DO LUTO À LUTA: “Eles podem cortar todas as flores, mas não vão deter a primavera?”

Podemos tentar nos consolar com os bálsamos da poesia. Podemos evocar Neruda e dizer que “eles podem cortar todas as flores, mas não vão deter a primavera”. Podemos invocar um batalhão de metáforas e, como os mexicanos chorando a chacina dos 43 estudantes, confortar nossas angústias diante dos caixões de Marielle e Anderson dizendo: “tentaram enterrar vocês, mas não sabiam que vocês eram sementes.”

Podemos “acender as velas”, afinal isso “já é profissão”, como diz o samba triste de Zé Keti, e no velório da companheira podemos nos instigar a acender as chamas da insurreição. Podemos pregar que o sentimento de luto deve ser elaborado, o mais rápido possível, para que seja mobilizado nas lutas que o tempo histórico que de nós exige, mas do luto à luta há um abismo – e saberemos criar esta ponte? Como se faz a travessia do luto como substantivo, e tão melancólico, ao luto como verbo, e tão aguerrido?

Podemos pegar em nossas mãos molhadas de lágrimas o destino estraçalhado de Marielle e tentar erguê-la ao pedestal dos símbolos, dos emblemas, dos mártires. Podemos até mesmo re-desenhar, pela via da arte, o Rio de Janeiro do cartão-postal, de modo a chutar o Cristo Redentor para escanteio e pôr em seu lugar uma mulher negra periférica que está crucificada em meio a uma Baía de Sangue. É o cartão-postal que o Rio merece nestes dias que se seguiram ao Dia Internacional da Mulher de 2018.

Podemos, e devemos, fazer com que esta voz que foi calada a balas possa reverberar – pois o nosso silêncio seria a vitória dos assassinos. Podemos tentar fazer esta cabeça cortada do tronco ser como a da mítica hidra. Que milhares de cabeças possam falar, em alto e bom som, o que Marielle falava com sua coragem ímpar; ecoando suas pautas, continuando suas lutas, dando sequência a seu legado, inspirando-nos em seu exemplo, faríamos com que sua morte não tivesse sido em vão.

Mas mesmo com tudo isso que podemos fazer, e não sei se faremos, o momento histórico é desconsolador. Se a democracia já respirava por aparelhos, as 4 balas que estraçalharam o crânio de Marielle Franco já levaram o que sobrava de vida na combalida democracia brasileira para o beleléu. O nosso faro fareja fascismo neste crime hediondo. Uma execução política que besunta de sangue a linha do tempo e estabelece um marco muito visível: a partir daqui começa de vez o que Rubens Casara vem chamando, desde o golpe de 2016, de “Estado Pós-Democrático”.

A monstruosidade humana escancarou de novo sua face horrenda – esta, que de tanto se manifestar, acaba por nos parecer banal e normal. Calaram com brutalidade a vida ainda em flor de Marielle Ramos e não existe cura para a ausência no mundo que este crime acarretou. Nas manifestações oceânicas que tomaram as ruas em 15 de Março de 2018, mostramos de fato alguma força de reação e resistência, salutar contra o perigo também horrendo da apatia e da desistência.

Houve até quem nutrisse esperanças de que vinha aí uma maré de mobilização similar às Jornadas de Junho de 2013. Eis nossa velha tendência a buscar compreender um presente inédito com categorias forjadas com a experiência pretérita, sem aceitar que os Junhos de outrora não voltarão, e que o que há por vir nunca dantes esteve aqui.

E pode ser que o porvir seja pesadelo. Pode ser que a lei de Murphy que postula “nada é tão ruim que não possa piorar” vá valer aqui. As mídias sociais, se tem o potencial de articulação e ferramenta de mobilização que Manuel Castells analisou em Redes de Indignação e Esperança, também podem ser uma descida ao Hades da monstruosidade humana. Contam-se aos milhares os internautas que se manifestaram celebrando o assassinato de Marielle, dizendo que ela “merecia mesmo ser degolada”, argumentando “quem mandou defender bandidos?”, prometendo que no futuro, sob a presidência do “Bolsomito”, “não vai sobrar nenhum socialista vivo”. Nem nenhum indígena. Nem nenhuma preta metida a besta que fica se metendo em política…

De onde esta gente tira esta capacidade para o ódio mais sectário, de onde tira a sem-vergonhice de tirar seu fascismo do armário e desfilá-lo em praça pública como se fosse fantasia carnavalesca, e não uma feiúra horrenda? Como pôde uma doutrina de tamanha intolerância e desprezo pela diversidade humana tomar conta, feito uma epidemia, de uma parcela tão grande da população brasileira, a ponto de Bolsonaro estar prestes a receber alguns milhões de votos nas urnas?

