O suicídio de Assis Valente e o Papai Noel da Coca-Cola – Por Diego Mascate

Assis Valente nos arcos da Lapa (RJ), em 1951

O suicídio de Assis Valente e o Papai Noel da Coca-Cola 

Por Diego Mascate
Coluna Abutre da Cultura #2 @ A Casa de Vidro

“Anoiteceu
O sino gemeu
A gente ficou
Feliz a rezar

Papai Noel
Vê se você tem
A felicidade
Pra você me dar

Eu pensei que todo mundo
Fosse filho de papai noel
Bem assim felicidade
Eu pensei que fosse uma
Brincadeira de papel

Já faz tempo que eu pedi
Mas meu Papai Noel não vem
Com certeza já morreu
Ou então
Felicidade é brinquedo
Que não tem.”

ASSIS VALENTE (1911 – 1958), Boas Festas

Estes versos melancólicos, do clássico “Boas Festas”, fazem parte do imaginário popular brasileiro. Parece folclore, nem parece fruto da imaginação de um compositor. Assis Valente compôs este hino no Natal de 1932, quando morava em Icaraí (Niterói), longe de sua família. No quarto, em um momento de profunda tristeza, veio a inspiração, ao ver na parede um quadro de uma menina dormindo com um sapatinho ao lado. Ali, na solidão, ele imaginava a cena contraditória: pessoas “felizes a rezar”, junto com a súplica pela felicidade.

Era a contradição de Assis Valente, entre a piada e a depressão: homossexual em uma sociedade machista, negro em um país racista, ia “cantando, fingindo alegria”. “Boas Festas”, gravada em 1933, por Carlos Galhardo, com o acompanhamento dos Diabos do Céu – conjunto de Pixinguinha –, além de se tornar um grande sucesso popular, também revelava aquele talento, que depois diria: “Papai Noel não tinha vindo, mas eu havia ganho um presente: a melhor de minhas composições”.

Após o sucesso desta música, Assis Valente passa a ser reconhecido como um brilhante cronista de sua época, retratando o cenário carioca de crescimento urbano, através de suas canções. Valorizando a cultura nacional (como em “Brasil Pandeiro”), experimentou a fama nos anos 30 e 40, quando foi procurado por vários cantores. A vida boêmia do Rio de Janeiro inspiraria muitas de suas músicas marcadas pela crítica social bem humorada – como “Camisa Listrada” (sucesso na voz de Carmen Miranda). Amigos, bebida, fama… “Salve o prazer!”


Mas ele sabia que nem todos são filhos de Papai Noel. A lenda do bispo São Nicolau (o bom velhinho que deixava um saquinho com moedas para os pobres) tinha sido, em 1931 (um ano antes de “Boas Festas”), usada em uma campanha publicitária, que também marcou o imaginário popular. Era a campanha natalina da Coca-Cola, que se utilizava da imagem do velhinho caridoso (criada por um cartunista alemão do século XIX) para espalhar pelo mundo o vermelho da empresa e um modo de vida. Este Papai Noel (bem definido pela banda punk Garotos Podres como “porco capitalista que presenteia os ricos e cospe nos pobres”) não podia trazer a felicidade para Assis Valente.

Desiludido com o Papai Noel (que “com certeza já morreu”), a partir de 1940, Assis assistia a queda do sucesso e a depressão se agravar. Em uma de suas tentativas de suicídio, se jogou do Corcovado; mas foi salvo pelos bombeiros, que tiraram-lhe de uma árvore.

Nos anos 50, torna-se uma figura praticamente esquecida. Angustiado e solitário, protagonizava uma vida repleta de ironias e ambigüidades. Valente, aquele que cuidava de sorrisos em um laboratório de prótese dentária; que foi comediante de circo na infância; que fez tanta gente rir com seus sambas engraçados; que compôs a nossa trilha sonora da ceia de 25 de dezembro… decidia dar o fim em sua própria vida. O ano era 1958, o “ano da bossa nova” (ritmo que embalava a esperança dos tempos JK). Assis Valente se matava, ingerindo formicida com guaraná, no fim da tarde de 10 de março daquele ano. O Papai Noel da Coca-Cola não trouxe a felicidade.

