BIBLIOPHILIA 2018 – Diário de Leituras

  • ALEJO CARPENTIER – Concerto Barroco (Cia das Letras, 2008)
  • ALEJO CARPENTIER – Visión de América (Buenos Aires, Losada, 1999)
  • JOSÉ MARTÍ – Nuestra América (Brasília: UnB, 2011)
  • ANTONIO SKÁRMETA – El Cartero de Neruda (Santigo do Chile: Randomhouse, 4a ed, 2012)
  • MARIO VARGAS LLOSA – El Paraíso En La Otra Esquina
  • JOSÉ CARLOS MARIÁTEGUI – Revolução Russa – História, Política e Literatura (São Paulo: Expressão Popular, 2014)
  • HENRI FAVRE – A Civilização Inca (Jorge Zahar, RJ, 2004)
  • FERNANDO BONASSI – O Pequeno Fascista (Cosac Naify, 2005)
  • GIORGIO AGAMBEN – Homo Sacer (UFMG)
  • KARL JASPERS – A Questão da Culpa: A Alemanha e o Nazismo (Todavia, 2018)
  • AMANDA BRANDÃO RIBEIRO, “Relampejos do Passado: Memória e Luto dos Familiares de Desaparecidos Políticos da Ditadura Civil Militar Brasileira” (SP, Unifesp, 2017)
  • BERNARDO KUCINSKI, Os Visitantes
  • FERNANDO BOSCO, A Vítima Tem Sempre Razão? Lutas identitárias e o novo espaço público brasileiro  (2017, Ed. Todavia)
  • EDSON TELES, Democracia e Estado de Exceção – Transição e Memória Política no Brasil e na África do Sul (Ed. Unifesp – Universidade Federal de São Paulo, 2015)
  • ANDRÉ FORASTIERI, O Dia Em Que O Rock Morreu
  • LEANDRO KONDER, Flora Tristán – Uma Vida de Mulher, Uma Paixão Socialista (Relume Dumará, 1994)
  • STEVEN NADLER, Um Livro Forjado No Inferno (Três Estrelas)
  • RÉGIS DEBRAY, Deus – Um Itinerário (Cia das Letras)