Não seria tão preocupante se houvessem uma meia dúzia de políticos fascistas por aí, o que é preocupante é o tamanho dos fã-clubes. E preocupante é a estupidez atordoante desses que defendem posturas racistas, supremacistas, militaristas, machistas, homofóbicas, fundamentalistas, e que não tem o mínimo senso de decência, a ponto de cagarem palavras desumanas nas redes sociais com seus aplausos aos algozes de Marielle. Diante dessa gente, de fato vira problema filosófico a questão colocada por Márcia Tiburi: “Como Conversar Com Um Fascista?” Diante da catarata de burrice que eles manifestam, ficamos tentamos à zueira que Millôr Fernandes fazia: tem muita gente em quem “a boca é o aparelho excretor do cérebro”.

É em momentos históricos assim que podemos compreender melhor o que Hannah Arendt quis dizer quando, em seu diagnóstico sobre a Solução Final, o Holocausto, os horrores do III Reich, elencou entre as causas da catástrofe a “irreflexão”. Estes milhões que se dizem eleitores de Bolsonaro, já pararam para refletir no que significa dar seu aval a um sujeito que faz o elogio público do torturador e carrasco Ustra, “o pavor de Dilma Rousseff”? Onde foi que tantos de nós perdeu sua humanidade a ponto de somar forças com um estúpido apologista da tortura e da crueldade?

Que tipo de retumbante fracasso da Educação no país explica que existam tantos defensores do militarismo, mesmo após os inúmeros horrores perpetrados pelo terrorismo de Estado durante a noite de 21 anos inaugurada pelo golpe de 1964? Onde fracassamos tão feio a ponto da cegueira ter atingindo dimensões de Praga Saramaguiana?

A ponto de um batalhão de agentes da banalidade do mal ficarem pregando de suas cyber-bolhas que “bandido bom é bandido morto” e que “direitos humanos são para humanos direitos”, justificando assim chacinas e genocídios contra uma parcela da humanidade que é considerada desprovida do “direito a ter direitos” de que fala Hannah Arendt. E estamos em pleno horror de ascensão do fascismo sempre que uma parcela da população é considerada “matável”, estigmatizada como Escória do Mundo (ver o excelente livro de Eleni Varikas), disponibilizada para os massacres administrativos…

Já Marielle era a renovação em ação, a participação política popular em estado concreto, uma exuberante força da natureza, toda resiliência e ousadia. Uma daquelas mulheres que entrará para a história ao lado de Carolina Maria de Jesus, de Dandara, de Angela Davis, de Audre Lorde, de Nina Simone etc. Flor-afro crescida na Maré, guerreira pelo conhecimento que se formou em Ciências Sociais na PUC-RJ, pesquisadora tenaz da segurança pública, da violência urbana, das UPPs e das intervenções militares, Marielle escolheu a via da política e agora sua travessia foi brutalmente encurtada. Nunca saberemos que futuro ela poderia ter forjado se tivesse sobrevivido.

Uma pessoa iluminada por suas vivências, pelos amigos e parentes que viu sofrerem lutos e perdas, educada na escola tétrica das chacinas, a Marielle pôs mãos à obra, não quis ser espectadora, entrou de cabeça na política institucional. E triunfou nela, sem nunca se encerrar no âmbito restrito das instituições e seus muros – pouco antes de morrer, estava num encontro de Mulheres Negras Que Movem Estruturas.

Eleita com mais de 50.000 votos para a Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro pelo PSOL, em 2016, em sua primeira fala naquela Casa declarou-se seguidora da Filosofia Ubuntu. Seu lema de campanha – e de vida – foi “eu sou porque nós somos”. Filiava-se a esta sabedoria africana, propagada entre ocidentais por Nelson Mandela e Desmond Tutu. Defendia uma sociedade que enterrasse o apartheid, a continuação da segregação racial e do genocídio continuada dos negros, pobres, periféricos. Lutava por construir uma sociedade do ubuntu – da partilha, da participação, da solidariedade, da generosidade, do compartilhamento, da confiança, da união fraterna, do façamos juntos. Ninguém é, todos somos.

