O VÍRUS DO OBSCURANTISMO: O desdém pela ciência, em época de pandemia, é um crime contra a humanidade || Por Eduardo Carli

(Arte por Osama Hajjaj)

O desdém pela ciência, típico dos obscurantistas de todas as épocas, torna-se indefensável em meio a uma pandemia global (segundo decreto da OMS – Organização Mundial de Saúde) como esta que estamos enfrentando em 2020.

Imaginem o grau de irresponsabilidade de líderes religiosos que ousassem dizer a seus rebanhos de crentes que tudo o que precisamos agora é cair de joelhos e rezar em grandes aglomerações públicas de devotos unidos pela fé.

Imaginem quão horrível seria o equívoco supersticioso de crer na eficácia profilática da congregação de vários corpos devotos dentro de um mesmo templo, em franca violação dos conselhos das autoridades sanitárias e de saúde.

Imaginem quão destrutiva seria a esperança dos crentes, inflacionada por seus pastores, de que várias vozes em coro (ainda que tosses e espirros viessem para sujar com dissonâncias esta polifonia da fé) seriam melhor ouvidas por um suposto divino Deus lá na altura dos Céus.

Imaginem a “felicidade” da legião dos coronavírus diante destas ofertas profusas de novos “recursos humanos” a serem facilmente colonizados: cada culto, cada missa, cada reza coletiva, um verdadeiro banquete para o deleite destes micro-organismos famintos por células a penetrar para ali realizar seu frenético trabalho de multiplicação.

Imaginem… Não, não precisam imaginar! Consultem o noticiário e vejam as evidências concretas de uma disseminação do coronavírus em congregações de humanos em encontros religiosos – circunstâncias que o obscurantismo quer perpetuar. Leiam os relatos da RFI sobre a situação na França, ou do DW Deustche Welle sobre a situação no Irã (https://bit.ly/2U4vF6B), e verão o tamanho da irresponsabilidade que seria permitirmos a continuidade “normal” de cultos e missas no Brasil.

Seria insensato ao extremo deixar a saúde pública na dependência de uma intervenção divina que, para além de altamente improvável, conceba como condição para sua realização, que creia que a única chance para o fazer-se carne de um milagre, sejam as aglomerações das pessoas-de-fé. Está aí uma receita para a catástrofe humanitária que cairá como uma bomba sobre nossos sistemas de saúde.

É justamente esta insanidade grotesca da fé obscurantista, anti-científica, temerária e insensata que está sendo praticada por lideranças evangélicas no Brasil: Silas Malafaria, R. R. Soares, Edir Macedo, dentre outros pastores trambiqueiros (como os apelidou o sambista Bezerra da Silva), estão protagonizando um show de horrores da irresponsabilidade (no que acompanham o “Mito”, que atingiu o cúmulo da irresponsabilidade em seus ações no dia 15 de Março).

Informa a reportagem da BBC News Brasil:

O pastor Silas Malafaia, por exemplo, afirmou em um culto que não fechará sua igreja, a Vitória em Cristo, por causa da pandemia. “Não vou fechar igreja coisíssima nenhuma. Se amanhã os governos disserem que vão impedir transporte público, fechar mercados, fechar todas as lojas… Como pastor, acredito que a igreja tem que ser o último reduto de esperança para o povo. Se fechar tudo, numa medida drástica, a igreja precisa estar de porta aberta.”

Na semana passada, o missionário R.R Soares, da Graça de Deus, afirmou que a população “não precisa ter medo de jeito algum” do coronavírus. “Já houve outras ameaças no meio da humanidade. A profecia, lá no Apocalipse, diz que vai chegar um tempo em que uma terça parte das pessoas vai morrer. Mas ainda não estamos nessa época, não estamos na época de ganhar as almas para Jesus”, afirmou.

