SINAIS DE FUMAÇA NA CIDADE: Uma Sociologia da Clandestinidade na Luta Contra a Ditadura no Brasil – Reflexões sobre a obra de Henri Acselrad

“Quando perdemos a capacidade de nos indignarmos com as atrocidades praticadas contra outros, perdemos também o direito de nos considerarmos seres humanos civilizados.” 

Vladimir Herzog (1937 – 1975)

A verdade, para muitos intragável, sobre a Ditadura Civil-Militar brasileira (1964 – 1985), o fato que muitos dos defensores e apologistas da violência de Estado não gostam de mencionar (nem mesmo querem lembrar…), é a imensidão do sangue juvenil que os ditadores derramaram impunemente. “Eles mataram garotos”, anuncia a manchete da matéria de Cynara Menezes, a jornalista de cognome Socialista Morena.

“Eles”, no caso, são os agentes de repressão a mando da ditadura militar brasileira, que deixaram um rastro de sangue e vísceras calculado em cerca de 434 vítimas fatais, oficialmente reconhecidas pela Comissão Nacional da Verdade. Sobretudo jovens, a maior parte deles com alto grau de escolarização. Um levantamento por idade entre os mortos e desaparecidos descobriu: “56% deles eram jovens” pois “tinham menos de 30 anos de idade”, sendo que “29%, ou quase um terço dos mortos e desaparecidos da ditadura, tinham menos de 25 anos. São esses meninos que os defensores do coronel Brilhante Ustra falam que pretendiam implantar a ‘ditadura do proletariado’ no País e por isso foram barbaramente torturados e executados.” (MENEZES, Cynara: 2016)

Se somarmos a esta abordagem por faixas etárias o fator “escolaridade”, também descobriremos outras verdades que os Bolsominions e outros defensores da ditadura dos milicos não gostam de reconhecer, muito menos de deixar propagar: “pelas estatísticas do projeto Brasil: Nunca Mais, 62,7% das pessoas atingidas pela repressão e envolvidas em processos políticos tinham curso universitário incompleto ou completo, enquanto na população economicamente ativa, segundo o Censo Demográfico de 1970, os diplomados e estudantes universitários perfaziam apenas 3,9%.” (ACSELRAD, H: 2015, p. 40.)

Qualquer país que estivesse interessado em aprender com as atrocidades pretéritas tendo por alvo a construção de uma resolução coletiva de nunca mais repetir os horrores de outrora teria que enfrentar, coletivamente, o desafio de punir tais crimes. Para depois instituir uma educação devotada à crítica de todas as condições que possibilitaram este horror: o extermínio em massa, em especial entre 1968 e 1973, de jovens brasileiros, a maioria deles estudantes altamente escolarizados, que decidiram se engajar em organizações de contestação e combate ao regime nascido do golpe de Estado de 1964.

Corte para o Brasil de 2019, (des)governado por uma figura cujas ações e posturas éticas não nos deixam solução senão diagnosticá-lo como um canalha sádico e subletrado, violador impune de todos os códigos de ética e direitos humanos conhecidos pela “humanidade civilizada”. O sujeito célebre por dizer que “é favorável à tortura”, que “a ditadura matou foi pouco”, que “tinha que ter matado 30 mil” e que tem como ídolos e heróis figuras como Ustra e o Duque de Caxias.

Aquele mesmo, responsável por ofender com uma cusparada cheia de catarro os familiares que buscam os ossos de seus familiares desaparecidos: em 2004, o deputado posou numa foto em que se lia “quem procura osso é cachorro”, referindo-se aos parentes enlutados, em busca dos restos mortais de seus entes queridos, ou seja, pessoas que o Estado assassinou na repressão à Guerrilha do Araguaia.

O deputado Jair Bolsonaro, em seu gabinete no Congresso Nacional, exibe um cartaz onde protesta contra a procura dos restos mortais dos guerrilheiros do Araguaia. Data: 01/12/2004.
Foto: Dida Sampaio / Agência Estado.

Neste momento histórico catastrófico, em que ao golpe de Estado de 2016 seguiu-se, em 2018, o cárcere imposto pelo aparato jurídico golpista à candidatura de Lula, que segundo todas as pesquisas se consagraria vitoriosa, tornou-se mais do que nunca necessário rememorar aquele período sombrio que durou bem mais que 21 anos. Os ecos da ditadura ainda ressoam entre nós. E tudo indica que ela ressurge, assanhada, capitaneada pela extrema-direita neo-fascista, o Bolsonarismo lambe-botas de Trump. Bem-vindos à distopia do real!

A Monstra insepulta da Ditadura está aqui novamente, produzindo cadáveres, espalhando o terror, amordaçando a diversidade das vozes, mandando que se calam e se imobilizem todos os protestos e marchas. Enquanto o presidente ordenou a “comemoração” do golpe de 1964 no início de seu mandato, em Março de 2019, o Exército cometia “equívocos” como fuzilar com 80 tiros um carro de família qu  ia a um chá de bebê, assassinando “por engano” a duas pessoas – Evaldo Rosa e Luciano Monteiro – que o Chefe de Estado equiparou a “ninguéns”. Nesse cenário  abundam faíscas e estopins capazes de reacender os debates sobre a luta armada contra a ditadura militar.

O intento de criminalização do comunismo não é nada de novo em nossa história, tampouco é novidade querer estigmatizar como “terroristas” os ativistas de movimentos sociais (como MST, MTST, Levante, APIB, Ninja etc.). No cinema, a estréia de Wagner Moura como diretor na cinebiografia Marighella, estrelada por Seu Jorge, desde sua estréia em Berlim já acirrou as controvérsias sobre a vida, a obra e o legado do revolucionário baiano.

Publicações recentes, como o livro Cativeiro Sem Fim de Eduardo Reina, revelam em minúcias algumas das menos conhecidas atrocidades cometidas pelo terrorismo de Estado, como o sequestro de crianças e a adoção ilegal de filhas de militantes políticos e guerrilheiros (veja na matéria da BBC). A imprensa também noticiou que documento da CIA relata que cúpula do Governo militar brasileiro autorizou execuções (El País).

Um dos melhores livros já escritos sobre a época da ditadura é “Sinais de Fumaça na Cidade: Uma Sociologia da Clandestinidade na Luta Contra a Ditadura no Brasil”, de Henri Acselrad (professor da UFRJ). Obra crucial pra compreender esta “experiência nevrálgica da histórica contemporânea brasileira” que foram as organizações clandestinas de combate ao regime ditatorial, ou seja, a “oposição extrainstitucional à ditadura”: “A análise se centra de forma original nos efeitos não intencionais produzidos pela clandestinidade na vida real dos bairros populares em que os ativistas se autoexilavam”, explica José Sérgio Lopes, professor de Antropologia Social na UFRJ.

Através de 50 entrevistas de longa duração com ex-militantes, Henri Acselrad e sua equipe de pesquisa produziram um documento histórico de imenso valor para o nosso presente.

Segundo a lavagem cerebral que a Ditadura praticava nas Escolas, sob o nome de Educação Moral e Cívica, ou na Mídia (com programas que, se fossem sinceros, se chamariam Vozes Em Prol de Um Cidadão Servil), o estudante devia apenas estudar, e nunca se meter em política. Soa familiar?

Parte dos indivíduos que em suas juventudes vivenciaram a radicalização do movimento estudantil acabaram por aderir à luta armada contra o regime nascido do golpe de 1964. Esta decisão acarretou para eles uma radical transformação existencial, um transtorno total de seus cotidianos.

Acselrad lê com o auxílio do filósofo Henri Lefebvre (autor de O Direito à Cidade e da Introdução ao Marxismo) este processo complexo de metamorfose ambulante (pra lembrar Raul Seixas) que faz com que o sujeito, agora lançado à clandestinidade, adentre outros espaços sociais, novas situações e contextos. Quase sempre, trata-se de um estudante que se radicaliza, proveniente mais das classes médias que do proletariado, e que se transmuta de cidadão engajado em vias institucionais de luta política em um militante clandestino de um movimento armado de combate ao regime, de revolucionamento do presente tido por indignante, revoltante, inaceitável.

Passando a vivenciar extraordinários cotidianos onde o risco de prisão e morte violenta está sempre presente, dada a perseguição por parte das forças de repressão do Estado, mas em que também nascem interações das mais variadas com os moradores dos bairros populares e proletários onde é costumeiro que o guerrilheiro se hospede.

O trabalho da memória realizado por Axelrad culmina numa reflexão sobre as “condições de possibilidade da política”, ou seja, o autor é o portador de questões sobre “onde a política se teria refugiado quando esta fora, pelo regime de exceção, inviabilizada; quando toda dissidência fora calada, dada a imposição, pelo medo, do conformismo e do silêncio… em que interstícios, em que frestas da vida social, a política se fazia então possível e sob que formas? Temos aqui como referência, por certo, não a política como a atividade consentida, tolerada e regulada pelos detentores da força armada do regime de exceção, mas aquela investida na articulação entre o poder transformador da palavra e a força da organização autônoma dos sujeitos sociais; quer dizer, propriamente aquela que se condensava no conjunto de discursos e práticas que foram constrangidos a sair do âmbito da visibilidade pública.” (p. 19)

A mordaça, a censura, o silenciamento, além dos “desaparecimentos”, torturas e massacres, eram estratégias radicais de despolitização da sociedade pois visavam aniquilar justamente aqueles cidadãos cujo índice de politização e engajamento era maior, mais intenso, chegando às vezes a constituir quase que um sacerdócio secular, uma atividade que dá sentido à existência e à qual se adere com total devotamento. A leitura atenta, cuidadosa e meditativa desta obra-prima de Henri Axelrad poderia nos curar de muitas de nossas patologias do social, sobretudo pela empatia com o que o autor lida com seus personagens, uma atitude ética que convida o leitor a nunca se apressar a tacar pedras sobre aqueles que a Ditadura queria nos convencer que não passavam de terroristas, indignos de viver, digno de ser exterminados pela violência supostamente legítima do aparato estatal de repressão à dissidência.

