Garimpar Músicas: uma das maneiras de se fazer bom uso da internet || Por Tamyres Maciel

GARIMPAR MÚSICAS: UMA DAS MANEIRAS DE SE FAZER BOM USO DA INTERNET

Podemos considerar o advento da internet como a maior revolução do final do século XX e início do século XXI. Por meio dela vimos a globalização tomar forma e a sociedade humana se conectar, se informar, se divertir, enfim… absolutamente tudo que existe está registrado em sites, blogs, redes sociais, a um click de distância. A democratização da informação é tão ampla que toda e qualquer pessoa pode criar e divulgar toda e qualquer coisa da maneira que bem entender por vias virtuais, o que demonstra também a existência de uma faca de dois gumes: muito conteúdo produzido com seriedade e veracidade divide espaço com outros falaciosos e manipuladores. O uso consciente da internet é um tema bastante vasto, que certamente sempre virá à tona. Mas vamos focar aqui em apenas um dos bons usos que a ferramenta em questão nos traz: o garimpo de músicas.

Essa revolução dos meios de comunicação possibilita muitos avanços no que se refere a formas e conceitos que permeiam o universo da arte. Enquanto, num passado recente, artistas da música dependiam das gravadoras para difundir seus trabalhos e conseguir maior visibilidade, hoje em dia basta um celular para registrar o material e internet para divulga-lo. Obviamente, isso implica na qualidade da produção desses materiais, mas não deixa de ser um dos principais pontos acerca do conceito de Arte Independente.

Dentre muitas definições para esse nosso momento histórico, uma das mais legítimas é o fato de vivermos na Era Audiovisual. A produção musical e de seus clipes, por exemplo, está cada vez mais abrangente e autêntica, conta com imagens de diversas perspectivas (aéreas, por exemplo, que ilustram o avanço da tecnologia por meio dos drones), o que me faz definir alguns critérios no estudo que venho desenvolvendo acerca desse tema.

Passei a usar #MúsicaContemporâneaDaMelhorQualidade para definir músicas que têm sido lançadas de 2000 pra cá, sobretudo por artistas independentes da grande mídia. A primeira coisa a se pensar é o uso da expressão “melhor qualidade”. Sinto a necessidade de me debruçar nesse ponto porque trata-se de uma parcialidade explícita. Melhor é uma palavra de cunho avaliativo, ou seja, utilizada para apreciar ou julgar algo ou alguém que se gosta, que se admira por alguma razão. O que considero “melhor qualidade” tem determinadas características que podem não ser os mesmos critérios de “melhor qualidade” na perspectiva de outras pessoas (aviso logo e na humildade!).

Trata-se de uma seleção de musicistas compositoras de letras elaboradas, que trazem à tona diversos assuntos relacionados à nossa sociedade, além de ricas mesclas de instrumentação, guitarras com tambores, por exemplo. Existe uma tendência musical que não prevê em primeiro e absoluto lugar a comercialização em massa, mas demonstra artistas lúcidas em relação à importância da expressão como forma de reflexão do momento histórico. Sobretudo neste em que vivemos: de auge das lutas de resistências, de clamor constante por igualdades e justiças. Vejo esse momento como um tempo de ascensão da soberania Latinoamericana. Não que essas lutas sejam novas, pelo contrário. Elas já existem há um bom tempo, mas com o advento da internet elas se multiplicaram e ganham cada vez mais força.

Entre as décadas de 60 e 70 no Brasil, em que vivíamos os anos de chumbo, aconteceu um fenômeno parecido com este em que nos encontramos: artistas questionavam e apontavam os abusos da ditadura por meio de músicas e, ao mesmo tempo, outras menos comprometidas com as questões políticas da época, simplesmente não tocavam no assunto e contribuíam para a alienação do povo. A grande diferença é que hoje ainda não temos a censura explícita e declarada, além de termos a nosso favor a internet como uma importante ferramenta de difusão das produções que não ganharam espaço nos meios tradicionais de comunicação.

A meu ver, alguns dos temas atuais que melhor inspiram artistas são o empoderamento das mulheres, a urgência na preservação de comunidades indígenas e quilombolas, a ascendência do movimento negro, a liberdade de expressão e sobrevivência da comunidade LGBTQ+, e a necessidade de consciência em relação à conservação ambiental. Certamente não citei todos os temas, porque são inúmeros. Em uma sociedade tão conservadora e mal informada como a brasileira, por exemplo, esses assuntos são extremamente necessários e, enquanto existirmos, vamos falar sobre eles e espalhá-los por todos os cantos, em todas as oportunidades. Nas próximas escritas falarei especificamente de cada um desses temas, das bandas novas que têm surgido e cada vez mais sobre vanguarda contemporânea da música Latinoamericana.

