Abutre da Cultura – por Diego de Moraes

“Oi? Alô?”

Aqui quem fala é o Diego de Moraes, vulgo Diego Mascate.

Hoje é só uma “passagem de som” (ou melhor, de caracteres…) para dar início ao…

 ABUTRE DA CULTURA

Espaço de lampejos esporádicos, divagações aleatórias, divulgações instantâneas e outras viagens mais.

O parça Eduardo Carli me convidou pra ter uma coluna livre aqui na Casa de Vidro, esse não-lugar fronteiriço aberto a pulverizar novidades (do presente e do passado) e a difundir filosofagens (sobre temas tão variados), “plugando consciências no amplificador”. Fiquei honrado com o convite, tanto por gostar tanto do site/blog, como pela gratidão que tenho pelo inestimável apoio do Carli nos últimos anos afim de divulgar minhas “viagens” sonoras/poéticas/etc. – como nos textaços sobre os álbuns: “Parte de Nós” (Diego de Moraes & O Sindicato), “A.C” (Diego Mascate) e o novo  “A Dança da canção incerta” (Pó de Ser), além de infinitos bate-papos permeados por sintonias estéticas e i(deo)lógicas.

Cogitei fazer dessa minha coluna com escoliose uma espécie de “Geleia Geral” – nome do polêmico espaço que Torquato Neto manteve entre 1971 e 1972 no jornal Última Hora (RJ), sintonizando-se a todo um movimento da “contra (ou a favor da…?) cultura” da época. “Geleia Geral” é uma expressão que Torquato copiou (Control C/Control V...) do mestre concretista/semiótico Décio Pignatari (que a criou em 1963 numa pendenga com Cassiano Ricardo, ao expulsá-lo da revistaInvenção), dando-lhe uma dupla-função: nomeou a coluna no jornal e  também batizou uma das mais importantes canções/manifestos da Tropicália, essa famosa parceria desse “anjo torto de Teresina” com Gil:

“Uma poeta desfolha a bandeira e a manhã tropical se inicia”, ligando o “bumba-meu-boi” do folclore nordestino com o iê-iê-iê beatlemaníaco.

 Vai aí um trechinho da coluna torquatêira…. Geleia Geral.jpg

Esse poema foi recitado pelo grande Paulo José num especial preparado pela Rede Globo para o Fantástico, no ano/punk de 1977, por ocasião dos cinco anos do suicídio do poeta.

Pedrada quente com a trilha sonora encabeçada pelo mestre Macao, espia:

  “Poetas imaturos imitam; poetas maduros roubam” (T. S. Eliot)

Torquato “roubou” a “Geléia” do Pig… e eu pensava qual seria o nome da minha coluna aqui… De quem eu “roubaria”?

Até que me aparece no festival de Bowies que virou minha timeline: essa entrevista do mestre para a MTV brasileira em 1997 (Turnê Earthling), na qual ele se auto-define:

“Sou um abutre da cultura.”

Mil faces

Bowie

Pimba! A expressão caiu como uma luva para os propósitos antropofágicos da coluna aqui!

O “abutre da cultura” fica como metáfora para a devoração obsessiva da arte, da poesia e de diversos sabores  lisérgicos e estimulantes.

Do “morto” realimentar a matéria  orgânica do “vivo”. Buscar o “novo”, mesmo que seja no passado, atento ao presente e vislumbrando o futuro, “um museu de grandes novidades”

Ou como escrevi no final de 69:

“A velha-guarda da vanguarda
Anunciando o novo
que é papo velho.”

  • E qual a novidade pra hoje (Sábado, 13/12)?

Uai, hoje participarei em Goiânia do show A SÉTIMA EFERVESCÊNCIA, em homenagem ao MAN Júpiter Maçã (Júpiter Apple) que vai rolar no Evoé, “um lugar do caralho”!

Até saiu essa matéria na capa do DM Revista, ó:

Jupiter no DM

Simbóra lá?!
No próximo post falo mais desse “mosaico de imagens mil”… ok?
Júpiter Evoé.jpg
Inté!
Beijo do magro! 😉

Diego de Moraes

 

Anúncios