“Se a natureza fosse um banco, já teria sido salva.” – Galeano

APOCALYPSE NOSSO – A TRAGÉDIA SÓCIO-AMBIENTAL EM MINAS GERAIS
(Coletânea / Clipping)

“A ilusão de que a barbárie é um processo incremental que se desenvolve em algum ponto remoto do planeta, ou do calendário, ofusca uma rotina de convívio com a sua plena vigência nos dias que correm.

A matança em Paris, o avanço de um mar de lama assassina no interior brasileiro, são ilustrações de uma transição de ciclo histórico, cuja raiz é sonegada ao discernimento social pela semi-informação emitida do aparelho midiático conservador.

A cada soluço do inaceitável ergue-se, assim, a boa vontade dos que farejam algo estranho arranhando a porta do lado de fora. Em janeiro, dizíamos ‘Somos todos Charlie’. Em setembro dissemos ‘Somos todos Aylan Kurdi’ ( o menino curdo de três anos, morto em uma praia na Turquia). Em novembro estamos dizendo ‘Somos todos franceses’, pranteando a centena e meia de jovens assassinados em uma única noite em Paris.

Por que estamos sendo jogados periodicamente a nos identificarmos com vítimas de uma tragédia que se abate sem que se possa detê-la, nem explicar de onde se origina e por que se repete em formas diversas com a mesma gravidade?

A lista é interminável. Se a mídia desse a ênfase adequada a outros dramas equivalentes, por certo teríamos dito também ‘somos todos gregos’, ‘somos todos sírios’, ‘somos todos africanos’, ’somos todos desempregados europeus’, somos todos despejados espanhóis, somos todos líbios, iraquianos, iranianos, pretos americanos pobres…

Se desse hoje o alarme suficiente à lamacenta catástrofe promovida pela Vale, em Minas Gerais, estaríamos dizendo ‘Somos todos rio Doce’….

A solidariedade exclamativa é importante ao evidenciar a nossa inquietação.Mas é insuficiente.

Quando o que está em jogo é a incompatibilidade entre a ganância estrutural dos mercados e a dos impérios, de um lado; e a sobrevivência do interesse público, de outro, a boa intenção exclamativa, a exemplo da caridade cristã, não é capaz de afrontar os perigos que acossam as bases da sociedade e o seu futuro…”

LEIA @ CARTA MAIOR

* * * * * *

editors_salgado_sebastiao

“O renomado fotógrafo Sebastião Salgado já clicou mundo afora uma infinidade de tragédias, mas foi na sua terra natal que presenciou um dos espetáculos mais terríveis da sua vida: a morte do Rio Doce, o rio da sua infância. Natural de Aimorés, cidade do leste de Minas, afetada pelo rompimento das barragens da Samarco, ele tenta agora mobilizar as autoridades para criar um fundo de investimento para a recuperação da bacia. A proposta já foi entregue à presidenta Dilma Rousseff que afirmou que lutará por essa bandeira. Desde o fim dos anos 90, o fotógrafo mantém na região o Instituto Terra, uma ONG Ambiental…” El País

Leia a entrevista

* * * * *

Mariana (MG) - Rompimento de duas barragens da mineradora Samarco na última quinta-feira (5). Em meio ao cenário de muita lama, barro e destruição, o que restou lembra uma cidade fantasma (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Mariana (MG) – Rompimento de duas barragens da mineradora Samarco em 5/11/15. Em meio ao cenário de muita lama, barro e destruição, o que restou lembra uma cidade fantasma (Antonio Cruz/Agência Brasil)

“A tragédia do rompimento das barragens de rejeitos de mineração da Samarco, empresa controlada pela Vale e pela australiana BHP Billiton, deixa exposta a ferida brasileira sobre os descaminhos políticos que vivemos, principalmente em relação a questões socioambientais.

Mortes de um (ainda) sem número de pessoas, uma cidade inteira destruída, fauna e flora dizimadas, rios estéreis, desabastecimento público de água e outros tantos danos irreparáveis poderiam e deveriam ter sido evitados. A tônica sempre latente no Brasil é a da insuficiência de planejamento e de prevenção, além do desrespeito aos direitos dos vulneráveis, invisíveis aos olhos do Estado, refletindo o descaso do Poder Público e das empresas exploradoras de recursos naturais com a mais relevante orientação constitucional em relação ao Direito Socioambiental: sendo os danos socioambientais de impossível ou difícil reparação, geralmente com drásticas e duradouras consequências para a população e o equilíbrio ecológico, é preciso sempre adotar práticas de prevenção destinadas a antecipá-los e, com isso, evitá-los.”

LEIA @ SOCIOAMBIENTAL.ORG

* * * * *

“Ironicamente, o rio que dá nome à companhia (Vale do Rio do Doce) acaba de ser completamente destruído pela empresa. O impacto dos rejeitos das barragens em Mariana em toda a extensão do Rio Doce simbolizam praticamente o fim do rio e dos seus afluentes. Entre outros impactos, a matéria abaixo mostra que:

– O Rio Doce está entre os 100 MAIORES RIOS DO MUNDO.

– O rio passa por 230 MUNICÍPIOS que dependem dele para subsistência e trabalho, são 86.715 quilômetros quadrados e suas áreas percorrem cerca de 850 KM.

– A natureza levará pelo menos 100 ANOS para minimamente se recuperar do estrago.

– Centenas de espécies correm risco de extinção, típicas do Rio Doce.

– Os rejeitos atingirão a cordilheira marinha Vitória-Trindade, com uma das mais ricas vidas marinhas DO MUNDO, o maior do Oceano Atlântico, de importância e riqueza comparável somente a Costa dos Corais na Austrália.

Leia a matéria do Jornal O Tempo:

* * * * *

RIP

“Réquiem para uma terra morta

Onde havia vida, hoje se procura um sinal, ainda que de confirmação da dor. No lugar em que pessoas viviam, hoje chafurda um grito que não vence a resistência do barro envenenado. Na cidade que viu nascer Minas Gerais, tudo regride a um estado mineral e sem brilho. Nada há de brotar tão cedo daquele solo. A matéria tóxica e plástica envolve todas as possibilidades imediatas de vida. Até a água, elemento primário do mundo, perde seu poder saneador para ser apenas veículo do que escorre como operoso fluxo de rejeitos. Fosse apenas o sofrimento, já seria demasiado. Mas há mais: o descaso.

A degradação do ambiente e do trabalho de homens e mulheres foi apontada sem trégua por movimentos sociais demonizados pelos meios de comunicação. São décadas de uma narrativa que conjuga a denúncia da exploração, a ausência de cuidado com a terra, a submissão sem constrangimento aos interesses do lucro.

Os distritos de Mariana se tornam símbolos de uma forma torpe de entrega. Da troca do futuro possível pela sobrevivência imediata e baça; da capitulação da dignidade pela urgência; do engodo da sustentabilidade que turvou as mentes antes de enlamear a paisagem.

Um jogo desigual, imundo, desonesto. A barganha da vida e de suas possibilidades pela oferta de um horizonte limitado no tempo. A vizinhança imposta da morte em forma de matéria incontível, de lama pútrida, do anúncio fatal.

Quando a morte cumpriu seu desígnio, mais que isso, quando mostrou sua trabalhosa construção do nada, o que se viu foi o jogo da mentira assumir a cena. Não foi a ganância que empilhou milhões de toneladas venenosas sobre as pessoas; não foi a necessidade de conter gastos que impediu o investimento em segurança; não foi a irresponsabilidade que armou a tragédia inevitável.

Foi o terremoto. A fatalidade. O risco incontornável do acaso.

Não foi uma empresa que nunca respeitou a vida, como a Vale, escondida em nome de subsidiárias; não foram pedidos de leniência na legislação ambiental que hoje correm no Legislativo; nem mesmo artifícios fiscais para aumentar o lucro e não deixar para a terra e seus habitantes nada além de crateras e lama química.

Foi a necessidade da economia. Foram as leis de mercado. Os arranjos modernos entre Estado e iniciativa privada.”

LEIA @ BRASILDEFATO

* * * * *Indios

* * * *

Vale

VISITE: MINISTÉRIO DA VERDADE

Conceito retirado do livro “1984”, de George Orwell, uma das principais distopias do século XX, o Ministério da Verdade (em Novilíngua, Miniver ou Minivero) é um dos quatro ministérios que compõem o governo da Oceania. Analogamente aos demais ministérios (Ministério do Amor, Ministério da Fartura, Ministério da Paz), o seu objetivo é exatamente o oposto da Verdade: este ministério é diretamente responsável pela falsificação da história. Em Novilíngua, porém, o nome é apropriado, já que “verdade” é aquilo que o Estado quer que seja verdade.

A referência, aqui, serve para desnudar aquilo que se deseja que fique encoberto. No caso, análises independentes sobre todas as implicações do crime cometido pela Vale, BHP Billiton e Samarco em Mariana e em toda a extensão do Rio Doce, atingindo milhões de pessoas e destruindo uma das principais bacias hidrográficas do país e com um dos 100 maiores rios do mundo.

http://crimideia.com.br/miniver/

* * * * *

An

“It is a tragedy of enormous proportions,” Marilene Ramos, president of Ibama, the federal environmental agency, said. “We have thousands of hectares of protected areas destroyed and the total extinction of all the biodiversity along this stretch of the river.”

On a visit to the affected region on Thursday, President Dilma Rousseff described the incident as “possibly the biggest environmental disaster to have impacted one of the major regions of our country”. She compared the scale of the damage to the Deepwater Horizon disaster in the Gulf of Mexico (2010).” – The Guardian

http://gu.com/p/4e7ge/fb

* * * * *

LEIA TAMBÉM:

* * * * *

VÍDEOS:

* * * * *

André Dahmer

André Dahmer – COMPARTILHAR

 

 

* * * * *

DrummondLIRA ITABIRANA

(Carlos Drummond de Andrade, Brasil, 1902-1987)

I
O Rio? É doce.
A Vale? Amarga.
Ai, antes fosse
Mais leve a carga.

II
Entre estatais
E multinacionais,
Quantos ais!

III
A dívida interna.
A dívida externa
A dívida eterna.

IV
Quantas toneladas exportamos
De ferro?
Quantas lágrimas disfarçamos
Sem berro?

(Poema de 1984!!!)

Saiba mais:

Vermelho A vida imita a arte: o dia que Drummond previu a tragédia de Mariana

ZH – Poema de Drummond sobre o Rio Doce, que circula em redes sociais, nunca foi publicado em livro

UMA VIAGEM COM MAIS NÁUFRAGOS DO QUE NAVEGANTES (por Edu Carli @ A Casa de Vidro)

Galeano

“O desenvolvimento é uma viagem
com mais náufragos do que navegantes.”

Eduardo Galeano,
Las Venas Abiertas de América Latina

No mesmo ano de 1492 em que os conquistadores espanhóis aportaram nas praias do chamado Novo Mundo, a Espanha expulsou 150 mil judeus de seu território e re-conquistou Granada, arrancando-a das garras dos muçulmanos. As Monarquias Absolutas da península ibérica, calcadas na dogmática católica – em especial aquela falaciosa ideologia hoje quase completamente enterrada em descrédito do “monarca por decreto divino” – estavam envolvidas nas turbulências de guerras religiosas sanguinolentas. Quem chegou às Américas em 1492 não foram alguns cristãos pacifistas e benevolentes, como logo descobririam as populações nativas. Os índios não tardaram a fazer uma péssima descoberta: os invasores provinham de civilizações européias cujas elites dirigentes sabiam ser extremamente violentas, intolerantes, dogmáticas e embevecidas por delírios de etno-superioridade. Relembrando aqueles tempos, Galeano escreve:

Galeano2“A Espanha adquiria realidade como nação erguendo espadas cujas empunhaduras traziam o signo da cruz. A rainha Isabel fez-se madrinha da Santa Inquisição. A façanha do descobrimento da América não poderia se explicar sem a tradição militar da guerra das cruzadas que imperava na Castela medieval, e a Igreja não se fez de rogada para atribuir caráter sagrado à conquista de terras incógnitas do outro lado do mar…” [Nota #1]

Em 1492, os milhões de habitantes deste continente que o invasor estrangeiro depois batizaria de América tiveram um encontro traumático: “descobriram que eram índios, que viviam na América, que estavam nus, que existia o pecado, que deviam obediência a um rei e a uma rainha de outro mundo e a um deus de outro céu, e que este deus havia inventado a culpa e a vestimenta, e havia ordenado que fosse queimado quem quer que adorasse o sol, a lua, a terra e a chuva que a molha…” (Galeano)

Bento 16Corte para maio de 2007. O Papa visita o Brasil e discursa na basílica de Aparecida (custo desta construção: 37 milhões de reais). Joseph Ratzinger, o Bento XVI, autoridade-mor da Cristandade no princípio do 21º século depois do nascimento do Nazareno, pontifica:

“A fé cristã encorajou a vida e a cultura desses povos indígenas durante mais de 5 séculos. O anúncio de Jesus e de seu Evangelho nunca supôs, em nenhum momento, uma alienação das culturas pré-colombianas, nem uma imposição de uma cultura estrangeira. O que significou a aceitação da fé cristã pelos povos da América Latina e do Caribe? Para eles, isso significou conhecer e aceitar o Cristo, esse Deus desconhecido que seus antepassados, sem perceber, buscavam em suas ricas tradições religiosas. O Cristo era o Salvador que eles desejavam silenciosamente.” [Nota #2]

Comparados, os discursos de Galeano e de Ratzinger são explicitamente contraditórios, antagônicos, irreconciliáveis. Não há como ambos possam estar certos simultaneamente – o que equivale a dizer que, destes dois, um deles mente. A história da Conquista que nos narra o autor d’As Veias Abertas Da América Latina é repleta de chacinas, pilhagens e horrores; nela houve sim, indubitavelmente, uma cultura forçada goela abaixo dos nativos através da violência das armas-de-fogo e das espadas afiadas. Já a história, higienizada pelo Papa (que demitiu-se, dando lugar ao Papa Chico), fabrica um conto-de-fadas: nele, a fé cristã foi “aceita” na América por aqueles que “desejavam silenciosamente” abraçar o Cristo, e segundo Bento XVI os europeus que aportaram no Novo Mundo agiram de modo humanitário e generoso ao presentear os pagãos com a imensa benesse de seu catolicismo.

