ELES NÃO USAM BLACK-TIE: Cine-debate sobre o filme de Leon Hirszman, baseado em peça de Guarnieri

Galera: está chegando o Cinedebate Contestasom​, 2ª Edição. Vamos exibir e discutir acaloradamente o clássico do cinema brasileiro “ELES NÃO USAM BLACK-TIE” (1981), um filme de Leon Hirszman​, baseado na peça de teatro de Gianfrancesco Guarnieri. O evento integra o II Simpósio de Ciências Sociais do Instituto Federal de Goiás – Câmpus Anápolis​. Será na segunda (24/9), às 16h30, Sala S-405. Debatedores: Eduardo Carli de Moraes​ e Raphael Fillipe​. Estão todos convidados!
“ELES NÃO USAM BLACK-TIE”, de Gianfrancesco Guarnieri, patenteia a tese segundo a qual o indivíduo que procura salvar-se sozinho, desconhecendo o interesse coletivo, se vota à solidão irremediável e ao desprezo dos demais. – SÁBATO MAGALDI, Panorama do Teatro Brasileiro, 1962, p. 229-231

* * * * *

“ELES NÃO USAM BLACK-TIE” põe diretamente o dedo na ferida. A greve é o seu tema ostensivo, uma greve operária, de reivindicação de melhores salários, que acaba por separar pai e filho.O pai, revolucionário consciente de seus fins, forte da força de sua classe, é um dos cabeças do movimento.

O filho, criado, por circunstâncias várias, em ambiente diverso, pensa em primeiro lugar no próprio futuro… Sua posição, no fundo, não diverge muito da de qualquer rapaz de 20 anos chamado a decidir pela primeira vez entre suas conveniências pessoais e certos apelos de outra natureza, menos egoístas e mais generosos.

(…) É admirável, com efeito, a isenção com que a peça de Guarnieri, jogando pai contra filho, equilibra os dois pratos da balança. APenas ao final intervém o autor, fazendo a noiva abandonar o operário, que, traindo a greve, traíra seus amigos e companheiros.” – DÉCIO DE ALMEIDA PRADO, Teatro em Progresso, pg. 132-134

* * * *

Leon Hirszman, desde o início da sua produção profundamente vinculado ao movimento político-cultural dos anos 50/60, é imediatamente associado ao cinema de cunho nacional-popular. O que é um fato. Marxista, membro do PCB, um dos fundadores dos CPCs (Centro Popular de Cultura) da UNE em 1961, flamenguista, apaixonado por MPB, morador de Vila Isabel e frequentador da Escola de Samba Mangueira, em sua vida como em sua obra Leon voltou-se essencialmente para o Brasil e as questões populares. – HELENA SALEM, O Navegador das Estrelas, Rocco, p. 44.

Sobre www.acasadevidro.com

Plugando consciências no amplificador. Professor de Filosofia no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG). Documentarista independente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s