UMA DAS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA: O Golpe do Estado no Chile em 11 de Setembro de 1973

allendeUMA DAS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA

Dentre as “veias abertas da América Latina” – para lembrar o título do clássico livro de Eduardo Galeano – está este episódio histórico traumático na história de nosso continente: no dia 11 de Setembro de 1973, o Chile, que havia vivido 41 anos de regime democrático, sofre um golpe militar; o palácio de La Moneda é bombardeado, o presidente Salvador Allende é morto e um coup d’état instaura a ditadura Pinochet.

noO tirano (des)governaria o país até ser varrido pelo Plesbiscito de 1988 (cuja crônica cinematográfica brilhante foi filmada por Pablo Larraín e estrela por Gael Garcia Bernal em “No”). O 11 de Setembro de 1973 foi o choque inicial que conduziria o Chile a um dos períodos históricos mais terríveis de sua história: a ditadura Pinochet foi responsável por milhares de mortes, torturas e “desaparecimentos”.

Segundo o clássico documentário “A Batalha do Chile” (de Patricio Gúzman), foi de fato ampla e determinante a participação dos EUA, em aliança com as elites oligárquicas chilenas, na instauração de regimes autoritários e fascistas por toda a América Latina (inclusive aqui no Brasil, em 1964) – e no Chile não foi diferente. Segundo Guzmán, as Forças Armadas chilenas receberam um auxílio de 45 milhões de dólares do Pentágono, o que equivale a mais de um 1/3 de todo o capital “emprestado” pelos EUA desde a eleição de Allende em 1970. Além disso, mais de 4 mil oficiais do Exército chileno foram treinados pelos Estados Unidos e este mantinha mais de 40 agentes da CIA infiltrados no movimento de oposição à Allende.

Como nos lembra a Naomi Klein no “Doutrina do Choque”, também foi determinante no golpe contra Allende a ação nos bastidores de Milton Friedman, “considerado o economista mais influente do último meio século” (KLEIN: 2007, p. 15), um dos papas da doutrina neoliberal:

naomi“Milton Friedman aprendeu a explorar os choques e as crises de grande porte em meados da década de 1970, quando atuou como conselheiro do ditador chileno, o general Augusto Pinochet. Enquanto os chilenos se encontravam em estado de choque logo após o violento golpe de Estado, o país sofria o trauma de uma severa hiperinflação. Friedman aconselhou Pinochet a impor uma reforma econômica bastante rápida – corte de impostos, livre-comércio, serviços privatizados, corte nos gastos sociais e desregulamentação. (…) Ficou conhecida como ‘a revolução da Escola de Chicago’, pelo fato de que muitos economistas de Pinochet tinham estudado sob a orientação de Friedman na Universidade de Chicago. (…) Desde então, sempre que os governos decidem impor programas radicais de livre mercado, o tratamento de choque [the shock doctrine] tem sido o seu método preferido.” (KLEIN, A Doutrina do Choque, p. 17)

Hoje em dia, já estamos acostumados com a ideia, historicamente muito recente, de que existem crimes contra a humanidade e violações dos direitos humanos que se manifestam em atos de genocídio e limpeza étnica, e que estes devem ser julgados por um Tribunal Penal Internacional. Porém, isto está longe de funcionar como seria desejável, como nos lembra muito a propósito Joel Birman: “Se Milosevich, da Sérvia, pôde ser enviado a Haia para responder juridicamente sobre genocídio, Pinochet, o carrasco chileno, foi protegido de maneira espúria, pois evidenciaria, caso fosse julgado, a participação direta dos Estados Unidos no golpe de Estado sangrento que derrubou Allende e enterrou durante décadas a democracia no Chile.” (JOEL BIRMAN, Cadernos Sobre o Mal, Ed. Civilização Brasileira, pg. 130)