“UBUNTU é também uma maneira de dizer: ‘minha humanidade é ligada inextricavelmente à sua’ ou ‘nós pertencemos ao mesmo ramo de vidas’. Nós temos um princípio: ‘um ser humano existe somente em função de outros seres humanos’. É muito diferente do ‘penso, logo existo’ de Descartes. Isto significa antes que: ‘eu sou humano porque faço parte, participo, partilho’.

Uma pessoa que tem o UBUNTU é aberta e disponível, valoriza os outros e não se sente ameaçada se os outros são competentes e eficazes, na medida em que ela possui uma confiança que se alimenta do sentimento de que ela pertence a um grupo e que ela se sente rebaixada quando os outros são rebaixados, humilhados, torturados, oprimidos ou tratados como menos que nada.” – DESMOND TUTU

Dirão que estou idealizando a falecida – que, aliás, não conheci pessoalmente, e cujo trabalho não acompanhava de perto antes de que esta execução a colocasse nos holofotes do Brasil e do mundo. Talvez seja verdade, mas este ideal também serve como bálsamo nestes tempos sombrios. E como disse John Lennon, “you may say I’m a dreamer, but I’m not the only one.” O oceano de gente que saiu às ruas após o assassinato de Marielle também compreendeu que era preciso que ela saísse da vida e entrasse na história – e que o faria como ideal. Ideal de mulher empoderada, de feminista negra, de defensora dos direitos humanos elementares, de ser humano engajado na vita activa e na esfera pública, jamais se calando diante das múltiplas opressões e injustiças de que o mundo está repleto.

Nestes tempos em que o Brasil parece um pesadelo do qual nos esforçamos em vão por acordar, Marielle se tornou para nós a mártir que nos inflama os afetos da indignação, da rebeldia, da ânsia transformadora, sem os quais jamais construiríamos a ponte que vai do luto à luta, nem jamais cultivaríamos os jardins que fariam florescer novas primaveras após termos tantas flores massacrados pelas fardas e pelos tanques.

Marielle Franco, presente! Hoje e sempre.

Eduardo Carli de Moraes | A Casa de Vidro | 17/03/2018

 

Leia também:

1º DE MAIO: O NASCIMENTO DE UM RITO OPERÁRIO – Por Michelle Parrot em “Os Excluídos da História” (Ed. Paz & Terra)

Por Laerte Coutinho


1º DE MAIO: O NASCIMENTO DE UM RITO OPERÁRIO
Por Michelle Parrot em “Os Excluídos da História” (Ed. Paz & Terra)

Historiadora e feminista francesa, nascida em 1928, Michelle Parrot dedica um de seus artigos reunidos no livro “Os Excluídos da História – Operários, Mulheres e Prisioneiros” (Ed. Paz & Terra, 2017, 7ª edição, trad. Denise Bottman) à instigante e minuciosa descrição do “primeiro 1º de Maio” da história européia, ocorrido na França em 1890.

“Resultante de um ato político deliberado, essa manifestação ilustra o lado voluntário da construção de uma classe – a classe operária -, à qual os socialistas tentam dar uma unidade política e cultural através daquela pedagogia da Festa cujo princípio, eficácia e limites há muito tempo tinham sido experimentados pela Revolução Francesa.

Jules Guesde (1845 – 1922)

Em sua iniciativa, o 1º de Maio é incontestavelmente criação de cima, e em particular da corrente mais organizada em termos políticos, a corrente marxista (na França, os guesdistas).(…) Mas, por outro lado, essa manifestação foi precedida por proposições e experiências que, sob certos aspectos, ela cristaliza; assim é o caso da rica experiência americana com a qual, nessa época, o movimento operário se declara amplamente solidário. De modo mais indireto, ela se enraíza na combatividade habitual do maio operário, mês recordista de greves, e talvez, a mais longo prazo, na tradição da primavera dos maios aldeões…

Esse 1º de Maio tem a incerteza e o insólito dos inícios. De quem os primeiros manifestantes do 1º de Maio são herdeiros? Do que são portadores? Pelo menos quais são seus gestos e suas palavras?

A INVENÇÃO DO 1º DE MAIO

A invenção do 1º de Maio, como se sabe, está ligada ao nascimento da Segunda Internacional, cujo primeiro congresso se realiza em Paris em julho de 1889. Em 20 de Julho, ao cabo de um debate bastante confuso, no qual se discutiu principalmente a escolha da data, é votada, por proposta de Raymond Lavigne, um militante guesdista de Bordeaux, a seguinte moção: “Será organizada uma grande manifestação internacional com data fixa, de modo que, em todos os países e em todas as cidades ao mesmo tempo, no mesmo dia marcado, os trabalhadores intimem os poderes públicos a reduzir legalmente a jornada de trabalho a 8 horas.”