Diante da lorota papal, Jean Ziegler comenta, em Ódio ao Ocidente: “Raramente uma mentira histórica foi proferida com tanto sangue-frio. […] A população total de astecas, incas e maias era de 70 a 90 milhões de pessoas quando os conquistadores chegaram. Entretanto, um século e meio depois, restavam apenas 3,5 milhões.” [Nota #3]

aztecas

A cidade de Potosí, na Bolívia, serve como um exemplo das ações dos predadores ibéricos e seu apetite voraz pelas riquezas alheias. Potosí, que fica a quase 4.000 metros de altitude, já foi uma das cidades mais populosas e ricas do mundo. No século XV e XVI, torna-se tamanho paradigma de um território abençoado com vastas riquezas naturais a ponto de no romance clássico de Cervantes, Dom Quixote de La Mancha, o Cavaleiro da Triste Figura utilizar-se, em seus papos com Sancho Pança, a expressão “vale um Potosí”. Os invasores estrangeiros extraíram, durante 3 séculos, cerca de 40.000 toneladas de prata de suas montanhas [nota #4].

As comunidades quíchua e aimará do Altiplano andino foram escravizadas, empurradas para as minas e coagidas por guardas armados ao labor pesado em circunstâncias adversas. Os desabamentos eram frequentes e muitos mitayos (os escravos mineiros) acabavam enterrados vivos nas profundezas da montanha de prata. Estima-se que 8 milhões de pessoas morreram em Potosí no processo de butim que os invasores europeus promoveram. Para justificar o genocídio, o teólogo espanhol Juan Ginés de Sepúlveda (1489-1573) explica: “Os indígenas merecem ser tratados dessa maneira porque seus pecados e idolatrias ofendem a Deus.” Em outras palavras: na teologia imperial, Deus é espanhol, ama o capitalismo e aplaude a escravização e a chacina.

Potosí é apenas um caso dentre muitos outros e poderíamos contar uma estória semelhante sobre as Minas Gerais, em especial Vila Rica, hoje Ouro Preto, que foi pilhada de todo o seu ouro, assim como Potosí foi assaltada de toda a sua prata. Ao invés de multiplicar exemplos de horrores que sucederam à Conquista da América, ouçamos esta reflexão mais geral de Karl Marx sobre as conexões entre o desenvolvimento do capitalismo industrial europeu e o empreendimento colonial, escravocrata e genocida:

Marx 1867

“O capital veio ao mundo suando sangue e lama por todos os poros. […] Em geral, a escravidão velada dos operários assalariados na Europa precisava, como pedestal, da escravatura notória no Novo Mundo. […] O tesouro capturado fora da Europa, diretamente por pilhagem, escravização, assassinato seguido de roubo, refluiu para a mãe pátria e transformou-se aí em capital.” [nota #5]

Em sua aurora, portanto, o capitalismo europeu nutriu-se de holocaustos coloniais, praticou a escravização em massa, sugou suas gordas mais-valias da exploração brutal do trabalho forçado, com as bênçãos de papas e reis. O que se seguiu à Conquista da América, aquilo de que ainda somos infelizmente contemporâneos, é uma história-ainda-presente de genocídio e etnocídio, entrelaçados e amalgamados. Não foi Hitler quem inventou a limpeza étnica. Os índios conheceram-na a partir de 1492 e talvez não haja absurdo algum em chamar a coisa por seu devido nome: holocausto. Em Arqueologia da Violência, Pierre Clastres explana o que entende pela palavra “etnocídio” e no que esta se distingue de “genocídio”: “O etnocídio é a supressão das diferenças culturais julgadas inferiores e más; é a aplicação de um projeto de redução do outro ao mesmo…”  Ouçamos mais longamente à argumentação de Clastres:

Archeologie_de_la_violence“Quem são os praticantes do etnocídio? Em primeiro lugar, aparecem na América do Sul, mas também em muitas outras regiões, os missionários. Propagadores militantes da fé cristã, eles se esforçam por substituir as crenças bárbaras dos pagãos pela religião do Ocidente. A atitude evangelizadora implica duas certezas: primeiro, que a diferença – o paganismo – é inaceitável e deve ser recusada; a seguir, que o mal dessa má diferença pode ser atenuado ou mesmo abolido. É nisto que a atitude etnocida é sobretudo otimista: o Outro, mau no ponto de partida, é suposto perfectível, reconhecem-lhe os meios de se alçar, por identificação, à perfeição que o cristianismo representa.

O etnocídio é praticado para o bem do selvagem. O discurso leigo não diz outra coisa quando enuncia, por exemplo, a doutrina oficial do governo brasileiro quanto à política indigenista: “Nossos índios, proclamam os responsáveis, são seres humanos como os outros. Mas a vida selvagem que levam nas florestas os condena à miséria e à infelicidade. É nosso dever ajudá-los a libertar-se da servidão. Eles têm o direito de se elevar à dignidade de cidadãos brasileiros, a fim de participar plenamente do desenvolvimento da sociedade nacional e de usufruir de seus benefícios”. A espiritualidade do etnocídio é a ética do humanismo.

Denomina-se etnocentrismo a vocação para avaliar as diferenças pelo padrão da sua própria cultura. O Ocidente seria etnocida porque é etnocentrista, porque se pensa e quer ser a civilização. […] O etnocídio é a supressão das diferenças culturais julgadas inferiores e más; é a aplicação de um projeto de redução do outro ao mesmo. O índio amazônico suprimido como outro e reduzido ao mesmo como cidadão brasileiro. Em outras palavras, o etnocídio resulta na dissolução do múltiplo em Um.” [nota #6]

Ora, a Conquista da América foi um projeto genocida e etnocida, posto em prática por potências imperiais européias que chegaram aqui embevecidas com sua intolerância, embrutecidas por sua presunção de superioridade.

No filme espanhol Também A Chuva (También La Lluvia), da Iciar Bollain, temos a oportunidade de refletir sobre imperialismo e colonização em um contexto visceralmente contemporâneo: estamos na Bolívia do começo do século, às vésperas da eclosão da Guerra da Água de Cochabamba.

Gael Garcia Bernal encarna um dos espanhóis da equipe de produção do filme-dentro-do-filme, um desses blockbusters que pretendem fornecer um retrato épico e heróico da História. Pagam uma merreca para que os bolivianos participem como figurantes das filmagens e pretendem ordenar os rumos da película como se fossem ainda os poderosos chefões de outrora.

Só que as ebulições do presente suplantam o retrato sereno do passado: a equipe cinematográfica que queria apenas realizar um filme sobre os tempos de Colombo acaba envolvida pelo turbilhão da imensa revolta popular que seguiu-se à decisão, tomada pelo conluio governamental-corporativo, de privatizar a água na Bolívia.

Tambien-la-lluvia

DOCU_GRUPO
Tambien-la-lluvia 3

O título do filme – Também a Chuva – refere-se a algo que até parece mentira, invenção satírica, paranóia de Bolivarista: a privatização de todas as formas de água, inclusive a da chuva. Ocorreu de fato: os bolivianos não só tiveram que engolir um aumento de 300% nas tarifas da água, após o cerceamento corporativo do commons; os bolivianos tiveram roubado até mesmo seu direito à chuva.

Em nossa era dita “neoliberal” (mas que talvez merecesse o nome “neocolonial”), a América Latina ainda batalha contra os gigantes do capitalismo global que aqui desejam faturar seus imensos lucros ao preço de nossa imensa miséria: na Bolívia, o acordo entre as mega-corporações transnacionais e o Estado elitista que as servia de joelhos, na era pré-Evo Morales, fez com que este direito humano básico à água, esta necessidade elementar para a sobrevivência física de qualquer ser humano, fosse transformado em mercadoria e pretexto para o lucro.

Carajo

Fotos extraídas do artigo de Franck Poupeau, “La guerre de l’ eau – Cochabamba, Bolivie, 1999-2001” (Pg. 133 do seguinte livro, disponível em PDF: http://agone.org/lyber_pdf/lyber_401.pdf)

 Assim que a privatização da água foi imposta pelo governo e efetivada pelas corporações, o que ocorreu foi que as empresas capitalistas

“aumentaram massivamente o preço da água potável e centenas de milhares de famílias viram-se na impossibilidade de pagar a conta. Elas tiveram que se abastecer nos riachos poluídos, nos poços envenenados pelo arsênico. As mortes infantis pela ‘diarreia sangrenta’ aumentaram potencialmente. Manifestações públicas começaram a explodir. Durante os confrontos com a polícia, dezenas de pessoas foram mortas e centenas ficaram feridas, entre elas muitas mulheres e crianças. Mas os bolivianos não se dobraram. O movimento se espalhou por todo o país. No dia 17 de outubro de 2003, cercados no palácio Quemado por uma multidão enfurecida de mais de 200 mil manifestantes, o presidente Lozada e seus comparsas mais próximos decidiram fugir do país. Destino: Miami.” [nota #7]

Também a Chuva tem entre seus méritos maiores o retrato destes eventos cruciais na história latino-americana recente. A excelência do filme está no modo como ele procura compreender o presente sempre vinculado ao passado histórico, estabelecendo paralelos eloquentes entre as atitudes de Cristóvão Colombo e seus asseclas, outrora, e dos novos conquistadores do capitalismo globalizado: ambos decretam-se os donos e os possuidores de recursos naturais, aos quais pretendem ter direito por terem sido escolhidos por Deus-Pai ou pelo Deus-Progresso (este último, diga-se de passagem, como nos lembrou a epígrafe Galeaneana deste texto, “é uma viagem com mais náufragos que navegantes…”).

Contando com mais uma atuação brilhante de Gael Garcia Bernal (que iluminou-nos e cativou-nos sobre a história latino americana também em filmes como No de Pablo Larraín e Diários de Motocicleta de Walter Salles), Também a Chuva é um dos melhores filmes a explorar a complexidade de nossa história recente, sendo dotado de uma vibe próxima à dos clássicos de cineastas como Gillo Pontecorvo (A Batalha de Argel, Quemada!) e Roland Joffé (A Missão, Os Gritos do Silêncio). É um filme que ajuda-nos a compreender as novas revoluções bolivaristas do continente sob a perspectiva daqueles que conquistaram, em especial na Bolívia e na Venezuela, algumas das mais significativas vitórias do movimento dito “altermundialista” nas últimas décadas.

Evo Morales, presidente da Bolívia (de 2006 até hoje)

Evo Morales, presidente da Bolívia (de 2006 até 2019)

O filme permite-nos entender o processo que conduziu a Bolívia a livrar-se do jugo de corporações (como a Bechtel e a Suez) e presidentes (como Lozada ou Banzer) que eram fanáticos praticantes da política “Privatização de Tudo” . Contestados e destronados, estes representantes do neo-imperialismo sofreram um revés com a eleição de Evo Morales em 2006, o primeiro presidente de raízes indígenas a ser eleito democraticamente na América Latina. Pachamama renasceu das cinzas. E com ela as centelhas de esperança.

Se as ocorrências em Cochabamba são tão relevantes para nosso presente e nosso futuro, acredito que é porque não escaparemos a um porvir onde os antagonismos e conflitos relacionados com a água vão se exacerbar e intensificar. A pior seca da história de São Paulo, por exemplo, já inspira alguns dos melhores analistas políticos brasileiros, como Guilherme Boulos (militante do MTST), a perguntar/provocar: “há quinze anos, na Bolívia, atitudes semelhantes às adotadas agora por Geraldo Alckmin provocaram levante popular. É isso que governador deseja produzir?” [nota #8] 

Escrevendo no calor da hora, em novembro de 2000, Arundhati Roy reflete sobre a Batalha de Cochabamba como um símbolo de como opera atualmente o capitalismo oniprivatizante e como este é contestado por insurreições grassroots; em seu artigo Power Politics: The Reincarnation of Rumpelstiltskin, a escritora e ativista indiana escreve:

Arundhati Roy, escritora e ativista indiana, autora do romance

Arundhati Roy, escritora e ativista indiana, autora do romance “O Deus das Pequenas Coisas”

“What happens when you ‘privatise’ something as essential to human survival as water? What happens when you commodify water and say that only those who can come up with the cash to pay the ‘market price’ can have it? In 1999, the government of Bolivia privatised the public water supply system in the city of Cochacomba, and signed a 40-year lease with Bechtel, a giant US engineering firm.The first thing Bechtel did was to triple the price of water. Hundreds of thousands of people simply couldn’t afford it any more. Citizens came out on the streets to protest. A transport strike brought the entire city to a standstill. Hugo Banzer, the former Bolivian dictator (now the President) ordered the police to fire at the crowds. Six people were killed, 175 injured and two children blinded. The protest continued because people had no options—what’s the option to thirst? In April 2000, Banzer declared Martial Law. The protest continued. Eventually Bechtel was forced to flee its offices. Now it’s trying to extort a $12-million exit payment from the Bolivian government…” [nota #9]

Vale relembrar que a Bolívia do começo dos anos 1990 já havia dado sinais claros de que, naquelas terras de onde surrupiaram-se toneladas de prata de Potosí, naquelas terra onde o médico-gerrilheiro Che Guevara foi assassinado, a rebelião não dormia nem estava morta. Em 1992, por ocasião dos 500 anos do início da Conquista da América, iria acontecer em La Paz uma “suntuosa festa de aniversário” organizada pelas autoridades branquelas, com desfile militar, cerimônias diplomáticas, convidados vindos da Europa, coms Te Deums e améns destinados a celebrar a ideologia de uma colonizadores europeus, humanitários e filantrópicos, que fizeram o favor de nos trazer a verdadeira civilização – lorota que o imperialismo deseja inscrever como dogma em nossos livros, monumentos, consciências.

