A chacina da educação sob a governança neoliberal e neofascista tem um encontro marcado com a Resistência: #15M, Greve Geral da Educação no Brasil!

Rede Brasil Atual – Os cortes na educação pública anunciados pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o ministro da Educação, Abraham Weintraub, tem tido como consequência uma reação que, talvez, o governo federal não esperasse: a união de alunos, professores, pesquisadores e profissionais que trabalham com o ensino desde a educação básica até a comunidade acadêmica da pós-graduação. Nesta quarta-feira (15), no Dia Nacional de Mobilização pela Educação Pública e de Qualidade, todos estarão unidos em atos nas mais diversas cidades do Brasil…

Para Maria Caramez Carlotto, representante da Associação dos Docentes da Universidade Federal do ABC (UFABC), o apoio dado ao dia de paralisação pelo Conselho de Reitores das Universidades Estaduais de São Paulo, dá a medida da importância do movimento. “Quando as reitorias passam a convidar para o dia de mobilização, então você vê a unanimidade como esse dia está sendo conduzido nas universidades, institutos federais e escolas do Brasil inteiro”, pondera.

Ela acredita que as manifestações desta quarta-feira (15) serão uma resposta aos retrocessos que vem sendo impostos à educação em todo o Brasil. “Esse governo não prioriza a educação em nenhum âmbito. Embora ele tenha dito que iria cortar do ensino superior para priorizar a educação básica, na prática é mentira, porque os cortes da educação básica, do Fundeb, são até maiores do que os cortes no ensino superior. É um governo que não prioriza e ataca a educação pública. Vai ser um dia grande de luta, todas as universidades vão parar”, afirma Maria Carlotto.

Presidente da Federação dos Professores do Estado de São Paulo, Celso Napolitano ressalta que o governo de Jair Bolsonaro elegeu a educação pública como inimiga da população. Segundo ele, as manifestações darão um basta aos ataques e retrocessos que a educação vem enfrentando.

“Esse novo ministro, além de não ter nada para falar sobre educação, porque ele não conhece absolutamente nada do assunto, ele se coloca numa cruzada contra a liberdade de ensino, contra o senso crítico e contra a criatividade. É uma pessoa travestida de lutador numa cruzada contra o pensamento. Então os professores e sindicatos estão se mobilizando para que seja o primeiro movimento efetivo contra o obscurantismo que está sendo propalado por esse governo”, diz Napolitano.

CRUZADA CONTRA QUEM PENSA

Henry Giroux em EL PAÍS Brasil:
“A direita não quer que as pessoas pensem.”

Giroux, autor de Neoliberalism’s War on Higher Education (“a guerra do neoliberalismo contra o ensino superior”, sem edição no Brasil), critica que as universidades estejam sendo atacadas com cortes contínuos em seu financiamento, especialmente os departamentos de humanas, para que deixem de ser centros de pensamento. E cita o caso brasileiro. Na semana passada, depois de dar uma palestra no Centro de Cultura Contemporânea de Barcelona, conversou com o EL PAÍS.

“As escolas estão sendo atacadas, especialmente por Governos fascistas e de direita. No Brasil, Bolsonaro incentivou os alunos a denunciarem os professores de esquerda por uma suposta doutrinação, e quer eliminar todas as referências a Paulo Freire dos currículos. Acaba de anunciar um corte nas graduações de humanas, como filosofia e sociologia, para priorizar profissões que “gerem um retorno ao contribuinte”. A crise da escola é a crise da democracia. Os governos de direita não querem que as pessoas pensem, e a educação tem um papel central na luta contra as narrativas tóxicas e o surgimento de ideologias ligadas à supremacia branca.” (GIROUX: 2019, El País)

EDUQUE-SE MAIS: LEIA… MARILENA CHAUÍ:


A Casa de Vidro – O QUE PODERÍAMOS APRENDER DE NOSSOS HERMANOS CHILENOS

Conquistar a adesão da maioria da sociedade civil para aquilo que é falsamente percebido como uma pauta específica é o grande desafio do movimento da educação que dá seu primeiro passo (gigante) com o #15M. A educação é um interesse de todos, e não apenas dos trabalhadores da educação que hoje são tão brutalmente desrespeitados pelo desgoverno de fusão entre neoliberalismo e neofascismo. É a Brucutucracia impondo o reinado da ignorância e da truculência, do resolver tudo no tiro. É por isso que, diante de uma catástrofe humanitária e aberração ética como é a direita Bolsonarista brasileiro, haverá Resistência – dado que fere nossas existências.

