O BRASIL CONSTRÓI RUÍNAS EM DIMENSÕES CONTINENTAIS – Conheça o novo livro de Eliane Brum

O BRASIL CONSTRÓI RUÍNAS EM DIMENSÕES CONTINENTAIS

A jornalista e escritora Eliane Brum, nascida em Ijuí (RS) em 1966, acaba de lançar seu novo livro: “Brasil: Construtor de Ruínas – Um Olhar Sobre o País, de Lula a Bolsonaro” (Arquipélago Editorial, 2019, 303 pgs). Este é o sétimo livro da autora, que antes já havia publicado as seguintes obras: “Coluna Prestes: o avesso da lenda” (grande reportagem), “A vida que ninguém vê” (Prêmio Jabuti de melhor livro de reportagem), “A menina quebrada” (artigos), “O olho da rua” (reportagens), “meus desacontecimentos” (memórias) e “Uma duas” (romance).

Atualmente, Eliane é colunista do jornal EL PAÍS Brasil e colaboradora do The Guardian. Vive em Altamira, na Amazônia, e tem nos conclamado a perceber o contexto amazônico, usualmente abandonado à periferia de nossas preocupações, como “o centro do mundo”. A Casa de Vidro, após uma leitura atenta e entusiasmada deste belíssimo livro, repleto daquele “jornalirismo” que Brum vem desenvolvendo com maestria ímpar, selecionou alguns trechos notáveis para compartilhar com nossos leitores. Boa leitura e reflexão!

* * * * *

Uma das ilhas do Xingu, desmatada e queimada para o enchimento do lago de Belo Monte.

“O Brasil nunca teve políticas de inclusão da população negra desde a abolição formal da escravatura, em 1888. Os descendentes dos quase 5 milhões de africanos escravizados que chegaram à costa brasileira, alimentando com corpos humanos um comércio que durou mais de 3 séculos, são ainda hoje os que vivem pior e morrem mais cedo. O Brasil foi o último país das Américas a abolir a escravidão negra. Este fato não é um acaso. E deixou marcas profundas. O racismo estrutura a sociedade brasileira. O enfrentamento dessa realidade foi encoberto por décadas pelo mito da ‘democracia racial’, aquele que diz que no Brasil não há conflitos entre brancos e negros. Desde, é claro, que os negros aceitem seu lugar subalterno na sociedade brasileira e aceitem liderar as piores estatísticas de vida e de morte.

(…) Uma parcela considerável dos brasileiros nunca compreendeu que era pelo país que as ações afirmativas precisavam ser feitas, que era também por eles, mesmo que brancos. Uma parcela dos brasileiros jamais entendeu o que são ações afirmativas e, assim, também não foi capaz de perceber que as cotas raciais eram políticas tímidas e insuficientes diante da injustiça histórica cometida contra os negros. Corrigi-la não significa apenas implementar políticas públicas atrasadas em mais de um século para os negros, que hoje representam a maioria da população, mas tentar ampliar as chances de o Brasil como país ser capaz de realizar a si mesmo.

Quando se condena a maioria da população a uma educação que não educa, a subempregos que não permitem ampliar seu potencial, quando não à morte precoce por falta de acesso à saúde ou por bala, não há chances de se tornar um país que seja mais do que uma soma de precariedades e um constante perpetuador de abusos. Também não há como barrar o massacre cotidiano que destrói em número muito maior os filhos de mães negras.” (pg. 36-37)

* * * *

INTERLÚDIO 1

“Saíram da África 12 milhões e meio de seres humanos. Chegaram 10 milhões e 700 mil. Morreram na travessia 1 milhão e 800 mil pessoas. Se dividir isso pelo número de dias, dá 14 cadáveres, em média, lançados ao mar todos os dias ao longo de 350 anos. Um número tão alto que, segundo depoimentos da época, isso mudou o comportamento dos cardumes de tubarões no Oceano Atlântico, que passaram a seguir os navios negreiros”. Laurentino Gomes, historiador, em Conversa Com Bial