Já o bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus, pediu que seus fiéis não leiam notícias sobre o coronavírus. “Ao invés de você ler essas notícias que falam de morte e de quarentena, da epidemia e pandemia, olhe para a palavra de Deus e tome sua fé na palavra de Deus, porque essa, sim, faz você ficar imune a qualquer praga e a qualquer vírus, inclusive o coronavírus”, disse.

Não se trata aqui de afirmar que os líderes evangélicos neopentecostais do Brasil possuem o monopólio da estupidez – outras religiões instituídas, mundo afora, decerto estão prestando à Humanidade o desserviço de disseminar comportamentos obscurantistas assim. Porém, dado o poder que lamentavelmente conquistaram no país, os pastores evangélicos precisam com urgência serem criticados sem medo por todos os cidadãos que se importam com medidas eficazes de contenção da pandemia.

Escreveu Contardo Calligaris na Folha de S. Paulo:

“Desde a primeira grande peste moderna no Ocidente (1347), e talvez já antes, na peste dita de Justiniano (541), sempre houve mentecaptos para pregar que a pestilência era mais uma praga, tipo as pragas bíblicas do Egito, para humilhar os falsos deuses e mostrar o poderio do Deus do Antigo Testamento. Portanto, não temam o contágio, meus irmãos, só venham para a igreja.

Na hora do medo, há os que compram álcool em gel para revendê-lo a preços absurdos no Mercado Livre ou na Amazon. E há os que oferecem explicações da pestilência segundo as quais a proteção divina é garantida a quem segue a reta via. O mapa está à venda na saída do culto.”

Não é o irracionalismo das fés que vai nos salvar deste gigantesco desafio coletivo, mas sim a força conjugada de nossa lucidez e de nosso trabalho de pesquisa e experimentação científica. O que precisamos é de uma vacina, não de vaticínios; estamos urgentemente necessitados, por exemplo, da popularização do anti-viral que a medicina cubana provou ser eficaz no combate à doença causada pelo coronavírus, e não da crença em águas-bentas ou orações tresloucadas pelo pânico.

Além disso, as religiões instituídas estão programadas para funcionarem de maneira sectária e excludente, tratando aqueles que não comungam de um mesmo corpo de dogmas como pessoas a serem mantidas a distância, sob suspeita, quando não silenciadas, perseguidas ou mesmo assassinadas por seus pecados, heresias e blasfêmias.

Esta combinação de solidariedade limitada a uma bolha sectária e ódio aprendido pela alteridade variante é outra receita para o desastre.

A Ciência, por mais falível que seja, não é uma seita: ela é internacionalista por essência, avança por colaboração entre os pesquisadores espalhados pelo globo, dedica-se à pesquisa dura e difícil da Phýsis de modo a poder modificar este mundo físico (e bioquímico) de acordo com os fins humanos.

Não se trata de fazer da Ciência um novo ídolo, caindo de joelhos para dela esperar a salvação, mas de saber que neste momento qualquer atitude anti-científica contribui para uma hecatombe – ou seja, para o aumento do sofrimento humano, para o incremento do número de infectados, para a “viralização” do coronavírus.

Pelo bem da humanidade, todos vocês que são demasiado cheios de fé e nem suspeitam dos imensos malefícios que uma conduta irracionalista pode acarretar, tenham pelo menos a humildade de tomar algumas doses de dúvida e alguns tragos de respeito humilde por aqueles que, ao invés de rezar, trabalham duramente em laboratórios e universidades para encontrar vacinas e remédios.

Um emblema literário inesquecível da mensagem que este humilde escriba tentou comunicar através destas mal-traçadas linhas está no romance “A Peste”, de Albert Camus (1957): ali, o grande escritor franco-argelino nos concedeu, no destino do Padre Paneloux, um memorável memento do que significa o desprezo pela Ciência em tempos de peste. (Os parágrafos seguintes contêm spoilers)

Em meio à Oran transtornada pela epidemia, o padre Paneloux faz seus sermões pregando que o flagelo era uma punição divina pelos pecados de alguns de seus concidadãos. Daí salta à idéia de que a vontade divina utilizava-se da peste como seu instrumento. E daí foi só um passo até que passasse à noção de que seria heresia ir contra a vontade de Deus, de modo que a atitude de um autêntico cristão seria a aceitação plena dos decretos do Céu.

