Capitalismo à la Pinochet: O neoliberalismo latino-americano segundo Naomi Klein em “A Doutrina do Choque”

Neoliberal

Um dos “heróis” mais celebrados por aqueles que defendem o capitalismo neoliberal, ou seja, uma economia de “free market” sem nenhuma regulação social ou estatal, é o economista Milton Friedman, figura que teve tenebrosas conexões com a ditadura militar de Augusto Pinochet no Chile.

Após o golpe violento de 11 de Setembro de 1973, que derrubou o governo democraticamente eleito de Salvador Allende, o conluio entre as elites financeiras dos EUA e o novo regime ditatorial de Pinochet pôs em ação aquilo que Naomi Klein chamou de “A Doutrina do Choque”. Os “Chicago Boys”, gangue liderada por Friedman e seus comparsas, só pôde impor a “liberalização dos mercados” utilizando-se simultaneamente da proliferação de atrocidades contra todos os cidadãos chilenos que se opunham ao novo regime de ultra-capitalismo que foi imposto de modo autoritário após o assassinato de Allende. A tal da “liberdade dos mercados” andou pari passu com a tortura de 100.000 a 150.000 pessoas, além do assassinato sistemático de opositores do regime (entre eles, o cantor folk Victor Jara e o genial poeta Pablo Neruda).

Em outros cantos da América Latina, ditaduras militares semelhantes também impuseram a abertura dos mercados aos capitais estrangeiros e as portas escancaradas para a chegada das mega-corporações trans-nacionais. Sob a mão férrea dos tiranos de fardas, o Brasil e a Argentina também vivenciaram a truculência da aliança entre a barbárie militarizada e a doutrina econômica neoliberal de Friedman e seus comparsas.

Em um dos livros políticos mais importantes deste século, Naomi Klein expôs claramente esta ainda reprimida verdade histórica sobre o nosso continente: por aqui, o capitalismo neoliberal não chegou após ser escolhido nas urnas pela vontade soberana do povo, mas foi imposto pelos tanques e soldados de ditaduras militares entreguistas, apoiadas ideológica e financeiramente pelos tubarões de Washington e Wall Street. É que a famosa “mão invisível” de Adam Smith jamais pode funcionar sem o truculento punho, muito visível e ameaçador, de um complexo militar-policial-carcerário que foi tão brilhantemente criticado por Foucault e Angela Davis. A “liberdade econômica” pregada pelos neoliberais não passa, assim, de uma farsa sangrenta diante da pilha de cadáveres e dos gritos infindáveis dos torturados e exilados que o “free market” pôs como preço para seu triunfo.

LEIA TAMBÉM: NAOMI KLEIN, “MILTON FRIEDMAN NÃO SALVOU O CHILE”: “Depois do golpe e da morte de Allende, Pinochet e os Chicago Boys fizeram de tudo para desmantelar a esfera pública do Chile , leiloando empresas estatais e cortando as regulações financeiras e comerciais. Foram criadas enormes fortunas neste período de tempo a um custo terrível…”

Milton-Friedman-590x391

Cito um trecho crucial de “The Shock Doctrine“:

Naomi Klein Shock“Milton Friedman first learned how to exploit a large-scale shock or crisis in the midseventies, when he acted as adviser to the Chilean dictator, General Augusto Pinochet. Not only were Chileans in a state of shock following Pinochet’s violent coup, but the country was also traumatized by severe hyperinflation. Friedman advised Pinochet to impose a rapid-fire transformation of the economy—tax cuts, free trade, privatized services, cuts to social spending and deregulation. Eventually, Chileans even saw their public schools replaced with voucher-funded private ones.

It was the most extreme capitalist make over ever attempted anywhere, and it became known as a “Chicago School” revolution, since so many of Pinochet’s economists had studied under Friedman at the University of Chicago. Friedman predicted that the speed, suddenness and scope of the economic shifts would provoke psychological reactions in the public that “facilitate the adjustment.” He coined a phrase for this painful tactic: economic “shock treatment.”