Em uma matéria recente, Cynara Menezes relembra um episódio da vida chilena do começo dos anos 70: a longa visita do líder da Revolução Cubana, Fidel Castro, ao país [http://bit.ly/1edowaC]. Acredito que Fidel, estando bem “antenado” e experenciado em relação às perversidades dos yankees contra os regimes de esquerda da América Latina e Central, já que Cuba havia sofrido muitos ataques (Baía dos Porcos etc.) e bloqueios econômicos, deve ter feito todo o possível para alertar Allende sobre o perigo que seu regime corria. Em 11 de Setembro de 1973, o golpe de Estado foi uma espécie de confirmação dos piores pesadelos de Fidel – e mais um episódio onde ficou provado que o Império não hesita em se utilizar de medidas fascistas para instaurar, à força de bala e com tanques de guerra, o “Livre-Mercado”, para festa das mega-corporações transnacionais e dos produtos made in U.S.A…

pinochetO Chile ainda se recupera da terapia de choque que lhe foi infligida por 17 anos pela ditadura Pinochet, que governou “tocando o terror” na população através das “celas de tortura do regime, infligindo choques aos corpos retorcidos daqueles que foram considerados obstáculos à transformação capitalista. Na América Latina, muitos enxergaram uma conexão entre os choques econômicos que empobreceram milhões e a epidemia de tortura que flagelou centenas de milhares de pessoas que acreditavam num tipo diferente de sociedade”. (KLEIN: 2007, p. 17)

O episódio é uma boa demonstração de que a mais recente versão do capitalismo selvagem, o chamado neoliberalismo, antes de ser implantado nos países capitalistas avançados, capitaneado por Tatcher no Reino Unido, Reagan nos EUA e Deng Xiaoping na China – como exposto em minúcia no livro “Neoliberalismo” de David Harvey (2008) – utilizou o Chile como seu “laboratório” experimental.

Salvador Allende, desde sua eleição à presidência em 1970, havia realizado transformações amplas na sociedade chilena, pavimentando o caminho para uma sociedade socialista. Suas ações iam na direção oposta ao que recomendam os cânones neoliberais: ao invés de privatizações e desregulamentações, favoráveis ao lucro de corporações privadas, o governo Allende trabalhou em prol da nacionalização de empresas, minas e terras.

Allende expropriou 15 milhões de hectares de terras que estavam concentradas nas mãos de latifundiários e as redistribuiu. Estatizou todos os bancos e retornou o controle de quase todas as fábricas ao comando dos próprios operários. Defendeu com punho-de-ferro a autonomia do Chile diante dos exploradores estrangeiros, em especial os EUA, que viam com muita desconfiança estas “iniciativas marxistas” que se assemelhavam a muitas instauradas em Cuba após a Revolução de 1959. Allende resistiu no poder por mais de 3 anos, respaldado por apoio popular intenso e imenso. Com frequência massas que superavam 100 mil pessoas tomavam as ruas bradando a uma só voz: “Allende, Allende, el pueblo te defiende!” ou “Allende, tranquilo, o povo está contigo!”

Em 2001, quando em outro 11 de Setembro as torres gêmeas do World Trade Center vieram abaixo e o Pentágono viu-se sob ataque, os EUA puderam sentir na pele o gosto amargo de um ato terrorista genocida perpetrado por aqueles que os próprios Yankees haviam ajudado e armado, no fim dos anos 1970, contra os soviéticos. Ao invés de tentarem compreender as razões para o anti-americanismo visceral, tão disseminado nos países islâmicos e em muitos pontos da Ásia e da América Latina, os EUA lançaram sua nova Cruzada: a Guerra ao Terror. Ao invés de olharem para seu próprio passado como potência imperialista, em que os EUA realizou inúmeras agressões a outros países e feriu a autonomia e o direito de auto-determinação de outras nações, prosseguiram no caminho do militarismo autoritário que pretende “exportar Democracia” através da violência brutal. Uma lógica semelhante àquela que levou as bombas atômicas a serem lançadas sobre o Japão, o veneno letal (napalm) a chover sobre a população civil do Vietnã e do Camboja, além do apoio militar e financeiro às Ditaduras Militares latino-americanas…

Mais de uma década após as invasões do Afeganistão e o Iraque, a política externa americana não só acarretou uma imensa mortandade no Oriente Médio, como também gerou a emergência do Estado Islâmico, uma espécie de nova encarnação do Islã militante e jihadista, hoje esparramado pela Síria e pelo Iraque. Durante seus mandatos, Barack Obama nos EUA e Stephen Harper no Canadá mantiveram sua coalização de “intervenção humanitária” para salvar o mundo do Mal; vêm aí, é claro, novos genocídios e campanhas militares “anti-terroristas”, em que é de se esperar uma imensa tragédia humanitária no Oriente Médio. Não há sinal de que as elites imperiais pretendam parar de agir com a soberba sanguinária de quem se acha “Xerife do Mundo”. E assim caminhamos, a passos largos, rumos a novas hecatombes e barbáries.