Que o Chile nos ilumine!

Lembro bem: houve um choque positivo muito forte, uma vivência de aprendizado intenso e concentrado, que a visita a Santiago do Chile me causou, em especial o majestoso, maravilhoso, altamente pedagógico Museo de la Memoria y los Derechos Humanos.

“El Museo de la Memoria y los Derechos Humanos es un espacio destinado a dar visibilidad a las violaciones a los derechos humanos cometidas por el Estado de Chile entre 1973 y 1990; a dignificar a las víctimas y a sus familias; y a estimular la reflexión y el debate sobre la importancia del respeto y la tolerancia, para que estos hechos nunca más se repitan.”

Naquela ocasião, foi um choque positivo descobrir a beleza inspiradora de um país encarando seu próprio passado de frente, levando a sério a tarefa e o dever da memória, aplicando políticas públicas efetivas que tem a ver com o direito à verdade e à justiça… Em suma, fazendo aquilo que eu chamaria de “Processo CNV (Comissão Nacional Da Verdade)” (realizado no Brasil durante o primeiro mandato de Dilma) realmente avançar como pauta pública, gerando conscientização da sociedade e combate ao analfabetismo político (este, sempre vinculado também à falta de formação histórica). 

Feminista, comunista e “musa” do movimento estudantil do Chile, a deputada Camila Vallejo

Isso ajuda explicar um pouco do porquê do Chile possuir aquele que dá a impressão de ser, de longe, o movimento estudantil mais pujante e impactante do continente sul-americano. Tem me parecido que precisamos agora de haurir forças com os ensinamentos dos hermanos chilenos, fazer proliferar por aqui as figuras icônicas como Camila Vallejos, os acontecimentos notáveis das “Revoltas dos Pinguins” (vide o doc de Pronzato), as passeatas que levam 100.000, 200.000 cidadãos às ruas.

É por isso que torço para coletivamente sermos como aqueles jovens intrépidos que protestam na frente do La Moneda, tomando altas bombas e cacetes dos carabineros, na plena ciência de que o “Pinochetismo” ainda está ainda por ser derrotado (Paulo Guedes é, eu diria, o Pinochetista ferrenho e fanático mais célebre do Brasil). O Chile ensina que o poder das mobilizações em prol da Educação Pública está em conquistar boa parte da sociedade para a justeza da causa. Eis o trampo. E no #15M a aula é na rua!

Tínhamos que ter aprendido melhor, nós brasileiros, que uma ditadura pretérita, quando fica insepulta, reacorda da tumba para voltar a nos massacrar – e eis-nos de novo, em 2019 d.C., sob a tirania dos cadáveres insepultos da Ditadura e do fã-clube de Fleury e Ustra.

Penso que o Chile pode e deve ser hoje nosso farol, em especial nesse ensinamento: a Educação nunca vencerá sozinha, os trabalhadores da Educação precisam juntar forças com todos os demais trabalhadores, constituindo uma frente unida da sociedade civil, que se levanta, solidária (“ninguém solta a mão de ninguém”) contra os desmontes inconstitucionais e perversos impostos pelo governo herdeiro do golpe de 2016 e da fraude eleitoral de 2018 aos nossos bens públicos.

Estamos diante de um atentado terrorista de extrema-direita aos bens comuns – e é nossa tarefa histórica responder-nos à altura, o que no presente caso significa, me parece, erguer-se às alturas dos Andes. Sim, que o Chile nos ilumine, e que a gente improvise soluções no calor da rua como recomendavam Martí e Guevara!


E quem passar mal nos próximos dias, em que o Levante Estudantil brasileiro irá passar por muito mais lugares do que por vossas timelines, não procure ajuda nos hospitais brasileiros – que vá pra Cuba!

Pois nossos hospitais públicos também vem sendo brutalmente sucateados, estão com carestia de remédios, e profissionais cubanos competentes e solidários foram expulsos do país a pontapés… Estamos cada vez com piores condições de lidar com a hecatombe para a saúde pública, em curto e médio prazo, que são os venenos e agrotóxicos que esse governo está contente em liberar geral – assim como quer fazer com os instrumentos da morte armada.

Diante da Necropolítica, contra-ataquemos com nossa Biophilia!

Se o inverno é deles, a primavera pode ser nossa.

Só temos a temer o medo, e só temos a perder nossas próprias correntes.