“A indignação ante o golpe de Estado – golpe cujo objetivo, em 1964, foi o de sufocar o crescente processo de expressão pública dos setores populares – nutriu-se, em grande parte, do modo como o poder arbitrário, ao mesmo tempo em que estreitava o espaço do debate público, promovia uma degradação do sentido das palavras: a quebra da legalidade democrática fora feita em nome da democracia; a censura foi justificada como requisito da proteção da liberdade; a produção cultural foi cerceada a pretexto da proteção dos valores; a Justiça era encenada em tribunais militares de exceção que pretendiam encarnar uma suposta legalidade; um simulacro de Congresso operava sob a ameaça permanente de cassações de mandato. A política antipolítica do regime fez com que as mobilizações de massa que foram se configurando nas grandes cidades a partir de 1966 fossem carregadas com o sentido de uma luta pela recuperação da política, mesmo quando materializaram-se, a partir de 1969, através de ações armadas.” (p. 198 – 199)

A Ditadura, em seus efeitos concretos, significa o fechamento da arena pública, o silenciamento da multiplicidade de vozes em diálogo e debate polêmicos na ágora. Busca “manufaturar um consenso” (para emprestar a expressão de Chomsky) através de um ideologia de unidade nacional que é, em sua essência, excludente, racista e violenta. Exterminadora da alteridade e sua diversidade, a Ditadura desejava reduzir o Brasil ao idêntico, fazer de todos os cidadãos umas ovelhas adestradas, babando diante da TV Globo, indiferentes à política, assim entregue de mãos beijadas às elites financeiras, sobretudo a dos EUA, diretamente responsável pelo financiamento e apoio ao Golpe de Estado. Como, com a imprensa, as artes e as universidade sob estrita censura, um discurso crítico poderia circular nesta sociedade que se pretendia fechada e de verdade única?

Ora, um dos interesses da obra de Acselrad está na investigação que faz das “condições em que se teria dado a busca pela construção silenciosa de alguma espécie de microarena pública onde a política transformadora, a partir de então situada na ação subterrânea, poderia encontrar-se com a circulação eventual de um discurso crítico, ainda que oculto, no cotidiano popular… É nesses contextos discursivos circunscritos onde se teria podido buscar o desenvolvimento conjunto de capacidade de reflexão e de criação de sentido crítico.

Pois em regimes autoritários, a circulação restrita da crítica política tende a dar-se apenas em enclaves espaçotemporais que operam como micropúblicos, contraespaços, esferas de autonomia ou de recuo social, interstícios da vida social onde situações de co-presença podem vir a propiciar atividades de resistência, mobilização, recrutamento e formação de redes de apoio à luta contra o arbítrio.

(…) Assim sendo, a luta clandestina ter–se-ia também materializado numa rede de lugares e trajetos – espaços de ação como favelas, trens e portas de fábrica, onde realizavam-se panfletagens e comícios relâmpagos; agências bancárias objeto de ações armadas; locais de reunião ou de refúgio, pontos de encontro, áreas de deslocamento sistemático e rotas de fuga.

Essa trama socioespacial evoca, a propósito, aquilo a que Michel Foucault chamou de heterotopias, lugares precisos e reais onde as utopias têm um tempo determinado, ao contrário daquela, mais correntemente evocada, situada apenas ‘na mente dos homens, no interstício de suas palavras, no lugar sem lugar de seus sonhos’ (Foucault, 1966: 1).

Essas utopias outras (heterotopias), diz ele, são aquelas que podemos situar no mapa, que podemos fixar e medir no calendário de todos os dias, manifestações de aspirações ou imagens do desejo que se orientam na direção da ruptura da ordem estabelecida e exercem uma ‘função subversiva’ (Mannheim, 1969: 36).

(…) Os militantes clandestinos… nas condições de restrição violenta à liberdade de expressão e ao exercício da política, procuravam reagir à opressão a que estavam submetidos… procuraram, em plena vigência do regime de arbítrio, num país então enquadrado por máquinas repressivas, construir, movidos por sua utopia, contraespaços sem os quais, nos termos de Foucault, na vida de qualquer país, ‘os sonhos acabam, a espionagem substitui a aventura e a feiúra das polícias substitui a beleza ensolarada dos corsários.’ (1966: 7)” (ACSELRAD, 2015, p. 25-26)

“50 anos após o golpe de 1964 e 30 anos após o fim da ditadura, voltou-se a discutir o que dela restou: a violência de Estado, a militarização das políticas; a impunidade dos torturadores; uma lei da Anistia pela qual os responsáveis pela ditadura perdoaram a si próprios e a seus esbirros; as evidências de que grandes interesses econômicos (…) lucraram com o golpe, além de terem se envolvido no apoio à sua realização, à continuidade do regime que dele decorreu, e, em certos casos, no próprio financiamento direto à repressão e à tortura. Mas também restou a degradação política – não só porque grande parte dos agentes da grande política, nos termos Gramscianos, foram, durante a ditadura, presos, mortos ou exilados, deixando um vazio geracional de reflexão crítica e de projetos utópicos; mas porque se mergulhou o sistema político em um realismo que nega a possibilidade do povo mobilizar sua inteligência coletiva para pensar sua própria condição, seu devir e os meios de construí-lo.

(…) Pois fato é que, ao longo do processo histórico que se seguiu ao fim da ditadura, notadamente a partir dos anos 1990, novas modalidades de restrição ao exercício da grande política foram se apresentando. A política foi deixando de designar o domínio da ação do poder legítimo de organizar a vida coletiva, sendo associada à função que consiste em organizar as condições de exercício de um poder que lhe é superior, o poder financeiro…. A política, ao longo dos processos desencadeados pelas reformas neoliberais, não parece designar mais a esfera de afirmação de uma soberania popular, mas uma arte de domesticar os sujeitos a serviço de forças financeiras.”  (p. 200)

ACSELRAD, Henri. Sinais de Fumaça na Cidade. 

A Ditadura militar brasileira, a exemplo de outras que se instalaram pela América Latina (no Chile, na Argentina, no Uruguai, na Guatemala etc.), esteve sempre vinculada ao capitalismo selvagem, às forças financeiras que entronam o lucro como divindade superior à tudo, Mammon devorador de vida sacrificável.

O lucro é o deus idolatrado por este regime elitista e entreguista, subserviente à metrópole ao Norte, e seu modos operandi básico consiste naquilo que o sociólogo Jessé de Souza chamou de “a construção social da subcidadania”. A subcidadania dos excluídos, dos famélicos, dos sem terra, dos sem teto, dos rebeldes, todos eles tidos como “ninguéns” e como “extermináveis”.

Como aponta com razão Acselrad, a patologia social daquele período poderia ser descrita como “psicose da segurança” (Jornal do Brasil, 1971, p. 100):

“A ditadura é, via de regra, apoiada em um movimento permanente de destruição, em distintas escalas, de arenas públicas emergentes, seja através da censura à imprensa, da dissolução de organizações sociais, do enclausuramento de críticos e oponentes, da exposição exibicionista do poder arbitrário da máquina repressiva ou da internalização do medo em larga escala na população.

(…) A tortura era uma prática tradicional em centros de custódia no Brasil e (…) são inúmeras as matérias registrando repressão a práticas não armadas quando militantes eram flagrados em reuniões ou atos públicos considerados subversivos… passeatas, comícios, eram considerados como perigos para a segurança nacional…faltava o espaço público, exatamente aquele que estava sendo, naquele contexto histórico, sistematicamente destruído pelo regime de exceção. É por isso que, quando este espaço tornou-se o lugar da violência repressiva e do silenciamento do litígio, foi na cena clandestina onde refugiou-se o poder transformador da palavra e a dimensão literária da política.”

(ACSELRAD: 2015, p. 64, 109, 111 e 183)

 

EXPLORE TAMBÉM:

Noam Chomsky e mais 300 intelectuais defendem Lula Livre! Em visita ao preso político, Chomsky declarou: “Lula é uma das figuras mais extraordinárias do século 21 e a pessoa que, por direito, deveria ser o próximo presidente do Brasil.”

Noam Chomsky é Lula Livre!

Nascido na Filadélfia, em 1928, Chomsky é um dos maiores intelectuais vivos do mundo. Com 90 anos de idade, destaca-se como uma figura de impressionante ecletismo, que já marcou época como linguista, filósofo, cientista cognitivo, pensador e ativista político. (Saiba mais na biografia da Wikipedia)

Respeitado mundialmente por sua vasta obra e por seu engajamento em inúmeras causas envolvendo direitos civis pelo mundo afora, Chomsky esteve no Brasil em Setembro de 2018 a convite de Celso Amorim, ex-Ministro das Relações Exteriores do Governo Lula, participando de um seminário na Fundação Perseu Abramo.

Após visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Curitiba, Chomsky descreveu-o como “uma das figuras mais extraordinárias do século 21 e a pessoa que, por direito, deveria ser o próximo presidente do Brasil.” Em entrevista à BBC News Brasil, afirmou que a pena (de 12 anos de reclusão) a que foi condenado é totalmente desproporcional ao suposto crime que ele teria cometido:

Chomsky – O crime específico pelo qual ele foi condenado foi a alegação de que um apartamento foi dado a ele, no qual ele nunca morou. Mesmo se assumirmos a versão mais extrema de que ele é culpado de todas as acusações, o que eu duvido, a sentença é completamente desproporcional.

O testemunho (do ex-presidente da OAS, Leo Pinheiro) inspira desconfiança por ter sido obtido em delação premiada. É evidente que a sentença é meramente punitiva e não tem relação com a natureza do crime. A negação ao habeas corpus (para que Lula pudesse recorrer em liberdade) reforça isso.

Ele sem dúvida deveria ter o direito de concorrer nas eleições, como recomenda o Comitê de Direitos Humanos da ONU (que em agosto recomendou que o Brasil garantisse os direitos políticos do ex-presidente, mesmo na prisão, como candidato às eleições de 2018).

Chomsky sugeriu ainda que o PT – Partido dos Trabalhadores deveria realizar uma auto-crítica, instaurando uma ‘comissão da verdade’ para examinar seus erros. “Eles tiveram tremendas oportunidades. Algumas foram usadas em benefício da população, outras foram perdidas. É preciso perguntar por que isso ocorreu, e fazer isso publicamente. E realizar reformas internas que impeçam que aconteça outra vez”, considera Chomsky, em entrevista à BBC News Brasil.