P.S. – Este artigo foi originalmente publicado no jornal  Diário da Manhã de Goiânia em Dezembro de 2010 e é aqui republicado por seu autor, o historiador e cantor-compositor Diego de Moraes (Diego Mascate), na segunda edição de sua coluna Abutre da Cultura. Abaixo, conheça uma das canções de Diego, “Antes Que Eu Enlouqueça”, além de uma foto do Mascate pivete, aos 7 anos de idade (em 1992), vestido de Papai Noel.

Canção do álbum Diego Mascate – A.C.:

Saiba mais sobre a carreira e a obra de Diego de Moraes nas resenhas dos álbuns Parte de Nós (Diego e o Sindicato) e A Dança da Canção Incerta (Pó de Ser), por Eduardo Carli de Moraes




ESCUTE AÍ:

ASSIS VALENTE NÃO FEZ BOBAGEM – 100 ANOS DE ALEGRIA (Coletânea – CD Duplo)


Tárik de Souza em Carta Capital / 21 dez 2011.

O compositor Assis Valente (1911-1958) teve uma vida trágica, mas perpetuou a alegria em sua obra. Alguns de seus melhores sambas e marchas estão no CD duplo Assis Valente não fez bobagem – 100 anos de alegria (EMI), entre releituras (CD 1) e gravações originais (CD 2).  No primeiro, Novos BaianosMaria BethâniaMaria Alcina, Martinho da Vila, Wanderlea, Marília Pêra, Isaurinha Garcia, Aracy de Almeida e outros mestres dão aula de ritmo e irreverência. Destaque para raridades como Um jarro d’água, na voz de MarleneRecenseamento, na de Ademilde Fonseca e o clássico Boas festas, com Doris Monteiro. Já no segundo, seus intérpretes mais constantes, Carmen Miranda e o Bando da Lua, se alternam com Dircinha Batista, 4 Ases e 1 Coringa, Orlando Silva, Carlos Galhardo e Moreira da Silva, na maioria em registros dos anos 30, auge da carreira do compositor. Vale ainda mencionar a qualidade técnica dessas gravações, apesar de tão antigas, e o fato de a maioria ser inédita no formato digital. O álbum acompanha uma mini-biografia escrita por mim, todas as letras e os anos originais de lançamento. Uma delícia! – Rodrigo Faour

DOWNLOAD CD 1 – DOWNLOAD CD 2
(VIA MEDIAFIRE ACASADEVIDRO)





ASSISTA AÍ:

TV BRASIL  – Programa De Lá Pra Cá

– Participam deste programa o pesquisador da música brasileira Carlos Monte, o jornalista e crítico musical Antonio Miguel e o cantor e compositor Moreno Veloso.

REDE GLOBO – Programa Som Brasil


LEIA AÍ:
ENTREVISTA COM O GONÇALO JUNIOR, JORNALISTA BAIANO, AUTOR DO LIVRO:

APRESENTAÇÃO – Em Quem samba tem alegria, Gonçalo Junior conta a vida, a obra e o tempo do autor de músicas fundamentais da chamada Era de Ouro do rádio, como “Boas festas” (“Eu pensei que todo mundo fosse filho de Papai Noel”), “Cai cai balão”, “Alegria”, “Boneca de pano”, “Brasil pandeiro” e “Camisa listada”, entre tantas outras. Um talentoso e incompreendido artista que encontrou na solidão e na tristeza, trazidas da infância sofrida, a inspiração para criar alguns dos mais importantes clássicos da MPB. Entre outras revelações, o autor desnuda o submundo da música e do rádio, com seus vilões ardilosos, intrigas, roubo, compra de sambas e marchas, que ajudaram Assis Valente a ter um fim trágico. E aponta um provável motivo guardado a sete chaves por mais de sete décadas para tantas dívidas. [COMPRAR O LIVRO NA AMAZON]


[COMPARTILHE NO FACEBOOK]

[COMPARTILHE NO TWITTER]

Abutre da Cultura – por Diego de Moraes

“Oi? Alô?”