O espírito de resistência e insurgência, esse ímpeto revoltado à la Tupac Amaru, renasceu para mostrar que “nunca, durante esses últimos cinco séculos, a brasa se apagou debaixo das cinzas”, como escreve Jean Ziegler. Emergindo dos indígenas, que constituem mais de metade da população do país, nasceu um protesto colossal: “Várias centenas de milhares de aimarás, quíchuas, moxos e guaranís (…) vaiaram Cristóvão Colombo, derrubaram as tribunas de honra e ocuparam a capital durante quatro dias. Na manhã do quinto dia, pacificamente, voltaram para suas comunidades no Altiplano…” [nota #10]

Eis aí, pois, na Bolívia, algumas inspiradoras estórias de desobediência civil contestatória e mobilização transformadora. Thoreau e Gandhi aplaudiriam Cochabamba? Relembrar isto tudo, aprofundar os estudos sobre estes episódios, serve para a tarefa essencial de pôr em questão a história oficial e escrever em seu lugar uma história mais múltipla, que abrigue a voz e as lutas daqueles que podem até ser considerados por alguns como sendo parte de nosso passado. Em Até a Chuva, o político pontifica que, “se deixarmos, esses índios vão nos levar de volta à Idade da Pedra”. Ora, aqueles que alguns julgam como sobreviventes do passado talvez sejam, na verdade, os guias essenciais para nosso futuro.  Se um outro mundo é possível e necessário, é preciso lembrar que uma outra história também é possível e necessária, como Walter Benjamin sugeria em 1940, nas Teses Sobre o Conceito de História, em que ele aponta: “em cada época é preciso arrancar a tradição ao conformismo que quer apoderar-se dela” e “despertar no passado as centelhas da esperança” [nota #11].

Bolívia: imensos protestos contra a privatização da água tomam conta das ruas de Cochabamba em 1992

Na Bolívia, imensos protestos contra a privatização da água tomaram conta das ruas de Cochabamba em 2000.

E.C.M. 
Goiânia, Dez 2014

* * * * *

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. GALEANO, EduardoAs Veias Abertas da América Latina. Capítulo: Febro do Ouro, Febre da Prata. Sub-capítulo: O signo da cruz nas empunhaduras das espadas. Trad. Sergico Faraco. Ed. L&PM. 2010. Pg. 30.

2. Le Monde, 15 de maio de 2007

3. ZIEGLER, Jean. Ódio ao Ocidente. Ed. Cortez, 2008, p. 188.

4. HAMILTONEarl J.  American Treasure and the Price Revolution in Spain, 1501-1650. Massachusetts, 1934.

5. MARX, KarlOeuvres Complètes, editadas por M. Rubel. Vol. II: Le Capital, tomo I, seção VIII. Paris: Gallimard. Bibliothèque de la Pléiade.

6. CLASTRES, PierreArqueologia da Violência – Pesquisas de Antropologia Política. Ed. Cosac & Naify, 2004.

7. ZIEGLER. Op cit [nota#3]2011, p. 208.

8. BOULOS, Guilherme. São Paulo Rumo A Uma Guerra da Água?. Leia o artigo completo no Outras Palavras.

9. ROY, ArundhatiPower Politics: The Reincarnation of Rumpelstiltskin. Leia o artigo completo na Outlook India, 27 de Novembro de 2000.

10. ZIEGLER. Op cit. P. 206-207.

11. BENJAMIN, Walter. Sexta Tese Sobre o Conceito de História. In: Obras Escolhidas I – Magia e Técnica, Arte e Política. Ed. Brasiliense, pg. 225.

* * * * *

Veja também:

Abuella Grillo (2009)

FRATURAS NO ARCO-ÍRIS TERRESTRE – UMA REFLEXÃO SOBRE AS “ZONAS DE SACRIFÍCIO”

Broken Rainbow 2

FRATURAS NO ARCO-ÍRIS TERRESTRE

UMA REFLEXÃO SOBRE AS “ZONAS DE SACRIFÍCIO”

 

E.C.M. || A CASA DE VIDRO

Imagino que o homem branco, europeu e pretensamente “civilizado”, quando aportou neste continente que batizaria de América (em homenagem ao branquelo europeu Vespúcio), deve ter aparecido aos habitantes nativos destas terras como um medonho alienígena invasor. Nas páginas de Galeano, Todorov, Clastres ou Viveiros de Castro, dentre outros, podemos compreender a Conquista da América como uma hecatombe de gigantescas proporções. Também no território que viria a ser chamado de “Estados Unidos da América”, os branquelos europeus meteram-se a marchar para o Oeste na certeza de que tinham sido apontados por deus para a dominação daquelas terras e a apropriação de suas riquezas. O documentário Broken Rainbow – vencedor do Oscar da categoria em 1985 – narra-nos os encontros traumáticos entre estes branquelos (greedy bastards!), e os povos originais do continente, em especial os Navajo e os Hopi.

Sem dourar a pílula ou suavizar a história, o filme relata-nos um pouco das dores de parto de um Estado Nacional constituído pelos branquelos no território que haviam invadido e conquistado através de chacinas e deslocamentos forçados. Os Navajo e os Hopi, no século 19, chegaram a ser encerrados em campos de concentração, onde viviam detidos sem nunca terem cometido nenhum crime. O Terceiro Reich alemão, sugere Broken Rainbow em uma de suas cenas mais provocativas, inspirou-se nesta iniciativa yankee ao inventar os campos onde seriam encerrados e dizimados os judeus, vitimados pela máquina de assassínio em massa do regime hitlerista. É: os nazi-fascistas tiveram muito a aprender com as empreitadas anteriores do proto-fascismo anglo-saxão e ibérico, “mestres” das atitudes supremacistas em relação às populações nativas do continente invadido.

Durante a Segunda Guerra, os índios Navajo e Hopi foram empurrados para os campos de batalha ou para as minas de urânio. Ninguém lhes explicou as razões para o mega-conflito entre os imperialismos branquelos europeus, nem ninguém teve a dignidade de alertá-los sobre a radioatividade tóxica do urânio que eles eram forçados a colher (para quê? para que pudesse ser matéria-prima para bombas atômicas!). O mesmo regime que despejou as hecatombes nucleares sobre Hiroshima e Nagasaki empregou os Navajos como mineradores da morte radioativa em fábricas de munições mortíferas.

A grande infelicidade dos Navajo e dos Hopi está em habitarem uma terra riquíssima em minérios e petróleo. O homem branco julga necessitar a todo custo tomar conta destes recursos naturais, para alimentar suas megalópoles industriais-comerciais. Mega-corporações desejam varrer as pessoas do mapa, como se não passassem de pulgas, para ter acesso ao carvão, ao ouro negro, ao urânio, a tantos outros minérios que o solo contêm. A explosão demográfica dos grandes centros-urbanos norte-americanos fez com que a demanda energética também subisse feito um foguete, de modo que Washington se sentisse no direito de invadir territórios Navajo e Hopi para, por exemplo, roubar carvão a ser queimado nos power plants produtores de eletricidade e poluição às mancheias.

Para extrair os minérios de que precisavam, os branquelos não tiveram pudores de dinamitar certos lugares que, para os Navajo e os Hopi, eram sagrados. “É como demolir a catedral de Saint Peter para roubar seu mármore”, compara o narrador de Broken Rainbow. De fato, o filme mostra bem que, na perspectiva dos Navajos e Hopis, aqueles “empreendedores” branquelos estavam cometendo horríveis sacrilégios. Os branquelos, é claro, consideram titica de galinha as superstições bárbaras de povos não-esclarecidos e selvagens. Procedem com sua exploração: retiram toneladas e toneladas de carvão, urânio, petróleo e gás natural dos territórios indígenas; instalam vastas linhas de transmissão de eletricidade neles; os ares e as águas, outrora puros, enchem-se de gases tóxicos e poluentes cancerígenos.

Em This Changes Everything, Naomi Klein mobiliza o conceito de zonas de sacrifício, territórios que são “eleitos” pelas elites para a exploração predatória destravada, e que se fodam os direitos humanos. Passa-se como um rolo compressor sobre sociedades milenares, que há dezenas de gerações viviam em harmonia com o meio ambiente. Populações inteiras são consideradas sacrificáveis no altar do deus Capital. Os Navajo e os Hopi foram vítimas desta política etnocida, genocida, ecocida, que com autoritarismo fascista quis varrê-los do mapa para então roubar suas terras e suas riquezas naturais.

Apesar de 30 anos terem se passado desde o lançamento de Broken Rainbow, o filme prossegue atualíssimo como emblema da sina que sofrem os povos indígenas globais, seja em Alberta no Canadá – onde a exploração dos tar sands e a construção de pipelines representa gigantesca devastação para muitas tribos das First Nations – seja na Amazônia latino-americana – onde mega-hidreléticas à la Belo Monte também explicitam a mentalidade supremacista deste neodesenvolvimentismo bárbaro que elege zonas de sacrifício em nome do sacrossanto progresso capitalista. Aquele mesmo que empurra a Humanidade para a borda do penhasco e produz o caos climático cada vez mais exacerbado.

O arco-íris prossegue fraturado e não há sinal de que será consertado tão cedo. No desconcerto do mundo, convêm ouvir com atenção as vozes e as vidas daqueles que “podem parecer guardiões do passado, mas são na real os guias para nosso futuro” (Arundhati Roy).

* * * * *

BROKEN RAINBOW (1985)
Direção: Maria Florio and Victoria Mudd
Vencedor do Oscar de Melhor Documentário
Assista na íntegra:

“1985 documentary film about the government-enforced relocation of thousands of Navajo Native Americans from their ancestral homes in Arizona. The Navajo were relocated to aid mining speculation in a process that began in the 1970s and continues to this day. The film is narrated by Martin Sheen. The title song was written by Laura Nyro.”

A IMPUNIDADE DOS EXTERMINADORES DO PLANETA – Por Eduardo Galeano

capa_de_pernas_pro_ar.indd

 A IMPUNIDADE DOS EXTERMINADORES DO PLANETA

As empresas de maior êxito no mundo são as que mais assassinam o mundo e os países que lhe decidem o destino são os que mais contribuem para aniquilá-lo

por EDUARDO GALEANO

UM PLANETA DESCARTÁVEL

Inundações, imundações: torrentes de imundícies imundam o mundo e o ar que o mundo respira. Também inundam o mundo cataratas de palavras, informes de peritos, discursos, declarações de governos, solenes acordos internacionais, que ninguém cumpre, e outras expressões da preocupação oficial com a ecologia. A linguagem do poder concede impunidade à sociedade de consumo, àqueles que a impõe como modelo universal em nome do desenvolvimento e também às grandes empresas que, em nome da liberdade, adoecem o planeta e depois lhe vendem remédios e consolos… A saúde do mundo está um bagaço e a linguagem oficial generaliza para absolver: Somos todos responsáveis, mentem os tecnocratas e repetem os políticos, querendo dizer que, se todos somos responsáveis, ninguém o é. A discurseira oficial exorta ao sacrifício de todos e o que ela quer dizer é que se fodam os de sempre.

A humanidade inteira paga as consequências da ruína da terra, da intoxicação do ar, do envenenamento da água, dos distúrbios do clima e da dilapidação dos bens mortais que a natureza outorga. Mas as estatísticas confessam e os numerozinhos não mentem: os dados, ocultos sob a maquiagem das palavras, revelam que 25 por cento da humanidade é responsável por 75 por cento dos crimes contra a natureza. (…) Cada norte-americano lança no ar, em média, 22 vezes mais carbono do que um hindu e 13 vezes mais do que um brasileiro. A adoção massiva desses modelos de consumo, se possível fosse, teria um pequeno inconveniente: seriam necessários 10 planetas como este para que os países pobres pudessem consumir tanto quanto consomem os países ricos. Chama-se suicídio coletivo o assassinato que a cada dia executam os membros mais prósperos do gênero humano, que vivem nos países ricos ou que, nos países pobres, imitam seu estilo de vida: países e classes sociais que definem sua identidade através da ostentação e do esbanjamento.

1eco92 (1)As empresas mais exito$a$ do mundo são as que atuam com maior eficácia contra o mundo. Os gigantes do petróleo, os aprendizes de feiticeiro da energia nuclear e da biotecnologia, as grandes corporações que fabricam armas, aço, alumínio, automóveis, pesticidas, plásticos e mil outros produtos, costumam derramar lágrimas de crocodilo pelo muito que a natureza sofre. Essas empresas, as mais devastadoras do planeta, figuram nos primeiros lugares entre as que mais dinheiro gastam: na publicidade, que milagrosamente transforma a contaminação em filantropia, e nas ajudazinhas que desinteressadamente dão aos políticos que decidem a sorte dos países e do mundo. Explicando porque os EUA se negavam a assinar a Convenção da Biodiversidade, na cúpula mundial do Rio de Janeiro, em 1992, disse o presidente George Bush:

– É importante proteger nossos direitos, os direitos de nossos negócios.

Na verdade, assinando ou não assinando dava no mesmo, porque, de todo o modo, os acordos internacionais valem menos do que os cheques sem fundo. A Eco-92 fora convocada para evitar a agonia do planeta. Mas, com exceção da Alemanha, nenhuma das grandes potências cumpriu os acordos que assinou, por causa do medo das empresas de perder competitividade e o medo dos governos de perder eleições. (…) Os colossos da indústria química, da indústria petroleira e da indústria automobilística, que tanto tinham a ver com o tema da Eco-92, arcaram com boa parte dos gastos da reunião. Poder-se-ia dizer qualquer coisa de Al Capone, mas ele era um cavalheiro: o bom Al sempre enviava flores aos velórios de suas vítimas.

