O ESPÍRITO DO ATEÍSMO: EPICURO, LUCRÉCIO E ANDRÉ COMTE-SPONVILLE

Epicuro
“Ou Deus quer eliminar o mal e não pode; ou pode e não quer; ou não pode nem quer; ou quer e pode. Se quer e não pode, é impotente, o que não corresponde a Deus; se pode e não quer, é mau, o que é estranho a Deus. Se não pode nem quer, é ao mesmo tempo impotente e mau, logo não é Deus. Se quer e pode, o que corresponde somente a Deus, de onde então vem o mal ou por que Deus não o suprime?” EPICURO

Excelentes questões, as de Epicuro, e que não cessam de dar nó no cérebro dos teólogos. Lucrécio, o maior herdeiro de Epicuro no mundo romano do I século antes de Cristo, escreveu seu poema e magnum opus, Da Natureza das Coisas, na intenção de divulgar e enaltecer o epicurismo, dissipando superstições e temores a golpes de desmistificação. Lucrécio também afirmava, como lembra André Comte-Sponville, que 

“A natureza mostra bastante bem, com suas imperfeições, ‘que não foi criada para nós por uma divindade’. O poeta, sobre esse tema, encontrará um dos seus mais belos e mais trágicos timbres: a vida é difícil demais, a humanidade é fraca demais, o trabalho é extenuante demais, os prazeres vãos ou raros demais, a dor é demasiado frequente ou demasiado atroz, o acaso é demasiado injusto ou demasiado cego, para que se possa crer que um mundo tão imperfeito seja de origem divina!” (COMTE-SPONVILLE)

Em “O Espírito do Ateísmo”, Sponville sintetiza sua posição atéia, calcada em larga medida na filosofia de Epicuro e Lucrécio, com as seguintes – e eloquentes – palavras ímpias:

sponville

“Há horrores demais neste mundo, sofrimentos demais, injustiças demais – e muito pouca felicidade – para que a idéia de ele ter sido criado por um Deus onipotente e infinitamente bom me pareça aceitável.(…) Há todos esses sofrimentos, desde há milênios, pelos quais a humanidade não é responsável. Há todas essas crianças que morrem de doenças, muitas vezes com sofrimentos atrozes. Esses milhões de mulheres que morreram de parto (que às vezes ainda morrem), com a carne e a alma dilaceradas. Há as mães dessas crianças, há as mães dessas mulheres, quando ainda vivas, incapazes de ajudá-las, de aliviá-las, que só podem assistir, impotentes, ao horror… Quem ousaria lhes falar de pecado original? Há um número incontável de cânceres (nem todos se devem ao meio ambiente ou ao modo de vida). Há a peste, a lepra, o impaludismo, a cólera, o mal de Alzheimer, o autismo, a esquizofrenia, a mucoviscidose, a miopatia, a esclerose múltipla, o mal de Charcot, a coréia de Huntington… Há terremotos, maremotos, furacões, secas, inundações, erupções vulcânicas. Há a desgraça dos justos e o sofrimentos das crianças. Ao que o pecado original dá uma explicação ridícula ou obscena. ‘Tínhamos de nascer culpados, ou Deus seria injusto’, escreve Pascal. Há uma outra possibilidade, mais simples: que Deus não existe.” 

ANDRÉ COMTE-SPONVILLE. O Espírito do Ateísmo. Ed. Martins Fontes.

SIGA VIAGEM DENTRO DA CASA DE VIDRO:

Sobre acasadevidro.com

Plugando consciências no amplificador

4 pensamentos sobre “O ESPÍRITO DO ATEÍSMO: EPICURO, LUCRÉCIO E ANDRÉ COMTE-SPONVILLE

  1. O ESPÍRITO DO ATEÍSMO: EPICURO, LUCRÉCIO E ANDRÉ COMTE-SPONVILLE | A CASA DE VIDRO.COM Sou Ateu e estou indicando este site de Namoro Ateu! Quem procura um amor ou amizades e é Ateu, acesse http://www.namoroateu.com.br/ Fica a Dica Amigos!
    Namoro Entre Ateus http://www.namoroateu.com.br/

    Curtir

  2. Mats disse:

    Se Deus não existe, o “argumento” do André Comte-Sponville refuta-se a ele mesmo. Sem Deus, não há qualquer tipo de problema com o “sofrimento humano”. Sem Deus, o “sofrimento humano” pode ser doloroso de sentir, mas é tão relevante como o sofrimento de qualquer outro animal.

    É Deus Quem dá valor à vida humano. Sem Ele, a vida humana vale tanto como qualquer outra forma de vida.

    Curtir

    • João Bosco Coelho Costa disse:

      Apelaste para um espantalho para refutar Comte-Sponville. O argumento é que frente a tanto sofrimento, tantos horrores, impossível crer que o Mundo tenha sido criado e depois regido por um Deus bondoso. E só. Não houve extrapolação no que diz respeito a questão do sofrimento sem um deus. O sofrimento continuará sendo sofrimento da mesma maneira. A relevância será a mesma. Só que o enfrentamento se dará na dimensão da Realidade e das possibilidades, e não sob os auspícios de uma alienação hipócrita chamada Deus. Poderemos, sozinhos, darmos conta dos nossos medos e angústias, a começar pela Morte.

      Curtir

  3. Hermano José Nepomuceno alves disse:

    Gostei muito pela objetividade e clareza com que foi abordado o tema eu sempre me perguntei ,e repassa para os líderes o porque de tanta subjetividade sobre a figura de Deus,se ao homem é cobrado tanto é oDeus que o criou nada lhe e imputado , apenas acriação mais as atrocidades recai sobre os homens e bom saber que existe pessoas comprometidas em elucidar e ajudar pessoas que adan cansadas de ouvir histórias pra boi dormir!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s