“…em quase toda parte, é a loucura que abre alas para a nova ideia, que quebra o encanto de um uso e uma superstição venerados…” (Nietzsche)

Ilustração de Eduardo Marinho

#IDEIAS PERIGOSAS

Em uma das reflexões mais interessantes de “Aurora”, em que se propõe a pensar sobre a “gênese da moral”, Nietzsche investiga os “imensos períodos” em que a humanidade viveu sob o jugo da “moralidade do costume”. Ele considera os milênios “que precederam a história mundial (que, no fundo, é apenas ruído acerca das últimas novidades)” como a “verdadeira e decisiva história que determinou o caráter da humanidade” .

Na remota história das primeiras civilizações, Nietzsche aponta que “a moralidade não é outra coisa do que obediência a costumes”, uma obediência “à maneira tradicional de agir e avaliar” . É julgado como moral ou “bom” aquela pessoa que adere aos comportamentos prescritos pelas autoridades da comunidade, “aquele que observa mais frequentemente a lei: que, tal como o brâmane, a toda parte e em cada instante carrega a consciência da lei, de modo que é sempre inventivo em oportunidades de observá-la… o mais moral é aquele que mais sacrifica ao costume.” Ademais, o costume é frequentemente tido como indiscutível e santo, ordenado pelos deuses, inscrito de uma vez para sempre na natureza das coisas.

Em contraste, será considerada imoral toda ação que “não foi realizada em obediência à tradição”, todo comportamento que destoe da regra exigida e sugira uma mudança ou revolução nos costumes, toda pessoa que se destaque da mediania do rebanho e se afaste da comunidade. Os bons são os conformistas; os maus, as ovelhas negras. Nietzsche alega, portanto, que a comunidade julga ser mais “moral” aquele que mais se conforma às regras sociais costumeiras e tradicionais, aquele que mais se prontifica a sacrificar-se por elas; já o indivíduo rotulado de “imoral” ou “mau” é aquele cujas ações ou pensamentos portam a marca do individual, do singular, do inusitado, do imprevisível. Encontramos um exemplo interessante deste procedimento de rotulação do indivíduo destoante como imoral na peça de Ibsen, “O Inimigo do Povo”. Os inovadores e renovadores, portanto, não teriam necessariamente que parecer “imorais” àqueles que julgam a moralidade como conformidade ao rebanho?

BOSCH, "A Nau dos Loucos"NIETZSCHE: “Cada ação individual, cada modo de pensar individual provoca horror; é impossível calcular o que justamente os espíritos mais raros, mais seletos, mais originais da história devem ter sofrido pelo fato de serem percebidos como maus e perigosos, por perceberem a si próprios assim. Sob o domínio da moralidade do costume, toda espécie de originalidade adquiriu má consciência; até hoje, o horizonte dos melhores tornou-se ainda mais sombrio do que deveria ser.” (NIETZSCHE. Aurora. Livro I, #9)

Algumas páginas à frente, Nietzsche explicita ainda mais o que têm em mente quando fala do “horizonte sombrio” daqueles que, “apesar da terrível pressão da moralidade do costume”, ousaram enveredar por caminhos próprios e solitários. O aforismo #14, “significação da loucura na história da humanidade”, diz que “sempre irromperam ideias, valorações, instintos novos e divergentes”, mas que “isso ocorreu em horripilante companhia: em quase toda parte, é a loucura que abre alas para a nova ideia, que quebra o encanto de um uso e uma superstição venerados. (…) Todos os homens superiores, que eram irresistivelmente levados a romper o jugo de uma moralidade e instaurar novas leis, não tiveram alternativa, caso não fossem realmente loucos, senão tornar-se ou fazer-se de loucos – e isto vale para os inovadores em todos os campos…” (Pg. 22). De maneira semelhante, no aforismo #20, Nietzsche, refletindo sobre os que são chamados de criminosos, diz: “Todo aquele que subverteu a lei do costume existente foi tido inicialmente como homem mau.”

Nietzsche enfatiza que o processo de “moralização” de uma criança recém-chegada ao mundo, sua inserção numa cultura específica, o processo pelo qual lhe são impingidas condutas e valores, se dá através de instituições como a Família, o Estado, o Clero. Por exemplo: “Os pais fazem dos filhos, involuntariamente, algo semelhante a eles – a isso denominam ‘educação’ – nenhuma mãe duvida, no fundo do coração, que ao ter seu filho pariu uma propriedade; nenhum pai discute o direito de submeter o filho aos seus conceitos e valorações. (…) E assim como o pai, também a classe, o padre, o professor e o príncipe continuam vendo, em toda nova criatura, a cômoda oportunidade de uma nova posse.” (Além de Bem e Mal, #192)

Não há valores inatos, pois, mas somente valores culturalmente transmitidos. Somente através da educação, com a indispensável dose de coerção nela inclusa, que puderam ser transmitidos às sucessivas gerações que foram nascendo as regras de conduta que as autoridades instituídas julgaram que deviam ser obedecidas. Nietzsche aponta que a tendência gregária do ser humano é acompanhada quase universalmente por uma cisão entre os que mandam e os que obedecem: “sempre, desde que existem homens, houve também rebanhos de homens (clãs, comunidades, tribos, Estados, Igrejas), e sempre muitos que obedeceram, em relação ao pequeno número dos que mandaram… obediência foi até agora a coisa mais longamente exercitada e cultivada entre os homens.” (ABM, #199)

A “moralização” do homem, portanto, só se torna inteligível se levarmos em conta esta tendência do “homem de rebanho” a “aceitar de modo pouco seletivo o que qualquer mandante – pais, mestres, leis, preconceitos de classe, opiniões públicas – lhe grita no ouvido.”

* * * * *

foucault-1-book

SIGA VIAGEM…

Se Nietzsche, rotulado por alguns de “o Louco”, não tivesse ousado abrir para o pensamento tão novos caminhos, teria existido o caminho percorrido depois por Foucault em sua “História da Loucura”?

FOUCAULT, “HISTÓRIA DA LOUCURA” na Livraria Cultura (R$50,0):
http://migre.me/dn74p

* * * * **

Outras leituras interessantes:

ERASMO DE ROTERDÃ, “Elogio da Loucura” (R$13,00):
http://migre.me/dn7cW


Anúncios

Sobre acasadevidro.com

Weird in the head and wild at heart.

Um pensamento sobre ““…em quase toda parte, é a loucura que abre alas para a nova ideia, que quebra o encanto de um uso e uma superstição venerados…” (Nietzsche)

  1. Sejamos então os arautos de um novo tempo! Tempo este que que valorize a alteridade,o que destoa, o que faz surgir com sua vida e ação o novo…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s