allende11 COMPARTILHAR

Para matar al hombre de la paz
para golpear su frente limpia de pesadillas
tuvieron que convertirse en pesadilla,
para vencer al hombre de la paz
tuvieron que congregar todos los odios
y además los aviones y los tanques,
para batir al hombre de la paz
tuvieron que bombardearlo hacerlo llama,
porque el hombre de la paz era una fortaleza
Para matar al hombre de la paz
tuvieron que desatar la guerra turbia,
para vencer al hombre de la paz
y acallar su voz modesta y taladrante
tuvieron que empujar el terror hasta el abismo
y matar mas para seguir matando,
para batir al hombre de la paz
tuvieron que asesinarlo muchas veces
porque el hombre de la paz era una fortaleza,
Para matar al hombre de la paz
tuvieron que imaginar que era una tropa,
una armada, una hueste, una brigada,
tuvieron que creer que era otro ejercito,
pero el hombre de la paz era tan solo un pueblo
y tenia en sus manos un fusil y un mandato
y eran necesarios mas tanques mas rencores
mas bombas mas aviones mas oprobios
porque el hombre de la paz era una fortaleza
Para matar al hombre de la paz
para golpear su frente limpia de pesadillas
tuvieron que convertirse en pesadilla,
para vencer al hombre de la paz
tuvieron que afiliarse siempre a la muerte
matar y matar mas para seguir matando
y condenarse a la blindada soledad,
para matar al hombre que era un pueblo
tuvieron que quedarse sin el pueblo.

Mário Benedetti

* * * * *

Siga viagem:



* * * *

* * * * *

no
“NO” (Chile, 2012), um filme dirigido por Pablo Larraín, baseado na obra de Antonio Skármeta e estrelado por Gael Garcia Bernal, revela os detalhes do plebiscito de 1988 que acabou decidindo pela derrubada da Ditadura Pinochet que havia sido instaurada em 11 de Setembro de 1973 [http://bit.ly/2cNXicM]. Vibre com os detalhes da História latino-americana na dura luta pela conquista de uma democracia sempre imperfeita.

ASSISTA (legendado em português):

FAÇA O DOWNLOAD (torrent – 1.8 gb):
http://bit.ly/2cQHNDW

COMPARTILHE NO FACEBOOK

Relembrando Maio de 1968 com Carlos Fuentes

Goksin Sipahioglu
RETRO-MAI 1968-RENAULT
p16kpfjnqtqhunhdaqtgd91vav1

“Vocês são as guerrilhas contra a morte climatizada
que querem nos vender com o nome de futuro.”

JULIO CORTÁZAR

Não há como esquecer as efervescências deste ano histórico que foi 1968: na França, estouravam a memorável rebelião estudantil de Maio e a gigantesca greve operária, com mais de 10 milhões de trabalhadores cruzando os braços; em Praga, a Primavera tcheca era esmagada pelos tanques soviéticos que vão estraçalhando os socialismos que não seguem os ditames de Moscou; no México, às vésperas das Olimpíadas, as manifestações populares foram massacradas pelo Estado e deixam centenas de mortos; no Brasil, começava a fase mais linha-dura do regime militar, com a promulgação do AI-5 e a exacerbação dos exílios, das torturas, dos horrores nos porões do DOPS, além de a necessidade, para a esquerda, de aderir à guerrilha armada e às táticas como os sequestros de embaixadores…

Em um livro magistral, o escritor mexicano Carlos Fuentes (1928-2012) relembra alguns destes episódios: “Em 68 – Paris, Praga e México” é uma obra crucial para entender tanto aqueles tempos… quanto os nossos (Ed. Rocco, R$25,00). Lê-lo só consolidou minha convicção de que recuperar a memória dos levantes, das demandas, dos confrontos, das experimentações e dos sonhos do Maio de 1968 francês, dos levantes mexicanos e tchecos, da resistência latino-americana à ditadura militar, permanece algo crucial não só como conhecimento histórico, mas como um saber-prático que pode nos ajudar a fecundar o presente com as sementes de um outro tempo – único modo de colher os frutos de outro mundo possível. Aos que lutaram e caíram nas lutas anti-opressivas e contra-hegemônicas em 68, vale a louvação de Cortázar: “Vocês são as guerrilhas contra a morte climatizada que querem nos vender com o nome de futuro.