Vários traços surpreendem nesta resolução. Em primeiro lugar, a vontade de mostrar a força do proletariado pela simultaneidade da demonstração, reveladora de um certo sentido de encenação e de uso da mídia típico de uma psicologia das multidões em pleno desenvolvimento. Trata-se de dar à classe operária consciência de si mesma através da realização de gestos idênticos num amplo espaço e de impressionar a opinião pública com tal espetáculo.

Segunda característica: o interlocutor designado pelos trabalhadores são “os poderes públicos”, isto é, o Estado e suas diversas instâncias. Concorda-se em “intimá-los” a aplicar as reformas sociais, e particularmente a redução da jornada de trabalho, elemento unificador da reivindicação operária.

Terceiro traço: a referência ao precedente americano para a escolha da data do 1º de Maio, preferida a outras – 14 de Julho, 18 de Março ou 21 de Setembro -, descartadas por serem ligadas demais
à história política francesa, singular demais para um encontro universal. O 1º de Maio americano, inaugurado em 1886 pelos Cavaleiros do Trabalho (Knights of Labor), já tinha suas vítimas: naquele dia, a violência com as forças armadas resultara em mortes em Milwoukee e em Chicago.

O processo dos oito “mártires de Chicago”, entre os quais quatro foram enforcados em 11 de novembro de 1887, tivera uma repercussão real, visível nos jornais e no imaginário popular.

(SAIBA MAIS: A REVOLTA DE HAYMARKET / THE HAYMARKET AFFAIR)

Saiba mais no Portal Vermelho: “O Dia Mundial do Trabalho foi criado em 1889 por um congresso da Internacional Socialista realizado em Paris. A data foi escolhida em homenagem à greve geral que aconteceu em 1º de maio de 1886, em Chicago, o principal centro industrial dos Estados Unidos naquela época. Hoje, é celebrada em todo o mundo, menos no país onde sucederam os acontecimentos que a inspiraram, os EUA.”


A REIVINDICAÇÃO DAS OITO HORAS

Na França, a ideia de uma manifestação operária internacional está presente desde 1883-1884, principalmente nos meios libertários. Aos anarquistas franceses deve-se a ideia de greve geral e a prática da “intimação”, por ocasião da grande manifestação dos “sem trabalho” de março de 1883 em Paris. Aos anarquistas americanos cabe a escolha do 1º de Maio e das 8 horas de trabalho diárias – e sobretudo uma experiência de luta cruenta que, de certa forma, sacralizava a data.

Os guesdistas quiseram principalmente canalizar essas energias operárias em direção ao Estado, dar ao movimento um sentido político, mais que social e antipatronal. Daí o sentimento de logro, de confisco que sentiram e denunciaram os anarquistas. Para além dessas brigas sobre a paternidade, que aliás recobrem escolhas estratégicas reais, o que nos interessa são as origens mais distantes, as matrizes…

A reivindicação das 8 horas é de uma ambivalência que ilumina o significado do movimento. Denis Veiras, autor da História dos Sevarambos, utopia de 1677, imagina a jornada ideal, dividida em 3 partes iguais: trabalho, prazer, repouso. Sem dúvida seria preciso buscar ainda mais longe as raízes dessa visão trinitária e trifuncional do tempo, ligada às representações míticas e às regras dos números de ouro. “8 horas de trabalho, 8 horas de repouso, 8 horas de lazeres”: os famosos três 8s enunciados deste então, exprimindo ao mesmo tempo uma representação quase estrutural do mundo e o projeto de uma sociedade harmoniosa, equilibrada: por vir.

Assim é na ilustração de Grandjouan publicada em L’assiette Au Beurre (A Abastança – 28 de Abril de 1906), em que as três Graças, três mulheres nuas, com penteados e posturas diversas, encarnam os três 8.

O que impressiona às vésperas deste 1º de Maio francês é o contraste entre a pobreza das instruções precisas e a grandeza das evocações. Trata-se de mostrar a força do proletariado pela simultaneidade da manifestação, de dar à classe operária uma autoconsciência através da realização de gestos idênticos num vasto espaço – os “dois Mundos” (o Ocidente e o Oriente) – e impressionar a opinião pública com tal espetáculo. É preciso elevar “uma população operária adotando o hábito, de uma ponta a outra do país, de agir simultânea e energicamente”, de mobilizar “a força imponente, imperiosa, irresistível desse povo de trabalhadores erguendo-se unanimemente frente a seus senhores (…) para reclamar numa imensa e única voz seus direitos à vida, ao bem-estar e aos benefícios da civilização.

