A América Não Foi Descoberta! (A Invasão Européia do Novo Mundo segundo Todorov)


A AMÉRICA NÃO FOI DESCOBERTA!

Reflexões sobre “A Conquista da América – A questão do Outro”
de Tzvetan Todorov (Ed. Martins Fontes, 4ªed, 2011)

* * * * * *

 Uma das primeiras coisas que colocamos sob suspeita quando começamos a estudar mais a fundo a “Descoberta da América” é a própria denominação do evento histórico, esta curiosa expressão que batiza a ocorrência colossal – “descoberta”. Será este o termo mais adequado? Será que dizer “descobrir” não serve para mascarar e esconder todos os horrores colossais da guerra de conquista que empreenderam as potências européias contra o Novo Mundo? Não é este um eufemismo criado pelo invasor, destinado a ser engolido sem reclamo pelos cordeirinhos submissos dos colonizados?

Será que dizer que nos “descobriram” não intenta fazer com que nos esqueçamos de toda a pilhagem, todo o roubo de recursos naturais, que ocorreu por aqui (todo o ouro surrupiado de Vila Rica/Ouro Preto, toda a prata saqueada de Potosí…)? Não querem esconder debaixo de tapetes sírios todo o sangue índigena que correu sob a espada e as armas estrangeiras? Aonde, dentro da palavra “descoberta”, estão todas as vidas escravizadas, subjugadas, maltratatas, coisificadas e massacradas pelos (tsk tsk tsk…) “descobridores”? Para ficar só no exemplo do México: ora, 24 milhões de índios mexicanos assassinados merecem algo melhor do que o edulcorado conto-de-fadas da “Descoberta (idílica e doce) do Eldorado”!

 Bastante asséptica e higiênica, a palavra “descoberta” parece remeter a um processo limpo de desvelamento, um mero retirar das cobertas, algo que traz à luz o que antes estava na escuridão. “Descoberta”, termo de tonalidade positiva, parece referir-se mais a um ato de encontrar um território novo – que só é “novo”, é claro, quando enxergado a partir da perspectiva daqueles que antes o desconheciam, os europeus que aqui aportaram lá por 1.500.

 Só que as terras “descobertas” não eram desabitadas, e nelas floresciam diversas sociedades que ali haviam vivido por milênios: como lembra Pierre Clastres, “a América do Sul é um continente cuja imensa superfície, com raríssimas exceções (como o deserto do Atacama no extremo norte do Chile), era inteiramente ocupada pelos homens no momento do descobrimento da América no final do século XV – ocupação, aliás, bastante antiga, de cerca de 30 MILÊNIOS, como o atestam os estudos da pré-história” (CLASTRES, Arqueologia da Violência, p. 91).

De modo que a chegada dos europeus, longe de poder ser descrita como a chegada a uma terra virgem, representou muito mais uma invasão estrangeira em um continente previamente habitado, por milênios, por milhões de seres humanos. A palavra “descoberta”, predileta dos colonizadores e seus escritores da História Oficial, não serviria pois para esconder as chagas que se escondem por trás do impacto catastrófico da conquista européia do Novo Mundo no que isso acarretou de genocídio e etnocídio, escravização e racismo, micróbios e epidemias, dentre outros inúmeros males?

 Ora, ora! A atitude recorrente do conquistador europeu é se auto-proclamar “superior”, “civilizado”, devoto do Deus verdadeiro; ao Outro, este desconhecido, este estranho, este diferente, lança-se o rótulo fácil de inferior, bárbaro, idólatra de falsos deuses. O nome disso em ética é “arrogância” ou “presunção”; em psicologia, “narcisismo”; em antropologia, “etnocentrismo”. Quão facilmente se tornam tirânicos os que se sentem arrogantemente “superiores” ao resto, com direito a manter o outro sob seu jugo! Ou pior: os que se julgam “eleitos”, os “altamente meritórios”, os “filhos prediletos do Todo-Poderoso”, estes se permitem os massacres mais inacreditavelmente sangrentos – e tudo por “amor a Deus” e fidelidade à “boa Causa” (Stirner explica!).