Ao adoecer, o padre Paneloux recusa-se terminantemente a chamar um médico – ainda que soubesse que o Doutor Rieux estaria a postos, prestativo, para atendê-los, sem poupar esforços para salvá-lo.

Para o padre Paneloux, há uma contradição insolúvel entre a fé e a ciência: para manter-se crente, ele precisa recusar a medicina. No extremo do delírio desta fé auto-destrutiva, prefere fechar as portas ao socorro que poderia lhe vir dos terráqueos e permanecer aberto apenas ao socorro que lhe viria do divino. Agarra-se ao crucifixo, recusando hospitais e remédios.

A desastrosa escolha de Paneloux o conduziu a uma agonia horrorosa, sem analgésicos nem morfina, em que ele decidiu imolar a saúde num altar imaginário onde pensava estar encontrando a salvação. Encontrou apenas a morte absurda dos que desdenham daquilo que o ser humano pôde inventar, neste mundo, em prol do auxílio mútuo e da solidariedade concreta.

Por Eduardo Carli de Moraes, 19/03/2020

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS / CONEXÕES COM A IMPRENSA ONLINE

CALLIGARIS, Contardo. “Quais os efeitos do coronavírus na cabeça da gente?”. In: Folha de S. Paulo, 19.03.2020.

CAMUS, Albert. La Peste. Originalmente lançado por Gallimard, 1947. Edição consultada – Paris: Folio, 1999.

BBC Brasil. “De cultos online a ‘não leia notícias sobre pandemia’: como as religiões estão lidando com o coronavírus no Brasil”. Por Leandro Machado.

DEUTSCHE WELLE. “Iran faces catastrophic death toll from coronavirus”. Por Shabnam von Hein. 17.03.2020.

RFI. “Evento fechado em igreja evangélica espalha coronavírus por toda a França”. 10.03.2020.


LEIA TAMBÉM:

LOS ANGELES TIMES (California) – 08/03/2020: Religion copes with fear of coronavirus spread.

POR QUEM ROSNA O BRASIL – Eliane Brum

O que é o Brasil, agora que não pode contar nem com os clichês? Como uma pessoa, que no território de turbulências que é uma vida vai construindo sentidos e ilusões sobre si mesma, um país também se sustenta a partir de imaginários sobre uma identidade nacional. Por aqui acreditamos por gerações que éramos o país do futebol e do samba, e que os brasileiros eram um povo cordial. Clichês, assim como imaginários, não são verdades, mas construções. Impõem-se como resultado de conflitos, hegemonias e apagamentos. E parece que estes, que por tanto tempo alimentaram essa ideia dos brasileiros sobre si mesmos e sobre o Brasil, desmancharam-se. O Brasil hoje é uma criatura que não se reconhece no espelho de sua imagem simbólica.

Essa pode ser uma das explicações possíveis para compreender o esgarçamento das relações, a expressão sem pudor dos tantos ódios e, em especial, o atalho preferido tanto dos fracos quanto dos oportunistas: o autoritarismo. Esvaziado de ilusões e de formas, aquele que precisa construir um rosto tem medo. Em vez de disputar democraticamente, o que dá trabalho e envolve perdas, prefere o caminho preguiçoso da adesão. E adere àquele que grita, saliva, vocifera, confundindo oportunismo com força, berro com verdade.

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), relacionado na delação premiada da Operação Lava Jato ao recebimento de 5 milhões de dólares em propina, teria dito a aliados: “Vou explodir o governo”. Tanto ele quanto o apresentador de programa de TV que brada que tem de botar “menor” na cadeia, quando não no paredão, assim como o pastor que brada que homossexualidade é doença são partes do mesmo fenômeno. São muitos brados, mas nenhum deles retumba a não ser como flatulência.