O peso das palavras e das imagens sugeridas revela um certo sentido da encenação e do uso da mídia, característicos de uma “psicologia das multidões” (Gustave Le Bon, 1895), em pleno desenvolvimento. Mas para além desse modernismo, o rito operário se inscreve nas mais antigas tradições religiosas: a da comunhão dos Santos, a da comemoração sacrificial. Fazer a mesma coisa ao mesmo tempo: esse grande princípio da prática religiosa encontra-se aqui, por um rasgo de gênio, transferido para o movimento operário, novo Moisés de uma nova Terra Prometida. Exaltação de um Povo unido por uma celebração comum, o Primeiro de Maio é em suma uma Missa Cantada operária.

PARROT, Michelle. Pg. 133-147.

Adentre A Casa de Vidro
www.acasadevidro.com


LEIA TAMBÉM:

TEXTO DE LENIN PARA O “MAY DAY” de 1904

* * * * *

VOLTAIRINE DE CLEYRE: [ACESSAR POST]

André Dahmer: “A Cabeça É A Ilha” – Antologia com 238 tiras [LIVRARIA A CASA DE VIDRO]

“A CABEÇA É A ILHA” – André Dahmer
>>>  (R$15 + frete @ A Casa de Vidro)

Criador do fenômeno dos quadrinhos “Malvados”, André Dahmer nasceu no Rio de Janeiro, em 1974, é pintor e quadrinista. Neste livro, com prefácio de Arnaldo Branco, Dahmer sonda a solidão, o desencontro e a incompreensão em suas múltiplas formas. Nesta antologia de 238 tirinhas em preto-e-branco, repletas de sarcasmo e poesia, Dahmer revela um mundo em que “os solitários são muitos e estão em todos os lugares. Seguem morrendo aos poucos nos bares e dentro de quartos, varando madrugadas sinistras com a ajuda da pornografia em banda larga e álcool. Eles estão nos cinemas, comendo pipoca sozinhos. Despercebidos, os solitários se arrastam pelos labirintos da timidez ou vivem de um sentimento permanente de estranheza diante do mundo, com toda razão: é que hoje em dia o amor é artigo raro e a indiferença é vendida, aos borbotões, como moderno (e único) modelo a ser seguido. ‘A Cabeça É A Ilha’ é um livro para esses seres estranhos, gente que conversa com os outros olhando para o chão. Para os que falam sozinhos, bêbados em seus apartamentos. Para os que os olham para os edifícios altos como uma saída digna para o sofrimento. Não que o livro vá curá-los de toda angústia… mas rir da própria dor é uma forma de domesticar nossos monstros e aceitar nossa fragilidade diante do abandono, da indiferença…” (André Dahmer, prefácio, p. 8-9)

Livro novo, 150 pgs. Compre n’A Casa de Vidro em Estante Virtual:
https://www.estantevirtual.com.br/mod_perl/info.cgi?livro=475858385

 

ASSISTA TAMBÉM:

Dobradinhas Literário-Pictóricas: Clarice Lispector & Van Gogh

starry-night-by-vincent-van-gogh-osa430

” – Escute-me, amigo, a lua está alta no céu. Você não tem medo? O desamparo vem da natureza. Esse luar, pense bem, esse luar mais branco que o rosto de um morto, tão distante e silencioso, esse luar assistiu aos gritos dos primeiros monstros sobre a terra, velou sobre as águas apaziguadas dos dilúvios e das enchentes, iluminou séculos de noites e apagou-se em seculares madrugadas… Pense, meu amigo, esse luar será o mesmo espectro tranquilo quando não mais existirem as marcas dos netos dos seus bisnetos. Humilhe-se diante dele. Você apareceu um instante e ele é sempre. Não sofre, amigo? Eu… eu por mim não suporto. Dói-me aqui, no centro do coração, ter que morrer um dia e, milhares de séculos depois, indiferenciado em húmus, sem olhos para o resto da eternidade, eu, EU, sem olhos para o resto da eternidade… e a lua indiferente e triunfante, mãos pálidas estendidas sobre novos homens, novas coisas, outros seres. E eu Morto! – respirei profundamente. – Pense, amigo. Agora mesmo ela está sobre o cemitério também. O cemitério, lá onde dormem todos os que foram e nunca mais serão. Lá, onde o menor sussurro arrepia um vivo de terror e onde a tranquilidade das estrelas amordaça nossos gritos e estarrece nossos olhos. Lá, onde não se tem lágrimas nem pensamentos que exprimam a profunda miséria de acabar… Ouça, vou dizer mais: eu queria morrer vivo, descendo ao meu próprio túmulo e eu mesmo fechá-lo, com uma pancada seca. E depois enlouquecer de dor na escuridão da terra. Mas não a inconsciência.”