* * * * *

LEIA AS COLUNAS ANTERIORES DE TAMYRES MACIEL EM A CASA DE VIDRO:

#1 – MEU AGORA ATÉ AQUI
#2 – SOBRE CONSTRUÇÃO DE REPERTÓRIOS E PRODUÇÃO MUSICAL CONTEMPORÂNEA

A REVOLUÇÃO NÃO VAI PASSAR NA TELEVISÃO: GIL SCOTT-HERON (1949 – 2011): Discografia para download

TV Gil Scott Heron

Gil Scott-Heron

A REVOLUÇÃO NÃO VAI PASSAR NA TELEVISÃO…
por Eduardo Carli de Moraes para A Casa de Vidro 

 

“Gil Scott-Heron, O artista afro-americano, é simplesmente uma das figuras mais cativantes e importantes do pop mundial”, dispara Alex Antunes no prefácio ao romance Abutre (Ed. Conrad). Continua: “Se você não conhece Gil Scott-Heron, ou até conhece mas nunca ouviu isto posto com tanta convicção, não se acanhe. Nem você nem este escriba estarão errados. O fato é que o exuberante talento do cantor, compositor, poeta, pianista, ficcionista veio embalado em um contexto histórico e político convulsionado e nunca completamente, digamos, ‘dichavado’. Foi a passagem dos anos 60 para os 70, com a radicalização exponencial dos grupos negros, dos estudantes, dos ativistas antiguerra do Vietnã, das feministas…” (p. 9)

A revolução não vai passar na televisão. Nem virá com intervalos comerciais e replays. A revolução, irmão, vai ser ao vivo. Com estas palavras, declamadas no maior pique, Gil Scott-Heron marcou época com o hino de protesto setentista “The Revolution Will Not Be Televised”, perfeita síntese de sua carreira e que demonstra bem sua importância histórica, ao lado do grupo The Last Poets, como pioneiro na história do movimento hip hop.

Ele foi um MC antes de existir o rap; foi como Malcolm X cantando um soul; foi o poeta da Revolução Negra na era pós-Woodstock; foi a encarnação do espírito de confluências e subversões do Hip Hop, antes deste existir “oficialmente” como movimento cultural reconhecido e abocanhador de amplas fatias do mercado musical e audiovisual.

Gil é nativo de Chicago, terra musicalmente marcada pelo blues. Seu mamadeira, aposto, foi turbinada desde cedo com litros de Muddy Waters, B. B. King, John Lee Hooker, Lightnin’ Hopkins – e talvez mais bourbon do que leite. Inspirou-se também na fonte jorrante do jazz e do funkraiz – Roy Ayers, Isaac Hayes, Ray Charles, Smokey Robinson, Curtis Mayfield, Aretha Franklin, Nina Simone, The Coasters, eram algumas de suas “estrelas-guia” e bandas-irmãs.

Já crescido, mudou-se  para New York, mas não aquela dos cartões-postais ou dos filmes de Woody Allen. Aquela N.Y.C. dos guetos e becos flagrados pela lente de Spike Lee, onde porto-riquenhos, dealers, cafetões, putas, tiras corruptos, brancos cuzões, gangues narcotraficantes, artistas contraculturais, comerciantes e camelôs se bicam e se estropiam num cenário urbano caótico e tenso.

BLAXPLOITATION CINEMATOGRÁFICA: Um dos filmes pioneiros, de Melvin Van Peebles

Segundo Antunes, o livro Abutre (The Vulture), que o jovem poeta-MC Scott-Heron publica em 1970, “dá voz ao dilema do negro urbano imobilizado entre ir da emancipação à pacificação – na integração racial – ou à ruptura revolucionária.” (p. 10) Um dos fundadores do movimento blaxploitation, que explodiria no cinema com o filme de 1971 Sweet Sweetback’s Baadassss Song, de Melvin Van Peebles, Gil Scott-Heron prenuncia em sua arte também o cinema de Spike Lee, talvez o cineasta que melhor captou a tensão inerente aos discursos antagônicos do doutor Martin Luther King e do brother Malcolm X.

Era o fim dos anos 1960 quando o que viria a ser conhecido como rap começou a nascer: Scott-Heron e os Last Poets faziam da declamação de poesia sobre uma base percussiva a fundação estética de sua arte inovadora, puro rhythm and poethy. O Black Power não era somente um penteado afro classudo, mas todo um efervescente movimento social, com significativa mobilização sob a forma dos Panteras Negras e de ativistas como Angela Davis e Huey P. Newton.