Preso político há mais de 5 meses em Curitiba, Lula agora apóia a candidatura de Fernando Haddad eManuela D’Ávila para a presidência da República. A presidente deposta Dilma Rousseff é líder disparada nas intenções de voto para o Senado em Minas Gerais e em 2019 voltará à cena pública como Senadora da República.

Chomsky integra um grupo de 300 intelectuais internacionais que assinaram um manifesto em prol de Lula, já assinado por mais de 30.000 pessoas e disponível em Change.orghttps://bit.ly/2ITAVGv. Junto com Chomsky, assinaram embaixo figuras como Angela Davis, Axel Honneth, Fredric R. Jameson, Leonardo Padura, Thomas Piketty, Boaventura de Sousa Santos, Slavoj Žižek, Michael Löwy, Guy Standing, dentre outros. Leia o manifesto na íntegra:

 

LULA DA SILVA É UM PRESO POLÍTICO. LULA LIVRE!

“Manifestamos aqui nossa profunda preocupação com as circunstâncias nas quais o ex-presidente brasileiro Lula da Silva foi julgado e preso. Sobram evidências de que Lula da Silva foi vítima de uma guerra jurídica (Lawfare), ou seja, abuso de poder judicial para fins políticos. Portanto, a comunidade internacional deve considerá-lo e tratá-lo como um preso político.

O julgamento de Lula foi conduzido como parte da chamada Operação Lava Jato, uma investigação sobre pagamentos de propina a executivos da Petrobrás e políticos, alguns dos quais ocorreram enquanto Lula era presidente. Embora críticos afirmem que “Lula deveria saber” ou que “Lula deve ter ganho algo”, não há evidências de sua participação no pagamento de propinas. De acordo com a lei brasileira, a corrupção é uma relação de troca. Para condenar Lula por corrupção, o Ministério Público deveria provar que ele participou das fraudes a licitações e/ou recebeu bens ou valores em contraprestação por tais atos ilícitos.

Em 2016, Lula foi acusado de receber um apartamento modesto da OAS, uma das contratadas da Petrobrás envolvidas no esquema de corrupção. No entanto, não há conversa telefônica gravada, transações bancárias, transferência de fundos ou títulos de propriedade que deem base para a acusação contra Lula. Ele nunca utilizou ou se beneficiou com o apartamento. Pior ainda, mais tarde veio a público a informação de que o mesmo apartamento havia sido dado como garantia pela OAS em transação de empréstimo de longo prazo, não obstante a acusação de que Lula era o dono do imóvel.

A falta de provas incriminatórias foi desconsiderada por Sergio Moro, o juiz responsável pelo caso contra Lula. Moro baseou sua decisão em “colaboração informal” (nem mesmo uma delação premiada) de Leo Pinheiro, proprietário da OAS. Pinheiro já havia sido condenado a 26 anos de prisão quando decidiu “colaborar” e envolver Lula. Ele afirmou que o apartamento era “destinado” a Lula, uma acusação que contradiz outros 73 depoimentos, mas que foi considerada suficiente para o juiz Moro condenar Lula da Silva. A sentença de Pinheiro, por sua vez, foi reduzida para três anos e ele foi posto em regime semiaberto.

Além de não provar que Lula era proprietário do apartamento, o Ministério Público não pode apontar nenhuma ação ou omissão específica que Lula tenha executado para beneficiar a OAS. Lula havia sido acusado de beneficiar essa empresa com três contratos de fornecimento para a Petrobrás. Após meses de investigações, nenhuma prova material nesse sentido foi encontrada. Moro então condenou Lula por ter praticado “atos indeterminados de corrupção” que teriam beneficiado a OAS. Essa categorização inverte o ônus da prova e a presunção de inocência e simplesmente não existe no sistema jurídico brasileiro.

Inadvertidamente, o próprio juiz Moro admitiu que não tinha jurisdição sobre o caso de Lula. Ao julgar um recurso apresentada pela defesa, ele declarou que “jamais afirmou… que os valores obtidos pela Construtora OAS nos contratos com a Petrobrás foram utilizados para pagamento da vantagem indevida para o ex-Presidente”. Se o caso não tem relação com a corrupção da Petrobrás, ele não deveria ter sido julgado por Moro.

Em termos mais simples, pode-se dizer que, no processo de Lula, o magistrado escolheu o réu e, atuando como investigador, promotor e juiz, condenou-o por ter cometido “atos de ofício indeterminados de corrupção”. Tal sentença, pelo seu próprio texto, não encontra sustentação legal e constitucional, inclusive pelas normas brasileiras, uma vez que se refere a “atos indeterminados”. Uma sentença que se refere a crimes “indeterminados” não resiste a qualquer escrutínio jurídico lógico e razoável, sendo completamente Kafkiana. Além disso, a referência a “atos de ofício” é irreal, pois as acusações infundadas que motivaram a sentença de Moro se referem a uma narrativa que começa em 2013, bem depois de Lula ter deixado o cargo.

A guerra jurídica contra Lula também incluiu táticas para manter seu caso sob a jurisdição de Moro a qualquer custo. Em março de 2016, Moro vazou ilegalmente escutas telefônicas envolvendo a presidente em exercício, Dilma Rousseff, que tratavam da nomeação de Lula como Ministro Chefe da Casa Civil da Presidência da República. Moro alegou, novamente sem provas, que essa nomeação era um meio de “obstrução da justiça”, já que, uma vez nomeado para o governo, Lula seria julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e não pelo próprio Moro. Embora a imparcialidade de Moro tenha sido questionada, o Tribunal Regional Federal da 4a Região (TRF-4), a instância a rever imediatamente o caso de Lula na estrutura judiciária brasileiro, considerou que a Operação Lava Jato era “excepcional” e que as regras “ordinárias” não se lhe aplicavam.

A natureza Kafkiana do julgamento de Lula foi reforçada quando, em agosto de 2017, o Presidente do TRF-4 declarou que a sentença de Moro contra Lula era “tecnicamente irrepreensível”, embora admitisse que nem havia lido o caso. Enquanto isso, sua chefe de gabinete postava em sua página no Facebook uma petição solicitando a prisão de Lula da Silva.

Em seguida, o TRF-4 acelerou a apreciação do caso. O julgamento da apelação contra a sentença de Moro que condenou Lula foi colocado à frente de 257 outros casos pendentes. O relator levou apenas seis dias para concluir sua análise do caso, em um processo que tinha literalmente milhares de páginas e horas de depoimentos. A turma do Tribunal levou 196 dias para julgar a apelação quando, em média, necessita de 473 dias para julgar casos semelhantes. O TRF-4 também ordenou a prisão de Lula tão logo do julgamento da apelação, o que aconteceu com apenas 3 dos outros 20 acusados na Lava Jato, cujos mandados de prisão foram emitidos apenas meses depois.

Lula então pleiteou um Habeas Corpus no Supremo Tribunal Federal (STF), visando afastar a possibilidade de prisão imediata, dado que ainda tinha o direito de entrar com recursos. De acordo com a Constituição brasileira, “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”. Dada essa previsão expressa na Constituição, é importante notar o seguinte: a sentença proferida por Moro contra Lula, cuja condenação foi mantida e ampliada pelo TRF-4 (de 9 para 12 anos de prisão), ainda pode ser revista pelos Tribunais Superiores, incluindo o STJ (Superior Tribunal de Justiça) e o STF (Supremo Tribunal Federal), este último a instância mais elevada no país para questões constitucionais.

Em voto decisivo para a negativa do Habeas Corpus a Lula, uma Ministra do STF declarou que teria votado de outra forma se a Corte estivesse analisando a questão constitucional em abstrato, ao invés de sua aplicação específica ao caso de Lula. Na véspera da votação, o Comandante Geral do Exército tuitou uma mensagem para a Corte, dizendo que “o Exército não tolerará a impunidade”. Por essa ameaça velada, ele não recebeu reprimendas, mas sim uma “curtida” vinda da conta do Twitter do mesmo TRF-4 que confirmou a condenação de Lula.

Na manhã seguinte, o juiz que preside o TRF-4 previu, em entrevista à imprensa, que a prisão de Lula não ocorreria em menos de um mês, considerando todos os procedimentos ainda pendentes no tribunal. À tarde, no entanto, o TRF-4 pediu a Moro que ordenasse a prisão de Lula. Moro levou dezenove minutos para proferir decisão, a qual reconhecia que Lula ainda tinha direito a interpor um recurso perante o TRF-4, mas considerava que esse recurso é uma “patologia protelatória” que “deveria ser eliminada do mundo jurídico”.

Não é de surpreender pesquisa recente na qual 55% dos entrevistados no Brasil concordam que “Lula está sendo perseguido pelo Judiciário” e 73% concordam com a afirmação de que “os poderosos o querem fora das eleições” nas quais ele ainda é, de longe, o candidato favorito.

Os abusos do poder judiciário contra Lula da Silva configuram uma perseguição política mal disfarçada sob manto legal. Lula da Silva é um preso político. Sua detenção mancha a democracia brasileira. Os defensores da democracia e da justiça social no Oriente e no Ocidente, no Norte e no Sul do globo, devem se unir a um movimento mundial para exigir a libertação de Lula da Silva.

Exigimos: Free Lula, Lula Libre, Liberté por Lula, Freiheit für Lula, Lula Libero, حرية, 释放卢拉, 룰라 석방하라!, חוֹפֶשׁ, フリーダム, Свободу Луле, Lula Livre!”

* * * * *

Leia também: Trump na Casa Branca, entrevista com Chomsky: https://acasadevidro.com/2016/11/20/trump-na-casa-branca-uma-entrevista-com-noam-chomsky/

Acompanhe A Casa de Vidro:www.acasadevidro.com

 

* * * *

Leia a íntegra da carta que Noam Chomsky escreveu para a Lula, depois de visitá-lo na Sede da Polícia Federal – PF, no último dia 20/09/18. Acesse em A Casa de Vidro: https://wp.me/pNVMz-4PF.
 