 “A guerra contra os infiéis é justificada, pois abre caminho para a difusão da religião cristã e facilita o trabalho dos missionários”, diz o espanhol Sepúlveda, assecla da Coroa Real desejoso de submeter o novo continente ao Cristianismo, ainda que ele tivesse que ser imposto pela força bruta, pelos assassinatos em massa, pelo genocídio indígena. É que, conta-nos também este pio cristão a serviço do Rei, “é legítimo banir o crime abominável que consiste em comer carne humana” (TODOROV: 2011, pg. 224).

 Ora, os espanhóis, brancos e cristãos, que atravessaram o Atlântico à serviço de Vossa Majestade o Rei e Vossa Santidade O Papa, eles que faziam pose de “hiper-civilizados” e desdenhavam os costumes bárbaros dos astecas, conseguiram, em meio século, somente no México, exterminar mais de 20 milhões de seres humanos. A “descoberta” da América, como Todorov nos relata, ou seja, a partir de uma perspectiva bem mais interessante e verídica do que aquela da “história oficial”, foi uma catástrofe inimaginavelmente trágica para as populações que aqui viviam. O genocídio perpetrado na América pelos cristãos europeus, embevecidos de imperialismo evangelizador, superam em número o nosso atual “paradigma do Mal Absoluto”: o holocausto hitlerista de mais de 6 milhões de judeus. A sinistra maquinaria de massacre sistemático que os europeus impuseram aos humanos americanos, segundo Todorov, resume-se assim:

 “Em 1500, a população do globo era de aproximadamente 400 milhões, dos quais 80 milhões habitam as Américas. Em meados do século XVI, desses 80 milhões… restam 10 milhões. Se nos restringirmos somente ao México: às vésperas da conquista, sua população é de aproximadamente 25 milhões; em 1600, é de 1 milhão.” (pg. 191)

 Nós, nascidos em épocas já distanciadas por séculos da invasão das metrópoles absolutistas européias, esquecemos muito facilmente de fatos como este: entre o Popol Vuh, livro religioso dos astecas, e a Bíblia, livro-base da civilização dos conquistadores, a relação é de um livro autóctone e de um livro estrangeiro. A Bíblia é uma coisa importada, aporte dos invasores, trazida junto às caravelas dos invasores, massacradores de índios e escravizadores de negros. Na Inglaterra, outro “centro imperial da Europa”, destinado a grandes “aventuras” colonizadoras na “Nova Inglaterra”, mitos também circulavam sobre a vinda da Nova Jerusalém, sobre a responsabilidade dos cristãos de erguê-la, uma vez que a Jerusalém “oficial” estava em mãos muçulmanas. A América era vista como terra “virgem” onde edificar, erigir, monumental e sublime, um esplendoroso Reino servindo ao Império da Cristandade!

 “I will not cease from mental fight
nor shall my sword sleep in my hand
Till we have built Jerusalem
In england’s green and pleasant land.”

WILLIAM BLAKE

O fato de muitos desses assassinos, genocidas e escravocratas se declararem homens de Deus, homens de fé, servidores da santa causa do cristianismo, deveria nos bastar para começar – como recomendava Wittgeinstein – a colocar os pontos-de-interrogação bem lá no fundo, ou seja, abismando-nos na indagação perigosa e herética: o “amor a Deus”, se pôde gerar tamanha hecatombe e destruição, deve ser inocentado? A História não seria menos convulsionada por violências infindas e cabeças rolando caso a arrogância dos eleitos fosse sobrepujada pela abertura-de-espírito daquele que enxerga a Diferença e a Alteridade como oportunidade de diálogo, de aprendizado, de intercâmbio, de mescla? Em outros termos: se a História nos mostra tanto sangue derramado por puritanos e puristas, crentes em sua própria superioridade moral e religiosa, não seria mais sadio, mais sábio e mais feliz aderirmos a uma concepção das relações humanas que privilegiasse mais a mescla fecunda de diversos vetores e o júbilo de ser impuro?…