Impulsionados pelos exemplo de Malcolm X, Martin Luther King, Franz Fanon, Marcus Garvey, dentre outros inspirados, a população afroamericana “se organizava para desorganizar”. Em protesto contra a segregação racial, o preconceito supremacista, o fascismo e o imperialismo, Nixon e a Guerra do Vietnã, dentre outras pragas sociais que eles combatiam inventando um novo som e uma nova poesia, adequadas aos combates dos tempos.

Pouco tempo antes de Scott-Heron “decolar” com o lançamento de seus primeiros álbuns — o spoken word “Small Talk at 125th and Lennox” e o soul-funk “Pieces of a Man” – Jimi Hendrix havia blasfemado lindamente contra o Hino Nacional Americano em frente a 500 mil almas embasbacadas em Woodstock. Enfiando distorção e discórdia no discurso oficial, pintando de negro ou afundando na psicodelia a “Star Spangled Banner”, Hendrix impôs sua figura icônica ao zeitgeist. Scott-Heron, menos piromaníaco, seria também Hendrixiano, voodoo child, e  é hoje reconhecido como uma presença cultural de estatura equiparável a de um Curtis Mayfield, um James Brown, um Jimi Hendrix.

Gil Scott-Heron, junto com seu truta Brian Jackson, gravaram um punhado de discos brilhantes anos 70 e 80 afora. Ao mesmo tempo louvando seus heróis culturais do passado (John Coltrane, Aretha Franklin, Isaac Hayes, Billie Holliday, Al Green…) e com os pés fincados nas problemáticas sócio-políticas da era (em que a “canção de protesto” tinha voltado aos holofotes pelos esforços de Bob Dylan nos anos 60 e a Geração Folk que seguiu seus passos), fizeram pérolas das mais preciosas daquilo que hoje chamamos black music ou rhythm’n’blues (R&B).

Se a obra deste artistaço é tão desconhecida entre nós, brasileiros, isto se deve um pouco à estupidez da “Indústria Cultural”, que não se dava muito bem com o radicalismo ideológico e a riqueza sônica da arte de Scott-Heron. No meio dos anos 70, a black music de conteúdo político-crítico-lúdico-provocativo, que tinha ainda seus paladinos no Funkadelic e no Sly & The Family Stone, viu-se lançada nas sombras pela explosão da discow e da modinha yuppie. O funk Funkadélico e rap à Scott-Heron tomaram um nocaute das vertentes mais comerciais da popdisco, tudo chefiado por um redemoinho chamado Michael Jackson.  “Gil viu sua carreira ser progressivamente eclipsada com a aproximação e a passagem dos anos 80, época em que a caretice yuppie grassou e desgraçou a cultura pop”, escreve  Alex Antunes.

Como o próprio Gil Scott-Heron diz, a galerinha da discow perdeu completamente a noção de que havia uma distinção entre a ferramenta e o objetivo — “the tool and the goal”, como ele diz. A “black music”, cooptada pelas grandes gravadoras, cessou de ser uma tool nas mãos de artistas-ativistas lutando pelo goal da transformação social e comportamental, ou até mesmo da ruptura revolucionária emancipadora, para chafurdar num hedonismo vazio e consumista. A “balada” foi sendo despolitizada e foi virando cada vez mais uma curtição frívola e sem consequências, quase um mecanismo de fuga, e demoraria alguns anos até que o Punk nascesse para chutar o rabo da Geração Discotèque e trazer de volta o inconformismo e a rebelião para o centro do quadro… O que queriam rappers e punks, é claro, é que as baladas voltassem a ser perigosas…


Gil Scott-Heron, apesar do ostracismo em que caiu por grande parte dos anos 90 e 00, principalmente por ter sido enjaulado pelos tiras duas vezes por posse de “substâncias controladas”, continuou ativo e operante até o início da década de 2010, quando lançou seu canto-do-cisne, o álbum “I’m New Here”. Suas palavras e discos ecoam dos anos 70 até hoje e “Gil sobreviveu nos samples – de Professor Griff, PM Dawn, Warren G, Chubb Rock, A Tribe Called Quest, KRS-One – para vir, finalmente, a ser entronizado como um dos pais do rap, apenas um passo atrás do coletivo nova-iorquino dos Last Poets”, diz o Antunes.