Eduardo Carli de Moraes – Editor de A Casa de Vidro


EXPLORE TAMBÉM…

A ARTE CÁUSTICA DE JOTA CAMELO

AS IDÉIAS DE CAMILA VALLEJO

ELEITA PELO THE GUARDIAN (UK) A “PERSONALIDADE DO ANO” 2011

“NOT YOUR AVERAGE POLITICIAN…”

CNN CHILE

HEMISFERIO SUR DOCUMENTAL

A PRIMAVERA FEMINISTA E ANTIFASCISTA DO #ELENÃO – Assista ao documentário sobre uma das maiores manifestações de massa do século 21

Acima: as ruas brasileiras em 29 de Setembro de 2018 no Rio, em Sampa, em Belo Horizonte e em Curitiba; de acordo com Brasil de Fato, estima-se que 1 milhão de pessoas tenham participado das manifestações em todos os 27 estados do país.

#EleNão.doc – Mulheres Contra o Fascismo (Documentário, Goiânia, 2018, 16 min). Uma produção A Casa de Vidro.

“Companheira, me ajude, que eu não posso andar só! Sozinha ando bem, mas com você ando melhor!” – essa era uma das muitas canções que ressoaram pelas ruas neste dia histórico em que as mulheres do Brasil botaram a boca no trombone e se mobilizaram contra o fascismo, o racismo, a misoginia e o golpismo representados pelo “Coiso” e seus lambe-botas. Célia Regina Jardim Pinto, professora da UFRGS e pesquisadora da história do feminismo, afirmou em entrevista à BBC News Brasil  que o 29 de Setembro de 2018 “foi a maior manifestação de mulheres da história do Brasil.”

“Nem fraquejada e nem do lar, a mulherada tá na rua pra lutar!”: era o que também cantava-se a plenos pulmões em meio às batucadas e aos animados fluxos de gente guerreira pela cidade. Foram atos cívicos de grande beleza e potência, pluripartidários, unindo diversas bandeiras, num levante colorido em que a tônica era a luta intersecional contra a Opressão. Movimentos contra o racismo, a LGBTfobia, o machismo e a Cultura do Estupro estavam unidos e solidários às organizações estudantis, sindicais e anarquistas.

Em repúdio e repulsa às posturas machistas, racistas e armamentistas do candidato-a-ditador Jair Messias Bolsonaro, escudado por Mourão, Guedes e toda uma corja de Bozominions, mais de 3 milhões de mulheres reuniram-se ao redor da hashtag #elenão em um grupo de Facebook que demonstrou ser capaz de realizar com sucesso a jornada das redes para as ruas no 29S. Foi uma maré gigantesca de protesto que ecoou até na imprensa internacional – vejam, por exemplo, esta reportagem inglesa do The Guardian.

O maior fenômeno de mobilização de massas deste ano de 2018 é, sem dúvida, o movimento #EleNão, que transcende o cenário eleitoral e configura-se como “um movimento feminista e político que pode mudar o Brasil”, como defendem Rosana Pinheiro-Machado e Joanna Burigo em The Intercept Brasilhttps://bit.ly/2N99gyr. Estima-se que os atos cívicos levaram cerca de 1 milhão de pessoas às ruas nas mega-manifestações que ocorreram em todos os 27 estados do país em 29 de Setembro. Apenas no Rio de Janeiro, foram 200 mil cidadãos mobilizados, de acordo com Brasil de Fatohttps://bit.ly/2N89u93.

Neste curta-metragem documental, A Casa de Vidro registra os agitos no coração do Cerrado brasileiro neste dia de floração da Primavera Feminista. Em Goiânia, estima-se que cerca de 20.000 pessoas estiveram presentes ao ato, que concentrou-se na Praça Cívica, fluiu pela Avenida Goiás e Av. Anhanguera, para desaguar na Praça Universitária. O resultado é este documentário de 16 minutos, filmado por Eduardo Carli de Moraes e Renato Costa, que dá voz e visibilidade àqueles que tomaram o espaço de público para si neste momento histórico de tantas urgências e riscos.

Além de entrevistas com cidadãos que estão engajados com os movimentos democrático-populares, como Diane Lula Da Silva Valdez e Marnei Fernando, o filme registra também os agitos culturais e artísticos, como os batuques do Coró Mulher e as poesias declamadas por Pilar. O filme busca ser um registro histórico dos acontecimentos que já marcaram época, sendo também um projétil audiovisual de intervenção e de ativismo, animado pela convicção de que não há possibilidade de “ficar em cima do muro” em uma época como a nossa. Isto é cinema engajado e que abre-se às ventanias das polêmicas, sabendo que irá tomar muita pedrada e que terá que recolher muito vidro estilhaçado. Mas é a vida e o destino dos que tomam posição contra o que julgam ser as injustiças inaceitáveis e os intoleráveis discursos e práticas de intolerância que hoje sairam do armário e nos ameaçam com “o Horror, o Horror!” (Joseph Conrad).

