“Todo um povo pode ser criador, artista – e este seria o sentido total de uma revolução pela qual minha ação se arrisca até a morte.” – Glauber Rocha (1939 – 1981)

“Temos de encarar o Brasil como um monstro desafiante de potencialidades culturais inéditas e desconhecidas no mundo moderno. Todo um povo pode ser criador, artista – e este seria o sentido total de uma revolução pela qual minha ação se arrisca até a morte.

Mas não faço da morte o heroísmo autopunitivo. A revolução, para mim, significa a vida, e a plenitude da existência é a liberação mental: esta, para os homens mais sensíveis, se expressa pela fantasia. A minha fantasia é o cinema.”

GLAUBER ROCHA (1939 – 1981),
Carta a Alfredo Guevara, maio de 1971
In: RIDENTI, Em Busca do Povo Brasileiro, Unesp, epígrafes e pg. 85.