In the decades since, whenever governments have imposed sweeping free-market programs, the shock treatment, or “shock therapy,” has been the method of choice. Pinochet also facilitated the adjustment with his own shock treatments; these were performed in the regime’s many torture cells, inflicted on the writhing bodies of those deemed most likely to stand in the way of the capitalist transformation. Many in Latin America saw a direct connection between the economic shocks that impoverished millions and the epidemic of torture that punished hundreds of thousands of people who believed in a different kind of society.

eduardo-galeano

As the Uruguayan writer Eduardo Galeano asked, “How can this inequality be maintained if not through jolts of electric shock?” Exactly thirty years after these three distinct forms of shock descended on Chile, the formula reemerged, with far greater violence, in Iraq…

Since the fall of Communism, free markets and free people have been packaged as a single ideology that claims to be humanity’s best and only defense against repeating a history filled with mass graves, killing fields and torture chambers. Yet in the Southern Cone, the first place where the contemporary religion of unfettered free markets escaped from the basement workshops of the University of Chicago and was applied in the real world, it did not bring democracy; it was predicated on the overthrow of democracy in country after country. And it did not bring peace but required the systematic murder of tens of thousands and the torture of between 100,000 and 150,000 people.

Salvador Allende, as he watched the tanks roll in to lay siege to the presidential palace, had made one final radio address suffused with this same defiance: “I am certain that the seed we planted in the worthy consciousness of thousands and thousands of Chileans cannot be definitively uprooted,” he said, his last public words. “They have the strength; they can subjugate us, but they cannot halt social processes by either crime or force. History is ours, and the people make it.”

The seed that Allende referred to wasn’t a single idea or even a group of political parties and trade unions. By the sixties and early seventies in Latin America, the left was the dominant mass culture — it was the poetry of Pablo Neruda, the folk music of Victor Jara and Mercedes Sosa, the liberation theology of the Third World Priests, the emancipatory theater of Augusto Boal, the radical pedagogy of Paulo Freire, the revolutionary journalism of Eduardo Galeano and Rodolfo Walsh. It was legendary heroes and martyrs of past and recent history from José Gervasio Artigas to Simon Bolivar to Che Guevara.

Victor Jara

Mural em homenagem ao cantor chileno Victor Jara, assassinato pela ditadura Pinochet

In Santiago, the legendary left-wing folk singer Victor Jara was among those taken to the Chile Stadium. His treatment was the embodiment of the furious determination to silence a culture. First the soldiers broke both his hands so he could not play the guitar, then they shot him forty-four times, according to Chile’s truth and reconciliation commission. To make sure he could not inspire from beyond the grave, the regime ordered his master recordings destroyed. Mercedes Sosa, a fellow musician, was forced into exile from Argentina, the revolutionary dramatist Augusto Boal was tortured and exiled from Brazil, Eduardo Galeano was driven from Uruguay and Walsh was murdered in the streets of Buenos Aires. A culture was being deliberately exterminated.

In Chile, Pinochet was determined to break his people’s habit of taking to the streets. The tiniest gatherings were dispersed with water cannons, Pinochet’s favorite crowd-control weapon. The junta had hundreds of them, small enough to drive onto sidewalks and douse cliques of school children handing out leaflets; even funeral processions, when the mourning got too rowdy, were brutally repressed.

In Brazil, the junta did not begin mass repression until the late sixties, but there was one exception: as soon as the coup was launched, soldiers rounded up the leadership of trade unions active in the factories and on the large ranches. According to “Brasil: Nunca Mais (Never Again)”, they were sent to jail, where many faced torture, “for the simple reason that they were inspired by a political philosophy opposed by the authorities.” This truth commission report, based on the military’s own court records, notes that the General Workers Command (CGT), the main coalition of trade unions, appears in the junta’s court proceedings “as an omnipresent demon to be exorcised.” The report bluntly concludes that the reason “the authorities who took over in 1964 were especially careful to ‘clean out’ this sector” is that they “feared the spread of. . . resistance from the labor unions to their economic programs, which were based on tightening salaries and denationalizing the economy.”