Cinco anos depois da Eco-92 no Rio, as Nações Unidas convocaram outra reunião para avaliar os resultados daquele conclave salvador do mundo. Nos 5 anos transcorridos (1992-1997), o planeta tinha sido esfolado, num  tal ritmo, de sua pele vegetal, que as florestas tropicais destruídas equivaliam a duas Itálias e meia. As terras férteis tornadas estéreis tinham a extensão da Alemanha. Tornaram-se extintas 250 mil espécies de animais e plantas. A atmosfera estava mais intoxicada do que nunca. 1, 3 bilhões de pessoas não tinham casa nem comida. E 25 mil morriam a cada dia ao beber água contaminada por venenos químicos ou dejetos industriais. Pouco antes, 2500 cientistas de diversos países, também convocados pela ONU, tinham coincidido em anunciar, para os próximos tempos, as mudanças de clima mais aceleradas dos últimos dez mil anos.

Quem mais sofre o castigo, como de costume, são os pobres, gente pobre, países pobres, condenados à expiação dos pecados alheios.  (…) O sul já conta com muitos anos de trabalho como lixeiro do norte. No sul vão parar as fábricas que mais envenenam o ambiente, o sul é o cano de esgoto da maior parte da merda industrial e nuclear que o norte gera. (…) Em fins de 1984, na cidade indiana de Bophal, a fábrica de pesticidas da empresa química Union Carbide sofreu uma perda de 40 toneladas de gás mortífero. O gás se espalhou pelos subúrbios, matou 6.660 pessoas e prejudicou a saúde de outras 70 mil, muitas das quais morreram pouco depois ou adoeceram para sempre. A empresa Union Carbide não aplicava na Índia nenhuma das normas de segurança que são obrigatórias nos EUA.

É a difusão internacional do progresso. Já não se fabrica no Japão o alumínio japonês: fabrica-se na Austrália, na Rússia e no Brasil. No Brasil, a energia e a mão de obra são baratas e o meio ambiente sofre em silêncio o feroz impacto dessa indústria suja. Para dar eletricidade ao alumínio, o Brasil inundou gigantescas extensões de mata tropical. Nenhuma estatística registra o custo ecológico desse sacrífico. Afinal, é o costume: outros e muitos sacrifícios cabem à Floresta Amazônica, mutilada dia após dia, ano após ano, a serviço das empresas madeireiras, mineiras e de criação de gado. A devastação organizada vai tornando cada vez mais vulnerável o chamado pulmão do planeta.

GALEANO, Eduardo.
A Escola do Mundo ao Avesso.
Editora L&PM Pocket.
Pg. 220 a 224

* * * * *

CONFIRA TAMBÉM:

POLÍTICOS DISCUTINDO O AQUECIMENTO GLOBAL, uma obra de Isaac Cordal. Leitura sugerida: Revista Piauí de Janeiro de 2015, “Cirurgia à Peruana”, sobre a Cúpula do Clima de Lima 2014: “A dificuldade de se fechar um acordo internacional contra o aquecimento do planeta já foi comparada ao desafio de dividir uma conta de bar ao cabo de uma noitada. Uns comem e bebem desde o início da festa, alguns recém-chegados se fartam; uns tomam uísque, outros só bebem chope ou água. Quando cada um paga o que manda a consciência, nem sempre a conta fecha. Pois é isso que se tentará fazer no acordo de Paris: o tratado será baseado em compromissos voluntários, anunciados individualmente.”

* * * * *

ALGUNS VÍDEOS DE GALEANO ALTAMENTE RECOMENDADOS:


UMA DAS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA: O Golpe do Estado no Chile em 11 de Setembro de 1973

allendeUMA DAS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA

Dentre as “veias abertas da América Latina” – para lembrar o título do clássico livro de Eduardo Galeano – está este episódio histórico traumático na história de nosso continente: no dia 11 de Setembro de 1973, o Chile, que havia vivido 41 anos de regime democrático, sofre um golpe militar; o palácio de La Moneda é bombardeado, o presidente Salvador Allende é morto e um coup d’état instaura a ditadura Pinochet.

noO tirano (des)governaria o país até ser varrido pelo Plesbiscito de 1988 (cuja crônica cinematográfica brilhante foi filmada por Pablo Larraín e estrela por Gael Garcia Bernal em “No”). O 11 de Setembro de 1973 foi o choque inicial que conduziria o Chile a um dos períodos históricos mais terríveis de sua história: a ditadura Pinochet foi responsável por milhares de mortes, torturas e “desaparecimentos”.

Segundo o clássico documentário “A Batalha do Chile” (de Patricio Gúzman), foi de fato ampla e determinante a participação dos EUA, em aliança com as elites oligárquicas chilenas, na instauração de regimes autoritários e fascistas por toda a América Latina (inclusive aqui no Brasil, em 1964) – e no Chile não foi diferente. Segundo Guzmán, as Forças Armadas chilenas receberam um auxílio de 45 milhões de dólares do Pentágono, o que equivale a mais de um 1/3 de todo o capital “emprestado” pelos EUA desde a eleição de Allende em 1970. Além disso, mais de 4 mil oficiais do Exército chileno foram treinados pelos Estados Unidos e este mantinha mais de 40 agentes da CIA infiltrados no movimento de oposição à Allende.

Como nos lembra a Naomi Klein no “Doutrina do Choque”, também foi determinante no golpe contra Allende a ação nos bastidores de Milton Friedman, “considerado o economista mais influente do último meio século” (KLEIN: 2007, p. 15), um dos papas da doutrina neoliberal:

naomi“Milton Friedman aprendeu a explorar os choques e as crises de grande porte em meados da década de 1970, quando atuou como conselheiro do ditador chileno, o general Augusto Pinochet. Enquanto os chilenos se encontravam em estado de choque logo após o violento golpe de Estado, o país sofria o trauma de uma severa hiperinflação. Friedman aconselhou Pinochet a impor uma reforma econômica bastante rápida – corte de impostos, livre-comércio, serviços privatizados, corte nos gastos sociais e desregulamentação. (…) Ficou conhecida como ‘a revolução da Escola de Chicago’, pelo fato de que muitos economistas de Pinochet tinham estudado sob a orientação de Friedman na Universidade de Chicago. (…) Desde então, sempre que os governos decidem impor programas radicais de livre mercado, o tratamento de choque [the shock doctrine] tem sido o seu método preferido.” (KLEIN, A Doutrina do Choque, p. 17)

Hoje em dia, já estamos acostumados com a ideia, historicamente muito recente, de que existem crimes contra a humanidade e violações dos direitos humanos que se manifestam em atos de genocídio e limpeza étnica, e que estes devem ser julgados por um Tribunal Penal Internacional. Porém, isto está longe de funcionar como seria desejável, como nos lembra muito a propósito Joel Birman: “Se Milosevich, da Sérvia, pôde ser enviado a Haia para responder juridicamente sobre genocídio, Pinochet, o carrasco chileno, foi protegido de maneira espúria, pois evidenciaria, caso fosse julgado, a participação direta dos Estados Unidos no golpe de Estado sangrento que derrubou Allende e enterrou durante décadas a democracia no Chile.” (JOEL BIRMAN, Cadernos Sobre o Mal, Ed. Civilização Brasileira, pg. 130)

Em uma matéria recente, Cynara Menezes relembra um episódio da vida chilena do começo dos anos 70: a longa visita do líder da Revolução Cubana, Fidel Castro, ao país [http://bit.ly/1edowaC]. Acredito que Fidel, estando bem “antenado” e experenciado em relação às perversidades dos yankees contra os regimes de esquerda da América Latina e Central, já que Cuba havia sofrido muitos ataques (Baía dos Porcos etc.) e bloqueios econômicos, deve ter feito todo o possível para alertar Allende sobre o perigo que seu regime corria. Em 11 de Setembro de 1973, o golpe de Estado foi uma espécie de confirmação dos piores pesadelos de Fidel – e mais um episódio onde ficou provado que o Império não hesita em se utilizar de medidas fascistas para instaurar, à força de bala e com tanques de guerra, o “Livre-Mercado”, para festa das mega-corporações transnacionais e dos produtos made in U.S.A…

pinochetO Chile ainda se recupera da terapia de choque que lhe foi infligida por 17 anos pela ditadura Pinochet, que governou “tocando o terror” na população através das “celas de tortura do regime, infligindo choques aos corpos retorcidos daqueles que foram considerados obstáculos à transformação capitalista. Na América Latina, muitos enxergaram uma conexão entre os choques econômicos que empobreceram milhões e a epidemia de tortura que flagelou centenas de milhares de pessoas que acreditavam num tipo diferente de sociedade”. (KLEIN: 2007, p. 17)

O episódio é uma boa demonstração de que a mais recente versão do capitalismo selvagem, o chamado neoliberalismo, antes de ser implantado nos países capitalistas avançados, capitaneado por Tatcher no Reino Unido, Reagan nos EUA e Deng Xiaoping na China – como exposto em minúcia no livro “Neoliberalismo” de David Harvey (2008) – utilizou o Chile como seu “laboratório” experimental.

Salvador Allende, desde sua eleição à presidência em 1970, havia realizado transformações amplas na sociedade chilena, pavimentando o caminho para uma sociedade socialista. Suas ações iam na direção oposta ao que recomendam os cânones neoliberais: ao invés de privatizações e desregulamentações, favoráveis ao lucro de corporações privadas, o governo Allende trabalhou em prol da nacionalização de empresas, minas e terras.

Allende expropriou 15 milhões de hectares de terras que estavam concentradas nas mãos de latifundiários e as redistribuiu. Estatizou todos os bancos e retornou o controle de quase todas as fábricas ao comando dos próprios operários. Defendeu com punho-de-ferro a autonomia do Chile diante dos exploradores estrangeiros, em especial os EUA, que viam com muita desconfiança estas “iniciativas marxistas” que se assemelhavam a muitas instauradas em Cuba após a Revolução de 1959. Allende resistiu no poder por mais de 3 anos, respaldado por apoio popular intenso e imenso. Com frequência massas que superavam 100 mil pessoas tomavam as ruas bradando a uma só voz: “Allende, Allende, el pueblo te defiende!” ou “Allende, tranquilo, o povo está contigo!”

Em 2001, quando em outro 11 de Setembro as torres gêmeas do World Trade Center vieram abaixo e o Pentágono viu-se sob ataque, os EUA puderam sentir na pele o gosto amargo de um ato terrorista genocida perpetrado por aqueles que os próprios Yankees haviam ajudado e armado, no fim dos anos 1970, contra os soviéticos. Ao invés de tentarem compreender as razões para o anti-americanismo visceral, tão disseminado nos países islâmicos e em muitos pontos da Ásia e da América Latina, os EUA lançaram sua nova Cruzada: a Guerra ao Terror. Ao invés de olharem para seu próprio passado como potência imperialista, em que os EUA realizou inúmeras agressões a outros países e feriu a autonomia e o direito de auto-determinação de outras nações, prosseguiram no caminho do militarismo autoritário que pretende “exportar Democracia” através da violência brutal. Uma lógica semelhante àquela que levou as bombas atômicas a serem lançadas sobre o Japão, o veneno letal (napalm) a chover sobre a população civil do Vietnã e do Camboja, além do apoio militar e financeiro às Ditaduras Militares latino-americanas…

Mais de uma década após as invasões do Afeganistão e o Iraque, a política externa americana não só acarretou uma imensa mortandade no Oriente Médio, como também gerou a emergência do Estado Islâmico, uma espécie de nova encarnação do Islã militante e jihadista, hoje esparramado pela Síria e pelo Iraque. Durante seus mandatos, Barack Obama nos EUA e Stephen Harper no Canadá mantiveram sua coalização de “intervenção humanitária” para salvar o mundo do Mal; vêm aí, é claro, novos genocídios e campanhas militares “anti-terroristas”, em que é de se esperar uma imensa tragédia humanitária no Oriente Médio. Não há sinal de que as elites imperiais pretendam parar de agir com a soberba sanguinária de quem se acha “Xerife do Mundo”. E assim caminhamos, a passos largos, rumos a novas hecatombes e barbáries.

allende11 COMPARTILHAR

Para matar al hombre de la paz
para golpear su frente limpia de pesadillas
tuvieron que convertirse en pesadilla,
para vencer al hombre de la paz
tuvieron que congregar todos los odios
y además los aviones y los tanques,
para batir al hombre de la paz
tuvieron que bombardearlo hacerlo llama,
porque el hombre de la paz era una fortaleza
Para matar al hombre de la paz
tuvieron que desatar la guerra turbia,
para vencer al hombre de la paz
y acallar su voz modesta y taladrante
tuvieron que empujar el terror hasta el abismo
y matar mas para seguir matando,
para batir al hombre de la paz
tuvieron que asesinarlo muchas veces
porque el hombre de la paz era una fortaleza,
Para matar al hombre de la paz
tuvieron que imaginar que era una tropa,
una armada, una hueste, una brigada,
tuvieron que creer que era otro ejercito,
pero el hombre de la paz era tan solo un pueblo
y tenia en sus manos un fusil y un mandato
y eran necesarios mas tanques mas rencores
mas bombas mas aviones mas oprobios
porque el hombre de la paz era una fortaleza
Para matar al hombre de la paz
para golpear su frente limpia de pesadillas
tuvieron que convertirse en pesadilla,
para vencer al hombre de la paz
tuvieron que afiliarse siempre a la muerte
matar y matar mas para seguir matando
y condenarse a la blindada soledad,
para matar al hombre que era un pueblo
tuvieron que quedarse sin el pueblo.