* * * *

ELIANE BRUM continua: “Se, em 2002, a obra cultura paradigmática do Brasil era Cidade de Deus, o filme, em 2006 foi Falcão, meninos do trágico, o documentário de MV Bill e Celso Athayde. Ao mostrar a vida – e a morte – dos ‘soldados’ do tráfico em favelas pelo Brasil, Falcão causou enorme impacto em pessoas que não costumavam se impactar com o genocídio dos meninos negros e pobres nas favelas e periferias: dos 17 entrevistados, todos muito jovens, apenas um havia sobrevivido para assistir ao programa naquela noite de domingo [em que o documentário foi exibido no Fantástico, da TV Globo]. Não era ficção, as mortes tinham sangue e carne…” (p. 25)

* * * *

INTERLÚDIO 2 – Lili Schwarz recebe o jurista, professor e presidente do Instituto Luiz Gama, Silvio Almeida, autor do livro “Racismo Estrutural”:

 

‘Falcão – Meninos do Tráfico’ é um documentário brasileiro produzido pelo rapper MV Bill, pelo seu empresário Celso Athayde e pelo centro de audiovisual da Central Única das Favelas que retrata a vida de jovens de favelas brasileiras envolvidos no tráfico de drogas. A produção independente se tornou popular principalmente por sua transmissão no programa semanal da TV Globo Fantástico, um dos mais famosos no Brasil. O documentário foi feito entre 1998 e 2006 em que os produtores visitaram diversas comunidades pobres do Brasil, registrando em 90 horas na maioria do tempo em forma digital, e um pouco em VHS. O nome do documentário é em razão do termo “falcão” usado nas favelas, que designa aquele cuja tarefa é vigiar a comunidade e informar quando a polícia ou algum grupo inimigo se aproxima. Os dois produtores tiveram que enfrentar o ambiente hostil onde viviam os jovens. A repercussão do documentário no país foi grande, sendo largamente comentado e discutido.

* * * * *

“A produção de inimigos para a população odiar se mostrou um negócio cada vez mais lucrativo no período que precedeu o impeachment. Líderes evangélicos fundamentalistas, como Silas Malafaia, tinham descoberto que as guerras morais seriam um atalho para o poder e para Brasília. O pastor e deputado federal Marco Feliciano – então no PSC, depois no Podemos – foi um dos que se tornaram personagens frequentes no noticiário a partir da descoberta desse filão.

Se há tantos que se sentem humilhados e diminuídos por uma vida de gado, por que não convencê-los de que são melhores do que os outros pelo menos em algum quesito? Que tal dizer a eles que são superiores porque têm a família ‘certa’, aquela ‘formada por um homem e uma mulher’? E então dar a esses fiéis seguidores pelo menos um motivo para pagar o dízimo alegremente, distraídos por um instante da degradação do seu cotidiano? Fabricar ‘cidadãos de bem’ numa tábua de discriminações e preconceitos tem se mostrado uma fórmula de sucesso no mercado da fé. E também no leilão de Brasília.

A invenção de inimigos dá lucro e mantém tudo como está, porque, para os profetas do ódio, o Brasil está ótimo e rendendo dinheiro como nunca. Ou que emprego teriam alguns apresentadores se não tiverem mais corpos mortos para ofertar no altar da TV? Ou que lucro teria certo tipo de ‘religioso’ que criou seu próprio mandamento – ‘odeie o próximo para enriquecer o bispo’? Ou que voto teria um deputado da estirpe de Eduardo Cunha se os eleitores exigissem um projeto para o país e não para os seus pares? Para estes, que estimulam o ódio e comercializam o medo, o Brasil nunca esteve tão bem. E era preciso que continuasse exatamente assim. Ou pior.” (pg. 85)

* * * *

“O juiz que condenou e mandou prender o candidato em primeiro lugar nas pesquisas se tornou ministro do principal beneficiado pela prisão. Segundo o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, a sondagem a Moro foi feita ainda durante a campanha presidencial. Moro e Bolsonaro negam.

A impossibilidade ética de se tornar ministro da Justiça do governo do principal beneficiado pela prisão de Lula é evidente. Grita. Mesmo assim, mais uma vez, uma parte da população defendeu o indefensável. O vale-tudo mostrou que a compreensão do que é corrupção, no Brasil, é simples: corrupção é o que o outro faz.” (p. 138)

 

Sobre www.acasadevidro.com

Ponto de cultura em Goiânia. Plugando consciências no amplificador. Encabeçado por Eduardo Carli de Moraes, professor de Filosofia no (IFG). Jornalista e Documentarista independente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s