Palavras de um personagem de Clarice Lispector (1920 – 1977), no conto “Mais dois bêbedos”, que integra o livro “Todos os Contos”, Editora Rocco, 2016, organização de Benjamin Moser, pg 130-132.

Pintura: “Noite Estrelada” de Vincent Willem van Gogh (1853 – 1890).

Um oferecimento: A Casa de Vidro – Portal cultural e livraria virtual || http://www.acasadevidro.com/

cCompre este livro de Clarice Lispector em nossa livraria na Estante Virtual

COMPARTILHAR ESTE POST NO FACEBOOK

OS LIRISMOS INCATALOGÁVEIS DO VALDERUNDESTEIN: 12 POEMAS ILUSTRADOS – Por Vitor Hugo Lemes & Bergkamp Magalhães

1

Ilustrações: Bergkamp Magalhães.

I

o amor é eterno, claro.
expressão maior de um deus
fora do tempo e espaço
substrato sensorial da metafísica
como tal, embora seja possível que não exista
há que se investigar, por deixar pistas
marcas imprecisas em quem precisa
e em quem não precisa…

um conceito vazio preenchido pelos sentidos
intriga o amante e o amigo
aquém de quem compreende pois sente-se
estende-se em busca de um tempo perdido
manter contudo a velha opinião formada sobre tudo
ajuda, quem diria
o amor é o calor num mundo de entropia
desvanece e esfria
ou então esquece-se
e recria…

Versos: Vitor Hugo Lemes
[COMPARTILHAR]

* * * * *

II

2

não há mundo possível – quântico ou metafísico
ao qual eu pertença, não há para mim
máxima ou sentença
desajustado irrompi e o exílio fez-se em mim
o lugar comum
não há regra geral ou meta que me estabeleça
nasci assim, estranho
como um ombro acima da cabeça
e não há perda ou ganho
em ser aos mundos todos simultâneo
e incatalogável

[COMPARTILHAR]

* * * * *

III

4

lendo Sartre num parque qualquer da cidade
de seu lado burguês vendo à tarde
“Verão. O ar estava morno e denso”
aqui primavera, calor imenso
intenso por um momento
o vento sopra, as folhas se movem
o sol encontra minha alcova
a leitura avança densa e prazerosa
jocosa a vida é âmbar sobre as lentes
desses óculos
periscópios que divisam o nada
de lugar nenhum
desatento contemplo o lago
vago e comum existo
“Existir é isto: beber-se a si próprio sem sede”.
vede que fede aquele que cede
ao cômodo sua liberdade
essa sim, cômodo de vaidade
que te prende a tarde lendo livros em parques
nas grandes áreas de especulação imobiliária da cidade
mas és livre, é verdade
vives tua brevidade
Sem deixar nenhum espaço a sanidade
ou deidade qualquer das tantas banalidades
de que se compõem convicções
e verdades

[COMPARTILHAR]

* * * * *

IV

5 reak

ao som do jazz
sou como uma máquina de escrever
que trabalha incansavelmente

ao som do jazz e do soul – sou!
uma máquina, bem operada

soo como uma máquina com bons suprimentos,
são bons sentimentos
a dissolver
em cada berro ou nota aguda do trompete
minh’alma grita e repete pela escrita
a dor do instrumentista
e isso mexe
“lágrima é dor derretida”
e ela derrete
cai, borra a folha
e embora a vida seja escolha
nesse momento sou eu instrumento
isento de trava
não por minha escolha
cultivo e planto palavra
e quem quiser que colha…

[COMPARTILHAR]