Além dos agitos do dia 29 de Setembro, o filme também registra os eventos da véspera, quando ocorreu um grande comício petista com a presença do candidato à Presidência Fernando Haddad. Comentando declarações de Mourão, vice de Bolsonaro, que ameaçou extinguir o 13º salário, Haddad fez um forte discurso em defesa dos direitos trabalhistas constitucionais e elogiou as posturas de sua vice, Manuela D’Ávila, citada por muitas mulheres nas manifestações como uma referência de representatatividade e empoderamento feminino na política institucional da atualidade. Leia o relato completo da visita de Haddad a Goiânia neste post: https://bit.ly/2P35YyC.

Em seu texto “#EleNão: as mulheres e a resistência à desconstrução da democracia”, a cientista política Flávia Biroli destaca: “As novidades mais evidentes nas eleições de 2018 são o fato de um candidato de extrema-direita ter chances reais de ser eleito presidente e o fato de que uma linha divisória de gênero se apresenta como clivagem central nas intenções de voto. (…) Na pesquisa Ibope sobre as eleições presidenciais de 2018 divulgada em 24 de setembro, 54% das mulheres disseram que não votariam em Bolsonaro de jeito nenhum, enquanto entre os homens essa rejeição é de 37%.” (Publicado em Boitempo: https://bit.ly/2IrUbaE)

* São muitos os casos de mulheres brutalmente torturadas durante a ditadura de 1964. Ver o site do Memorial da Ditadura.

Todas as pesquisas indicam que o 2º turno das eleições presidenciais oporá a extrema-direita Bolsonarista ao projeto lulopetista vencedor dos últimos 4 pleitos. Muitos já destacam que este será o duelo entre a Barbárie direitosa e ditatorial da chapa Bozonazi e a Civilização defendida pela chapa encabeçada pelo ex-Ministro da Educação do governo Lula. Tendo isso em mente, este documentário vem para contribuir para a conscientização pública dos labirintos políticos da atualidade brasileira. De fato, não acreditamos em jornalismo ou documentarismo que se pautem pelo mitológico conceito de “neutralidade” ou “imparcialidade”. O que não quer dizer que aceitemos o sectarismo ou o fanatismo. No atual imbróglio, estamos clara e confessamente ao lado de todos que gritam #elenão, o que no atual contexto significa uma adesão ao projeto lulista que pode vencer nas urnas a ameaça fascista.

Como Naomi Klein sugere em seu livro, “Não Basta Dizer Não”, e nós aqui dizemos “Sim!” a  #HaddadPresidente, a #LulaLivre, a #ManuNoJaburu. Sabemos também que a luta contra o fascismo não tem data para acabar, é algo que transcende as urnas. Aqueles que não respeitam a pluralidade da vida serão sempre contestados pela pluralidade oprimida. Se fere minha existência, serei resistência! A fecundidade das lutas populares atuais só se intensificará se soubermos conectar as pautas dispersas num grande caldeirão fervente de mobilização intersecional contra as opressões de gênero, de raça e de classe. “Quem não se movimenta, não sente as correntes que o prendem”, disse Rosa Luxemburgo. Nós, hoje, estamos em pleno movimento não só para sentir as correntes que nos aprisionam, mas para quebrá-las com a força de nossa colaboratividade indomável.

Uma das maiores pensadoras e escritoras do Brasil, Eliane Brum, cujas palavras servem de epígrafe para este curta-metragem, expressou muito bem os desafios e as promessas de nossa tensa e intensa atualidade em sua coluna: “É com corpos que se recusam a ser determinados pelo ato de ser violentada ou pelo ato de violentar que podemos criar um outro jeito de ser e de estar nesse mundo.” Leia na íntegra.