Mário Benedetti

* * * * *

Siga viagem:



* * * *

* * * * *

no
“NO” (Chile, 2012), um filme dirigido por Pablo Larraín, baseado na obra de Antonio Skármeta e estrelado por Gael Garcia Bernal, revela os detalhes do plebiscito de 1988 que acabou decidindo pela derrubada da Ditadura Pinochet que havia sido instaurada em 11 de Setembro de 1973 [http://bit.ly/2cNXicM]. Vibre com os detalhes da História latino-americana na dura luta pela conquista de uma democracia sempre imperfeita.

ASSISTA (legendado em português):

FAÇA O DOWNLOAD (torrent – 1.8 gb):
http://bit.ly/2cQHNDW

COMPARTILHE NO FACEBOOK

A Desumanidade Humana: Novos Ensaios Sobre a Cegueira (por Eduardo Carli de Moraes)

Ghandi01web
A Humanidade como Fraternidade permanece no horizonte das utopias. A cada passo em sua direção que damos, para relembrar um célebre dito de Galeano, a utopia dá dez passos para trás. Como se fugisse do abraço. Como se quisesse forçar-nos a ser camelos no deserto, em busca de oásis incerto, pelos séculos e milênios. Já são mais de 3 décadas desde que John Lennon imaginou, sentado ao piano branco, que não haveria mais céu nem inferno, apenas uma “brotherhood of man”. Mas ele, que só estava dizendo “dê uma chance à paz”, acabou assassinado.

Outro célebre pacifista, que peregrinou de pés descalços por toda a Índia, tentando ensinar a hindus, muçulmanos e sikhs a arte da convivência pacífica e do respeito à multiplicidade e à diferença, dizia: “O olho-por-olho vai deixar o mundo todo cego.” A triste verdade é que a cegueira venceu e também Gandhi foi assassinado, tendo seu ideal tripudiado pela catástrofe histórica da Partição Índia / Paquistão: em 1947, o pior dos pesadelos gandhianos se tornou realidade quando estourou a guerra civil entre hindus e muçulmanos. O saldo trágico do conflito: mais de 1 milhão de mortos e mais de 7 milhões de refugiados.

Invocar uma canção de Lennon, um dito sábio de Gandhi, um convite à caminhada de Galeano: de que serve isso diante da desumanidade dos assassinos, diante do militarismo brucutu dos tiranos? Cantar sobre a beleza das flores e dos pássaros algum dia já impediu os tanques-de-guerra de marcharem sobre os jardins e de metralharem os sabiás? Clamar para que o valor da vida humana seja respeitado é o bastante para dissuadir os homens de uniforme, armados por seus Estados com licença-para-matar?

“A humanidade é desumana”, cantava Renato Russo, que encontrava razões para ser otimista no fato de “que o Sol nasce pra todos (e só não sabe quem não quer)”. O Sol pode até ser o mesmo, mas é bem diferente vê-lo nascer de uma cobertura de luxo em Ipanema ou Miami, e vê-lo nascer em um campo de refugiados na Palestina.

Em Gaza, hoje o Sol ilumina uma pilha de cadáveres, uma multidão de estropiados, um oceano de lágrimas. Às vezes me pergunto se o Sol não tem vergonha de iluminar certas realidades que meus olhos consideram obscenas. Por que ele não protesta e se recusa a nascer? Suspeito que também o Sol seja desumano.

* * * * *

2

JUSTIFICANDO O INJUSTIFICÁVEL

Enquanto as utopias de paz fogem para longe, enfiando-se no horizonte distante, cá estamos com as pernas enfiadas em poças de sangue. No rés-do-chão da realidade contemporânea, permanecemos cindidos em facções frequentemente fratricidas. Como não poderia deixar de ser, escrevo isso sob o impacto dos acontecimentos horrendos que tem se desenrolado nas últimas semanas na faixa de Gaza.

Há quem pense que há justificativas aceitáveis para a ofensiva de Israel contra os palestinos, mas não sinto senão nojo e desprezo por genocidas que procuram justificar o injustificável. O que dizem os carniceiros sionistas que participaram ativamente do massacre de bebês e crianças? Que isso se justifica pois toda criança palestina pode crescer e um dia tornar-se um terrorista afiliado ao Hamas? Tudo não passa de uma louvável e pia ação de prevenção ao terrorismo?

E como justificar a matança de moças, mulheres e senhoras, que não oferecem nenhum perigo militar ao estado de Israel? Também neste caso se trata de prevenir o terrorismo, já que toda fêmea palestina tem um ventre com potencial de parir futuros terroristas? E que justificativas para a destruição de escolas e hospitais, de universidades e usinas de eletricidade, de abrigos da ONU e de instituições humanitárias? Tudo não passa, é claro, de uma tentativa de enfraquecer a infra-estrutura de uma sociedade que abriga terroristas, não é isso?

Pensei em escrever um conto sobre um jovem estudante em Gaza, que dedicou toda a sua breve existência a uma tentativa de compreensão e solução da discórdia sangrenta que opõe árabes e judeus na região. Devorador de livros, em especial os de Edward Said e Ilan Pappe, este jovem estaria no interior da Universidade Islâmica, nutrindo-se com o saber de Maimônides e Averróis, quando o prédio da Universidade é bombardeado.

Uma parte do teto despenca e rasga sua testa. Os livros mancham-se de sangue e concreto. Ele abandona as ruínas da universidade e corre para casa, só para descobri-la também bombardeada, com toda a sua família dentro. Mortos estão seus 3 irmãos, todos com menos de 10 anos de idade; mortos seu pai (um médico), sua mãe (uma professora de história), e sua avó (que completaria 90 anos no próximo mês). Esmagado pela súbita tragédia, rasgado internamente pelo trauma, ele chora torrentes de lágrimas sobre os cadáveres de sua ex-família e as ruínas de seu frágil lar, agora só escombros.

Ele nunca havia simpatizado ou participado de nenhuma organização armada islâmica; sempre havia discordado do terrorismo inspirado na idéia de jihad (guerra santa). Agora, num ímpeto de indignação e raiva, toma nas mãos uma pedra, um pedaço da parede que outrora protegera sua família contra as intempéries.

Sua ira é tamanha – maior do que qualquer que ele jamais sentira – que ele não pensa antes de agir. Simplesmente precisa liberar um pouco da insuportável pressão psíquica, realizar algum tipo de catarse-pela-agressividade, e assim lança o pedregulho contra soldados israelenses protegidos dentro de um tanque.

Um dos soldados mira em sua cabeça com um rifle M-16 e estoura seus miolos.

Os mortos da família eram seis, agora são sete. Mas com uma diferença: os seis primeiros entrarão nas estatísticas como mortos entre os civis, meros “efeitos colaterais”; o sétimo será caracterizado como terrorista (a evidência: lançou um pedregulho!) e sua morte será, nas estatísticas de Israel, justificável, legítima, irreprochável.

* * * * *

A ÁLGEBRA DA JUSTIÇA INFINITA

Assisto, via Al Jazeera, com um misto de indignação fervente e melancólica sensação de impotência, as reportagens realizadas em Gaza. Quanto mais assisto, mais concluo que o Estado de Israel perdeu todo o senso de proporção, toda a capacidade de distinguir entre alvos legítimos e ilegítimos. Partiu para a truculência ignorante mais desumana: aquela que mata à esmo, que “mata geral”, que mata todo um coletivo para puni-lo pelos atos de uma parcela deste coletivo.

Mas matar crianças às centenas, e julgar que isso é um “efeito colateral” de uma ofensiva legítima contra o Hamas, parece-me o supra-sumo da cegueira desumana destes que Bob Dylan cognominou “Masters of War”. Escrevo para dizer que vejo através de suas máscaras.

Deixemos de balela. Se formos aos dicionários buscando a palavra mais adequada para descrever as ocorrências, com certeza esta não será “conflito”, mas sim “massacre”. O que Israel está praticando nestas últimas semanas não é uma campanha militar de auto-defesa legítima, é um genocídio. E eu diria que vai além do genocídio, porque os crimes do sionismo israelense vão além da destruição em massa de vidas; o que Israel está tentando fazer é transformar Gaza num Inferno terrestre, num território inabitável, ao destruir hospitais, escolas, universidades, usinas de eletricidade etc.

É como se o objetivo de Benjamin Netanyahu e sua trupe fosse não somente cometer um genocídio, mas depois impedir que água, comida, remédios, médicos, ajuda humanitária internacional, entrem em Gaza para aliviar os imensos danos causados pelos ataques. É como se Israel, depois da chuva de bombas, quisesse que os sobreviventes morressem de fome, de sede, no escuro, que agonizassem por semanas com suas feridas e queimaduras.

É o Guernica de Picasso, redivivo em território palestino. É um ato de extermínio do Outro, de aniquilação da infra-estrutura da sociedade do Outro. Não é só matar; é transformar a vida dos sobreviventes em algo tão insuportável, tão desumano, que eles enfim se decidam: ou vazam logo para longe, indo procurar refúgio em algum outro país do mundo árabe, ou então que se levantem em uma nova Intifada, ou juntem-se aos grupos armados, o que então daria uma justificativa extra para que Israel prossiga com o massacre.

* * * * *

Mural_del_Gernika

GUERRA AO TERROR OU TERRORISMO DE ESTADO?

Sob a máscara da Guerra ao Terror, o que Israel está praticando é terrorismo de Estado. Os quase 2 milhões de seres humanos que vivem em Gaza – em péssimas condições de existência, aliás – estão sendo tratadas pelo Estado de Israel como sub-humanas, como se fossem pragas e não pessoas. É um processo de desumanização que lembra aquele perpetrado contra os judeus pelo III Reich e que agora a teocracia sionista aplica aos palestinos.

A propaganda sionista e seus aliados ocidentais – EUA e Reino Unido entre eles – podem até ter o cinismo repugnante de justificar o injustificável. No entanto, as evidências concretas não deixam dúvidas: há uma imensa desproporção entre as forças em combate. A pilha de cadáveres palestinos sobe até o céu, enquanto a pilha de cadáveres israelenses mal bate no teto. É triste que haja pilhas de cadáveres dos dois lados, mas isto não nos deve cegar para a enormidade da discrepância entre o tamanho das pilhas.

Sei bem que isto não é um filme de Hollywood onde são facilmente discerníveis os bandidos e os mocinhos. Sei bem que toda análise que queira ser fiel aos fatos tem que evitar o perigo do maniqueísmo. O escritor israelense Amoz Os diz que o conflito Israel e Palestino é muitas vezes um choque entre “certo e certo”, ou entre “errado e errado” – pois ambos os lados do conflito tem demandas legítimas. Segundo ele, é uma situação que constitui uma tragédia grega muito mais do que um faroeste hollywoodiano.

Até concordo que o choque entre o Estado teocrático-sionista de Israel e os grupos islâmicos fundamentalistas como o Hamas possa ser descrito como um choque entre “errado e errado”. Uma questão importante, porém – e Amoz Os prefere não mencioná-la – é a desproporção da força militar. Israel tem um exército mega-mortífero e recebe centenas de milhões de dólares de seus aliados ocidentais, em especial os EUA; o Hamas pode até ter seus foguetes, mas seu poderio de destruição é minúsculo quando contrastado com as hecatombes que Israel é capaz de causar.

O argumento sionista, que me parece estar sendo abraçado pela maioria da sociedade civil em Israel, é o seguinte: “se o Hamas tivesse maior poderio militar, o que vocês acham que ocorreria? Se o Hamas tivesse em seu poder uma bomba atômica, Tel Aviv já teria se tornado a nova Hiroshima!” Isso é usar a paranóia como justificativa para o genocídio; é fazer uma previsão sobre o genocídio que o Hamas poderia vir a cometer, caso tivesse os meios, servir como pretexto para o genocídio que Israel está cometendo, em posse plena dos meios (e com o amém dos Estados Unidos da América).

Não subestimo o ódio do Hamas – e de outros grupos jihadistas – contra Israel. Também sei o quão repugnantes são muitas das doutrinas do Hamas – por exemplo o tratamento autoritário das mulheres, com a imposição patriarcal violenta das jihabs e burcas ou a pena de morte sem julgamento para as “adúlteras”. Há uma cena no “Palestina” de Joe Sacco que me parece emblemática do que está errado na visão-de-mundo tacanha, dogmática e moralista de muitos fundamentalistas islâmicos: uma mulher com os cabelos à mostra, dentro de seu carro, é apedrejada por uma gangue de fanáticos, que só descobrem que ela é uma cristã depois que o rosto da pobre mulher já está todo arrebentado e o sangue já jorrou pra todo lado.

Joe Sacco, Palestina

Joe Sacco, Palestina

Ser contra o Hamas, sua ideologia, seus métodos, seus atentados, não significa ser a favor da carniceria genocida do sionismo em sua luta contra o Hamas. Centenas de pessoas que foram assassinadas por Israel nestas campanhas de Julho e Agosto de 2014 não tem conexão alguma com o Hamas, com o terrorismo, com intifadas; considerá-las como meros “efeitos colaterais” de uma guerra santa e justa é uma abominação lógica, política, moral.

A propaganda sionista quer nos convencer de que Israel é uma pobre vítima dos foguetes do Hamas e que a ofensiva contra Gaza faz parte de um programa justo e legítimo de Defesa Contra o Terrorismo. Porém, a grande ironia dessa História é que as dores de parto do Estado de Israel estiveram repletas de atos de terrorismo perpetrados por grupos sionistas. Anos antes da fundação do Estado de Israel em 1948 – após a expulsão forçada de centenas de milhares de palestinos, chutados para fora do território em que haviam vivido por gerações – os sionistas utilizaram múltiplos atentados terroristas como método de “pressão política” para conquistar sua “Independência”. Por exemplo:

“O atentado do Hotel King David foi um ataque terrorista na cidade de Jerusalém, na então Palestina, ocorrido a 22 de Julho de 1946 , tendo como idealizadores uma organização sionista denominada Irgun (diminutivo de Irgun Zvai Leumi, Organização Militar Nacional) e como alvo as instalações do Hotel King David.