* * * * *

DEBAIXO DO ASFALTO HÁ A TERRA….

Mai68affiche-1O que às vezes me consola, quando caminho nas calçadas cinzas das cidades que são selvas de pedra, em meio ao CO2 que peidam os escapamentos e as fábricas, é saber que debaixo do asfalto ainda existe intacta a terra. E que intacta está também sua potência de ser ventre maternal para futuras sementes. Em Paris, onde não há praia, os manifestantes de Maio de 1968 tinham como um de seus slogans, bradado nas passeatas, pixado nos muros da Sorbonne, escrito em seus poemas: “Debaixo dos paralelepípedos estão as praias.”

Naquele época, como ocorre ainda hoje, as manifestações sofreram dura repressão policial por parte das “brutais CRS (Companhias Republicanas de Segurança, a tropa de elite da polícia francesa), que avançam contra a fumaça e as chamas e as árvores caídas, lançando gases letais, batendo indiscriminadamente em pedestres, jornalistas e paroquianos de cinemas e cafés, lançando granadas plásticas em direção às janelas abertas…” (Fuentes, Em 68, p. 24).

Se no Brasil de 2013 celebrizou-se o uso do vinagre como antídoto contra o gás lacrimogêneo, naquela época os revoltosos franceses tinham seu equivalente: lenços “empapados com suco de limão e bicarbonato untado sobre as pálpebras”. Muitos não fugiam ao confronto com os flics (os tiras) e o famoso pavé parisiense (o calçamento com paralelepípedos) “foi a primeira arma de contra-ataque dos estudantes brutalizados pela polícia: arma, como disse Jean Paul Sartre, não da violência, mas da contraviolência de centenas de milhares de estudantes que jamais fizeram outra coisa senão defender-se. Só houve violência quando a polícia a iniciou. Manifestação sem polícia era manifestação pacífica.” (Fuentes: p. 26).

Um dos estudantes que participou do Maio de 68 em Paris depois explicaria que, se os paralelepípedos voaram contra a polícia, foi porque “se tornaram nosso meio de comunicação em massa. Saímos às ruas porque não temos outra maneira de nos fazer escutar em uma sociedade onde os mass media foram monopolizados e domesticados. Contra a abundância das comunicações inúteis, enviamos a mensagem imprescindível de nossas pedras e palavras.” (Fuentes: p. 29)

* * * * *

LEMBRANÇAS DE MAIO DE 68 – POR CARLOS FUENTES

aff01“A primeira coisa que se precisa compreender sobre a revolução de maio na França: que é uma insurreição, não contra um governo determinado, mas sim contra o futuro determinado pela prática da sociedade industrial contemporânea, e (….) protagonizada pela juventude de uma nação desenvolvida. E esses jovens dizem que a abundância não basta, que se trata de uma abundância mentirosa.

O mundo industrial moderno também se levanta sobre a morte e a exploração dos homens marginais do mundo infra-industrial. A morte: quando uma sociedade de excedente industrial como a norte-americana deve assegurar sua saúde transformando a ‘perda financeira’ em uma chuva de bombas de napalm e fósforo (ad majorem gloria Dow Chemical Co.) sobre a população indefesa de uma pequena nação rural. Não é por acaso que a Guerra do Vietnã tenha sido o grande catalisador da revolução da juventude ocidental.

Enquanto o mundo industrial se satura de riquezas inúteis, o mundo subdesenvolvido carece do que é básico. Lembro-me destas palavras de um estudante com quem conversei numa comunidade universitária italiana especialmente lúcida: ‘Em que se distingue do fascismo uma sociedade que é incapaz de distribuir sua enorme riqueza acumulada entre os países famintos da Ásia, África e América Latina? Cada capitalista europeu e norte-americano não pratica um extermínio em massa comparável ao dos nazistas? Estamos continuando, por outros meios, a luta de Zapata e Guevara, de Camilo Torres e Frantz Fannon. Lutamos contra o mesmo mundo da opressão centralizada.’