II. COLOMBO: QUIXOTE DA VIDA REAL… 

A Conquista da América é filha de “grandes esperanças de lucro” (Cristóvão Colombo, Diário, 1492, p. 11): “Os mandatários da expedição, os Reis de Espanha, não se teriam envolvido na empresa se não fosse a promessa de lucro… o ouro era uma espécie de chamariz para que os reis aceitassem financiá-la” (TODOROV: p. 11). Mas há mais: a alucinada religiosidade militante de Colombo, para quem “a expansão do cristianismo é bem mais importante que o ouro”: numa carta ao Papa, ele diz que sua próxima viagem será “para a glória da Santíssima Trindade e da santa religião cristã”; “espero em Nosso Senhor poder propagar seu santo nome e seu Evangelho no Universo” (p. 13).

Nosso aventureiro idealista, Cristóvão Colombo, era animado por ideais bem mais sublimes do que somente roubar todo o ouro e as pedras preciosas que encontrasse pelo caminho, enfiando todas as riquezas em caravelas destinadas à Espanha. Colombo, conforme a brilhante descrição de Todorov, também tinha a “ambição espiritual”, que ele mesmo deveria considerar pia e sublime, de ali espalhar a “doutrina sagrada” do Deus único, representado pelo Papa romano, ungidor dos Reis de Castela, e que exige (Deus furibundo e exclusivista…) a submissão da Terra toda à Cruz. Como sintetiza Todorov,

 “A vitória universal do cristianismo é o que anima Colombo, homem profundamente piedoso (nunca viaja aos domingos), que justamente por isso considera-se eleito, encarregado de uma missão divina, e que vê por toda parte a intervenção divina, seja no movimento das ondas ou no naufrágio de seu barco. (…) A necessidade de dinheiro e o desejo de impor o verdadeiro Deus não se excluem. Os dois estão até unidos por uma relação de subordinação: um é meio, e o outro é fim. (…) Qual um Dom Quixote atrasado de vários séculos em relação a seu tempo, Colombo queria partir em cruzada e liberar Jerusalém! (…) Espera encontrar ouro ‘em quantidades suficientes para que os Reis possam, em menos de 3 anos, preparar e empreender a conquista da Terra Santa.” (p. 13-14)

 Pobres dos povos que estavam no caminho desta sanha imperialista travestida de “missão divina”! Sabemos que Colombo trombou por engano com o “Novo Mundo” (depois batizado de América em homenagem a Vespúcio…) quando pensava estar indo saquear as Índias. Cristóvão Colombo, embevecido com a ideia de ser um eleito da Providência, destinado por decreto divino a reconquistar Jerusalém para a Cristandade e fundar o Paraíso terrestre, não enxerga nos novos continentes somente riquezas a extrair, saciando a ambição desenfreada dos nobres ibéricos, mas uma chance de ampliar as sombras que fazem sobre a Terra o símbolo supremo do messias da Cruz.

O ideal de Colombo, aquilo que o enchia de “orgulho” por uma ação grandiosa e pia, era estar expandindo a penetração global dos santos Evangelhos, “curando” os indígenas de suas cegueiras de pagãos, iniciando-os na verdadeira doutrina e na verdadeira verdade: descem das caravelas os espanhóis, a serviço dos reis de ultra-mar, com o espírito das Cruzadas medievais ainda pulsando em seus peitos fanáticos.

Colombo, delirante, quase tão quixotesco quanto o Dom Quixote de Cervantes, sai atrás das Índias, pensa estar se dirigindo à Ásia, e acaba trombando… com a América. É isso que eu chamo de errar feio o caminho, meu chapa. Colombo se assemelha a alguém que, chegando em Tóquio, perguntasse a um transeunte: “É aqui o Rio de Janeiro?” Ele aportou nas praias da Jamaica, do Haiti e de Cuba convictíssimo (e redondamente enganado…) de estar chegando lá na Conchinchina.

 Mas o mais chocante de tudo é que este Dom Quixote da vida real pôde ser um dos iniciadores de um dos maiores genocídios da História. Tudo fez em seu arrebatado afã de agradar aos reis de Castela e de contribuir para a expansão da Cristandade (“Pela vontade divina, pus deste modo um outro mundo sob a autoridade do Rei e da Rainha e assim a Espanha, que diziam ser tão pobre, tornou-se o mais rico dos reinos”, escreve Colombo em novembro de 1500 – pg. 62).