O Hotel King David, um hotel de luxo de sete andares, situado a oeste da zona da Cidade Antiga de Jerusalém, sediava quase toda a administração do mandato da Palestina, atribuído pela Sociedade das Nações ao Reino Unido.

O ataque foi organizado por Menachem Begin, que mais tarde ocupou o cargo de primeiro-ministro de Israel por duas vezes. O ataque terrorista resultou na morte de 91 pessoas e ferimentos graves em outras 45 pessoas…” – Wikipédia

Os palestinos que hoje recorrem ao terrorismo para protestar contra as condições de vida desumanas, impostas por Israel nos campos-de-concentração a céu aberto para onde foram empurrados os refugiados, estes “terroristas” são pintados como demônios e devotos do deus errado; já os sionistas que recorreram ao terrorismo lá atrás são, é claro, heróis da pátria e devotos do deus certo…

* * * *

peace_quote1

TRANSCENDER AS DUAS CEGUEIRAS

Se tivéssemos que escolher entre o fundamentalismo do Hamas e a teocracia sionista de Israel, estaríamos limitados a uma escolha entre duas cegueiras. Gostaria de arriscar-me a propor aqui um caminho, difícil de ser trilhado e sem dúvida utópico, mas que me parece um dos poucos capazes de nos libertar destes infindáveis fratricídios. Este caminho passa necessariamente por uma vitória contra o dogmatismo. Nietzsche dizia que “convicções são prisões”; quando a mente adere rigidamente a uma certa convicção, perde sua graça, sua leveza, seu dinamismo, solidifica-se em uma espécie de rigor mortis. A idéia de que judeus e árabes são incapazes de coexistência pacífica e frutífera não passa de um dogma, jamais de uma verdade absoluta. Trata-se de desalojar este dogma das mentes, dos comportamentos, das identidades.

Gosto muito de um pensamento de Montaigne, nos Ensaios, em que ele questiona as relações entre as identidades que assumimos e as condições em que nascemos: ele pergunta a um cristão francês, por exemplo, o que teria acontecido se ele tivesse nascido no Tibet ou na China. Nascido em outras circunstâncias, não teria ele se tornado um budista, um taoísta, um confuciano? A idéia aqui, no fundo, é a seguinte: ninguém “é” cristão ou judeu ou muçulmano, como se já nascesse com isso nos genes, mas ao contrário “torna-se” cristão, judeu ou muçulmano pelo acaso de ter nascido em um certo meio, em uma certa família, ter sido educado e doutrinado em uma certa cultura.

No fundo, as pessoas aderem a uma certa identidade, vestem uma certa máscara, introjetam uma certa ideologia, e depois se esquecem de que, na origem, a doutrina religiosa ou política que transformaram em dogma é fruto de um condicionamento social, dependente de um tempo-espaço histórico específico. Este caminho para a convivência pacífica que tento pensar passa necessariamente por des-dogmatizar as identidades – ou seja, precisamos deixar de levar tão a sério as nossas identificações identitárias com religiões, raças, pátrias etc.

Como fazê-lo? Eis o ponto mais complicado, até porque algumas das possibilidades que eu sugeriria seriam desprezadas como absurdas e irrealizáveis. Por exemplo: uma das experiências mais destroçadoras de dogmas, uma das vivências mais libertárias em relação às jaulas das identidades rígidas, é sem dúvida a expansão de consciência possibilitada por agentes psicodélicos naturais (como o chá de ayahuasca) ou sintéticos (como o LSD).

Os dogmatismos e fundamentalismos, tanto dos sionistas quanto dos jihadistas, poderiam ser intensamente postos em nova perspectiva pelas capacidades descomunais do ácido lisérgico de liberar-nos das crenças identitárias e abrir-nos para uma vivência visceralmente cosmopolita. “Namastê!” Vão querer me internar no hospício (ou me mandar pra delegacia…) por dizê-lo, mas direi-o do mesmo jeito: um dos problemas de nosso mundo é que está faltando psicodelia e está sobrando dogmatismo. Entenda-se: uso o termo “psicodelia” aqui como sinônimo de uma capacidade existencial de permitir que a psiquê se transforme, que a mente seja dinâmica, que os valores se modifiquem e evoluam, sem a rigidez cadavérica dos fanatismos de toda estirpe.

coexist1

Percebo muito bem que é preciso encontrar alguma solução realista – já que é quase demandar o impossível sugerir que árabes e judeus expandam sua consciência e libertem-se de suas obsessões identitárias e fanatismos religiosos. Já que despejar litros de LSD no sistema de entrega de água está fora de questão, teríamos que atingir por outros meios esta amplidão de visão e esta liberdade quanto às máscaras que a experiência psicodélica possibilita. Por exemplo, com uma mega-campanha de educação para a laicidade, para a coexistência frutífera, para o amor à idéia de convivência no seio da multiplicidade e de enriquecimento mútuo na trans-individualidade. As identidades sólidas, a filiação dogmática a seitas e ideologias, a incapacidade de enxergar o que nos une ao invés do que nos separa, tudo isso precisaria ser transcendido para que fôssemos capazes de nos perceber como conviventes sob o mesmo sol, todos juntos no mesmo planeta, todos iluminados pela luz distante da mesma miríade infindável de estrelas.

Seria preciso que enxergássemos, para além de nossa cegueira habitual, já encrustada nas retinas e nos neurônios, que ninguém está condenado, do berço ao túmulo, a ser algo de fixo – judeu, muçulmano, cristão, budista, ou o que quer que seja. Que uma identidade não só pode, mas deve ser fluida, móvel, mutante. Que não há nada mais sábio do que mudar acompanhando a mudança do mundo. Que viver é deixar-se afetar e crescer pelas interações e contatos com os outros. Que coexistência é nossa condição ontológica, nossa necessária situação no mundo, e que aprender a conviver é aprender a viver.

Nosso apego a dogmas, nossa recusa em retirar da cara as máscaras, nosso neurótico vínculo a uma “persona”, faz-nos construir apartheids e muros, fronteiras e arames farpados. As diferenças são tidas como razão para massacres e genocídios, quando as mesmas diferenças poderiam ser vistas como estímulo para a convivência fecunda e mutuamente recompensadora. Bastaria, para isso, que nos víssemos como unidos por nossa humanidade comum, por nossa comum pertença à Terra, por nossa comum condição de cidadãos do cosmos.

* * * * *

EPÍLOGO: UMA CANÇÃO DE AMOR A NOSSOS EUS MESTIÇOS

Não faz muito tempo que o escritor indiano Salman Rushdie, após a publicação de seu romance “Os Versículos Satânicos”, foi fulminado pela fatwa (pena de morte) decretada pelo aiatolá xiita do Irã, só podendo sobreviver por ter recebido guarida na Inglaterra. Rushdie defendeu-se das perseguições do regime de Khomeini com as seguintes palavras – sublimes – de seu livro “Pátrias Imaginárias”:

RushdieOs Versículos Satânicos celebra a hibridez, a impureza, a mistura, a transformação que provém de novas e inesperadas combinações de seres humanos, culturas, idéias, políticas, filmes, canções. Exulta com o cruzamento de raças e teme o absolutismo do Puro […] Certamente que não põe em causa os direitos das pessoas à sua fé, embora eu não tenha nenhuma. Discorda manifestamente das ortodoxias impostas de todos os tipos, da opinião que o mundo é muito claramente Isto e não Aquilo. Discorda do fim do debate, da disputa, da discordância. Discorda também do sectarismo comunalista hindu, do tipo de terrorismo sikh que faz explodir aviões, das fatuidades do criacionismo cristão, bem como das definições mais limitadas do Islã […] É uma canção de amor à nossos eus mestiços…”

Cantemos, pois, nossas canções de amor a nossos eus mestiços!

Eduardo Carli de Moraes
Toronto, Agosto de 2014

“Throw FIFA Out of the Game”, by Dave Zirin @ The New York Times. He’s the author of “Brazil’s Dance With The Devil” (Haymarket Books)

THROW FIFA OUT OF THE GAME
Dave Zirin / The New York Times

ZirinMost people associate FIFA, the organization that oversees international soccer, with the quadrennial joy of the World Cup. But as the 2014 tournament begins next week in Brazil, FIFA is plagued by levels of corruption, graft and excess that would shame Silvio Berlusconi.

Despite the palatial estates, private planes and pompous airs of FIFA’s current leaders, the organization actually has quite humble origins.

FIFA was founded in 1904 in Paris as a simple rule-making committee that aimed to regulate the guidelines for a new, rapidly expanding sport when played between nations. Because it was founded in Paris, the organization took its acronym, FIFA, from the French: Fédération Internationale de Football Association. What began as an effort to make sure that practices like punching one’s opponents would not be seen as a legitimate part of the game, morphed over time into one of the most successful and disreputable organizations in the history of sports.

Under the iron-fisted leadership of Sepp Blatter, FIFA has been steeped in rotating scandals for so long, it’s difficult even to imagine its not being immersed in one public relations crisis or another. Mr. Blatter succeeded his mentor, the similarly scandal-plagued João Havelange in 1998. Under his stewardship, FIFA officials have been accused of financial mismanagement, taking bribes and projecting a level of sexism and homophobia that seems to come from another century.

FIFA’s corruption has been such an open secret for so many years that when new reports emerge, they tend to provoke more eye-rolls than outrage.

FIFA is supposed to police match-fixing, yet a New York Times investigation revealed that only six people on its staff of 350 are responsible for that enforcement. It is supposed to monitor corruption, but it’s not clear it does. There have long been allegations that bribes secured the 2022 World Cup for Qatar.

The head of FIFA’s own independent governance committee (which was recently disbanded) suggested holding a new vote for the right to host the 2022 World Cup. And the European football federation’s representatives to FIFA have threatened to protest against Mr. Blatter when he declares his intention this week to seek yet another term as FIFA’s head.

It’s easy to be cynical about all of this, but cynicism is a luxury we can no longer afford. Anyone paying attention to the myriad injustices emerging in the international soccer of the 21st century can see that the stakes are a great deal higher than whether a few palms are greased.

A Protest In São Paulo, Latin America's biggest and most populous metropolis, states that if there's no Rights respected, there will be no World Cp.

A Protest In São Paulo, Latin America’s biggest and most populous metropolis, states: if there’s no Rights respected, there will be no World Cup.

In Brazil, site of the 2014 World Cup, the FIFA-driven push to build new stadiums at a breakneck pace has led to the deaths of nine construction workers. FIFA’s demands for security and infrastructure may end up displacing as many as 250,000 poor people, who live in the favelas surrounding Brazil’s urban centers. The cost of the games continues to tick upward, the latest figures climbing as high as $15 billion. Brazil’s own 1994 World Cup star, Romário, called the 2014 tournament “the biggest heist in the history of Brazil.”

The situation is even worse in Qatar, site of the 2022 World Cup. Hundreds of migrant workers have already died in the oil kingdom’s efforts to build new “FIFA-quality stadiums.” This, along with recently emerging bribery allegations, has led some high-level FIFA officials to talk openly about moving the event to a new locale. Even Mr. Blatter now says that giving the cup to Qatar “was a mistake.”

For decades, FIFA has entered the nations of the world with all the subtlety of a wrecking ball causing catastrophic damage, and every four years it gets away with it. As the Uruguayan journalist Eduardo Galeano wrote in his classic book “Soccer in Sun and Shadow”:
Gaelano
“There are visible and invisible dictators. The power structure of world football is monarchical. It’s the most secret kingdom in the world.” EDUARDO GALEANO

Yet, for the first time, this secret kingdom is being dragged from the shadows. In Brazil, striking teachers, security guards, firefighters and bus drivers are demanding “FIFA-quality wages.” Housing activists are occupying land and asking for “FIFA-quality homes” while nurses call for “FIFA-quality hospitals.” Wherever FIFA shows up, as the World Cup approaches, protesters dog its every step. As a friend in São Paulo told me, “FIFA is about as popular in Brazil as FEMA was after Hurricane Katrina.”

Finally, the world is seeing FIFA for what it is: a stateless conglomerate that takes bribes while acting as a battering ram for world leaders who want to use the majesty of the World Cup to push through their development agendas at great human cost.

People don’t have to be displaced and workers don’t need to die for soccer. The World Cup can be staged in countries with existing stadiums and infrastructure. Moreover, the secret bidding process for host countries must end so that soccer isn’t abused for economic and political ends.

International soccer desperately needs two entirely distinct bodies. One would be in charge of monitoring and actually stopping corruption, bribery and match-fixing.

The other could be in charge, in the words of Mr. Blatter’s predecessor, Mr. Havelange, of selling “a product called football.” The fact that one governing body is currently in charge of both the cash register and making sure no one is robbing the store is a recipe for graft. It is also a recipe for international soccer’s eventually collapsing under the weight of its own problems with corruption.

Yes, soccer is still unquestionably the most popular sport on the planet. But a cloistered, corrupt society like FIFA cannot function in a WikiLeaks world.

It is past time to abolish FIFA. It is like a gangrenous limb that requires amputation before the infection spreads and the beautiful game becomes decayed beyond all possible recognition.

Soccer is worth saving. FIFA needs to take its ball and go home.

* * * * *

PUBLIC EYE

THE PUBLIC EYE AWARDS 2014:
FIFA HAS BEEN ELECTED IN THE 3RD POSITION AMONG THE WORLD’S WORST COMPANIES

HERE’S WHY:

“Brazil has come face-to-face with the negative impacts of the realization of the 2014 FIFA World Cup, especially those living on or near the project sites.

Hundreds of thousands of people in the 12 host cities have been forcibly evicted and have lost their homes and livelihood. Moreover, FIFA has no intentions of allowing small and family businesses to benefit from the emerging opportunities during the Cup.

