“O Golpe de 2016 e o Futuro da Democracia no Brasil”: Matéria de Luis Felipe Miguel na UnB sob ameaça de censura do MEC

 

“O Golpe de 2016 e o Futuro da Democracia no Brasil”: eis a salutar disciplina que o cientista político Luis Felipe Miguel irá ministrar neste semestre na UnB – Universidade de Brasília. Acesse a ementa e os textos básicos desta matéria: http://bit.ly/2sNnLTx. Porém, ela está sob ameaça de censura por parte do Ministério da Educação – MEC, chefiado por Mendonça Filho (DEM) após o golpeachment [saiba mais em O Globohttps://glo.bo/2Cccdgx]. É a “Escola Sem Partido” virando política de Estado encampada pelo próprio MEC? É a mordaça golpista querendo calar a voz daqueles que resistem à opressão dentro da Universidade e realizam o trabalho indispensável do pensamento crítico e da denúncia das injustiças?

EMENTA – A disciplina tem três objetivos complementares: (1) Entender os elementos de fragilidade do sistema político brasileiro que permitiram a ruptura democrática de maio e agosto de 2016, com a deposição da presidente Dilma Rousseff. (2) Analisar o governo presidido por Michel Temer e investigar o que sua agenda de retrocesso nos direitos e restrição às liberdades diz sobre a relação entre as desigualdades sociais e o sistema político no Brasil. (3) Perscrutar os desdobramentos da crise em curso e as possibilidades de reforço da resistência popular e de restabelecimento do Estado de direito e da democracia política no Brasil.

A Revista Fórum informa ainda que “o Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp acaba de criar uma disciplina com o mesmo nome daquela que será ministrada pelo professor Luis Felipe Miguel, da Universidade de Brasília (UnB): “O golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil”. Na Unicamp, cada docente dará uma palestra no curso em solidariedade ao professor Miguel, que vem sendo perseguido pelo ministro da Educação do governo Michel Temer, Mendonça Filho. O MEC anunciou que acionará o Ministério Público Federal para apurar suposto “ato de improbidade” por parte de quem criou a disciplina na UnB.

A disciplina do IFCH da Unicamp terá basicamente o mesmo conteúdo da oferecida pela UnB, em solidariedade ao professor Luis Felipe Miguel e em desobediência coletiva contra o autoritarismo e agressão contra a autonomia universitária e liberdade de cátedra.”

 * * * *

Charge no início do post por Renato Aroeira, em homenagem à pintura clássica de Francisco Goya (O Fuzilamento de 3 de Maio), representa a presidenta re-eleita Dilma Rousseff sendo alvejada por uma gangue de parlamentares munidos de armas midiáticas. A presidenta deposta postou a seguinte nota em solidariedade a Luis Felipe Miguel:

 

* * * * *

* * * * *
 LEIA TAMBÉM:

UMA AVENTURA TEMERÁRIA – Ao envolver Exército numa intervenção esdrúxula, presidente quer embaralhar debate eleitoral e converter Segurança no grande tema. Militares aceitarão associar-se a governo corrupto, entreguista e impopular? – Por Lúcio Flávio Rodrigeus de Almeida em Outras Palavrashttps://outraspalavras.net/brasil/a-mais-temeraria-aventura/

A INTERVENÇÃO MILITAR NO RIO: dos juízes aos generais. “Só há crime organizado quando estão envolvidos agentes do Estado”, diz ex-secretário nacional de segurança pública Luiz Eduardo Soares, em Brasil de Fatohttps://www.brasildefato.com.br/2018/02/17/a-intervencao-militar-no-rio-dos-juizes-aos-generais/

NÃO HOUVE EXPLOSÃO DE VIOLÊNCIA NO CARNAVAL DO RIO, GARANTE ISP. Temer usou a violência no Carnaval deste ano como um dos motivos que o levou a baixar o decreto da intervenção militar no estado do Rio de Janeiro, mas dados oficiais mostram que as ocorrências diminuíram, fazendo sua justificativa cair por terra. Leia em Revista Fórumhttps://www.revistaforum.com.br/nao-houve-explosao-de-violencia-no-carnaval-do-rio-garante-isp/