Aqui quem fala é o Diego de Moraes, vulgo Diego Mascate.

Hoje é só uma “passagem de som” (ou melhor, de caracteres…) para dar início ao…

 ABUTRE DA CULTURA

Espaço de lampejos esporádicos, divagações aleatórias, divulgações instantâneas e outras viagens mais.

O parça Eduardo Carli me convidou pra ter uma coluna livre aqui na Casa de Vidro, esse não-lugar fronteiriço aberto a pulverizar novidades (do presente e do passado) e a difundir filosofagens (sobre temas tão variados), “plugando consciências no amplificador”. Fiquei honrado com o convite, tanto por gostar tanto do site/blog, como pela gratidão que tenho pelo inestimável apoio do Carli nos últimos anos afim de divulgar minhas “viagens” sonoras/poéticas/etc. – como nos textaços sobre os álbuns: “Parte de Nós” (Diego de Moraes & O Sindicato), “A.C” (Diego Mascate) e o novo  “A Dança da canção incerta” (Pó de Ser), além de infinitos bate-papos permeados por sintonias estéticas e i(deo)lógicas.

Cogitei fazer dessa minha coluna com escoliose uma espécie de “Geleia Geral” – nome do polêmico espaço que Torquato Neto manteve entre 1971 e 1972 no jornal Última Hora (RJ), sintonizando-se a todo um movimento da “contra (ou a favor da…?) cultura” da época. “Geleia Geral” é uma expressão que Torquato copiou (Control C/Control V...) do mestre concretista/semiótico Décio Pignatari (que a criou em 1963 numa pendenga com Cassiano Ricardo, ao expulsá-lo da revistaInvenção), dando-lhe uma dupla-função: nomeou a coluna no jornal e  também batizou uma das mais importantes canções/manifestos da Tropicália, essa famosa parceria desse “anjo torto de Teresina” com Gil:

“Uma poeta desfolha a bandeira e a manhã tropical se inicia”, ligando o “bumba-meu-boi” do folclore nordestino com o iê-iê-iê beatlemaníaco.

 Vai aí um trechinho da coluna torquatêira…. Geleia Geral.jpg

Esse poema foi recitado pelo grande Paulo José num especial preparado pela Rede Globo para o Fantástico, no ano/punk de 1977, por ocasião dos cinco anos do suicídio do poeta.

Pedrada quente com a trilha sonora encabeçada pelo mestre Macao, espia:

  “Poetas imaturos imitam; poetas maduros roubam” (T. S. Eliot)

Torquato “roubou” a “Geléia” do Pig… e eu pensava qual seria o nome da minha coluna aqui… De quem eu “roubaria”?

Até que me aparece no festival de Bowies que virou minha timeline: essa entrevista do mestre para a MTV brasileira em 1997 (Turnê Earthling), na qual ele se auto-define:

“Sou um abutre da cultura.”

Mil faces

Bowie

Pimba! A expressão caiu como uma luva para os propósitos antropofágicos da coluna aqui!

O “abutre da cultura” fica como metáfora para a devoração obsessiva da arte, da poesia e de diversos sabores  lisérgicos e estimulantes.

Do “morto” realimentar a matéria  orgânica do “vivo”. Buscar o “novo”, mesmo que seja no passado, atento ao presente e vislumbrando o futuro, “um museu de grandes novidades”

Ou como escrevi no final de 69:

“A velha-guarda da vanguarda
Anunciando o novo
que é papo velho.”

  • E qual a novidade pra hoje (Sábado, 13/12)?

Uai, hoje participarei em Goiânia do show A SÉTIMA EFERVESCÊNCIA, em homenagem ao MAN Júpiter Maçã (Júpiter Apple) que vai rolar no Evoé, “um lugar do caralho”!

Até saiu essa matéria na capa do DM Revista, ó:

Jupiter no DM

Simbóra lá?!
No próximo post falo mais desse “mosaico de imagens mil”… ok?
Júpiter Evoé.jpg
Inté!
Beijo do magro! 😉

Diego de Moraes