FIFA maintains exclusion zones with a 2km radius around stadiums and fan sites where they control the movement of people and the sale of products, putting countless street vendors out of business.

The poor are bearing the brunt of the burden and are met with fierce repression when they try to stand up for their rights.

* * * * *

Consequences

“FIFA’s World Cup contributes to the violation of several human rights, such as the right to adequate housing, the right to free movement, the right to work and the right to protest. Illegal under international human rights law, forced evictions have occurred all over Brazil in the wake of the Cup and have left many homeless and destitute.

Affected families often receive no information, compensation, alternative housing, or access to remedies.

In Recife in 2013 alone, over 2.000 families from the Coque Community were forced out of their homes. Moreover, the creation of FIFA exclusive zones will force countless street vendors out of business. In Belo Horizonte, over 130 have lost their source of income during the reconstruction of a stadium and are now prohibited from selling in the vicinity.

* * * * *

Causes

FIFA has caused severe harm to many Brazilians. The company lacks a sense of responsibility and denies any connection to the alleged human rights violations. FIFA’s promise to leave behind a positive legacy stands in sharp contrast to the reality so far.

FIFA has imposed a series of conditions onto the host country which have contributed to these violations. FIFA’s business practices make it complicit in the violations of people’s rights.

FIFA seems to believe that the ‘urgency’ related to their infrastructure projects, as well as the profit they claim to be generating for society, justify their irresponsible behavior. FIFA is exempt from paying taxes, depriving Brazil of at least 1 billion reals (over US$ 400 million).

* * * * *

Perpetrator

The Fédération Internationale de Football Association („FIFA“), headquartered in Zurich, Switzerland, employs some 310 people from over 35 nations.

The association that has set itself the goal of improving soccer, organizes soccer tournaments, most famously the FIFA World Cup. In 2012, FIFA reported a net profit of $89 million and financial reserves of $1.378 billion. FIFA remains largely exempt from taxes as it is officially seen as a not-for-profit organization.

The organization has been involved in a number of cases of corruption and heavily criticized for their complicity in human rights violations. However, FIFA has largely denied the legitimacy of these claims.

HERE: http://publiceye.ch/en/case/fifa/

“Raízes e Frutos da Rebelião” – Comentários sobre a luta dos Zapatistas mexicanos contra o Capitalismo Neoliberal

CddeMexico

“To kill oblivion with a little memory,
we cover our chests with lead and hope.”

SUBCOMANDANTE MARCOS,
Ejército Zapatista de Liberación Nacional (EZLN).
In: ‘Our Word is Our Weapon: Selected Writings’,
Foreword: José Saramago (Nobel Prize In Literature)
Published by Seven Stories Press (New York, 2003, Pg. 100.)


PART I – THE BIG-BELLIED BEAST
AGAINST THE GRASS-ROOTS RESISTANCE

 

CHAPTER I – CHIAPAS LOSES BLOOD THROUGH MANY VEINS

“We are a product of 500 years of struggle: first, led by insurgents against slavery during the War of Independence with Spain; then to avoid being absorbed by North American imperialism; then to proclaim our constitution and expel the French empire from our soil; later when the people rebelled against Porfirio Diaz’s dictatorship, which denied us the just application of the reform laws, and leaders like Villa and Zapata emerged…” – First Declaration of the Lacandon Jungle, January 2, 1994

EZLNIn the mountains and jungles of the Mexican southeast, an insurrection explodes in January 1st, 1994. Several municipalities in the province of Chiapas are taken over by the armed rebels that call themselves Zapatistas, followers of the legacy of Mexican revolutionary Emiliano Zapata (1879-1919).

Led by the campesinos and the indigenous populations of Chiapas, this neo-zapatist movement blossoms into the spotlight of the world’s arena in exactly the same day of the implementation of NAFTA, the Free Trade Agreement of the North American countries.

From day one, it was made quite clear by the rebels that one of the objectives of EZLN’s uprising was to be an obstacle to the implementation of Free Trade policies in Mexico. The economical set-up of Neoliberalism (based on privatization, free competition, consumerism etc.), argues the Zapatistas, is nothing but an authoritarian imposition of rules made-up by “the world of money”:

“The world of money, their world, governs from the stock exchanges. Today, speculation is the principal source of enrichment, and at the same time the best demonstration of the atrophy of our capacity to work. Work is no longer necessary in order to produce wealth; now all that is needed is speculation. Crimes and wars are carried out so that the global stock exchanges may be pillaged by one or the other. Meanwhile, millions of women, millions of youths, millions of indegenous, millions of homosexuals, millions of human beings of all races and colors, participate in the financial markets only as a devalued currency, always worth less and less, the currency of their blood turning a profit. The globalization of markets erases borders for speculation and crime and multiplies borders for human beings. Countries are obliged to erase their national border for money too circulate, but to multiply their internal borders.” – (Marcos, Unveiling Mexico, p. 117)

Wall Street and Washington join hands and try to persuade Mexicans that “Free Trade” will be a marvel for Mexico, but Mexicans have every reason to be suspicious of their neighbor who stole from it a big slice of territory in bygone years. Today, at the frontier that separates the countries, the yankees have built up a huge Wall of Segregation, and soldiers with license to kill can deal with illegal immigrants in very unbrotherly ways.  The same country responsible for La Migra (and Guantánamo Bay, and Abu Ghraib detention facility…) preaches the Free Trade gospel as if it was salvation.

The men and women who have arisen to speak out their discontent in Chiapas are yet to be fully heard by the world-at-large. Artists and writers have helped spread their voices, from Manu Chao and Rage Against the Machine, to José Saramago and Eduardo Galeano. 20 years later, the Zapatistas are still struggling against the powers that want to crush human dignity in the bloody altars of profit. And if the Zapatistas’ scream has the potentiality to be heard and comprehended all around the world, it’s because they accuse the established capitalist system of committing crimes that are visible worldwide, in many different countries: ecological devastation; ethnical genocide of indigenous populations and destruction of their cultures; concentration of capital in the hands of a few multinational corporations etc.

Zapatismo has been called the first revolutionary movement of the Internet-era, the avant-garde guerrilla that’s pioneering the ways to be followed by the guerrillas of tomorrow. But reactionary political powers have been violently trying to silence their voices – and the “money world”, also referred to by Marcos as “The Beast”, doesn’t refrain from methods such as military agression, police repression,  institutionalized murder, and para-military militias. All in order to maintain the Order imposed by The World of Money and to bury the voices of these “indians”, covered in masks and carrying guns, that insist in demanding social justice, autonomy and real democracy.

7

Marcos describes Chiapas’s tragedies very vividly in his poetry-filled words: “This land continues to pay tribute to the imperialists”, writes the insurgent Zapatista, “and there’s a thousand teeth sunk into the throat of the Mexican Southeast” (Unveiling Mexico, 1992, pg. 22-23). Would the indigenous populations of southeast Mexico have risen in rebellion if the suffering they endured hadn’t become unbearable?

“In times past, wood, fruits, animals, and men went to the metropolis through the veins of exploitation, just as they do today. Like the banana republics, but at the peak of neoliberalism and ‘libertarian revolutions’, the Southeast of Mexico continues to export raw materials, just as it did 500 years ago. It continues to import capitalism’s principal product: death and misery.

The health conditions of the people of Chiapas are a clear example of the capitalist imprint: 1.5 million people have no medical services at their disposal. There are 0,2 clinics for every 1.000 inhabitants, 1/5 of the national average. There are 0,3 hospital beds for every 1.000 Chiapanecos, 1/3 the amount in the rest of Mexico… Health and nutrition go hand in hand with poverty. 54% of the population of Chiapas suffers from malnutrition, and in the highlands and forest this percentage increases to 80%…. This is what capitalism leaves as payment for everything that it takes away. (…) Chiapa’s experience of exploitation goes back for centuries. ” – Sub Marcos, Unveiling Mexico

In Subcomandante Marcos’ political tought, which seems to be deeply rooted in an understanding of Latin America’s reality similar to Eduardo Galeano’s, Imperialism is the name of the beast which has it’s thousands of teeths sunk into Chiapas neck – and so many numberless others places on this Earth where 85 flesh-and-blood earthlings retain the same amount of wealth as half of the world’s population (according to Oxfam). Welcome to the established economical and political orden in 3rd planet from the Sun, a place of extreme inequality in which the criminal status quo is defended by armies and warmongers, for the profit of speculators, gangsters and banksters.

“A handful of businesses – one of which is the Mexican state – take all the wealth out of Chiapas and in exchange leave behind their mortal and pestilent mark..(…) Pemex has 86 teeth sunk into the townships of Estación Juárez, Reforma, Ostuacán, Pichucalco, and Ocosingo. Every day they suck out 92.000 barrels of oil and 517.000.000.000 cubic feet of gas. They take away the petroleum”, states Marcos, “and in exchange leave behind the mark of capitalism: ecological destruction, agricultural plunder, hyperinflation, alcoholism, prostitution, and poverty.”

It’s easy to delineate the image of the Enemy in the Zapatistas’ hearts: the face of the big-bellied beast of Greed. Imperialism is dirty business, greediness in action, devastating egotism that turns nations into vampires that suck the life-blood of others. Besides the petroleum that gets sucked out of Chiapas by greedy oil companies, another similar process affects the production of coffee: 35% of Mexico’s coffee is produced in Chiapas, but more than 50% of Chiapas’ coffee production is exported. The campesinos that work in the fields to produce it have terribly inadequate life-conditions of nourishment, health, education etc. The true producers are dying of hunger and disease while foreign powers ride on golden streets of robbed privilege.

The list can be enriched with many other “commodities” that are sucked-out of Chiapas to feed, elsewhere, the belly of the beast. There are 3.000.000 animals waiting to be slaughtered for beef in Chiapas: “the cattle are sold for 400 pesos per kilo by the poor farmers and resold by the middlemen and businessmen for up to 10 times the price they paid for them.” (Unveiling Mexico, p. 23) Chiapas’ forests are also among the culinary preferences of the greedy hungry beast: whole woods are cut down by capitalism’s chainsaws, and this precious wood is then shipped out of Chiapas to be sold elsewhere for huge profits. Similar histories could be told about honey, corn or hydrelectric energy – goods that Chiapas produces in large quantities, but get eaten away by this beastly creature which Marcos denounces and summons to answer: “what does the beast leave behind in exchange for all it takes away?” (pg. 24)

zapatismos

You might also enjoy: a-place-called-chiapas-documentary-canadian-war-original-movie-poster

* * * * *

CHAPTER II – THE TIME TO HARVEST REBELLION INSTEAD OF DEATH

John Lennon asked us in his era-defining song to “imagine a brotherhood of man”, but Chiapas isn’t the place to look for it. It ain’t brotherly treatment to exploit, repress and steal fellow humans – and that’s what businessmen and fancy capitalists have been doing against the Chiapanecos. “1.000.000 indigenous people live in these lands and share a disorienting nightmare with mestizos and ladinos: their only option, 500 years after the “Meeting of Two Worlds”, is to die of poverty or repression.” (Marcos: p. 26)

There are 300.000 Tzotziles, 120.000 Choles, 90.000 Zoques, and 70.000 Tojoales, among other indigenous populations, that inhabit the land of the poorest state in Mexico. Chiapas could be rich, but it’s wealth is sucked away and taken abroad, to bank accounts of greedy capitalists, and if you join the Zapatista up-rising against this reality you might end up killed by the repression. How many people has the Mexican Army killed in order to silence the voices that question the undoubtable goodness of the so-called “Free Market”? I leave the question unanswered, for now, and move on, from exploitation to rebellion.

At the dawn of the New Year, in January 1st 1994, the Zapatista National Liberation Army descended from the Lacandon Jungle to take over the power in several cities of Chiapas, including San Cristobal de Las Casas and Ocosingo. They believed to be “professionals of hope”, “transgressors of injustice”, “History’s dispossessed”, finally raising their voices to demand liberty, justice, democracy, dignity. This is the moment when they became visible, when they stepped out of the shadows, when they shouted for the whole World to hear.

Captura de pantalla 2014-01-01 a las 13.58.30

January 1st, 1994: EZLN takes power over San Cristobal de las Casas. Photo by Antonio Turok.

“Death does not hurt; what hurts is to be forgotten. We discovered then that we longer existed, that those who govern had forgotten about us in their euphoria of statistics and growth rates. A country that forgets itself is a sad country. A country that forgets its past cannot have a future. And so we took up arms and went into the cities, where we were considered animals. We went and told the powerful: “We are here!” And to the whole country we shouted: “We are here!” And to all the world we yelled, “We are here!”…”

This movement is deeply rooted in History: far from being immediatist and pragmatic, the Zapatista movement demands respect for the rights of human populations who descend from the occupants of this land prior to the European’s invasion. This scream of rebellion raises from an ocean of blood: the genocide of the Indians and the destruction of their civilizations is still an open wound in the Zapatistas hearts, and they won’t allow the world to forget these past misdeeds. In January 1994, Subcomandante Insurgent Marcos reminded us than in Mexico

“during these past ten years (1984-1994), more than 150.000 indigenous have died of curable diseases. The federal, state, and municipal governments and their economic and social programs do not take into account any real solution to our problems; they limit themselves to giving us charity every time elections roll around. Charity resolves nothing but for the moment, and again death visits our homes. That is why we think no, no more; enough dying this useless death; it is better to fight for change. If we die now, it will not be with shame but with dignity, like our ancestors. We are ready to die, 150.000 more if necessary, so that our people awaken from this dream of deceit that holds us hostage.” (pg. 17)

Seen from the capitalists’ perspective, there’s a dispensable strata of the population labeled as “Indians” (so called because Columbus thought, more than 500 years ago, that the land where he had arrived was India…). “Check out the text of the Free Trade Agreement, and you will find that, for this government, the indigenous do not exist.” (p. 66) Social inequality and marginalized people go hand in hand in Mexico: “on a national level there are 2,403 municipalities. Of these, 1.153 have a level of marginalization considered high or very high. States with high indigenous population have the majority of their municipalities with high and very high levels of marginalization: 94 out of 111 in Chiapas; 59 out of 75 in Guerrero; 431 of 570 in Oaxaca…” (p. 67)

 For 10 years the Zapatista uprising had been fermenting in the woods, since 1984, and at the beginning of 1994 time had arrived for their voice to be heard, not only in Mexico, but throughout the world, amplified by the Internet, sending its shout throughout the Global Village.  One of the easiest ways to understand the emergence of Neo-Zapatism is to look at the consequences of the NAFTA (North American Free Trade Agreement) agreement becoming active: free market had kicked out the barriers and products from abroad were about to flood into Mexico, like a tsunami, drowning out Mexican campesinos with the devastating power of a Dust Bowl Storm. The Zapatistas knew very well that NAFTA would certainly enrich some big corporations, mainly american and canadian, but would wreck the equilibrium of the local economies – especially in southeast Mexico. NAFTA was inforced with “dictatorial” fashion: it’s a fact that neither civil society nor the indigenous populations of Mexico were consulted on the matter, even tough they would be tremendously affected by the transformations in the National Constitution.