NOTA DE REPÚDIO DA ANPUH-BRASIL À DECLARAÇÃO DO GENERAL EDUARDO VILLAS BÔAS

ANPUH vem repudiar com veemência o teor da declaração feita na reunião do Conselho da República, na segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018, pelo Comandante do Exército, General Eduardo Villas Bôas, quando, a propósito da intervenção federal no Rio de Janeiro, afirmou que: “militares precisam ter garantia para agir sem o risco de surgir uma nova Comissão da Verdade”. A preocupação do general, por si só, indica a possibilidade de que Direitos Humanos sejam violados na operação em curso, na medida em que a Comissão Nacional da Verdade, criada pela Lei 12.528, de 18 de novembro de 2011, teve a finalidade de esclarecer os fatos e as circunstâncias dos casos de graves violações de direitos humanos cometidos pelo Estado brasileiro ocorridos entre 1946 e 1988. Instalada em 16 de maio de 2012, com competência apenas para investigar e não para julgar e punir os responsáveis, a Comissão Nacional da Verdade foi fruto da incansável luta dos familiares de torturados, mortos e desaparecidos durante o regime militar, respaldados pela sociedade civil organizada. Seu trabalho e desdobramentos têm sido fundamentais para que, finalmente, se possa escrever a história de uma das épocas mais sombrias pelas quais o Brasil passou, garantindo o direito sagrado de o povo brasileiro conhecer a verdade sobre o seu passado para construir o seu futuro. E, certamente, não queremos um futuro em que as arbitrariedades e atrocidades cometidas se repitam. Por isso, a ANPUH-BRASIL expressa sua indignação com a citada declaração e, sobretudo, sua preocupação de que a manifestação do general esteja apontando para a previsão de que a intervenção federal no Rio de Janeiro, que também repudiamos, possa ocorrer ao arrepio do estado democrático de Direito e fora do quadro legal, acompanhada de práticas violentas, semelhantes àquelas demonstradas pela Comissão Nacional da Verdade, ferindo, assim, mais uma vez a recente e frágil democracia brasileira.

Sobre acasadevidro.com

Plugando consciências no amplificador

2 pensamentos sobre ““O Golpe de 2016 e o Futuro da Democracia no Brasil”: Matéria de Luis Felipe Miguel na UnB sob ameaça de censura do MEC

  1. gustavo_horta disse:

    Republicou isso em Gustavo Hortae comentado:
    AS CORPORO-CRACIAS, O DEMO NO PODER
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2017/10/01/as-corporo-cracias-o-demo-no-poder/

    Como eu pude escrever certa vez, estamos mundialmente sob o poder das corporações. Em Matrix imaginou-se um mundo sob o domínio das máquinas…
    Já vivemos sob o poder de organismos autônomos e anônimos, as supercorporações multinacionais. Estamos sob as corporo-cracias….

    Curtido por 1 pessoa

  2. gustavo_horta disse:

    PARECE PIADA, MAS O TRIPLEX É DO MORO: E lá se foi a Petrobras, a indústria naval, empregos e a Democracia
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2018/02/02/parece-piada-mas-o-triplex-e-do-moro-e-la-se-foi-a-petrobras-a-industria-naval-empregos-e-a-democracia/

    PARECE PIADA , MAS NÃO É….O TRIPLEX É DO JUIZ MORO!!!!!

    “QUEM ALARDEIA A MORALIDADE DIFICILMENTE A PRATICA”

    QUE MERDA VIROU NOSSA PÁTRIA AMADA.
    A HISTÓRIA VAI COBRAR A NOSSA OMISSÃO E O NOSSO SILÊNCIO.
    NOSSOS FILHOS PAGARÃO CARO PELA NOSSA PREGUIÇA E LETARGIA.
    SEM PERDÃO.
    COMO ALGUNS DE NÓS PUBLICAMOS HÁ ALGUNS ANOS, ANTES MESMO DO GOLPE CONTRA A DEMOCRACIA BRASILEIRA, TUDO O QUE ELES MAIS QUERIAM ERA O PRÉ-SAL, ERA O FUTURO DA NAÇÃO BRASILEIRA.

    gustavohorta.wordpress.com

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s