Some of the most infamous human rights violations of this era, which have tended to be viewed as sadistic acts carried out by antidemocratic regimes, were in fact either committed with the deliberate intent of terrorizing the public or actively harnessed to prepare the ground for the introduction of radical free-market “reforms.” In Argentina in the seventies, the junta’s “disappearance” of thirty thousand people, most of them leftist activists, was integral to the imposition of the country’s Chicago School policies, just as terror had been a partner for the same kind of economic metamorphosis in Chile.”

NAOMI KLEIN.
The Shock Doctrine: The Rise Of Disaster Capitalism.

shock_doctrine_xlg

UMA DAS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA: O Golpe do Estado no Chile em 11 de Setembro de 1973

allendeUMA DAS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA

Dentre as “veias abertas da América Latina” – para lembrar o título do clássico livro de Eduardo Galeano – está este episódio histórico traumático na história de nosso continente: no dia 11 de Setembro de 1973, o Chile, que havia vivido 41 anos de regime democrático, sofre um golpe militar; o palácio de La Moneda é bombardeado, o presidente Salvador Allende é morto e um coup d’état instaura a ditadura Pinochet.

noO tirano (des)governaria o país até ser varrido pelo Plesbiscito de 1988 (cuja crônica cinematográfica brilhante foi filmada por Pablo Larraín e estrela por Gael Garcia Bernal em “No”). O 11 de Setembro de 1973 foi o choque inicial que conduziria o Chile a um dos períodos históricos mais terríveis de sua história: a ditadura Pinochet foi responsável por milhares de mortes, torturas e “desaparecimentos”.

Segundo o clássico documentário “A Batalha do Chile” (de Patricio Gúzman), foi de fato ampla e determinante a participação dos EUA, em aliança com as elites oligárquicas chilenas, na instauração de regimes autoritários e fascistas por toda a América Latina (inclusive aqui no Brasil, em 1964) – e no Chile não foi diferente. Segundo Guzmán, as Forças Armadas chilenas receberam um auxílio de 45 milhões de dólares do Pentágono, o que equivale a mais de um 1/3 de todo o capital “emprestado” pelos EUA desde a eleição de Allende em 1970. Além disso, mais de 4 mil oficiais do Exército chileno foram treinados pelos Estados Unidos e este mantinha mais de 40 agentes da CIA infiltrados no movimento de oposição à Allende.

Como nos lembra a Naomi Klein no “Doutrina do Choque”, também foi determinante no golpe contra Allende a ação nos bastidores de Milton Friedman, “considerado o economista mais influente do último meio século” (KLEIN: 2007, p. 15), um dos papas da doutrina neoliberal:

naomi“Milton Friedman aprendeu a explorar os choques e as crises de grande porte em meados da década de 1970, quando atuou como conselheiro do ditador chileno, o general Augusto Pinochet. Enquanto os chilenos se encontravam em estado de choque logo após o violento golpe de Estado, o país sofria o trauma de uma severa hiperinflação. Friedman aconselhou Pinochet a impor uma reforma econômica bastante rápida – corte de impostos, livre-comércio, serviços privatizados, corte nos gastos sociais e desregulamentação. (…) Ficou conhecida como ‘a revolução da Escola de Chicago’, pelo fato de que muitos economistas de Pinochet tinham estudado sob a orientação de Friedman na Universidade de Chicago. (…) Desde então, sempre que os governos decidem impor programas radicais de livre mercado, o tratamento de choque [the shock doctrine] tem sido o seu método preferido.” (KLEIN, A Doutrina do Choque, p. 17)