Caro Lula,
 
Não é necessário que eu lhe diga que foi um grande prazer para Valeria e para mim ter tido a oportunidade de visitá-lo em Curitiba. Ficamos encantados, mas não surpresos, em ver como você está lidando bem com as circunstâncias vergonhosas em que você foi colocado, um estágio ainda mais feio do desgraçado golpe político que é projetado para impedir que você se torne o próximo presidente do Brasil. Também ficamos muito satisfeitos em ter um pouco de tempo para interagir com os entusiasmados grupos de apoio acampados do lado de fora, representando muitos outros mais que se sentem da mesma maneira.
 
Os esforços extremos para impedi-lo de concorrer às eleições e de vencer com facilidade são, eles próprios, um testemunho das conquistas de seus mandatos e do medo, por parte de setores reacionários de poder, de levar adiante os programas que você iniciou para o benefício da grande massa da população do Brasil. Não menos importante, o mundo precisa urgentemente de um renascimento da voz do Sul Global que você ajudou a facilitar quando o Brasil finalmente começou a assumir um papel efetivo no cenário mundial sob sua liderança. Todos esses são assuntos que merecem e recebem grande respeito – e que inspiram esperanças de um futuro mais brilhante, no qual esperamos que você seja capaz de assumir novamente o papel que tão apropriadamente merece.
 
Valeria e eu faremos o que pudermos para conscientizar o mundo sobre a injustiça do que está acontecendo e a grande importância de reverter a injustiça rapidamente. E estamos ansiosos para nossa próxima reunião – esperamos, em liberdade.
Noam
 
Leia o original em inglês:
 
Dear Lula,
 
It is not necessary for me to tell you what a great pleasure it was for both Valeria and for me to have had the opportunity to visit you in Curitiba. We were delighted, but not surprised, to see how well you are dealing with the shameful circumstances in which you have been placed, an even uglier stage of the disgraceful political coup that is designed to prevent you from becoming the next president of Brazil. We were also very pleased to have a little time to interact with the enthusiastic support groups encamped outside, representing a great many more who feel the same way.
 
The extreme efforts to prevent you from running in the elections, and easily winning, are themselves a testimonial to the achievements of your terms in office and the fear on the part of reactionary sectors of power that you would carry forward the programs that you initiated for the benefit of the great mass of the population of Brazil. No less important, the world badly needs a revival of the voice for the Global South that you were instrumental in facilitating as Brazil at last began to assume an effective role in the world stage under your leadership. These are all matters that merit, and receive, great respect — and that inspire hopes for a brighter future, in which we hope and expect you will be able to assume again the role that you so richly deserve.
 
Valeria and I will be doing what we can to bring awareness of the unfairness of what is happening and the great importance of reversing the injustice quickly — and are looking forward very much to our next meeting – we hope in freedom.
 
Noam

Documentário explora as raízes e o legado da maior manifestação política do século 21 – Resenha sobre “We Are Many”, um filme de Amir Amirani

Naquele 15 de Fevereiro de 2003,slogan que dá nome ao filme We Are Many era mais verdadeiro do que no comum dos dias. Naquela ocasião extraordinária, estima-se que 15 milhões de pessoas tomaram as ruas de mais de 700 cidades, em todos os continentes, em protesto contra a iminente deflagração de uma guerra contra o Iraque.

Capitaneada pelos EUA, pela Grã-Bretanha e por seus aliados, mancomunados numa Coalizão Internacional que pretendia aniquilar o chamado Eixo do Mal (Axis of Evil), a Guerra do Iraque desde seus primórdios sofreu uma maré de oposição tão gigantesca que fez muitos analistas políticos lembrar das mobilizações sessentistas pelo fim da carnificina Yankee no Vietnã.

6

2003, mundo afora: “give peace a chance!” (reloaded)

 We Are Many, o documentário de Amir Amirani,  revela de modo explícito as raízes e os legados desta imensa mobilização internacional anti-guerra. Mundo afora, naquele Sábado de Fevereiro de 2003, éramos de fato muitos, solidários na indignação, ruidosos contestadores daqueles masters of war denunciados pelo jovem Bob Dylan ainda nos anos 60.

Fluindo pelas veias das metrópoles em torrentes de indignação, flooding the streets with a beautiful rage, havia a esperança – que depois se mostraria vã – de que era possível dar uma chance à paz.

Infelizmente, no fim das contas, como Lennon, Gandhi ou Martin Luther King poderiam testemunhar, a violência com frequência triunfa sobre o cadáver dos pacifistas.


Havia a percepção coletiva cada vez mais disseminada que esta nova guerra era baseada em velhas canalhices – ambição petrolífera, ganância corporativa, imperialismo etnocêntrico.

Era a repetição sinistra daquela constelação de vícios e cegueiras que leva o Império anglo-saxão a fazer pose de xerife do mundo e de pretender-se, com uma arrogância que ultrapassa todos os limites do razoável e cai em uma trágica hýbris de funestas consequências, como dono da verdade e da justiça, professor e exportador de Democracia para os “povos bárbaros” do Terceiro Mundo.

As mega-manifestações estavam fundadas de fato numa  percepção muito disseminada de que muita mentira e hipocrisia estavam sendo empregadas, de modo despudorado e escandaloso, por figuras como George W. Bush e Tony Blair, apoiados por boa parte dos respectivos Parlamentos e por boa parte dos conglomerados da mídia corporativa,  para justificar o início dos massacres.

Hoje, Bush e Blair são figuras merecedoras de entrar para a história como genocidas, como culpados de crimes contra a humanidade similares aos de Eichmanns, Pol Pots e Pinochets, por todo o sangue derramado durante as campanhas militares deflagradas no Iraque em 2003 e cujas consequências sinistras mudaram o mundo para sempre – para pior, é claro.

Em Fevereiro de 2003, nós éramos muitos e sabíamos muito bem que a guerra estava sendo justificada com pretextos espúrios e mentiras deslavadas: todas as falsas conexões que tentou-se estabelecer entre o regime de Saddam Hussein e a Al Qaeda, entre o Iraque e o 11 de Setembro, eram links mentirosos. Assim como as famosas “armas de destruição em massa” que supostamente fariam do Iraque um perigoso inimigo da humanidade simplesmente não foram encontradas.

Talvez pelo fato de que, na real, os… EUA é que são os maiores detentores globais de weapons of mass destruction que ameaçam o futuro da Humanidade! Sobre as ideologias fabricadas pelo totalitarismo Yankee, José Arbex Jr escreveu excelentes textos – como este, “Jornalismo de Verdade”, em que relembra Orwell, Huxley e Arendt para apresentar algumas das lorotas de mass deception que o Estado dos EUA usa comumente:

Em “1984”, George Orwell cria uma fantástica metáfora para explicar os mecanismos utilizados pelo poder para produzir a amnésia social: a história é permanentemente reescrita, sempre de acordo com as conveniências dos mandatários de plantão. É perigoso ter ou cultivar a memória dos fatos, e muito pior – inimaginável – é olhar para o passado segundo uma perspectiva crítica. Também no “Admirável Mundo Novo” de Aldous Huxley a percepção dos acontecimentos cotidianos é fabricada por uma engenharia social arquitetada por poucos que sabem e conhecem a dinâmica real dos processos históricos. O tema se repete, com variações, em muitos outros clássicos da ficção, na literatura e no cinema, que se preocuparam com a formação das sociedades totalitárias.

Passando à implacável esfera do “mundo real”, Hannah Arendt nota que, de fato, a produção social do esquecimento é inerente ao exercício do poder nos regimes autoritários ou mesmo em boa parte dos sistemas dito democráticos. (…) Interessa, por exemplo, a George W. Bush apresentar Osama Bin Laden como um ícone do terror islâmico, desde que se esqueça que ele foi treinado e armado pela CIA, para ajudar a Casa Branca a combater a ocupação do Afeganistão pelo Exército Vermelho (1979-1989); da mesma forma, a partir de certo momento, passou a ser vantajoso para Washington acusar o ex-ditador iraquiano Saddam Hussein de ser o responsável pelo males do mundo, mas relegando ao mais profundo buraco negro da história o fato de ele ter sido armado pelos Estados Unidos, nos anos 80, com o objetivo de mover sua providencial guerra contra o Irã do aiatolá Khomeini.

Também interessa repetir à exaustão que o ataque às torres gêmeas, em 11 de Setembro de 2001, foi o “pior atentado terrorista da história”, pois isso ajuda a esquecer, entre outras coisas, o bombardeio atômico sobre a população civil de Hiroshima e Nagasáqui, em agosto de 1945. (JOSÉ ARBEX JR., prefácio à “Rompendo à Cerca – A História do MST, SAIBA MAIS)

O fato é que, no período entre os atentados de 11 de Setembro de 2011 e a irrupção desta mega-manifestação, orquestrada com auxílio das redes de comunicação digitais globalizadas, um caldeirão de indignação foi sendo aquecido até o ponto de ebulição.

Às vésperas do início da carnificina que deixaria mais de 500.000 civis iraquianos mortos e que geraria mais de 4 milhões de refugiados, várias metrópoles relevantes foram tomadas de assalto por uma multidão, em marcha pacifista, que buscava parar a guerra antes que ela começasse. 

Em Londres, em Roma, em Madrid, em Atenas, em Nova York, foram realizadas algumas das mais grandiosas marchas do século 21 naquele 15 de Fevereiro de 2003, o que não escapou à percepção dos maiores intelectuais vivos – como Noam Chomsky:

 O filme We Are Many é vibrante, interessante, repleto de imagens com imenso mérito como retrato histórico. Porém, não vai fundo no debate sobre o que possibilitou, tanto em termos de tecnologia quanto em termos de organização e mobilização social, aquilo que foi justamente chamado de “primeiro megaprotesto global”.

São fenômenos sociais da grandiosidade e da complexidade do 15 de Fevereiro de 2003 que oferecem muito material para reflexão de intelectuais e críticos dos mais relevantes da atualidade – é o caso de Manuel Castells (autor de Redes de Indignação e Esperança) ou David Graeber (autor de Democracia: Um Projeto).

