapere aude! Tem coragem para fazer uso da tua própria razão! – esse é o lema do iluminismo”.

IMMANUEL KANT. Leia o artigo completo: resposta de Kant à enquete “O Que é O Esclarecimento?”, escrita em Königsberg, Prússia, 1784.

* * * * *

OUTRAS LEITURAS SOBRE O MESMO TEMA:

ADORNO E HORKHEIMERDialética do Esclarecimento.
ERNST CASSIRER. The Philosophy of the Enlightenment.
ROUANET, S. P. As Razões do Iluminismo.

EM A CASA DE VIDRO

MICHEL FOUCAULT: HERDEIRO DO ILUMINISMO?

BIBLIOTECA EPICURISTA: 15 LIVROS COMPLETOS PARA COMPREENDER A FILOSOFIA DE EPICURO E LUCRÉCIO

Epikur_Statue

EPICURO
(341-270 A.C.)

Marble bust of Epicurus. Roman copy of Greek original, 3rd century BC London

Marble bust of Epicurus. Roman copy of Greek original, 3rd century BC. London.

ALGUNS LIVROS PARA SABER MAIS SOBRE A FILOSOFIA EPICURISTA // LUCRECIANA
(E-BOOKS // DOWNLOAD GRATUITO)

livro-volume-v-os-pensadores-epicuro-lucrcio-ccero-sneca-marco-aurlio-1-638

OS PENSADORES – EPICURO, LUCRÉCIO, CÍCERO, SÊNECA, MARCO AURÉLIO
(Abril, 591 pgs)
DOWNLOAD EBOOK

* * * * *

Epicurea“EPICUREA”
Cambridge Classics
Edited by Hermann Usener
2010, 530 pgs.
DOWNLOAD EBOOK 

Hermann Karl Usener (1834-1905) published his monumental Epicurea in 1887. The volume is a collection of Epicurean texts and citations from a wide range of classical authors including Arrian, Cicero, Diodorus, Euripides, Plato and Seneca. The volume includes critical texts of Epicurus’ most important letters: Letter to Menoeceus, Letter to Herodotus and Letter to Pythocles, preserved by the third-century compiler Diogenes Laertius. The letters give important summaries of Epicurus’ philosophy. Usener’s pioneering work represented the first attempt to deal critically with the manuscript traditions behind Epicurean texts. His reconstructions of the texts included in this volume are based on a thorough understanding of the trajectories of textual transmission. Each text is supported by a detailed critical apparatus, and another apparatus records manuscript glosses and scholia. This work provided for the first time accurate and reliable texts for the critical study of Epicureanism.

* * * * *

Diogenes Laercio

“LIVES OF EMINENT PHILOSOPHERS” – BOOKS 6-10
Diogenes Laertius
DOWNLOAD EBOOK

This rich compendium on the lives and doctrines of philosophers ranges over three centuries, from Thales to Epicurus (to whom the whole tenth book is devoted); 45 important figures are portrayed. Diogenes Laertius carefully compiled his information from hundreds of sources and enriches his accounts with numerous quotations. Diogenes Laertius lived probably in the earlier half of the 3rd century CE, his ancestry and birthplace being unknown. His history, in ten books, is divided unscientifically into two ‘Successions’ or sections: ‘Ionian’ from Anaximander to Theophrastus and Chrysippus, including the Socratic schools; ‘Italian’ from Pythagoras to Epicurus, including the Eleatics and sceptics. It is a very valuable collection of quotations and facts. The Loeb Classical Library edition of Diogenes Laertius is in two volumes.