* * * * *

V

3

João bobo, mais uma engrenagem na grande máquina do povo
Vivendo e sendo bem a margem o admirável gado novo
João, coragem, trabalha com afinco, se acordas já as cinco
As seis têm condução, lotada, e a condição é nenhuma
Aos poucos logo se acostuma com essa tal situação
As oito em ponto já te esperam na função que te puseram
Pra cumprir sua missão. Quem a escolheu, João?
Qual o seu papel no mundo? Qual seria o do Raimundo?
Qual seria o do Tião? Não! Trabalhas…
“Trabalhas sem alegria para um mundo caduco, onde as formas e as ações no encerram nenhum exemplo.”
E tu já tens tão pouco tempo
Não pense tanto, pois é tão moço, até as duas tem o almoço
E o tempo nunca foi tão bom, mas dura pouco, João
A lida se estende e você compreende que é “necessário” meu irmão
Já deram seis, e é a sua vez, com uma a mais de deslocamento
E esse horário é só tormento, mas tu já vai chegar em casa
As vezes o trânsito te atrasa, mas vê se esqueça esse ranço
Que agora é hora do descanso e o tempo nunca foi tão bom
Mas dura pouco, João. E dói um pouco também
Pensar que ele, o tempo, meio que se perdeu
Que nesse meio tempo o dia ainda não foi seu… E o tempo te fodeu!
Meu, não! Não pense tanto, João, descansa a mente
Eu sei que às vezes ela mente, mas bão é ver televisão
Novelas e telejornais, nas grandes telas os mais sensacionais
Sensacionalistas banais, cumprindo a risca
O tom do bom vigarista num plano pensado e uniformizado
Para todos nós – olha que lindo, João
Mas deu por hoje, deu por hoje, agora já é meia noite
E amanhã é cedo a ralação… Êh João
Antes de adormecer, será que podes me dizer que raios é viver?
Viver em função de um trabalho, caralho, que no fim das contas não é pra você…
João ninguém, sem identidade, vivendo aquém de quem tu és
Pois é João, põe a cabeça no travesseiro e se acalma
Se tu vendeu sua pobre alma pra esse imenso mundo cão…

[COMPARTILHAR]

* * * * * *

VI

5

em meio ao modo impróprio de um ópio absurdo
hasteio pálpebras ao insólito do mundo
película após película compõe o casulo
que adentra um tempo cego, donde exergo tudo
o que há para ser visto, conforme me dispo
de todo sentido ao tal imprevisto

buscando saída para esta que “do fim” é a vinda
esquece-se que a vida permanece linda
por eras e eras ainda,
a busca é que finda…

[COMPARTILHAR]

* * * * *

VII

7

 ultimamente tenho vivido
em pleno exílio de mim
tenho existido num sonho,
esquecido de ser o futuro
do que fui ante ao escuro
de mim

perdi-me, tal qual Pessoa
na afeição que afeiçoa
a tal máscara que é a pessoa
de mim

tão rota como a roupa
da fantasia que vesti
“Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti”

observo a vida em riste
sempre com olhos tristes
sem poder sorrir
sem gozar da verdade
de uma felicidade
por chorar a saudade
que carrego de mim

ser, parece-me ser, às vezes,
tão difícil
aparentar parecer aparece-me
como ofício
que então satisfaria…
um vício impresso
nos belos versos
de “Tabacaria”…

“Fiz de mim o que não soube,
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido.
Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.” – Álvaro de Campos

-vitorhLemes

[COMPARTILHAR]

* * * * * *

VIII

8

denso mundo de opiniões
desse modo de ser

intenções
à passeio
permeiam espaços vazios
em meio a palavras
em camas de gato
no cio,
recobertas de nada
prelúdio a um mal-estar febril
no fio dessa estada
imbecil

muito se fala
pouco se diz
na sala da fala
caminham senis
com bengalas
signos sem significado
insignificantes
em presente
ou passado

ultrajantes palavras
que escapam pelo vão
da porta
e se vão, doravante
viajantes de uma estrada morta
onde more sentido algum
rios de nada que correm
e desaguando em lugar nenhum

[COMPARTILHAR]

* * * * *

IX

9

você
precisa aprender inglês
precisa aprender o que eu sei
e o que eu não sei, mas…
o que eu pensei traz
sede, fome
sangue e carne de bicho homem
comer – digerir
como um velho estômago canibal faria
cultivando novos sonhos de antropofagia

antropófaga alteridade
cultivada por homens de cidade
letrados
sorvendo e absorvendo
pensamentos variados
no simultâneo estranho
onde tudo coexiste
interno e externo
em riste
se confundem
num futuro presente triste

a alegria se desenvolve
sendo a prova dos nove
sendo a prova do novo
de novo e de novo
no desconhecido outro
conhecer destroça
viva a bossa
viva a palhoça
viva troça
cultura nossa

se o que se cria, se transforma
se apropria noite e dia
sintetizando dicotomias

antropofagia
literal
literária
visceral, não contrária
que por hora
me devora
hilária
assimila e vem
sempre bem servida
e degusta enaltecida
como é gostosa a vida…