O cinema de não-ficção têm se mostrado como um dos âmbitos mais importantes para a crítica e a denúncia dos horrores vinculados à infindável Guerra Contra o Terror, o que fica evidente através de outros documentários excelentes como:

  •  Procedimento Operacional Padrão, de Errol Morris, que revela as entranhas apodrecidas do sistema que pariu a prisão de Abu Ghraib e todos as horríveis torturas ali perpetradas;
  • Estrada Para Guantánamo, de Michael Winterbottom, que revela a realidade sobre a prisão mantida pelos EUA em território cubano;
  • Farenheit 9/11, de Michael Moore, um vencedor da Palma de Cannes que revela todo o zeitgeist que rodeia o período pós-11 de Setembro;
  • Taxi To The Dark Side, de Alex Gibney, que revela os múltiplos lados sombrios da invasão do Afeganistão; dentre outros.

We Are Many é uma louvável contribuição a esta pedagógica e crucial filmografia.

Através de filmes assim ficamos sabemos que, junkies de petróleo, fissurados nos dólares aos bilhões que são gerados pela indústria armamentista, as elites que comandam os Estados Nacionais dos EUA e da Inglaterra puseram sua máquina de guerra em movimento contra o Iraque em 2003 sem absolutamente nenhuma prova ou evidência conclusiva de que o regime de Hussein tinha qualquer participação nos atentados de 11 de Setembro.

Esta guerra, apesar de todo o lengalenga retórico e toda a embromação massmidiática, foi mais um grotesco episódio da infindável tendência do complexo militar industrial, mancomunado com as corporações de combustíveis fósseis, para seguirem lucrando com a morte e a destruição. Naomi Klein poderia dizer: é a Shock Doctrine em infinito repeat.

O próprio Conselho de Segurança da ONU, antes da invasão, mandou inspetores ao Iraque, checou se haviam ali bombas ou mísseis que pudessem pôr em perigo o poderoso Império anglo-saxão, e nada. Nada encontrou-se no Iraque que pudesse justificar uma “guerra preventiva”, o que logo descortinou de modo explícito a qualquer cidadão lúcido, bem-informado e capaz de usar seus neurônios que esta guerra estava sendo lançada sem fundamentos sólidos que a legitimassem. Uma guerra sustentada por grotescas mentiras tornadas “oficiais” com a cumplicidade de uma mídia corporativa vendida aos bélicos patrões.

O filme traz depoimentos e reflexões de figuras como os intelectuais Noam Chomsky e Tariq Ali, os músicos Brian Eno e Damon Albarn (Blur, Gorillaz), o romancista John Le Carré e o cineasta Ken Loach, além de figuras importantes da política, da diplomacia e do pensamento político, reconstruindo as raízes e os legados do 15 de Fevereiro de 2003.

Entre as “sacadas” mais relevantes do filme está o estabelecimento de vínculos diretos entre a Revolução Egípcia de 2011, quando megaprotestos populares que culminaram na ocupação da Praça Tahrir e na renúncia de Mubarak à presidência, e a escola de insurreição que foram, no Cairo, aqueles dias de 2003 quando o Iraque começou a ser bombardeado e os egípcios foram em imensas torrentes para as ruas protestar. Um outro documentário – The Square – analisa em minúcias a Revolução Egípcia, parte da onda mais ampla que ficou conhecida como Primavera Árabe.

Um dos temas mais interessantes que We Are Many levanta, fornecendo amplo material para debate, é as razões para o fracasso da megamobilização global em prol da Paz. O documentário é, decerto, bastante celebratório deste movimento pacifista e sua capacidade mobilizatória impressionante. Algo que voltaria a dar as caras, no âmbito do chamado “Mundo Ocidental”, com muita força também em 2014 na People’s Climate March.

Porém We Are Many também revela a decepção, a abissal queda no ânimo coletivo, que se seguiu à percepção da ineficácia concreta da “maior manifestação de todos os tempos” em pôr um stop nos planos da Coalização Internacional Contra o Terrorismo, auto-proclamada em Sagrada Cruzada contra o “Eixo do Mal”.

Este é um dos temas que considero sub-discutido, bastante negligenciado: tendemos a criar uma espécie de mística da manifestação de rua, às vezes beirando a mais irracional das superstições, acreditando piamente na força numérica de massas em desfile pelas ruas como agentes de transformação, mas não nos perguntamos mais à fundo o que constitui de fato um perigo para o poder instituído. 

Por mais grandiosas que tenham sido as manifestações de 15 de Fevereiro de 2003, elas claramente não coibiram ou proibiram a guerra. Eu até me arriscaria a dizer, sem medo de despertar polêmica, que uma das explicações para este fato está na natureza pouco aguerrida dos protestos, que em vasta medida consistiram em cidadãos carregando placas e cartazes, que andaram em multidões pelas metrópoles gritando palavras de ordem, sem que tenham, na maior parte dos casos, tentado ocupar prédios públicos ou governamentais ou deflagar greves gerais que pudessem parar a produção ou travar o fluxo dos transportes, das mercadorias e dos capitais.

O poder do Império pode ter ficado impressionado, mas não se sentiu realmente ameaçado lá onde ele possui seu calcanhar de Aquiles: seu bolso, ou melhor, suas Bolsas. Os 15 milhões de cidadãos nas ruas não puderam causar um estrago significativo na economia de guerra, seja através de boicotes organizados contra corporações vinculadas ao ramo bélico, seja através de ocupas ou acampas que colocassem em sinuca as instituições.

O músico Damon Albarn, do Blur/Gorillaz, sugere que a raiz do fracasso deste mega-movimento pacifista esteve no fato de que ele perdeu força e momentum: a multidão deveria ter continuado a ir para as ruas de modo torrencial, ao invés de permitir que a maré de insurgência cidadã ficasse limitada apenas àquele Sábado. Se a galera tivesse continuado a colar – “if we kept coming back…”, diz Albarn – talvez a paz pudesse ter triunfado.

Eis outra das lições da Primavera Árabe: uma manifestação de rua, por mais gigantesca que seja, é episódica e efêmera, as pessoas retornam logo às suas casas. A potência contestatória maior está na ocupação – como ocorreu na Praça Tahrir ou durante o Occupy Wall Street – que toma conta do espaço público e diz que ele só será liberado quando certas demandas forem concedidas.

Em 15 de Fevereiro, pode-se dizer que nenhum Bastilha foi tomada, que nenhum intento revolucionário foi posto em marcha, e que mesmo os conflitos com a polícia foram pouquíssimos, a não ser em Atenas (na Grécia).

É notável o contraste com o quanto o pau quebrou nos protestos de Seattle em 1999. Poderíamos dizer que, se o pau não quebrou, se não rolou tropa de choque e gás lacrimogêneo, se manifestantes quase não foram encarcerados, foi porque o 15 de Fevereiro de 2003 confundiu pacifismo com bom-mocismo e não exerceu com suficiente radicalidade as práticas de Desobediência Civil que através da história foram utilizadas para contestar regimes ilegítimos, opressores e genocidas.

O filme não é ingênuo, nem faz crer em quimeras, pois mostra muito bem o modo com as chefias políticas, os Parlamentos, os cabeças do Exército, os figurões no Pentágono, os brits cheios de regalias na House of Commons, basicamente levantaram um dedo médio elitista para a voz das ruas e disseram, basicamente, “foda-se!”

Foda-se que há milhões de pessoas nas ruas protestando em um Sábado de Fevereiro de 2003 contra a deflagração de uma guerra contra o Iraque; foda-se, iremos em frente assim mesmo. E assim o fizeram, em Março, dando o foda-se não só para as torrentes de cidadãos que manifestavam-se em Fevereiro, mas também para a Organização das Nações Unidas: a ONU declarou a invasão ilegal e esta foi realizada à revelia do Conselho de Segurança. Crime de guerra.


Dentre os pensadores políticos que conheço, ninguém melhor que Arundhati Roy descreveu o momento histórico logo após o 11 de Setembro. Na sequência, selecionei alguns trechos de sua obra que são excelentes para pensar criticamente sobre todo este nosso lodaçal de sangue e violência. Considero seus livros – em especial The Algebra of Infinite Justice Listening to Grasshoppers, além dos discursos Imperial Democracy Come September – algumas uma das mais preciosas portas de acesso a uma compreensão mais ampla do zeitgeist que entre nós prolonga sua estadia: o fantasma de um fascismo genocida que tenta convencer-nos que há imenso perigo em um certo Outro demonizado – uma raça, uma seita, uma ideologia…. O fascismo necessita de um Outro alcunhado de malévolo sem remissão, só merecedor de ser extirpado com violência.

De George Bush a Donald Trump, as ideologias e das práticas da Guerra Contra O Terror estão ligadas à presunção e à arrogância de um american way of thinking que vem todo tingido com cores fascistas pois reduz vastas porções da humanidade e territórios globais àquilo que Naomi Klein chamou de “zonas de sacrifício” (como o Afeganistão, a Síria, a Palestina…).

O Sonho Americano – aquele engodo que, segundo o humorista George Carlin, se chama assim pois nele só acreditam os que estão dormindo – gerou o monstro destes líderes que se dizem os artífices do Bem absoluto e da Vontade de Deus sobre a Terra, quando na real só cometem mega-carnificinas em prol de petróleo e lucros, tratando irmãos em vida e humanidade como se pertencessem a uma zona de matabilidade livre semelhante aos videogames à la Doom Counter Strike.

Eduardo Carli de Moraes
A Casa de Vidro


A ÁLGEBRA DA JUSTIÇA INFINITA
ou DEMOCRACIA IMPERIAL: COMPRE UMA, LEVE A OUTRA DE GRAÇA

por Arundathi Roy

ob_80a6dffb30470b5fcc27979c90344908_3206

“For strategic, military and economic reasons, it is vital for the US government to persuade the American public that America’s commitment to freedom and democracy and the American Way of Life is under attack. In the current atmosphere of grief, outrage and anger, it’s an easy notion to peddle. However, if that were true, it’s reasonable to wonder why the symbols of America’s economic and military dominance—the World Trade Center and the Pentagon—were chosen as the targets of the attacks. Why not the Statue of Liberty? Could it be that the stygian anger that led to the attacks has its taproot not in American freedom and democracy, but in the US government’s record of commitment and support to exactly the opposite things—to military and economic terrorism, insurgency, military dictatorship, religious bigotry and unimaginable genocide (outside America)?” (ARUNDHATI ROY,  “The Algebra Of Infinite Justice”, 08 de Outubro de 2001)

“When the United States invaded Iraq, a New York Times/CBS News survey estimated that 42 percent of the American public believed that Saddam Hussein was directly responsible for the September 11th attacks on the World Trade Center and the Pentagon. And an ABC News poll said that 55 percent of Americans believed that Saddam Hussein directly supported Al Qaida. None of this opinion is based on evidence (because there isn’t any). All of it is based on insinuation, auto-suggestion, and outright lies circulated by the U.S. corporate media, otherwise known as the “Free Press,” that hollow pillar on which contemporary American democracy rests.

Public support in the U.S. for the war against Iraq was founded on a multi-tiered edifice of falsehood and deceit, coordinated by the U.S. government and faithfully amplified by the corporate media.

mass deceptionApart from the invented links between Iraq and Al Qaida, we had the manufactured frenzy about Iraq’s Weapons of Mass Destruction. George Bush the Lesser went to the extent of saying it would be “suicidal” for the U.S. not to attack Iraq. We once again witnessed the paranoia that a starved, bombed, besieged country was about to annihilate almighty America. (Iraq was only the latest in a succession of countries – earlier there was Cuba, Nicaragua, Libya, Grenada, and Panama.) But this time it wasn’t just your ordinary brand of friendly neighborhood frenzy. It was Frenzy with a Purpose. It ushered in an old doctrine in a new bottle: the Doctrine of Pre-emptive Strike, a.k.a. The United States Can Do Whatever The Hell It Wants, And That’s Official.

The war against Iraq has been fought and won and no Weapons of Mass Destruction have been found. Not even a little one. Perhaps they’ll have to be planted before they’re discovered. And then, the more troublesome amongst us will need an explanation for why Saddam Hussein didn’t use them when his country was being invaded.

Of course, there’ll be no answers. True Believers will make do with those fuzzy TV reports about the discovery of a few barrels of banned chemicals in an old shed.

In stark contrast to the venality displayed by their governments, on the 15th of February, weeks before the invasion, in the most spectacular display of public morality the world has ever seen, more than 10 million people marched against the war on 5 continents. Many of you, I’m sure, were among them. They – we – were disregarded with utter disdain. When asked to react to the anti-war demonstrations, President Bush said, “It’s like deciding, well, I’m going to decide policy based upon a focus group. The role of a leader is to decide policy based upon the security, in this case the security of the people.”Democracy, the modern world’s holy cow, is in crisis. And the crisis is a profound one. Every kind of outrage is being committed in the name of democracy. It has become little more than a hollow word, a pretty shell, emptied of all content or meaning. It can be whatever you want it to be. Democracy is the Free World’s whore, willing to dress up, dress down, willing to satisfy a whole range of taste, available to be used and abused at will.

Until quite recently, right up to the 1980’s, democracy did seem as though it might actually succeed in delivering a degree of real social justice.

But modern democracies have been around for long enough for neo-liberal capitalists to learn how to subvert them. They have mastered the technique of infiltrating the instruments of democracy – the “independent” judiciary, the “free” press, the parliament – and molding them to their purpose. The project of corporate globalization has cracked the code. Free elections, a free press, and an independent judiciary mean little when the free market has reduced them to commodities on sale to the highest bidder.”  (ARUNDHATI ROY, Imperial Democracy)

TRUMP NA CASA BRANCA: UMA ENTREVISTA COM NOAM CHOMSKY

TRUMP NA CASA BRANCA: UMA ENTREVISTA COM NOAM CHOMSKY

 Tradução de Mi Veronese da entrevista realizada por C.J. Polychroniou com Noam Chomsky e publicada em Truthout: http://bit.ly/2eTzQum.

Em 08 de novembro de 2016, Donald Trump conseguiu a maior virada na política dos EUA aproveitando a raiva dos eleitores brancos e apelando para as inclinações mais baixas das pessoas de uma maneira que teria provavelmente impressionado o propagandista nazista Joseph Goebbels.

Mas o que exatamente significa a vitória de Trump e o que esperar deste megalomaníaco quando ele assumir as rédeas do poder em 20 de janeiro de 2017? Qual é a ideologia política de Trump, se há alguma, e será que podemos considerar o “Trumpismo” um movimento? A política externa dos EUA vai ser diferente na administração Trump?

Há alguns anos, o intelectual Noam Chomsky advertiu que o clima político nos Estados Unidos estava favorável à ascensão de uma figura autoritária. Agora, ele compartilha seus pensamentos sobre as consequências desta eleição, o estado moribundo do sistema político dos EUA e por que Trump é uma ameaça real para o mundo e para o planeta.

chosky-quote
CJ Polychroniou para o Truthout: Noam, o impensável aconteceu: Indo contra todas as previsões, Donald Trump marcou uma vitória decisiva sobre Hillary Clinton. O homem que Michael Moore descreveu como um “deplorável, ignorante, um perigoso palhaço em tempo parcial e sociopata em tempo integral” será o próximo presidente dos Estados Unidos. Na sua opinião, quais foram os fatores decisivos que levaram os eleitores norte-americanos a produzir a maior virada na história política dos EUA?

Noam Chomsky: Antes de abordar esta questão, acho que é importante ponderarmos um pouco sobre que ocorreu no dia 8 de novembro, data que pode se tornar uma das mais importantes na história humana, dependendo de como reagirmos.

Sem exagero.

A notícia mais importante do 8 de novembro mal foi percebida, e isso, por si só, é um fato significativo.

Em 8 de novembro, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) apresentou um relatório em sua conferência internacional sobre mudanças climáticas em Marrocos (COP22), a qual havia sido convocada para levar adiante o acordo de Paris sobre a COP21. A OMM informou que os últimos cinco anos foram os mais quentes já registrados. Relatou níveis crescentes do mar, que em breve irão aumentar ainda mais em consequência do rápido e inesperado derretimento do gelo polar e, mais assustadoramente, das enormes geleiras da Antártida. Já o gelo marinho do Ártico, nos últimos cinco anos, está 28% abaixo da média dos 29 anos anteriores, o que está aumentando o nível do mar e reduzindo o efeito de resfriamento do gelo polar sobre os raios solares, acelerando assim os efeitos sombrios do aquecimento global. A OMM informou ainda, junto com outros relatos e previsões graves, que as temperaturas estão perigosamente próximas da meta estabelecida pela COP21.

Outro evento ocorreu em 8 de novembro, e também poderá ter um significado histórico incomum por razões que, mais uma vez, mal foram percebidas.

Em 8 de novembro, o país mais poderoso da história do mundo, o qual vai definir o que virá a seguir, teve uma eleição. Como resultado, o controle total do governo – executivo, Congresso, Supremo Tribunal – ficou nas mãos do Partido Republicano, o qual tornou-se a organização mais perigosa da história mundial.

Exceto pela última frase, tudo isso é inquestionável. A última frase pode parecer estranha, até mesmo ultrajante. Mas será? Os fatos sugerem o contrário. O Partido vem correndo o mais rápido possível para destruir a vida humana organizada. Não existe precedente histórico para isso.

É exagero? Pense no que acabamos de testemunhar.

Durante as primárias republicanas, todos os candidatos negaram o que está ocorrendo – com exceção dos moderados sensíveis, como Jeb Bush, que disse que tudo é incerto, mas não temos que fazer nada porque estamos produzindo mais gás natural, graças ao “fracking”. E John Kasich, que concordou que o aquecimento global está ocorrendo, mas acrescentou que “vamos queimar [carvão] em Ohio e não vamos nos desculpar por isso”.

O candidato vencedor, agora presidente eleito, apela para o rápido aumento do uso de combustíveis fósseis, incluindo o carvão; a abolição das regulações; a rejeição da ajuda aos países em desenvolvimento que tentam avançar no uso de energia sustentável; em suma, corre para o penhasco o mais rápido possível.

Trump já tomou medidas para desmantelar a Agência de Proteção Ambiental (EPA), colocando à frente da transição da EPA um notório (e orgulhoso) negador da mudança climática, Myron Ebell. O principal conselheiro de Trump sobre a questão da energia, o executivo e bilionário do petróleo Harold Hamm, anunciou suas expectativas, as quais já prevíamos: abolição das regulações, corte de impostos para a indústria (e para os ricos e o setor empresarial em geral), mais produção de combustíveis fósseis, suspensão do bloqueio temporário de Obama ao gasoduto Dakota Access. O mercado reagiu rapidamente. As ações das corporações de energia cresceram, incluindo as da maior mineradora de carvão do mundo, a Peabody Energy, que tinha entrado em falência, mas após a vitória de Trump registrou um ganho de 50%.

Os efeitos do negacionismo republicano já haviam sido sentidos. Havia esperanças de que o acordo COP21 de Paris conduziria a um tratado verificável, mas todas essas idéias foram abandonadas porque o Congresso republicano não aceitou assumir compromissos e o que emergiu foi um acordo voluntário, evidentemente muito mais fraco.

Em breve, os efeitos se tornarão mais visíveis do que já são. Somente em Bangladesh, dezenas de milhões devem fugir das planícies baixas nos próximos anos por causa da subida do nível do mar e do clima mais severo, levando a uma crise migratória muito mais grave do que a atual. O principal cientista climático de Bangladesh diz, com grande justiça, que “esses migrantes deveriam ter direito de se mudar para os países emissores dos gases de efeito estufa, e milhões deveriam poder migrar para os Estados Unidos”. E deveriam migrar para os outros países ricos que aumentaram sua riqueza criando uma nova era geológica, o Antropoceno, marcado pela transformação humana radical do meio ambiente. Estas conseqüências catastróficas só irão aumentar, e não apenas em Bangladesh, mas em todo o sul da Ásia, pois as temperaturas, já intoleráveis para os pobres, se elevam inexoravelmente enquanto as geleiras do Himalaia derretem, ameaçando todo o abastecimento de água. Na Índia, falta água potável a cerca de 300 milhões de pessoas. E os efeitos irão muito além.

