“The art of losing isn’t hard to master…”

bishop

Poema de Elizabeth Bishop traduzido por André Vallias.

“ONE ART”

The art of losing isn’t hard to master;
so many things seem filled with the intent
to be lost that their loss is no disaster.

Lose something every day. Accept the fluster
of lost door keys, the hour badly spent.
The art of losing isn’t hard to master.

Then practice losing farther, losing faster:
places, and names, and where it was you meant
to travel. None of these will bring disaster.

I lost my mother’s watch. And look! my last, or
next-to-last, of three loved houses went.
The art of losing isn’t hard to master.

I lost two cities, lovely ones. And, vaster,
some realms I owned, two rivers, a continent.
I miss them, but it wasn’t a disaster.

– Even losing you (the joking voice, a gesture
I love) I shan’t have lied. It’s evident
the art of losing’s not too hard to master
though it may look like (Write it!) like disaster.

(Veja a tradução clicando na imagem no início do post.)

 

Anúncios

Walter Benjamin comentado por Marilena Chauí

benjamin

benjaNa tese 7 de “Sobre o Conceito de História”, Walter Benjamin escreve: “Todos os que até hoje venceram participam do cortejo triunfal em que os dominadores de hoje espezinham os corpos dos que estão prostrados no chão. Os despojos são carregados no cortejo, como de praxe. Esses despojos são os que chamamos de bens culturais. Todos os bens materiais que o materialista histórico vê têm uma origem que ele não pode contemplar sem horror. Devem sua existência não somente ao esforço dos grandes gênios que os criaram, como à corvéia anônima de seus contemporâneos. Nunca houve um monumento de cultura que também não fosse um monumento da barbárie. E, assim como a cultura não é isenta de barbárie, não é, tampouco, o processo de transmissão da cultura. Por isso, na medida do possível, o materialista histórico se desvia dela. Considera sua tarefa escovar a história a contrapelo.”

Essa passagem de Benjamin é rica em sentido, mas aqui ela nos interessa por um motivo particular, qual seja, o de situar a barbárie no interior da cultura ou da civilização, recusando a dicotomia tradicional, que localiza a barbárie no outro e o situa no exterior.

Pelo contrário, a tese de Benjamin coloca a barbárie não só como o avesso necessário da civilização, mas como o pressuposto dela, como aquilo que a civilização engendra ao produzir-se a si mesma como cultura. O bárbaro não está no exterior, mas é interno ao movimento de criação e transmissão da cultura, é o que causa horror àquele que contempla o cortejo triunfal dos vencedores pisoteando os corpos dos vencidos e conhece o preço de infâmia de cada monumento da civilização.

A atualidade da tese de Benjamin, cujo pano de fundo histórico foi o nazismo, não é metafórica, mas encontra-se literalmente afirmada em nosso presente: em março de 2003, menosprezando a Organização das Nações Unidas e pisoteando a idéia de direito das gentes ou de direito e ordem internacionais, as tropas dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha invadiram o Iraque, em nome da civilização, contra a barbárie…

MARILENA CHAUÍ
in:  Civilização e Barbárie
Ed. Cia Das Letras
Organizador: Adauto Novaes
Adquira este livro
Compartilhe no Facebook

Coletânea musical: “Rock’n’roll não é Poluição Sonora” [4ª edição – 10 pauladas]

Tá no ar mais uma edição da mixtape (também conhecida como cyber-fitinha ) “Rock’n’Roll Não é Poluição Sonora” [4ª edição] – só com prediletas da casa! Suba o volume e boa viagem…

01) LED ZEPPELIN, “Communication Breakdown”
02) THE BEATLES, “Revolution”
03) BUFFALO SPRINGFIELD, “For What It’s Worth”
04) RIVAL SONS, “All The Way”
05) TREAT HER RIGHT (*), “I Think She Likes Me”
06) RANCID, “The 11th Hour”
07) JANIS JOPLIN, “Me and Bobby McGee”
08) TEENAGE FANCLUB, “I Don’t Want Control Of You”
09) WALLFLOWERS, “The Passenger”
10) DISTILLERS, “The Hunger”

Ouça já a coletânea completa:

http://8tracks.com/depredando/rock-n-roll-ain-t-noise-pollution

(*) TREAT HER RIGHT é a banda do Mark Sandman antes do Morphine… vale a pena dar uma sacada!

* * * * *

Ouça as edições anteriores:
VOL. 3 – VOL. 2 – VOL. 1

COMPARTILHE NO FACEBOOK

Oswaldo Giacóia Jr. (UNICAMP) fala sobre Nietzsche: assista a 2 palestras completas…

çabirinto “O cristianismo leva a efeito um movimento de completa desvalorização da imanência em proveito da transcendência. (…) O Cristianismo representa, assim, a desvalorização absoluta do ‘mundo’ e da ‘vida’ em proveito de uma vida imaginária, de um ‘além-do-mundo’, nele se realiza um deslocamento radical do centro de interesse, que se transfere ‘deste mundo’ para um ‘outro mundo’, um mundo metafísico. Com isso, priva-se ‘este mundo’, o domínio do vir-a-ser e da imanência, de todo e qualquer sentido… A invenção metafísica de um ‘além-do-mundo’ eternamente subsistente, pátria originária da Verdade, da Justiça e da Beleza, ponto de culminância da ascese filosófica, que se apresenta como condenação e rejeição do mundo insubsistente das sombras e das aparências, essa invenção tem sua raiz numa vontade fundamental que vivencia a finitude (e a dor que esta inexoravelmente condiciona) como objeção contra a vida, como motivo para renegá-la em boa consciência, justificando o sofrimento unicamente como meio, caminho, passagem, ascensão para a paz, o repouso… Já o essencial dos cultos dionisíacos consiste, para Nietzsche, num mergulho redentor na imanência, onde não se trata mais de instaurar um juízo que divide, condena, renega, mas de proclamar um sim à vida em sua crua integridade, uma bendição trágica da existência: a vida exuberante que retorna e ressurge eternamente da destruição e da dor que ela própria inelutavelmente conjura.”OSWALDO GIACÓIA em “Labirintos da Alma: Nietzsche e a auto-supressão da moral” (Ed. da Unicamp – pg. 38 e 187)

Relembrando Maio de 1968 com Carlos Fuentes

Goksin Sipahioglu
RETRO-MAI 1968-RENAULT
p16kpfjnqtqhunhdaqtgd91vav1

“Vocês são as guerrilhas contra a morte climatizada
que querem nos vender com o nome de futuro.”

JULIO CORTÁZAR

Não há como esquecer as efervescências deste ano histórico que foi 1968: na França, estouram a memorável rebelião estudantil de Maio e a gigantesca greve operária (mais de 10 milhões de trabalhadores cruzam os braços); em Praga, a Primavera tcheca é esmagada pelos tanques soviéticos (é o stalinismo estraçalhando os socialismos que não seguem os ditames de Moscou…); no México, às vésperas das Olimpíadas, as manifestações populares são massacradas pelo Estado e deixam centenas de mortos; no Brasil, começa a fase mais linha-dura do regime militar, com a promulgação do AI-5, os exílios, as torturas, os horrores nos porões do DOPS – e a necessidade, para a esquerda, de aderir à guerrilha armada e aos sequestros de embaixadores…

Em um livro magistral, Carlos Fuentes (1928-2012) relembra alguns destes episódios: “Em 68 – Paris, Praga e México” é uma obra crucial para entender tanto aqueles tempos… quanto os nossos (Ed. Rocco, R$25,00). Lê-lo só consolidou minha convicção de que recuperar a memória dos levantes, das demandas, dos confrontos, das experimentações e dos sonhos do Maio de 1968 francês, dos levantes mexicanos e tchecos, da resistência latino-americana à ditadura militar, permanece algo essencial – não só como conhecimento histórico, mas como um saber-prático que pode nos ajudar a fecundar o presente, único modo de colher os frutos de um outro mundo possível.

* * * * * *

DEBAIXO DO ASFALTO HÁ A TERRA….

Mai68affiche-1O que às vezes me consola, quando caminho nas calçadas cinzas das cidades que são selvas de pedra, em meio ao CO2 que peidam os escapamentos e as fábricas, é saber que debaixo do asfalto ainda existe intacta a terra. E que intacta está também sua potência de ser ventre maternal para futuras sementes. Em Paris, onde não há praia, os manifestantes de Maio de 1968 tinham como um de seus slogans, bradado nas passeatas, pixado nos muros da Sorbonne, escrito em seus poemas: “Debaixo dos paralelepípedos estão as praias.”

Naquele época, como ocorre ainda hoje, as manifestações sofreram dura repressão policial por parte das “brutais CRS (Companhias Republicanas de Segurança, a tropa de elite da polícia francesa), que avançam contra a fumaça e as chamas e as árvores caídas, lançando gases letais, batendo indiscriminadamente em pedestres, jornalistas e paroquianos de cinemas e cafés, lançando granadas plásticas em direção às janelas abertas…” (Fuentes, Em 68, p. 24).

Se no Brasil de 2013 celebrizou-se o uso do vinagre como antídoto contra o gás lacrimogêneo, naquela época os revoltosos franceses tinham seu equivalente: lenços “empapados com suco de limão e bicarbonato untado sobre as pálpebras”. Muitos não fugiam ao confronto com os flics (os tiras) e o famoso pavé parisiense (o calçamento com paralelepípedos) “foi a primeira arma de contra-ataque dos estudantes brutalizados pela polícia: arma, como disse Jean Paul Sartre, não da violência, mas da contraviolência de centenas de milhares de estudantes que jamais fizeram outra coisa senão defender-se. Só houve violência quando a polícia a iniciou. Manifestação sem polícia era manifestação pacífica.” (Fuentes: p. 26).

Um dos estudantes que participou do Maio de 68 em Paris depois explicaria que, se os paralelepípedos voaram contra a polícia, foi porque “se tornaram nosso meio de comunicação em massa. Saímos às ruas porque não temos outra maneira de nos fazer escutar em uma sociedade onde os mass media foram monopolizados e domesticados. Contra a abundância das comunicações inúteis, enviamos a mensagem imprescindível de nossas pedras e palavras.” (Fuentes: p. 29)

* * * * *

LEMBRANÇAS DE MAIO DE 68 – POR CARLOS FUENTES

aff01“A primeira coisa que se precisa compreender sobre a revolução de maio na França: que é uma insurreição, não contra um governo determinado, mas sim contra o futuro determinado pela prática da sociedade industrial contemporânea, e (….) protagonizada pela juventude de uma nação desenvolvida. E esses jovens dizem que a abundância não basta, que se trata de uma abundância mentirosa.

O mundo industrial moderno também se levanta sobre a morte e a exploração dos homens marginais do mundo infra-industrial. A morte: quando uma sociedade de excedente industrial como a norte-americana deve assegurar sua saúde transformando a ‘perda financeira’ em uma chuva de bombas de napalm e fósforo (ad majorem gloria Dow Chemical Co.) sobre a população indefesa de uma pequena nação rural. Não é por acaso que a Guerra do Vietnã tenha sido o grande catalisador da revolução da juventude ocidental.

Enquanto o mundo industrial se satura de riquezas inúteis, o mundo subdesenvolvido carece do que é básico. Lembro-me destas palavras de um estudante com quem conversei numa comunidade universitária italiana especialmente lúcida: ‘Em que se distingue do fascismo uma sociedade que é incapaz de distribuir sua enorme riqueza acumulada entre os países famintos da Ásia, África e América Latina? Cada capitalista europeu e norte-americano não pratica um extermínio em massa comparável ao dos nazistas? Estamos continuando, por outros meios, a luta de Zapata e Guevara, de Camilo Torres e Frantz Fannon. Lutamos contra o mesmo mundo da opressão centralizada.’

Em Maio de 1968, em Paris, nos muros da Sorbonne, lia-se em um cartaz: ‘A revolução que vai colocar em dúvida não só a sociedade capitalista, mas também a sociedade industrial. A sociedade de consumo deve morrer uma morte violenta. A sociedade alienada deve desaparecer da história. Estamos inventando um mundo novo e original. A imaginação tomou o poder.’

São os filhos de Marx e de Rimbaud: é preciso transformar o mundo, é preciso mudar a vida. As estátuas de Pasteur e de Pascal na Sorbonne ostentam cachecóis vermelhos no pescoço e seguram bandeiras negras entre os braços. Victor Hugo, velho sensualista, parece atingir um prazer lendário e secular com essa maravilhosa moça morena que hoje se senta em seus joelhos de pedra. Diante deste cenário, discursa Jean-Paul Sartre para milhares de estudantes:

– O que está em vias de se formar é uma nova concepção da sociedade baseada na democracia plena, uma aliança do socialismo e da liberdade. Porque socialismo e liberdade são inseparáveis.