Pois é: não é à toa que Gil Scott-Heron é reconhecido por grandes figuras do Movimento Hip Hop mundial — como Chuck D ou Mos Def — como um dos Pais da Matéria, “The Godfather of Rap”. Sem ele, talvez não tivessem surgido o Public Enemy e o Outkast, a Lauryn Hill e o Ben Harper, o Rappa e o Planet Hemp. Sem falar que Gil, sendo um maconheirão prá-lá-de-gente-fina, continua sendo uma referência para todos os que curtem os efeitos de expansão da consciência, do senso-de-humor e da percepção estética gerados pela sagrada cannabis…

Pra quem curte literatura, vale frisar ainda que Gil Scott-Heron, poeta de mão cheia, escreveu ainda dois romances: The Nigger Factory e Abutre, e este último foi lançado no Brasil via Conrad e vale cada centavo. Narra a via-crúcis de um traficante de drogas de New York que não para de tretar com os porto-riquenhos e vê sua vida sempre ameaçada pelos becos escuros do Harlem, Chelsea e redondezas. Lê-se com o prazer que se tem vendo um bom filme de Spike Lee ou um clássico da blaxpoitation (tendência que Tarantino “homenageou” em Jackie Brown).

Devorem abaixo, pois, um bocado de discos deste grande Mestre do rhythm and poetry (R.A.P.!), Gil Scott-Heron – a discografia completa que aqui contrabandeamos pode ser baixada gratuitamente, mas não comercializada; o download está liberado pelo mérito cultural desta obra ainda inacessível em sua inteireza no Brasil, de modo que recomendamos aos usuários que queimem este Beck sônico no espírito do compartilhamento livre e da instrução mútua. Voilà!

DOWNLOAD DA DISCOGRAFIA COMPLETA



LIVE


BLACK WAX – 1h 41 min


Gil Scott-Heron and His Amnesia Express – Tales Of Gil (1990)
1. Three Miles Down
2. We Almost Lost Detroit
3. Angel Dust
4. Winter In America
5. Johannesburg
6. The Bottle

ARETHA FRANKLIN NO ANOS 1960 e 1970 [VÍDEOS AO VIVO E DOWNLOAD DE ÁLBUNS COMPLETOS] #CYBER_JUKEBOX

ITALY - AUGUST 01: Photo of Aretha Franklin 8; live in Palermo (Photo by Jan Persson/Redferns)

Com vocês, em nossa Cyber Jukebox, a magnífica Aretha, “the undisputed Queen of Soul, her gospel-tinged R&B displays one of the greatest voices in recording history.”

“RESPECT” (1960s)

“CHAIN OF FOOLS” (1968, Amsterdam)

“EVIL GAL BLUES” (1964)

“MOCKING BIRD” (1960s)

Aretha 3
Aretha
Aretha2

“WON’T BE LONG” (1964)

“ROCK-A-BYE YOUR BABY WITH A DIXIE MELODY”

“SAY A LITTLE PRAYER”

“TODAY I SING THE BLUES” (1960)

aRETHA f
Wendy Fuller
ray
Aretha5“ALL NIGHT LONG” (1961)

“TINY SPARROW” (1964)

“SPIRIT IN THE DARK”
(SHOW no Filmore East, 1971, San Francisco, participação de Ray Charles, 25min.)

Aretha6

* * * * *

Aretha-Franklin_Imagem-da-capa-de-Respect_DR

Aretha

DOWNLOAD DA CAIXA COM 4 CDS THE QUEEN OF SOUL
87 músicas. Lançamento: 2004.
Downloadar por Torrent, Google Drive ou Mediafire.

---------------------------------------------------------------------
                       Tracklisting
---------------------------------------------------------------------

CD 1

    “I Never Loved A Man (The Way I Love You)”
    “Do Right Woman – Do Right Man”
    “Respect”
    “Drown In My Own Tears”
    “Soul Serenade”
    “Don’t Let Me Lose This Dream”
    “Baby, Baby, Baby”
    “Dr. Feelgood (Love Is A Serious Business)”
    “Good Times”
    “Save Me”
    “Baby, I Love You”
    “Satisfaction”
    “You Are My Sunshine”
    “Never Let Me Go”
    “Prove It”
    “I Wonder”
    “Ain’t Nobody (Gonna Turn Me Around)”
    “It Was You” (Aretha Arrives Outtake)
    “(You Make Me Feel Like) A Natural Woman”
    “Chain Of Fools”
    “People Get Ready”
    “Come Back Baby”
    “Good To Me As I Am To You”
    “Since You’ve Been Gone (Sweet Sweet Baby)”
    “Ain’t No Way”