É difícil encontrar palavras para expressar o fato de que a humanidade enfrenta a questão mais importante de sua história – se a vida humana organizada irá sobreviver de algum modo semelhante ao que conhecemos – e responde a ela correndo ainda mais rápido rumo ao desastre.

A mesma observação vale para outra grande questão relativa à sobrevivência humana: a ameaça de destruição nuclear, que paira sobre nossas cabeças há 70 anos e que agora está aumentando.

É igualmente difícil encontrar palavras para captar o fato espantoso de que, durante a massiva cobertura da extravagância eleitoral, isso tudo foi mencionado de passagem. Pelo menos não estou encontrando palavras adequadas.

Voltando finalmente à questão, para ser preciso, parece que Clinton recebeu uma pequena maioria dos votos. A aparente vitória decisiva tem a ver com características curiosas da política americana: entre outros fatores, o Colégio Eleitoral, herança da fundação do país como uma aliança entre estados separados; o sistema “o vencedor leva tudo” de cada estado; o arranjo de distritos do congresso (às vezes pela prática da “gerrymandering”) para dar maior peso aos votos rurais (em eleições passadas, e provavelmente neta também, os democratas tiveram uma confortável margem de vitória no voto popular para a Câmara, mas detêm uma minoria de assentos); a taxa muito alta de abstenção (geralmente perto de 50% nas eleições presidenciais, incluindo esta). E há o fato, singificativo para o futuro, de que, na faixa etária de 18-25 anos, Clinton venceu facilmente e Sanders conquistou ainda mais apoio. A importância disso vai depender do que o futuro reserva à humanidade.

De acordo com as últimas notícias, Trump quebrou todos os recordes, recebendo apoio de eleitores brancos, da classe trabalhadora e da classe média baixa, na faixa de renda [ anual ] de US $ 50.000 a US $ 90.000, das áreas rurais e suburbanas, principalmente entre os sem educação universitária. Esses grupos têm em comum a raiva disseminada por todo o Ocidente contra o establishment centrista, a qual se revelou no inesperado apoio ao Brexit e no colapso dos partidos centristas da Europa continental. [Muitos dos] raivosos e descontentes são vítimas das políticas neoliberais da geração passada, políticas que foram descritas por Alan Greenspan, presidente do Fed em seu depoimento ao Congresso.

Economisas e admiradores o reverenciavam como “Santo Alan” até que a economia milagrosa que ele vinha supervisionando teve um crash em 2007-2008, ameaçando derrubar toda a economia mundial.

Durante seus dias de glória, Greenspan explicou que seu sucesso na gestão econômica se baseava principalmente em “criar insegurança para o trabalhador”. Trabalhadores intimidados não exigiriam aumento de salários, benefícios ou estabilidade, e ficariam satisfeitos com os rendimentos estagnados e os benefícios reduzidos, percebidos, segundo os padrões neoliberais, como sinais uma economia saudável.

Os trabalhadores, que foram as cobaias desses experimentos na teoria econômica, não estão felizes com os resultados. Não estão satisfeitos, por exemplo, com o fato de que, em 2007, no pico do milagre neoliberal, os salários reais para aqueles não-supervisionados eram mais baixos do que haviam sido há anos e que os salários reais para os trabalhadores homens estão próximos dos níveis da década de 1960. Ganhos espetaculares foram para os bolsos de alguns poucos que estão no topo, a desproporcional fração de 1%. Isso não foi resultado das forças do mercado, de realização ou mérito, mas sim de decisões políticas, as quais foram revisadas cuidadosamente pelo economista Dean Baker em trabalhos recentes.

O destino do salário mínimo ilustra o que está acontecendo. Nos períodos de crescimento alto e igualitário nos anos 50 e 60, o salário mínimo – que estabelece um piso para outros salários – rastreou a produtividade. Isso chegou ao fim com a doutrina neoliberal. Desde então, o salário mínimo está estagnado (em valor real). Se tivesse continuado como antes, provavelmente estaria perto de US $ 20 por hora. Hoje, considera-se uma revolução política aumentá-lo para $ 15.

Com toda a conversa atual de empregabilidade quase total, a participação da força de trabalho permanece abaixo da norma anterior. Para os trabalhadores, há uma enorme diferença entre o trabalho estável em fábricas, com salários e benefícios aprovados pelos sindicatos, como ocorria nos anos anteriores, e um emprego temporário com pouca segurança na área de serviços. Além da perda de salários, de benefícios e de segurança, há uma perda de dignidade, de esperança quanto ao futuro e do sentimento de este é o mundo ao qual pertenço e no qual exerço um papel.

Esse impacto foi bem capturado na descrição sensível e reveladora feita por Arlie Hochschild sobre uma fortaleza de Trump no Louisiana, onde ela viveu e trabalhou por muitos anos. Ela recorre à imagem de uma linha sobre a qual os moradores se situam e para além da qual esperam avançar firmemente conforme trabalharem duro e seguirem todos os valores convencionais. Mas eles estão encalhados nessa linha. Diante deles, pessoas pulam para a frente, mas isso não causa muita angústia, porque este é o “American way” da recompensa pelo (suposto) mérito. O que realmente causa angústia é o que está ocorrendo atrás deles. Eles acreditam que “pessoas indignas” que não “seguem as regras” estão sendo movidas para a frente deles por programas do governo federal, os quais acreditam terem sido projetados para beneficiar negros, imigrantes e outros que eles geramente desprezam. Tudo isso foi exacerbado pelas invenções racistas de [Ronald] Reagan sobre as “rainhas do bem-estar” (implicitamente, negros) que roubariam o dinheiro suado das pessoas brancas, entre outras fantasias.

Às vezes, a falta de uma explicação, o que também é uma forma de desprezo, contribui para nutrir o ódio ao governo. Uma vez conheci um pintor de casas em Boston que se voltara amargamente contra o governo “maléfico” depois que um burocrata de Washington, que não sabia nada sobre pintura, organizou uma reunião com prestadores de serviços de pintura para informá-los que não poderiam mais utilizar tinta de chumbo – “a única que funciona ” – como eles sabiam, mas o engravatado não entendeu. Isso destruiu seu pequeno negócio, obrigando-o a pintar casas sozinho, com um material de qualidade inferior imposto pelas elites do governo.

Esse são apenas exemplos da vida real dos que apoiaram Trump e que foram levados a crer que ele fará algo para remediar sua situação, embora um simples olhar na sua proposta fiscal e em outras revele o oposto – o que impõe uma tarefa para os ativistas que esperam afastar o pior e avançar as mudanças desesperadamente necessárias.

As pesquisas iniciais revelam que o apoio apaixonado por Trump foi inspirado principalmente pela crença de que ele representava a mudança, enquanto Clinton era percebida como a candidata que perpetuaria a angústia. A “mudança” que Trump provavelmente trará será prejudicial ou pior, mas é compreensível que as conseqüências não sejam claras para as pessoas isoladas em uma sociedade atomizada, sem os tipos de associações (como sindicatos) que podem educar e organizar. Essa é uma diferença crucial entre o desespero de hoje e as atitudes geralmente esperançosas de muitas pessoas trabalhadoras durante a Grande Depressão dos anos 1930.

Existem outros fatores que contribuíram para o sucesso do Trump. Estudos comparados mostram que as doutrinas da supremacia branca tiveram uma influência ainda mais forte na cultura americana do que na África do Sul, e não é segredo que a população branca está em declínio. Em uma década ou duas, segundo projeções, os brancos serão uma minoria da força de trabalho, e não muito depois, uma minoria da população. A cultura conservadora tradicional também é percebida como estando sob ataque das políticas de identidade, vistas como criadas por elites que desprezam os “americanos [brancos] que trabalham arduamente, patrióticos, frequentadores de igrejas, que mantêm os verdadeiros valores familiares” e que vêem seu país desaparecer diante de seus olhos.

Uma das dificuldades em chamar a atenção pública para as ameaças do aquecimento global é que 40 por cento da população dos EUA não vê isso como um problema, já que Cristo irá retornar em algumas décadas. Cerca da mesma porcentagem acredita que o mundo foi criado há alguns milhares de anos. Se a ciência entrar em conflito com a Bíblia, tanto pior para a ciência. É difícil encontrar uma analogia em outras sociedades.

O Partido Democrata abandonou qualquer preocupação real com os trabalhadores na década de 1970 e, além disso, esses últimos foram atraídos para as fileiras de seus inimigos de classe, que pelo menos fingem falar sua língua – o estilo folclórico de Reagan de fazer pequenas piadas enquanto comia feijões, a imagem cuidadosamente cultivada de George W. Bush de um sujeito comum que você poderia encontrar em um bar, que adorava cortar lenha em seu rancho num calor de 37 graus e que cometia erros ao falar, provavemente falsos (é improvável que ele tenha entrado em Yale falando assim), e agora Trump, que dá voz a pessoas com queixas legítimas – pessoas que perderam não só empregos, mas também o senso de auto-estima – e que se enganam a respeito do governo, o qual acreditam ter minado suas vidas (não sem razão) .

Uma das grandes realizações do sistema doutrinário tem sido desviar a raiva do setor corporativo para o governo que implementa os programas que o setor corporativo projeta, como os acordos de direitos corporativos / de investimento altamente protecionistas que são descritos como “livres acordos comerciais” pela mídia. Com todas as suas falhas, o governo está, em certa medida, sob a influência e o controle populares, ao contrário do setor corporativo. É muito vantajoso para o mundo empresarial incentivar o ódio aos burocratas governamentais e expulsar da mente das pessoas a idéia subversiva de que o governo pode se tornar um instrumento de vontade popular, um governo pelo povo e para o povo.

ows_144970817617029

PERGUNTA: Trump representa um novo movimento na política americana ou foi resultado desta eleição, principalmente de uma rejeição de Hillary Clinton pelos eleitores que a odeiam e estão fartos da “política como de costume?