Num momento de esfacelamento da imagem, o que vendem os falsos líderes, estes que, sem autoridade, só podem contar com o autoritarismo? Como os camelôs que aparecem com os guarda-chuvas tão logo cai o primeiro pingo de chuva, eles oferecem, aos gritos, máscaras ordinárias para encobrir o rosto perturbador. Máscaras que não servem a um projeto coletivo, mas ao projeto pessoal, de poder e de enriquecimento, de cada um dos vendilhões. Para quem tem medo, porém, qualquer máscara é melhor do que uma face nua. E hoje, no Brasil, somos todos reis bastante nus, dispostos a linchar o primeiro que nos der a notícia.

(…) Quando o esfacelamento dos imaginários se soma ao esfacelamento das condições materiais da vida, o discurso autoritário e a adesão a ele tornam-se um atalho sedutor. É nisso que muitos apostam neste momento de esquina do Brasil.

É também isso que explica tanto um Eduardo Cunha na Câmara quanto pastores evangélicos que pregam o ódio para milhões de fiéis e apresentadores de TV que estimulam a violência enquanto fingem denunciá-la. Estes personagens paradigmáticos do Brasil atual formam as três faces de uma mesma mediocridade barulhenta e perigosa, que se expressa por bravatas diante das câmeras. Numa crise que é também de identidade, forjam realidades que possam servir ao seu projeto de poder e de enriquecimento para abastecer a manada. Esta, por sua vez, prefere qualquer falsificação ao vazio.

Para estes personagens tão em evidência, quanto mais medo, melhor. Inventar inimigos para a população culpar tem se mostrado um grande negócio nesse momento do país. Se as pessoas sentem-se acuadas por uma violência de causas complexas, por que não dar a elas um culpado fácil de odiar, como “menores” violentos, os pretos e pobres de sempre, e, assim, abrir espaço para a construção de presídios ou unidades de internação? Se os “empreendimentos” comprovadamente não representam redução de criminalidade, certamente rendem muito dinheiro para aqueles que vão construí-los e também para aqueles que vão fazer a engrenagem se mover para lugar nenhum. Depois, o passo seguinte pode ser aumentar a pressão sobre o debate da privatização do sistema prisional, que para ser lucrativo precisa do crescimento do número já apavorante de encarcerados.

Se há tantos que se sentem humilhados e diminuídos por uma vida de gado, porque não convencê-los de que são melhores que os outros pelo menos em algum quesito? Que tal dizer a eles que são superiores porque têm a família “certa”, aquela “formada por um homem e por uma mulher”? E então dar a esses fiéis seguidores pelo menos um motivo para pagar o dízimo alegremente, distraídos por um instante da degradação do seu cotidiano? Fabricar “cidadãos de bem” numa tábua de discriminações e preconceitos tem se mostrado uma fórmula de sucesso no mercado da fé.

A invenção de inimigos dá lucro e mantém tudo como está, porque, para os profetas do ódio, o Brasil está ótimo e rendendo dinheiro como nunca. Ou que emprego teriam estes apresentadores, se não tiverem mais corpos mortos para ofertar no altar da TV? Ou que lucro teria um certo tipo de “religioso” que criou seu próprio mandamento – “odeie o próximo para enriquecer o pastor”? Ou que voto teria um deputado da estirpe de Eduardo Cunha se os eleitores exigissem um projeto de fato, para o país e não para os seus pares? Para estes, que estimulam o ódio e comercializam o medo, o Brasil nunca esteve tão bem. E é preciso que continue exatamente assim.

Eliane Brum no El País (20 de Julho de 2015)

COMPARTILHAR LINK NO FACEBOOK

Leia também:

Simon Critchley and Cornel West in Conversation [VIDEO – 75 min]