Hoje em dia, já estamos acostumados com a ideia, historicamente muito recente, de que existem crimes contra a humanidade e violações dos direitos humanos que se manifestam em atos de genocídio e limpeza étnica, e que estes devem ser julgados por um Tribunal Penal Internacional. Porém, isto está longe de funcionar como seria desejável, como nos lembra muito a propósito Joel Birman: “Se Milosevich, da Sérvia, pôde ser enviado a Haia para responder juridicamente sobre genocídio, Pinochet, o carrasco chileno, foi protegido de maneira espúria, pois evidenciaria, caso fosse julgado, a participação direta dos Estados Unidos no golpe de Estado sangrento que derrubou Allende e enterrou durante décadas a democracia no Chile.” (JOEL BIRMAN, Cadernos Sobre o Mal, Ed. Civilização Brasileira, pg. 130)

Em uma matéria recente, Cynara Menezes relembra um episódio da vida chilena do começo dos anos 70: a longa visita do líder da Revolução Cubana, Fidel Castro, ao país [http://bit.ly/1edowaC]. Acredito que Fidel, estando bem “antenado” e experenciado em relação às perversidades dos yankees contra os regimes de esquerda da América Latina e Central, já que Cuba havia sofrido muitos ataques (Baía dos Porcos etc.) e bloqueios econômicos, deve ter feito todo o possível para alertar Allende sobre o perigo que seu regime corria. Em 11 de Setembro de 1973, o golpe de Estado foi uma espécie de confirmação dos piores pesadelos de Fidel – e mais um episódio onde ficou provado que o Império não hesita em se utilizar de medidas fascistas para instaurar, à força de bala e com tanques de guerra, o “Livre-Mercado”, para festa das mega-corporações transnacionais e dos produtos made in U.S.A…

pinochetO Chile ainda se recupera da terapia de choque que lhe foi infligida por 17 anos pela ditadura Pinochet, que governou “tocando o terror” na população através das “celas de tortura do regime, infligindo choques aos corpos retorcidos daqueles que foram considerados obstáculos à transformação capitalista. Na América Latina, muitos enxergaram uma conexão entre os choques econômicos que empobreceram milhões e a epidemia de tortura que flagelou centenas de milhares de pessoas que acreditavam num tipo diferente de sociedade”. (KLEIN: 2007, p. 17)

O episódio é uma boa demonstração de que a mais recente versão do capitalismo selvagem, o chamado neoliberalismo, antes de ser implantado nos países capitalistas avançados, capitaneado por Tatcher no Reino Unido, Reagan nos EUA e Deng Xiaoping na China – como exposto em minúcia no livro “Neoliberalismo” de David Harvey (2008) – utilizou o Chile como seu “laboratório” experimental.

Salvador Allende, desde sua eleição à presidência em 1970, havia realizado transformações amplas na sociedade chilena, pavimentando o caminho para uma sociedade socialista. Suas ações iam na direção oposta ao que recomendam os cânones neoliberais: ao invés de privatizações e desregulamentações, favoráveis ao lucro de corporações privadas, o governo Allende trabalhou em prol da nacionalização de empresas, minas e terras.

Allende expropriou 15 milhões de hectares de terras que estavam concentradas nas mãos de latifundiários e as redistribuiu. Estatizou todos os bancos e retornou o controle de quase todas as fábricas ao comando dos próprios operários. Defendeu com punho-de-ferro a autonomia do Chile diante dos exploradores estrangeiros, em especial os EUA, que viam com muita desconfiança estas “iniciativas marxistas” que se assemelhavam a muitas instauradas em Cuba após a Revolução de 1959. Allende resistiu no poder por mais de 3 anos, respaldado por apoio popular intenso e imenso. Com frequência massas que superavam 100 mil pessoas tomavam as ruas bradando a uma só voz: “Allende, Allende, el pueblo te defiende!” ou “Allende, tranquilo, o povo está contigo!”

Em 2001, quando em outro 11 de Setembro as torres gêmeas do World Trade Center vieram abaixo e o Pentágono viu-se sob ataque, os EUA puderam sentir na pele o gosto amargo de um ato terrorista genocida perpetrado por aqueles que os próprios Yankees haviam ajudado e armado, no fim dos anos 1970, contra os soviéticos. Ao invés de tentarem compreender as razões para o anti-americanismo visceral, tão disseminado nos países islâmicos e em muitos pontos da Ásia e da América Latina, os EUA lançaram sua nova Cruzada: a Guerra ao Terror. Ao invés de olharem para seu próprio passado como potência imperialista, em que os EUA realizou inúmeras agressões a outros países e feriu a autonomia e o direito de auto-determinação de outras nações, prosseguiram no caminho do militarismo autoritário que pretende “exportar Democracia” através da violência brutal. Uma lógica semelhante àquela que levou as bombas atômicas a serem lançadas sobre o Japão, o veneno letal (napalm) a chover sobre a população civil do Vietnã e do Camboja, além do apoio militar e financeiro às Ditaduras Militares latino-americanas…

Mais de uma década após as invasões do Afeganistão e o Iraque, a política externa americana não só acarretou uma imensa mortandade no Oriente Médio, como também gerou a emergência do Estado Islâmico, uma espécie de nova encarnação do Islã militante e jihadista, hoje esparramado pela Síria e pelo Iraque. Durante seus mandatos, Barack Obama nos EUA e Stephen Harper no Canadá mantiveram sua coalização de “intervenção humanitária” para salvar o mundo do Mal; vêm aí, é claro, novos genocídios e campanhas militares “anti-terroristas”, em que é de se esperar uma imensa tragédia humanitária no Oriente Médio. Não há sinal de que as elites imperiais pretendam parar de agir com a soberba sanguinária de quem se acha “Xerife do Mundo”. E assim caminhamos, a passos largos, rumos a novas hecatombes e barbáries.

allende11 COMPARTILHAR

Para matar al hombre de la paz
para golpear su frente limpia de pesadillas
tuvieron que convertirse en pesadilla,
para vencer al hombre de la paz
tuvieron que congregar todos los odios
y además los aviones y los tanques,
para batir al hombre de la paz
tuvieron que bombardearlo hacerlo llama,
porque el hombre de la paz era una fortaleza
Para matar al hombre de la paz
tuvieron que desatar la guerra turbia,
para vencer al hombre de la paz
y acallar su voz modesta y taladrante
tuvieron que empujar el terror hasta el abismo
y matar mas para seguir matando,
para batir al hombre de la paz
tuvieron que asesinarlo muchas veces
porque el hombre de la paz era una fortaleza,
Para matar al hombre de la paz
tuvieron que imaginar que era una tropa,
una armada, una hueste, una brigada,
tuvieron que creer que era otro ejercito,
pero el hombre de la paz era tan solo un pueblo
y tenia en sus manos un fusil y un mandato
y eran necesarios mas tanques mas rencores
mas bombas mas aviones mas oprobios
porque el hombre de la paz era una fortaleza
Para matar al hombre de la paz
para golpear su frente limpia de pesadillas
tuvieron que convertirse en pesadilla,
para vencer al hombre de la paz
tuvieron que afiliarse siempre a la muerte
matar y matar mas para seguir matando
y condenarse a la blindada soledad,
para matar al hombre que era un pueblo
tuvieron que quedarse sin el pueblo.

Mário Benedetti

* * * * *

Siga viagem:



* * * *

* * * * *

no
“NO” (Chile, 2012), um filme dirigido por Pablo Larraín, baseado na obra de Antonio Skármeta e estrelado por Gael Garcia Bernal, revela os detalhes do plebiscito de 1988 que acabou decidindo pela derrubada da Ditadura Pinochet que havia sido instaurada em 11 de Setembro de 1973 [http://bit.ly/2cNXicM]. Vibre com os detalhes da História latino-americana na dura luta pela conquista de uma democracia sempre imperfeita.

ASSISTA (legendado em português):

FAÇA O DOWNLOAD (torrent – 1.8 gb):
http://bit.ly/2cQHNDW

COMPARTILHE NO FACEBOOK