[COMPARTILHAR]

* * * * *

X

10

Na cama de gato da vida
Num jogo sem saída
Rolando de um lado pro outro
À procura do sono, dos sonhos
Que já não mais encontro
No entanto
Só no encontro das palavras transcritas
Experiências vividas encontram consolo
Palavra após palavra
Tijolo após tijolo
Forjando construções de nada
Onde há sempre escadas pro novo

[COMPARTILHAR]

* * * * * *

XI

11

e a vida segue seu curso natural
até quando e por quanto
é impossível dizer
pois o possível tornou-se irrelevante, onde
somos todos sombras irrelevantes
do que gostaríamos de ser
enquanto o simples “dizer algo”
tornou-se mais importante
do que se ter algo a dizer

me destes papel e um estímulo
lhe dei um poema despido de senso
despedida, não ao que está morto
mas ao que nunca nasceu para que pudesse morrer
poema dilema intenso àquele que fantasiou-se vivo
embora nunca de fato existido
nunca de fato
existido
viver

[COMPARTILHAR]

* * * * *

XII

12

Converti-me em um peixe de terra salgada
Acostumado ao trabalho, mais nada
É só o que eu valho? Caralh*…
Vestindo retalho
Me arrasto, sou arrastado
Pelas águas de março a março
Chumaços de tabaco,
Cultuo Baco
Num barco furado, naufragado
No céu opaco
Dentro de mim
Há inquietude, há tempestade
Bebendo soma
Mais um cigarro, contemplo à tarde
Verdade escarro
“Palavras calcificadas, poemas presos”
São pedras, são peso
Excesso – que tantos carregam
Envolto em medo
Me nego
A envelhecer tão cedo
Engolindo sapos me sinto obeso
Colar cacos?! Jamais
É preciso o novo
Aliás, escamas dorsais já me doem demais
É preciso libertar-se, encantar-se
De novo e de novo
Respirar ares mais elevados
Explorar mares inabitados
Desfazer-se dessa carcaça abjeta
Derrubar moinhos-gigantes,
Conquistar a ilha de Creta
Viver o instante
Aprender com estetas
O contemplar – pra ser poeta.

* * * * *

POESIA VERBAL & VISUAL
POR VITOR HUGO LEMES & BERGKAMP MAGALHÃES

Va
Siga o trabalho deles em VALDERUNDESTEIN

Em breve: vem aí a revista de poesia Algaravia d’A Casa de Vidro. Sigam antenados!

A ARTE DE PABLO AMARINGO (1943 – 2009)

6667879575_225df117f0_b
Amazónica Romantica By Pablo Amaringo.
Angeles Avatares By Pablo Amaringo

aya31

Ayahuasca Raura By Pablo Amaringo

Pablo Amaringo Painting

Featured in the book 'The Ayahuasca Visions of Pablo Amaringo' by Howard G Charing & Peter Cloudsley

Los Grados del Curandero By Pablo Amaringo.
Misterio Profundo By Pablo Amaringo

Nukno Maschashka By Pablo Amaringo

Featured in the book 'The Ayahuasca Visions of Pablo Amaringo' by Howard G Charing & Peter Cloudsley

VA5.06 EncantoCuraturo, 10/21/09, 1:14 PM, 8C, 6992x9727 (973+1173), 138%, wtemp3, 1/12 s, R67.3, G38.5, B50.6

Pablo-Amaringo4
pablo-amaringo-pinturas-12

pablo-amaringo-pinturas-46

Charing_02

Sumac Icaro by Pablo Amaringo Templo Sacrosanto By Pablo Amaringo
Transformacion del Chaman en Aguila

Unicornio Dorado By Pablo Amaringo. Featured in the book The Ayahuasca Visions of Pablo Amaringo by Howard G Charing
Yana Huarman By Pablo Amaringo.

PABLO AMARINGO (1943 – 2009), artista peruano. Obras reproduzidas do livro de Howard Charing e Peter Cloudsley. “The Ayahuasca Visions of Pablo Amaringo”. Inner Traditions. Vermont. 2011. Site oficial: http://www.ayahuascavisions.com/

“Pablo Amaringo is one of the world’s greatest visionary artists, and is renowned for his highly complex, colourful and intricate paintings of his visions from drinking the Ayahuasca brew. Pablo Amaringo trained as a curandero in the Amazon, healing himself and others from the age of ten, but gave this up in 1977 to become a full-time painter and art teacher at his Usko-Ayar school.” Amazon Convergence

Siga viagem: