20 anos após a obra-prima da literatura contemporânea “O Deus Das Pequenas Coisas”, Arundhati Roy está de volta com o novo romance “O Ministério da Felicidade Absoluta” (Cia das Letras, 2017)

A literatura de Arundhati Roy está profundamente animada por seu ativismo e sempre em intensa dialogação com seus livros de teor político. Em vários momentos de suas histórias, o leitor depara-se com situações históricas que a escritora evoca com tintas fortes e dando a impressão de que escreve, como recomendava Nietzsche, usando como tinta o próprio sangue.

Momentos históricos vultuosos povoam os exuberantes caminhos da narrativa, altamente digressiva, que Arundhaty tece neste novo romance que, 20 anos após sua estréia como romancista, chega ao mundo com a responsabilidade de ser o sucessor de “O Deus Das Pequenas Coisas” (The God Of Small Things), uma das obras-primas máximas da literatura contemporânea.

Cito na sequência 3 trechos que revelam a capacidade impressionante de Arundhati Roy: não satisfeita com pinturas sociológicas complexas e dignas da pluralidade que é “a lei da terra” (Hannah Arendt), ela faz a mágica de tecer histórias a um só tempo altamente idiossincráticas e densas de historicidade.

O primeiro trecho (I) fala sobre o trauma de nascimento que rolou, em 1947, quando nasceram, em guerra, a Índia e o Paquistão como Estados separados; o segundo (II), rememora episódios do governo de Indira Gandhi e seu filho Sanjay em 1976; o terceiro (III), evoca o atentado em Nova York em 11 de Setembro de 2001 e o conecta habilmente aos massacres ocorridos posteriormente em Gujarat, onde centenas de pessoas foram massacradas numa onda de pogroms anti-muçulmanos que vieram na esteira da Guerra Contra o Terror capitaneada pelos EUA…

Com vocês, uma gênia viva da literatura indiana, fiel ao legado de Tagore e Ambedkar, novamente tomando de assalto o cenário literário com uma obra de intensa relevância:

I) “Então veio a Partição. A carótida de Deus explodiu na nova fronteira entre Índia e Paquistão e um milhão de pessoas morreu de ódio. Vizinhos se voltavam uns contra os outros como se não se conhecessem, nunca tivessem ido aos casamentos uns dos outros, nunca cantado as canções uns dos outros…” (p. 23)

(II) “O incidente ocorreu em 1976, no ápice da Emergência declarada por Indira Gandhi e que durou 21 meses. O mimado filho mais novo dela, Sanjay Gandhi, era líder do Congresso Jovem (a ala jovem do partido do poder), e de certa forma conduzia o país, tratando-o como se fosse um brinquedo seu. Suspenderam os Direitos Civis, jornais eram censurados e, em nome do controle populacional, milhares de homens (sobretudo muçulmanos) foram recolhidos a campos e esterilizados à força…” (p. 26)

(III) “Estava todo mundo reunido diante da TV, os rostos iluminados pelo tremeluzir da tela. Um avião comercial tinha se chocado com um alto edifício. Metade da aeronave ainda estava espetada para for, pendurada no ar como um precário brinquedo quebrado.Momentos depois, um segundo avião bateu num segundo edifício e se transformou em uma bola de fogo. (…) Pessoas minúsculas saltavam dos altos prédios e flutuavam como flocos de cinzas. Não era um filme, dizia o pessoal da televisão. Está acontecendo de verdade. Nos EUA. Numa cidade chamada Nova York… Zainab, que não estava familiarizada com os replays da televisão, contou 10 aviões caindo em cima de 10 edifícios.

Os aviões que se chocaram com os prédios altos nos Estados Unidos vieram como um bônus para muita gente na Índia. O primeiro-ministro poeta do país e diversos de seus ministros principais eram membros de uma antiga organização que acreditava que a Índia era essencialmente uma nação hindu e que, assim como o Paquistão havia se declarado uma república islâmica, a Índia devia declarar uma república hindu. Alguns de seus apoiadores e ideólogos admiravam abertamente Hitler e comparavam os muçulmanos da Índia aos judeus da Alemanha. Agora, de repente, como as hostilidades contra os muçulmanos tinham aumentado, começou a parecer para a Organização que o mundo inteiro a apoiava…” (p. 52 – 54)

LEIA MAIS: “O MINISTÉRIO DA FELICIDADE ABSOLUTA” (2017, 488 páginas), de Arundhati Roy – Lançamento da Companhia das Letras​, Tradução: José Rubens Siqueira. Comprar livro na Amazon.com.br.

SINOPSE – “Após exatos vinte anos longe da ficção, a autora do best-seller “O deus das pequenas coisas”, publicado em 42 idiomas com mais de 8 milhões de exemplares vendidos no mundo, volta ao romance com “O ministério da felicidade absoluta”. Pela emocionante história do jovem Aftab, que mais tarde se torna a bela Anjum, descortina-se uma Índia repleta de conflitos e beleza. Dos bairros sinuosos e pobres aos shoppings reluzentes de Delhi, passando pelas montanhas nevadas da Kashmira, onde guerra e paz se mesclam em ciclos de vida e morte, a vida de Anjum transcorre e, com ela, a história de um país. A um só tempo história de amor e protesto, este romance tem como heróis pessoas que foram destruídas pelo mundo no qual vivem e em seguida resgatadas por atos de amor e esperança. Dessa forma, por mais frágeis que pareçam ser, elas nunca se rendem. Aos entrelaçar vidas complexas, este romance arrebatador e profundamente humano reinventa o que um romance pode ser e fazer. E demonstra a cada página o talento de Roy para contar histórias.”

Saiba mais: https://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=14329

LEIA NA IMPRENSA:

  • “Arundhati Roy returns to fiction after 20 years – but can she move on from The God of Small Things?” – NewStateman
Anúncios

Sobre acasadevidro.com

Weird in the head and wild at heart.

Um pensamento sobre “20 anos após a obra-prima da literatura contemporânea “O Deus Das Pequenas Coisas”, Arundhati Roy está de volta com o novo romance “O Ministério da Felicidade Absoluta” (Cia das Letras, 2017)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s