Em Maio de 1968, em Paris, nos muros da Sorbonne, lia-se em um cartaz: ‘A revolução que vai colocar em dúvida não só a sociedade capitalista, mas também a sociedade industrial. A sociedade de consumo deve morrer uma morte violenta. A sociedade alienada deve desaparecer da história. Estamos inventando um mundo novo e original. A imaginação tomou o poder.’

São os filhos de Marx e de Rimbaud: é preciso transformar o mundo, é preciso mudar a vida. As estátuas de Pasteur e de Pascal na Sorbonne ostentam cachecóis vermelhos no pescoço e seguram bandeiras negras entre os braços. Victor Hugo, velho sensualista, parece atingir um prazer lendário e secular com essa maravilhosa moça morena que hoje se senta em seus joelhos de pedra. Diante deste cenário, discursa Jean-Paul Sartre para milhares de estudantes:

– O que está em vias de se formar é uma nova concepção da sociedade baseada na democracia plena, uma aliança do socialismo e da liberdade. Porque socialismo e liberdade são inseparáveis.

Neste mês, 10 milhões de trabalhadores entram em greve na França. (…) Os pesquisadores científicos criam comitês democráticos visando à autogestão e à eliminação de todo trabalho que, direta ou indiretamente, possa ser utilizado para fins bélicos ou repressivos. Enfermeiros e médicos estabelecem a co-gestão nos hospitais por meio de comitês destinados a renovar um sentido democrático. Até mesmo os estudantes de teologia da Universidade de Paris declaram:

– A instituição eclesiástica, tendo em vista seu lugar privilegiado nas sociedades ocidentais, contribui, com seus silêncios, com suas tomadas de posição obrigatoriamente conciliatórias, com sua prédica de paz onde não há paz, para a manutenção do status quo. A teologia só faz prolongar as contradições internas do sistema capitalista. Isso compreendemos definitivamente nas barricadas. Tomar o partido dos oprimidos significa hoje entrar deliberadamente e sem reservas no processo revolucionário. (…) Deus não é conservador! Por que os cristãos não hão de exercer violência contra um sistema capitalista que pratica a violência endêmica no mundo subdesenvolvido? É possível conceber, atualmente, a caridade sem luta?

la-rc3a9volution-sexuelle-de-mai-68-libre-et-spontanc3a9e
Pelas ruas, há grupos de adolescentes que invadem o Odéon pedindo uma educação sexual dinâmica e adequada e reclamam o direito ao orgasmo. Um dos manifestantes argumenta que o Maio de 68 foi uma explosão de espontaneidade: ‘Opusemos uma linguagem nova e radical à linguagem mumificada do poder, do Parlamento, das eleições e das formações políticas tradicionais. Tanto o poder quanto a oposição demonstraram seu anacronismo e sua ineficácia nessa situação. O processo eleitoral é coisa deles; não nos afeta nem afeta a revolução, que prossegue sua marcha por caminhos inéditos, difíceis e definitivamente alheios às formalidades burguesas’. Outro dos jovens manifestantes parisienses declarou:

– Já votei nas barricadas pelo socialismo revolucionário. Minha cédula foi um paralelepípedo.”

* * * * *

Adquira este livro de Carlos Fuentes, “Em 68 – Paris, Praga e México” (Ed. Rocco, R$25,00): http://bit.ly/2Ap0WIN.

mai 68 af

* * * * *

LEIA TAMBÉM:

baderna

PARIS: MAIO DE 68
Coleção Baderna da Ed. Conrad
E-book completo
Compartilhar

* * * * *

SIGA VIAGEM:


A documentary by Seymour Drescher, Professor in the Department of History at the University of Pittsburgh, former student of George Mosse, and author of Abolition: A History of Slavery and Antislavery. The film looks at the student and worker upheaval in France in May, 1968.


Prague Spring ’68 – Sofia Summer (2008) – a documentary by Nayo Titzin