 “The preparations for NAFTA included cancellation of Article 27 of Mexico’s constitution, the cornerstone of Emiliano Zapata‘s revolution of 1910–1919. Under the historic Article 27, Indian communal landholdings were protected from sale or privatization. However, this barrier to investment was incompatible with NAFTA. With the removal of Article 27, Indian farmers feared the loss of their remaining lands, and also feared cheap imports (substitutes) from the US. Thus, the Zapatistas labeled NAFTA as a “death sentence” to Indian communities all over Mexico. Then EZLNdeclared war on the Mexican state on January 1, 1994, the day NAFTA came into force.” – Wikipédia

According to Marcos, NAFTA “only means freedom for the powerful to rob, and freedom for the dispossessed to live in misery.” (p. 73) We’ve heard this real-life story many times: everytime a Wal-Mart opens in a city, lots of smaller stores go bankrupt because they can’t compete with Wal-Mart’s prices. That’s why it’s possible to considerer EZLN as a movement demanding national sovereignty; from the Zapatistas perspective – which arises from the experience of thousands of Mexicans – what is called “neoliberalism” is just a fancy name for imperialist capitalism, for foreign domination, for the sad reality known for centuries in Latin America of wealth being robbed from a country and getting transformed in capital that enriches some big-shot abroad.

In Ana Carrigan’s excellent article “Chiapas: The First Postmodern Revolution”, she reminds us that years before NAFTA forced itself into North America there was already a lot of rebellion by campesinos in Mexico: in April 10, 1992, for example, 4.000 indigenous campesinos marched to the country’s capital and read a letter adressed to President Carlos Salinas, in which “they accuse him of having brought all gains of the agrarian reform made under Zapata to an end, of selling the country with the North American Free Trade Agreement (NAFTA), and of bringing Mexico back to the times of Porfirio Díaz.” (pg. 36)

tumblr_mpx6g1cDs31sz9br6o1_500

“You are in Zapatista territory: here the People rules and the Government obeys.”

“The Zapatistas made their first, spectacular public appearance in San Cristobal de Las Casas. On October 12, 1992, amid demonstrations marking ‘The Year of The Indian, 500 Years of Resistance’, 4.000 young men and women armed with bows and arrows suddenly appeared out of the crowd. Marching in military formation, they advanced to the central plaza where they attacked the monument to the founder of San Cristobal, the 16th century Spanish encomendador, Diego de Mazariegos. As the symbol of 500 years of opression crashed from its pedestal, the Indians hacked it to pieces and pocketed the fragments before disappearing. In the annals of indigenous resistance, the toppling of Mazariego’s statue had a symbolic resonance equivalent to the destruction of the Berlin Walls.” (ANA CARRIGAN)

The communities in Chiapas who have embraced the EZLN program were bound to clash with Mexican establishment. The powers that be, unbrotherly as usual, sent Army soldiers in great numbers in a bloody attempt to silence the rebels. As Juana Ponce de León states,

“for the government, the issue is simple. There are vast oil reserves, exotic wood, and uranium on the autonomous indigenous lands of Chiapas; the Mexican government wants them, but the indigenous communities, who have no currency in the world’s markets, are in the way. While projecting through the national and international press an image of concern for the human rights issues and the intention to resolve them, the government orchestrates the privatization of the Mayan lands and a low-intensity war to weaken and divide the communities.” (Traveling Back for Tomorrow, XXV).

Eduardo Carli de Moraes

A graffiti at City Lights Books, Lawrence Ferlinghetti’s bookstore in San Francisco

 * * * *

You might also enjoy:


Galeano and Jean Ziegler discussing “The World’s Criminal Order”
(In Spanish, Portuguese subs)

* * * *

To be continued…

“Esta pirâmide absurda e invertida que é a América Latina…” – Uma jornada com o Subcomandante Marcos (EZLN)

tumblr_mza1plJijl1r6bofpo10_1280 5

CHAPTER III – THE CLASH BETWEEN OBLIVION AND MEMORY

“…there once was a man named Zapata who rose up with his people and sang out: ‘Land and Freedom!’ The campesinos say that Zapata didn’t die, that he must return… They say that hope is also planted and harvested. They also say that the wind and the rain and the sun are now saying something different: that with so much poverty, the time has come to harvest rebellion instead of death.” – Sub Marcos, Our Word is Our Weapon: Selected Writings, pg. 33, Seven Stories Press. All following quotes are from this source.

ezln 1 (1)The Zapatistas know their task is Herculean: the Mexican federal Army, certainly backed-up by Washington and Wall Street, greatly outnumbers the army of the Zapatista rebels. The power of destruction of the Establish Capitalist Powers is crushing: they own the police and the prisons, and they pay the soldiers and militias to persecute the Mexicans who join EZLN. The defeat of this insurrectional movement is something that has been aimed at by established powers for the last 20 years – according to Marcos, the enemy would like to see “democracy washed with the detergent of imports and water from antidemonstration cannons.” (pg. 54)

In 1994 Mexico’s president Carlos Salinas de Gortari is considered by EZLN as “the sales manager of a gigantic business: Mexico, Inc.” (pg. 63) Free Trade, for the Zapatistas, is nothing but capitalism’s “law of the jungle”, and it generates a couple of millionaires while throwing millions into hunger, sickness and death. To use Occuppy Movement’s imagery, the top of the social pyramid, the richest 1% of the country, don’t give a fig about defending the rights of the Mexican people as a whole (the 99%): “the only country mentioned with sincerity on that increasingly narrow top floor is the country called money.” (pg. 63)  “On every street corner misery knocks on the windows of the car.” (pg. 64)

Even tough they see peace and social justice as an ideal to accomplish, the Zapatistas feel they would remain powerless if they were Gandhian pacifists. Thus they take arms, just like the guerrillas led by Fidel and Che in Sierra Maestra in late 1950’s Cuba. EZLN, as the name itself sufficiently states, is an armed rebellion and doesn’t comply with what Marcos called, in Aguascalientes, august 1994, “pacifist complicity with injustice” (p. 56) and “fraudulent unconditional pacifism” (p. 58)

EZLN is quite aware that military victory is rather unlikely against such a powerful army as that of Mexico’s established powers, backed-up by Washington and Wall Street. So Marcos tends to underline the symbolical importance of the Zapatista’s up-rising, its capacity to inspire similar movements throughout Latin America. The 4th Declaration of the Lacandon Jungle, January 1996, states: “Brothers and sisters of other races and languages, of other colors, but with the same heart, now protect our light, and in it they drink of the same fire.” (p. 87)

“To confront an army superior to ours in weapons and personnel, although not in morality, nullifies the possibilities of sucess. But to surrender has been expressly forbidden; any Zapatista leaders who opt to surrender will be decommissioned. No matter the outcome of this war, sooner or later this sacrifice – which today appears useless and sterile to many – will be compensated by the lightning that will illuminate other lands. For sure, the light will reach deep into the South, shimmer in the Mar de Plata, in the Andes, in Paraguay, and the entirety of this inverted and absurd pyramid that is Latin America…” (74)

The future of Latin America lies not only in its ability to build international solidarity, planting the seeds of a future of social justice and true democracy, but also in its struggle against oblivion. The Zapatistas claim that memory has been progressively wipe-out by the forces of a capitalist production, distribution and consumption system that runs on shallow foresight and narrow hindsight. In other worlds: the system wants us to buy like crazy, and think only of immediate enjoyment of products sold in the markets, thus imposing to our minds oblivion of future and past generations. This is one of the most important ideas to understand if we want to grasp what these more than 20 years of the Neo Zapatista movement in Mexico means:

“On the side of oblivion are the multiple forces of the market. On the side of memory is history.” This thesis of the markets’ attempted murder against memory is illustrated by the treatment conferred upon indigenous populations by capitalists and their accomplices among politicians. The Zapatistas are saying: the past is not to be forgotten, consumed down to ash, thrown in the garbage can, in order for us to “enjoy” the here-and-now of mass society, mass production, mass consumption, and mass ecological catastrophes. The Zapatistas see the past as “a guide to be learned from and upon which to grow”. The problem is:

“the past doesn’t exist for technocrats, under whose rule our nation suffers. The future can be nothing more than a lengthening of the present for these professional amnesiacs. (…) What better example of this phobia of history is there than the attitude of the Mexican government toward the indigenous peoples? Are not the indigenous demands a worrisome stain on history, dimming the splendor of globalization? Is not the very existence of indigenous people an affront to the global dictatorship of the market?” (MARCOS, pg. 147)

The sad thing is: instead of learning from the past in order to build a better future, the authorities in charge of markets and governments complicit to them are basically waging war against those who are labeled by the repression forces and portrayed by the plutocratic media as “The Terrorists”. The inner enemy. The war against the Zapatistas waged by the Mexican Federal Army, with the aid of the Yankees, is simply an attempt to silence by massmurder those who are demanding freedom, dignity, and social justice. In March, 1995, EZLN writes “to the people of Mexico and to the peoples of the world”:

“Our voice was silenced all at once by the noise of the machines of war. Terror was unleashed again in the Mexican lands by the one who, from arrogance and power, looks at us with contempt, denies our name, and gives us death in answer to our thought. (…) With the complicity of big money and a foreign vacation, he wanted to force us with bayonets to deny our history. (…) For that reason, our past went to the mountains. We went into the caves of those who came before us. Death cornered us… Death came to wield its knife-edged oblivion. It came to kill memory. Again, our hand filled with the fire to avenge our own pain, again being animals eating dirt, dying persecuted and forgotten.” (pg. 81)

The name Zapatistas then gains the meaning of a very powerful symbolical weapon: a “collective name”, that any individual can claim for himself, and by adhering to it he goes away from the forgetfullness that his individual self lies buried in.  A campesino who haves always felt as nobody, as one of the many who History will forget, now can call himself a Zapatista and thus believe he’s part of a collective entity that won’t be so easily brushed away to oblivion. Every zapatista will die, but zapatismo will live, beyond the duration of individual lives. When an individual leaps from being an unrelated isolated atom and joins his forces with the supra-individual movement, it’s as if his heart has been connected to a vaster entity and now pulsates with a collective heart.

 “No longer are we the unmentionables. We the forgotten have a name. (…) Having now a collective name, we discovered that death shrinks and becomes small before us. The worst death, that of oblivion, flees so that the memory of our dead will never be buried together with their bones.(…) “They, our ancestors, taught us to be proud of the color of our skin, of our language, of our culture. More than 500 years of exploitation and persecution have not been able to exterminate us. (…) If they destroy us, the entire country will plummet and begin to wander without direction or roots… Mexico would negate its tomorrow by denying its yesterday.” (October 12, 1995, pg. 82-83)

10

* * * * *

You might also enjoy:

Read chapters 1 and 2

TO BE CONTINUED…

Copyleft material. Re-share and re-blog as much as you wish,
but please acknowledge Eduardo Carli de Moraes @ Awestruck Wanderer.

O Outro 12 de Outubro (por Eduardo Galeano)

galeano2

“Em 12 de outubro de 1492, os nativos descobriram que eram índios, descobriram que viviam na América, descobriram que estavam nus, descobriram que existia pecado, descobriram que deviam obediência a um rei e uma rainha de outro mundo e a um deus de outro céu, e que esse deus havia inventado a culpa e a roupa e havia mandado queimar vivo quem adorasse ao sol, à lua, à terra e à chuva que a molha.”

indio
“Vinieron. Ellos tenían la Biblia y nosotros teníamos la tierra. Y nos dijeron: “Cierren los ojos y recen”. Y cuando abrimos los ojos, ellos tenían la tierra y nosotros teníamos la Biblia.” (Galeano)

Siga viagem: TODOROV – A Conquista da América

“Em 1500, a população do globo era de aproximadamente 400 milhões, dos quais 80 milhões habitam as Américas. Em meados do século XVI, desses 80 milhões… restam 10 milhões. Se nos restringirmos somente ao México: às vésperas da conquista, sua população é de aproximadamente 25 milhões; em 1600, é de 1 milhão. (…) Se a palavra genocídio foi alguma vez aplicada com precisão a um caso, então é esse. É um recorde, parece-me, não somente em termos relativos (uma destruição da ordem de 90% ou mais), mas também absolutos, já que estamos falando de uma diminuição da população estimada em 70 milhões de seres humanos. Nenhum dos grandes massacres do século XX pode comparar-se a esta hecatombe.”

TZVETAN TODOROV, A Conquista da América
Ed. Martins Fontes, p. 191-1