Neste mês, 10 milhões de trabalhadores entram em greve na França. (…) Os pesquisadores científicos criam comitês democráticos visando à autogestão e à eliminação de todo trabalho que, direta ou indiretamente, possa ser utilizado para fins bélicos ou repressivos. Enfermeiros e médicos estabelecem a co-gestão nos hospitais por meio de comitês destinados a renovar um sentido democrático. Até mesmo os estudantes de teologia da Universidade de Paris declaram:

– A instituição eclesiástica, tendo em vista seu lugar privilegiado nas sociedades ocidentais, contribui, com seus silêncios, com suas tomadas de posição obrigatoriamente conciliatórias, com sua prédica de paz onde não há paz, para a manutenção do status quo. A teologia só faz prolongar as contradições internas do sistema capitalista. Isso compreendemos definitivamente nas barricadas. Tomar o partido dos oprimidos significa hoje entrar deliberadamente e sem reservas no processo revolucionário. (…) Deus não é conservador! Por que os cristãos não hão de exercer violência contra um sistema capitalista que pratica a violência endêmica no mundo subdesenvolvido? É possível conceber, atualmente, a caridade sem luta?

la-rc3a9volution-sexuelle-de-mai-68-libre-et-spontanc3a9e
Pelas ruas, há grupos de adolescentes que invadem o Odéon pedindo uma educação sexual dinâmica e adequada e reclamam o direito ao orgasmo. Um dos manifestantes argumenta que o Maio de 68 foi uma explosão de espontaneidade: ‘Opusemos uma linguagem nova e radical à linguagem mumificada do poder, do Parlamento, das eleições e das formações políticas tradicionais. Tanto o poder quanto a oposição demonstraram seu anacronismo e sua ineficácia nessa situação. O processo eleitoral é coisa deles; não nos afeta nem afeta a revolução, que prossegue sua marcha por caminhos inéditos, difíceis e definitivamente alheios às formalidades burguesas’. Outro dos jovens manifestantes parisienses declarou:

– Já votei nas barricadas pelo socialismo revolucionário. Minha cédula foi um paralelepípedo.”

* * * * *

Adquira este livro de Carlos Fuentes, “Em 68 – Paris, Praga e México” (Ed. Rocco, R$25,00): http://bit.ly/1986lgL.

mai 68 af

* * * * *

LEIA TAMBÉM:

baderna

PARIS: MAIO DE 68
Coleção Baderna da Ed. Conrad
E-book completo
Compartilhar

* * * * *

SIGA VIAGEM:


A documentary by Seymour Drescher, Professor in the Department of History at the University of Pittsburgh, former student of George Mosse, and author of Abolition: A History of Slavery and Antislavery. The film looks at the student and worker upheaval in France in May, 1968.


Prague Spring ’68 – Sofia Summer (2008) – a documentary by Nayo Titzin

“O chador e a burca, assim como qualquer véu islâmico, funcionam sempre como uma mordaça. Com frequência como uma pedra sepulcral.” (Glucksmann)

marjane675

persepolis-livroA charge acima é da Marjane Satropi, na graphic novel “Persépolis”, já adaptada para o cinema em uma premiada animação (assista na íntegra). O livro que contêm o “romance em H.Q.” inteiro é este aqui: http://bit.ly/1baeBh5 (Ed. Cia das Letras, R$46).

Aproveitamos a ocasião para compartilhar um texto do filósofo e ensaísta francês André Glucksmann (1937- ) sobre a condição feminina e que trata, em especial, das opressões impostas a elas por governos teocráticos (como o Irã sob Komeini ou o Afeganistão dos Talibãs).

ASFIXIADAS PELO OBSCURANTISMO
André Glucksmann
COMPARTILHAR NO FACEBOOK

Teerã (capital do Irã), 1979. Conduzido ao poder por meio de colossais manifestações, nas quais se confundiam liberais, revolucionários e religiosos, o aiatolá Komeini imediatamente decreta o uso iminente e obrigatório do chador (o véu negro). Todas as iranianas deveriam esconder seus corpos sob véus negros. Todas, jovens e velhas, fiéis ou infiéis, deveriam cobrir-se da cabeça aos pés sob pena de prisão, flagelação, apedrejamento e outras bagatelas, inclusive a morte. Ansioso por institucionalizar sua revolução islâmica, o Guia supremo acredita que o novo regime deve se estabelecer sobre uma base sólida. Essa base é o estatuto destinado às mulheres. O véu integral deve perenizar seu poder.