Não é novidade. Ambos os partidos políticos mudaram para a direita durante o período neoliberal. Os novos democratas de hoje são mais ou menos o que costumava ser chamados de “republicanos moderados”. A “revolução política” que Bernie Sanders pediu, com razão, não teria surpreendido muito Dwight Eisenhower. Os republicanos avançaram tanto em sua dedicação ao setor rico e corporativo que não podiam esperar obter votos em seus programas atuais e assim voltaram-se para a mobilização de setores da população que sempre estiveram lá, mas não como força política organizada: evangélicos, nativistas, racistas e vítimas de formas de globalização que colocam trabalhadores ao redor do mundo em competição uns com os outros, protegendo os privilegiados e minando as medidas legais e outras que proporcionam alguma proteção e são capazes de influenciar a tomada de decisões nos sectores público e privados com sindicatos eficazes.

As conseqüências foram evidentes nas primárias republicanas. Cada candidato que emergiu da base – como [Michele] Bachmann, [Herman] Cain ou [Rick] Santorum – era tão extremo que o establishment republicano teve que usar seus amplos recursos para derrotá-los. A diferença em 2016 é que o establishment fracassou, para seu desgosto, como vimos.

Merecidamente ou não, Clinton representou as políticas que eram temidas e odiadas, enquanto Trump foi visto como o símbolo da “mudança” – uma mudança desse tipo requer um olhar cuidadoso para o que está sendo proposto, algo que faltou no que foi transmitido ao público. A campanha em si foi notável ao desviar-se das questões, e a mídia em geral consentiu, mantendo-se fiel à ideia de que a verdadeira “objetividade” significa reportar com precisão o que está “dentro da estrada”, e não se aventurar além.

PERGUNTA: Trump disse, após o resultado da eleição, que “irá representar todos os americanos”. Como ele vai fazer isso com a nação tão dividida e depois de ter manifestado um profundo ódio por vários grupos nos Estados Unidos, incluindo mulheres e minorias? Você percebe alguma semelhança entre o Brexit e a vitória de Donald Trump?

Há semelhanças evidentes com o Brexit, e também com o surgimento dos partidos ultraderacionalistas de extrema-direita na Europa – cujos líderes foram rápidos em parabenizar Trump pela sua vitória, percebendo-o como um dos seus: [Nigel] Farage, Le Pen, [Viktor] Orban e outros. Essa evolução é bastante assustadora. Um olhar para as pesquisas eleitorais na Áustria e na Alemanha – Áustria e Alemanha – desperta lembranças desagradáveis entre aqueles familiarizados com a década de 1930, e mais ainda entre os que viveram nesse período, como eu, quando criança. Ainda me lembro de ouvir os discursos de Hitler, sem entender suas palavras, embora o tom e a reação do público fossem arrepiantes. O primeiro artigo que me lembro de ter escrito foi em fevereiro de 1939, após a queda de Barcelona, sobre a propagação inexorável da praga fascista. E por estranha coincidência, foi em Barcelona que minha esposa e eu assistimos aos resultados da eleição presidencial de 2016 nos EUA.
Não podemos afirmar como Trump vai lidar com aquilo que ele trouxe à luz – não criou, mas trouxe à luz. Talvez sua característica mais marcante seja a imprevisibilidade. Muito dependerá das reações daqueles atraídos por sua performance e pelas visões que projetou.

PERGUNTA: Trump não possui uma ideologia política clara que oriente sua postura em questões econômicas, sociais e políticas, mas há tendências autoritárias claras em seu comportamento. Portanto, você concorda com as afirmações de que Trump pode representar o surgimento do “fascismo com um rosto amigável”? nos Estados Unidos?

Durante muitos anos, tenho escrito e falado sobre o perigo do surgimento de um ideólogo honesto e carismático nos Estados Unidos, alguém capaz de explorar o medo e a raiva que há muito tempo fervem em grande parte da sociedade e direcinoná-la a alvos vulneráveis, afastando-a dos agentes reais desse mal-estar. Isso poderia levar ao que o sociólogo Bertram Gross chamou de “fascismo amigável” em um estudo feito há 35 anos. Mas isso requer um ideólogo honesto, um tipo de Hitler, não alguém cuja única ideologia detectável seja a do “Eu”. O perigo, no entanto, é real faz tempo, talvez ainda mais agora à luz das forças que Trump desencadeou.

PERGUNTA: Com os republicanos na Casa Branca, mas também controlando ambas as casas e a futura formatação da Suprema Corte, como serão os EUA nos próximos quatro anos?

Muito depende de suas nomeações e do seu círculo de conselheiros. As primeiras indicações não são atraentes, para dizer o mínimo.

A Suprema Corte estará nas mãos de reacionários por muitos anos, com conseqüências previsíveis. Se Trump seguir o estilo Paul Ryan em seus programas fiscais, haverá enormes benefícios para os muito ricos – o Centro de Política Tributária estima um corte de impostos de mais de 14 por cento para o top 0,1 % e um corte substancial na parte superior da escala de renda, mas sem nenhum alívio fiscal para os demais, que também enfrentarão novos encargos. O respeitado correspondente de economia do Financial Times Martin Wolf escreveu que “as propostas fiscais dariam enormes benefícios a americanos já ricos, como o Sr. Trump”, deixando outros em apuros, incluindo, é claro, o seu círculo de eleitores. A reação imediata do mundo dos negócios revela que a Big Pharma [indústria farmacêutica], Wall Street, a indústria militar, as indústrias de energia e outras instituições tão maravilhosas esperam um futuro muito brilhante.

Algo positivo pode ser o programa de infra-estrutura que Trump prometeu enquanto (junto com muitos relatórios e comentários) ocultava o fato de que seria o programa de Obama que traria grande benefício para a economia e para a sociedade em geral, embora tenha sido recusado pelo Congresso republicano sob o pretexto de que explodiria o déficit. Embora a acusação fosse espúria na época, dadas as taxas de juros muito baixas, ela se mantém para o programa de Trump, agora acompanhado por reduções de impostos para o setor rico e corporativo e aumento dos gastos do Pentágono.

No entanto, há uma saída, oferecida por Dick Cheney, quando esse disse ao secretário do Tesouro de Bush, Paul O’Neill, que “Reagan provou que os déficits não importam” – ou seja, os déficits que nós, republicanos, criamos para ganhar o apoio popular, deixando para quem vier depois, de preferência os Democratos, a tarefa de arrumar a bagunça. Essa técnica pode funcionar, pelo menos durante algum tempo.

Há também muitas perguntas sobre as consequências da política externa, a maioria sem resposta.

PERGUNTA: Existe uma admiração mútua entre Trump e Putin. Quais as chances, portanto, de vivermos uma nova era nas relações EUA-Rússia?

Uma esperança é que diminuam as crescentes e perigosas tensões na fronteira russa: note “na fronteira russa”, não na fronteira mexicana. (…) Também é possível que a Europa se afaste da América de Trump, como já sugeriram a chanceler [Angela] Merkel e outros líderes europeus – e também se distancie da voz britânica do poder americano, depois do Brexit. Isso pode levar a esforços europeus para desarmar as tensões, e talvez a algo como a ideia de Mikhail Gorbachev de um sistema de segurança eurasiático integrado e sem alianças militares. Essa ideia foi rejeitada pelos EUA em favor da expansão da OTAN e revivida recentemente por Putin – se é verdade, não sabemos, já que foi descartada.

PERGUNTA: A política externa dos EUA com Trump será mais ou menos militarista em relação ao que vimos na administração Obama ou mesmo no governo de George W. Bush?

Não dá para responder com certeza. Trump é muito imprevisível. Há muitas perguntas abertas. O que podemos dizer é que a mobilização popular e o ativismo, devidamente organizados e conduzidos, podem fazer uma grande diferença.

E devemos ter em mente que muita coisa está em jogo.

#########################################

(Tradução: Mi Veronese)

 

Siga: A Casa de Vidro || www.acasadevidro.com

NA LIVRARIA A CASA DE VIDRO, COMPRE:
NOAM CHOMSKYRumo a uma Nova Guerra Fria: Política Externa Eua do Vietnã a Reagan

ASSISTA:

Democracy Now!

Entrevista Channel 4

Roda Viva 1996

NOAM CHOMSKY: RÉQUIEM PARA O SONHO AMERICANO – Assista o filme completo com legendas em português (2015, 71 min)

DocRequiem for the American Dream (2015)
Directed by Peter D. Hutchison, Kelly Nyks, Jared P. Scott

ASSISTA JÁ COM LEGENDAS EM PORTUGUÊS:
Réquiem para o Sonho Americano – Noam Chomsky e os
Princípios de Concentração de Riqueza e Poder
https://youtu.be/gifbKMEp7YU

REQUIEM FOR THE AMERICAN DREAM is the definitive discourse with Noam Chomsky, widely regarded as the most important intellectual alive, on the defining characteristic of our time – the deliberate concentration of wealth and power in the hands of a select few. Through interviews filmed over four years, Chomsky unpacks the principles that have brought us to the crossroads of historically unprecedented inequality – tracing a half century of policies designed to favor the most wealthy at the expense of the majority – while also looking back on his own life of activism and political participation. Profoundly personal and thought provoking, Chomsky provides penetrating insight into what may well be the lasting legacy of our time – the death of the middle class, and swan song of functioning democracy. A potent reminder that power ultimately rests in the hands of the governed, REQUIEM is required viewing for all who maintain hope in a shared stake in the future. Written by Jared P. Scott – IMDB

* * * * *

VEJA TAMBÉM:

Noam Chomsky e Michel Foucault – “On human nature”
(legendas em português)

A ERA DAS UTOPIAS – Uma série de Silvio Tendler (2009, 6 episódios) + UTOPIA & BARBÁRIE – Documentário completo

Era das Utopias
Minissérie exibida pela TV Brasil em 2009
Idealizada e dirigida pelo cineasta Silvio Tendler

Com depoimentos de: Eduardo Galeano, Edgar Morin, Leonardo Boff, Noam Chomsky, Susan Sontag, Ferreira Gullar, Leandro Konder, Chico de Oliveira, Sergio Amadeu, Toni Negri, Amos Gitai, Luis Fernando Veríssimo, dentre outros.

* * * * *

Assista também:

revistaUB_Page_01