A boa notícia, que dá um pouco de ânimo em meio a este pesadelo de tamanho continental que é a terra brasilis, está naquela comovente e arrebatedora Potência Popular que ficou manifesta nas ruas e nas redes em 29 de Setembro, um dia histórico na luta contra o fascismo na América Latina.
Foi uma demonstração de Poderio da Soberania Popular, um chega-pra-lá nos pretendentes a tiranos, e uma das mais lindas realizações político-culturais já realizadas no país sob protagonismo feminino. Equiparável à grandeza de alguns dos protestos das Jornadas de Junho de 2013, estes protestos coordenados e muito bem organizados, onde não houve repressão policial talvez pela força que demonstramos, são um sintoma salutar de que estamos acordados, unidos, solidários, na luta ampla e intersecional contra o que nos oprime e nos esmaga.
Surgiu no cenário político brasileiro um outro tipo de Gigante que parece ter acordado: a mobilização cívica, supra-partidária, que congrega o feminismo, o movimento LGBT, a luta anti-racismo e anti-apartheid, os movimentos estudantis e juvenis, além de boa parte da militância que está em plena a resistência aos desmontes e retrocessos de nosso estado pós-democrático, fraturado gravemente em 2016 com a deposição fraudulenta da presidenta eleita.
O Golpe não ficou em 2016: ele se “espraiou” até 2018; foi inaugurado pelo golpeachment, prolongou-se no cárcere político de Lula, e agora escancara-se como cadela no cio fascista ao propor a candidatura do Coiso – aquele golpista que não teve vergonha de elogiar o torturador Ustra em sessão da Câmara, de triste memória, onde tripudiou sadicamente sobre a dignidade da Dilma e, por extensão, estuprou com suas palavras todas as mulheres latino-americanas que já estiveram sob tortura ou cárcere devido a um Terrorismo de Estado.
Bolsonaro é a caricatura grotesca daquele famoso “entulho autoritário” que a Ditadura Civil-Militar nos legou como amargo legado. Derrotá-lo é urgente para que aquilo que nos sobrou de Civilização e Civilidade não chafurde totalmente no lodaçal da Barbárie totalitária. Elegendo esse violador contumaz dos direitos humanos, o Brasil inteiro estará perdido, e mesmo os que votam nele sairão perdendo, e perdendo feio. Elegendo isso, damos um tiro no nosso próprio pé coletivo, estragamos nosso futuro, mergulhamos nosso porvir no descalabro da guerra civil e de uma nova ditadura, prenhe de horrores.
A boa notícia, repito, foi que o #elenão experimentou a interseccionalidade na práxis. Colocou em movimento esta salutar confluência dos feminismos, das lutas contra a homofobia, das mobilizações estudantis, dos trabalhadores em busca de dignidades e de reversão das hecatombes de direitos que temos assistido, todos juntos e coligados, respeitando-se nas diferenças, somando forças na luta contra a barbárie opressora que nos rodeia, nos agride, nos promete o fuzilamento e a tortura.
Essa confluência de lutas, esta intersecionalidade na prática, este esforço de solidarização e confraternização, será importantíssima de sustentar e de cultivar em nosso futuro turbulento (aquilo a que já estamos condenados). Como disse Naomi Klein, não basta dizer não. Ao nosso não devemos somar o sim de nossa utopia concreta, em vias de realizar-se: um mundo onde caibam todos os mundos, onde se concretizem os nossos sonhos que não cabem em tuas urnas, onde os inéditos viáveis da justiça social e da confraternização na diferença se façam carne viva e não cadáveres aos pés dos fascistas e seus lambe-botas.
#LulaLivre
#FascistasNãoPassarão
#HaddadPresidente
#ManuNoJaburu

– Por Eduardo Carli de Moraes, 01 de Outubro de 2018.

LEIA TAMBÉM:

* * * * *

ASSISTA JÁ: #EleNão.Doc
(Goiânia, 2018, 16 min)
ABRIR NO FACEBOOK

VIMEO:

YOUTUBE:

VEJA TAMBÉM: #ELENÃO.DOC EM BELO HORIZONTE, por Tamyres Maciel

* * * *

🎶 Ele é o olho roxo
De quem não caiu da escada
Ele é a violência
Escondida na piada
Ele é aquele aperto nojento
Na condução
Ele é a Casa Grande
Rindo da escravidão
Ele é o país na contramão
Da caminhada
Ele é o patrão
Violando a empregada
Ele é o nosso salário
Um terço mais baixo
A política do ódio
Covardia, esculacho
A política do ódio
Covardia, esculacho
A barbárie de farda
Berrando no palanque
A hipocrisia mais truculenta
Ele é a mão suja de sangue
Que se diz
Ungida de água benta
Ele é o atraso
Que país nenhum
Merece ter
E nós somos as mulheres
Que não vão deixar ele vencer 🎶
Uma canção de Marina Iris