* * * * *

De Witt“Epicurus and His Philosophy”
by Norman Wentworth DeWitt
(1954, 396 pgs)
DOWNLOAD EBOOK

Epicurus and His Philosophy was first published in 1954. In this volume, the first comprehensive book in English about Epicurus, existing data on the life of the ancient philosopher is related to the development of his doctrine. The result is a fascinating account that challenges traditional theories and interpretations of Epicurean philosophy. Professor DeWitt demonstrates the fallacy of centuries of abuse of Epicurus and the resulting distortion of most discussions of Epicureanism that appear in standard philosophical works…

[+] Book Review at JSTOR

* * * * *

St Paul“St. Paul and Epicurus”
by Norman Wentworth DeWitt
(1954, 212 pgs.)
DOWNLOAD EBOOK

St. Paul and Epicurus was first published in 1954. Everyone who is interested in the meaning of the Bible will find this a revealing study, for it opens up a new window on the New Testament, a window that was walled up centuries ago by prejudice. Professor DeWitt throws new light on the writings of the Apostle Paul by showing how they were influenced by the teachings of the Greek philosopher Epicurus. That Epicureanism could have a place in Christian religion may come as a surprise to those familiar with the conventional concept of the philosophy of Epicurus. As demonstrated in the meaning of the English word epicure, derived from the name of the ancient philosopher, the modern world has long associated Epicurus with the indulgence of sensual pleasure in food and drink. But,as Professor DeWitt makes clear both in this volume and in its predecessor, Epicurus and His Philosophy, the pleasures which the ancient Greek espoused as constituting the chief good of life were not the pleasures of the flesh. The merit and the lure, however, of the Epicurean ethic, which allied happiness with pleasure, were so appealing and so widely acknowledged that Paul had no choice but to adopt it and bless it for his followers with the sanction of religion. He could not, though, admit indebtedness to a philosopher who had long been accused of sensualism and atheism, and there was no choice, therefore, but to consign Epicurus to anonymity. Through his scholarly investigation into the Epicurean source of certain portions of the Epistles, Professor DeWitt provides new explanations or translations for seventy-six biblical verses. The close scrutiny of biblical passages is carried out, not in a spirit of vandalism, but in a quest for accuracy, and the result is a challenging, readable, and absorbing book.

* * * * *

Konstan“A Life Worthy of the Gods: The Materialist Psychology of Epicurus”
by David Konstan
(2008, 200 pgs)
DOWNLOAD EBOOK

Epicurus, and his Roman disciple Lucretius, held that the primary cause of human unhappiness was an irrational fear of death. What is more, they believed that a clear understanding of the nature of the world would help to eliminate this fear; for if we recognise that the universe and everything in it is made up of atoms and empty space, we will see that the soul cannot possibly survive the extinction of the body – and no harm to us can occur after we die. This liberating insight is at the core of Epicurean therapy. In this book, Konstan seeks to show how such fears arose, according to the Epicureans, and why they persist even in modern societies. It offers a close examination of the basic principles of Epicurean psychology: showing how a system based on a materialistic world view could provide a coherent account of irrational anxieties and desires, and provide a therapy that would allow human beings to enjoy life to the fullest degree.

* * * * *

Festugieres“Epicurus and His Gods”
Andre-Jean Festugière
(Harvard, 108 pgs)
DOWNLOAD EBOOK

Table of Contents

PREFACE

I THE STATE OF RELIGION AT THE BEGINNING OF THE HELLENISTIC AGE
II THE LIFE OF EPICURUS
III EPICUREAN FRIENDSHIP
IV THE RELIGION OF EPICURUS
V EPICURUS AND THE ASTRAL RELIGION

BIBLIOGRAPHY

* * * * *

Tim O Keefe“Epicurus On Freedom”
Tim O’Keefe
(Cambridge, 2005, 186 pgs)
DOWNLOAD E-BOOK

The ancient Greek philosopher Epicurus (341-271/0 BCE) has attracted much contemporary interest. Tim O’Keefe argues that the sort of freedom which Epicurus wanted to preserve is significantly different from the ‘free will’ which philosophers debate today, and that in its emphasis on rational action has much closer affinities with Aristotle’s thought than with current preoccupations. His original and provocative book will be of interest to a wide range of readers in Hellenistic philosophy.

* * * * *

Facing Death by James Warren“Facing Death”
James Warren
(Oxford, 2006, 256 pgs)
DOWNLOAD E-BOOK

The ancient philosophical school of Epicureanism tried to argue that death is “nothing to us.” Were they right? James Warren examines the arguments they offered and evaluates their success, setting them against modern philosophical accounts of how death can be a harm. He also asks whether a life free from all fear of death is an attractive option and what the consequences would be of a full acceptance of the Epicureans’ views.