As mulheres de Teerã não se deixaram enganar com isso. Longe de considerar o decreto como algo anedótico ou folclórico, saíram às ruas, romperam com a unanimidade geral e realizaram a primeira manifestação antiislâmica da história. Foram abandonadas pelos homens, todos eles… Alguns deles derramavam lágrimas de crocodilo e as chamavam de volta à razão. O lamentável destino reservado às mulheres do Irã, na opinião dos homens, não era senão o prejuízo colateral de uma liberação que seria mais generalizada. E afinal, por que tantos discursos a respeito de um pedaço de pano?…

A estratégia de Komeini se mostrou frutífera. O pedaço de tecido que as “brigadas de ordem moral” impunham em Terrã tornou-se um estandarte político universal, um instrumento de conquista, uma imposição de uniforme digna dos integrantes da SA (organização paramilitar do partido nazista alemão). Os integristas, tanto sunitas quanto xiitas, considerando-se autores do decreto, perseguiram, amputaram, apedrejaram e decapitaram todas as recalcitrantes sem véus.

O aiatolá fez escola em Argel (a capital da Argélia), e a tentativa de impor o uso do véu às jovens alunas dos liceus, sob a ameaça de uma faca no pescoço, inaugurou uma série de massacres sem precedentes…

“No Irã, as mulheres são as únicas a reivindicar publicamente, não somente por meio da palavra, mas por suas ações (tirar os véus e sair às ruas), a vontade de se afirmar como indivíduos. Nos dias atuais, elas constituem um dos componentes mais dinâmicos do devir da sociedade civil. Embora até o presente momento tenham permanecido politicamente desorganizadas, conseguiram se infiltrar em uma das cidadelas que, por longo tempo, lhes foi vetada: o saber acadêmico. Se, no Irã, os imãs vigiam de perto as mulheres, isso se deve ao fato de que, em 1986, elas constituíam 19% do quadro docente das universidades, enquanto, nesse mesmo ano, na Alemanha federal, essa taxa não passava de 17%…” (F. MERNISSI, La peur-modernité, Albin Michel, pp. 206-207).

Após a chegada de Komeini ao poder, no Afeganistão, os homens empenharam-se em intensificar ainda mais a proibição da exibição de qualquer parte do corpo, por mínima que fosse. A burca é um véu que cobre integralmente o corpo, deixando apenas uma pequena faixa em forma de grade, na altura dos olhos, sob o qual a mulher sufoca e enxerga com dificuldade. Seu uso se propagou e se tornou o emblema da ditadura dos talibãs, esses estudiosos da teologia que, pelo sabre e pelo chicote, revelam sua superioridade em matéria de religião. Os homens aplicam-se a dividir o gênero feminino em “putas” (entendam: as que não usam véu) e “submissas” (entendam: as que usam véu)…

O terrorismo do véu não priva a mulher de seu corpo, mas da possibilidade de falar (seduzir ou não) com seu corpo, ele lhe corta a palavra. O chador e a burca, assim como qualquer véu islâmico, funcionam sempre como uma mordaça. Com frequência como uma pedra sepulcral.”

o-discurso-do-odio-andre-glucksmann-ed-difel_MLB-O-77649765_3411

 

GLUCKSMANN, André.
Discurso do Ódio
(Le Discours de la Haine)

Editora Difel: Rio de Janeiro, 2007.
Quem quiser comprar este livro, ei-lo:
http://bit.ly/11KAtwu (R$39,00)

 

COMPARTILHAR NO FACEBOOK

persepolis_ver2

“A Caverna dos Sonhos Esquecidos” (de Werner Herzog) – assista ao filme completo e legendado em português

WernerCAVERNA DOS SONHOS ESQUECIDOS
Um filme de Werner Herzog

SINOPSE: “Um lugar extraordinário e desconhecido é revelado, pela primeira vez, pelo diretor alemão Werner Herzog: a Caverna de Chauvet, no sul da França, um dos mais importantes sítios de arte pré-histórica do mundo, reúne as mais antigas criações pictóricas da humanidade. Descoberta apenas em 1994, Chauvet guarda centenas de pinturas rupestres intocadas que retratam 13 espécies diferentes, incluindo cavalos, bois, leões, ursos e rinocerontes, que remontam há mais de 30 mil anos.”

 Completo e legendado em português