CD 2

    “Think”
    “You Send Me”
    “I Say A Little Prayer”
    “The House That Jack Built”
    “You’re A Sweet Sweet Man”
    “I Take What I Want”
    “A Change”
    “See Saw”
    “My Song”
    “I Can’t See Myself Leaving You”
    “Night Life” (Live)
    “Ramblin’”
    “Today I Sing The Blues”
    “River’s Invitation”
    “Pitiful”
    “Talk To Me, Talk To Me” (Soul ‘69 Outtake)
    “Tracks Of My Tears”
    “The Weight”
    “Share Your Love With Me”
    “Pledging My Love/The Clock”
    “It Ain’t Fair”
    “Sit Down And Cry”
    “Let It Be”
    “Eleanor Rigby”
    “Call Me”

CD 3

    “Son Of A Preacher Man”
    “Try Matty’s”
    “The Thrill Is Gone (From Yesterday’s Kiss)”
    “Dark End Of The Street”
    “You And Me”
    “You’re Taking Up Another Man’s Place” (Spirit In The Dark Outtake)
    “Don’t Play That Song”
    “Why I Sing The Blues”
    “Spirit In The Dark”
    “My Way” (Spirit In The Dark Outtake)
    “One Way Ticket”
    “Pullin’”
    “Border Song (Holy Moses)”
    “A Brand New Me”
    “You’re All I Need To Get By”
    “Bridge Over Troubled Water”
    “Spanish Harlem”
    “Lean On Me”
    “Spirit In The Dark” (Reprise with Ray Charles)

CD 4

    “Rock Steady”
    “Young, Gifted And Black”
    “All The King’s Horses”
    “Oh Me Oh My (I’m A Fool For You Baby)”
    “Day Dreaming”
    “Mary, Don’t You Weep” (Live)
    “Climbing Higher Mountains” (Live)
    “Precious Memories” (Live)
    “Master Of Eyes”
    “Angel”
    “Somewhere”
    “So Swell When You’re Well”
    “I’m In Love”
    “Ain’t Nothing Like The Real Thing”
    “Until You Come Back To Me (That’s What I’m Gonna Do)”
    “Look Into Your Heart”
    “Sparkle”
    “Something He Can Feel”


---------------------------------------------------------------------

#CYBERJUKEBOX (001) – DISCOS PARA DOWNLOAD >>> Poets of Rhythm, Cold Blood, Stephane Grappelli, Cécile McLorin Salvant

* * * * *

* * * * *

* * * * *

DYLANMANÍACOS – Uma coletânea exclusiva só com canções de Bob Dylan em interpretações de: Jimi Hendrix, Jeff Buckley, Rage Against the Machine, Joe Cocker, The Band, Joan Baez, dentre outros

Bob-Dylan-1960s-music-33490640-675-897
Uma coletânea exclusiva só com canções de Bob Dylan em interpretações de: Jimi Hendrix, Jeff Buckley, Rage Against the Machine, Joe Cocker, The Band, Joan Baez, dentre outros

Click PLAY acima

1. HENDRIX. All Along the Watchtower.
2. JOAN BAEZ. Simple Twist of Fate.
3. JEFF BUCKLEY. I Shall Be Released.
4. PJ HARVEY. Highway 61 Revisited.
5. THE BAND. Tears of Rage.
6. ODETTA. Masters pf War.
7. RICHIE HAVENS. Just Like a Woman.
8. JOE COCKER. Girl From North Country.
9. JIMI HENDRIX. Like a Rolling Stone (live).
10. RAGE AGAINST THE MACHINE. Maggie’s Farm

Logo mais, volume 2.

* * * * *

Tiragosto:

Jeff Buckley – “I Shall Be Released”

Read more at Relevant Magazine / Mojo / Paste

PATTI SMITH: Discografia completa de 1975 a 2012 (“There’s a million membranes to break through…”)

pattishoulder

PATTI SMITH
Discografia completa de 1975 a 2012:
http://bit.ly/1lFmtzp (torrent, 320kps, 2.6 gb)

1975 – Horses [30th Anniversary Legacy Edition] 2 Disc
1976 – Radio Ethiopia
1978 – Easter
1979 – Wave
1988 – Dream Of Life
1995 – Paths That Cross – 2 Disc
1996 – Divine Intervention
1996 – Gone Again
1997 – Peace And Noise
2000 – Gung Ho
2002 – Land – Best Of 1975 To 2002 – 2 Disc
2004 – Trampin
2007 – Twelve
2011 – Exodus – Live 1978
2012 – Banga

COMPARTILHAR NO FACEBOOK