* * * * *

Epicurus and the Epicurean Tradition

“Epicurus and the Epicurean Tradition”
Jeffrey Fish, Kirk R. Sanders
(Cambridge, 2011, 281 pgs)
DOWNLOAD EBOOK

* * * * *

“The Greek Atomists and Epicurus”
by Cyril Bailey
(1964, 619 pgs)
DOWNLOAD EBOOK

* * * * *

Lucretius

“Lucretius and the Transformation of Greek Wisdom”
David N. Sedley
(Cambridge, 2008, 254 pgs)
DOWNLOAD EBOOK

This book studies the structure and origins of De Rerum Natura (On the nature of things), the great first-century BC poem by Lucretius. By showing how he worked from the literary model set by the Greek poet Empedocles but under the philosophical inspiration of the Greek philosopher Epicurus, the book seeks to characterize Lucretius’ unique poetic achivement. It is addressed to those interested both in Latin poetry and in ancient Greek and Roman philosophy.

* * * * *

Lucretius2“Lucretius: On the Nature of Things (1873 press)”
Titus Lucretius Carus, translation by W.H.D. Rouse
DOWNLOAD EBOOK

* * * * *

Lucretius3

“The Cambridge Companion to Lucretius”
Stuart Gillespie, Philip Hardie
(Cambridge, 2007, 382 pgs)
DOWNLOAD EBOOK

Lucretius’ didactic poem De rerum natura (‘On the Nature of Things’) is an impassioned and visionary presentation of the materialist philosophy of Epicurus, and one of the most powerful poetic texts of antiquity. After its rediscovery in 1417 it became a controversial and seminal work in successive phases of literary history, the history of science, and the Enlightenment. In this Cambridge Companion experts in the history of literature, philosophy and science discuss the poem in its ancient contexts and in its reception both as a literary text and as a vehicle for progressive ideas. The Companion is designed both as an accessible handbook for the general reader who wishes to learn about Lucretius, and as a series of stimulating essays for students of classical antiquity and its reception. It is completely accessible to the reader who has only read Lucretius in translation.

* * * * *

Lucretius4

“Oxford Readings in Lucretius”
Monica R. Gale
(Oxford, 2007, 400 pgs)
DOWNLOAD EBOOK

This book gathers together some of the most important and influential scholarly articles of the last sixty to seventy years (three of which are translated into English here for the first time) on the Roman poet Lucretius. Lucretius’ philosophical epic, the De Rerum Natura or On the Nature of the Universe (c.55 BC), seeks to convince its reader of the validity of the rationalist theories of the Hellenistic thinker Epicurus. The articles collected in this volume explore Lucretius’ poetic and argumentative technique from a variety of perspectives, and also consider the poem in relation to its philosophical and literary milieux, and to the values and ideology of contemporary Roman society. All quotations in Latin or Greek are translated.

* * * * *

Lucretius Serres“The Birth of Physics”
Michel Serres
(2001, 109 pgs)
DOWNLOAD EBOOK

The Birth of Physics focuses on the largest text still intact to reach us from the Ancient Greek Atomists – Lucretius’ De Rerum Natura – but mobilises everything we know about the related scientific work of the time (Archemides, Epicurus et al) in order to demand a complete reappraisal of the legacy. Serres argues that the Greeks had all the mathematical resources to formulate an adequate picture of the physical principles acting on matter. Crucial to his reconception of the Atomists’ thought is a recognition that their model of atomic matter is essentially a fluid one – they are describing the actions of turbulence. Recognition of this fact throws in relief the force of this ancient thought with respect to the recent disciplines of chaos and complexity. It explains the continuing presence of Lucretius in the work of such scientific giants as Nobel Laureates Schroedinger and Prigogine. This book is truly a landmark in the study of ancient physics and will promote not only more work in the area but also stimulate a more general rebirth of philosophical interest in the ancients.