“Dom Quixote” por José Guadalupe Posada

III. EM BUSCA DE OURO E CONVERSÕES… 

Mas o que interessa mais aos conquistadores espanhóis, se são as riquezas ou as “almas a ganhar para a Cristo”, é difícil decidir: eles parecem igualmente entusiasmados por roubar o ouro e espalhar a cruz. E uma das coisas mais curiosas e bizarras da personalidade de Colombo, como diz Todorov, é que ele “age como se entre as duas ações se estabelecesse um certo equilíbrio: os espanhóis dão a religião e tomam o ouro” (pg. 62).

 Todo o ouro de Ouro Preto, toda a prata de Potosí, foram-se nas caravelas; e o que ficou da chegada “gloriosa” do Cristianismo a estas terras foi o massacre indígena e o início da escravidão neste continente antes intocado por ela. Se Colombo pôde se tornar um ardoroso defensor da ideologia escravagista, convicto de que os índios eram seres inferiores em relação aos cristãos europeus, foi também por este egocentrismo de que o livro de Todorov traz tantos exemplos. Colombo é a re-encarnação de Narciso, deslumbrado diante do espelho, embevecido com a ideia da glória, deleitando-se com os aplausos que imaginava que lhe votavam, nos palácios, o Rei, a Rainha e o Papa, os cardeais e os nobres…

 Distingue os índios do continente entre os “cristãos em potencial” e os “incuravelmente pagãos”; a estes últimos, a solução é exterminar. Para os primeiros, bem… ser cristão em potencial, vocês sabem, não é o mesmo que ser cristão por inteiro… Logo (raciocínio de toupeira!) “aqueles que ainda não são cristãos só podem ser escravos” (pg. 64).

 Cristóvão Colombo têm, pois, a “brilhante” ideia que haverá de revolucionar toda a História posterior da América, da Europa, da África – enfim, do mundo. “Imagina então que os navios que transportam rebanhos de animais de carga no sentido Europa-América sejam carregados de escravos no caminho de volta, para evitar que retornem vazios e enquanto não se acha ouro em quantidade suficiente…” (idem).

Como excelente linguista que é, Todorov tem um olhar todo especial para os fenômenos da comunicação humana. Percebe no interagir entre os homens os defeitos de comunicação, as incapacidades de ouvir e entender o outro, a dificuldade tremenda de transpor os abismos da alteridade. Ele aplica estas reflexões sobre a questão do Outro aos eventos históricos com rara lucidez, realizando uma vasta pesquisa sobre o material histórico-documental que evidencia os massacres, as chacinas, os banhos-de-sangue que impuseram os Cortezes e os Cabrais e os Colombos que invadiram o continente em fins do século XV.

 Lembra-nos, por exemplo, da origem da palavra “bárbaro” – uma curiosidade etimológica fascinante: os gregos taxavam de “bárbaros” todos os povos cujo idioma não compreendiam e que por isso pareciam só falar um incompreensível blá-blá-blá. A impossibilidade de conhecer realmente a identidade do outro, devido em parte ao abismo de idiomas radicalmente diferentes, é uma das “condições necessárias” para que a guerra e o massacre ocorressem. Uma das sensações que fica da leitura desta obra inquietante de Todorov é um certo ceticismo obstinado em relação aos que se presumem “eleitos”.

 Batalho para tentar ler nas entrelinhas, em tudo aquilo que Todorov não disse, em toda a imensidão que está escrita em elipse nesta obra fervilhante, tentando perceber que tipo de relação humana, de intercâmbio com o outro, seria digno da Humanidade. Todorov diz, por exemplo, esta verdade simples e tão veraz: “Um diálogo não é uma somatória de dois monólogos”. Chacrinha tinha razão: “quem não comunica se estrumbica”. Pior: quem se comunica mal, pode acabar… na guerra. Conflitos de força bruta podem ocorrer quando a comunicação é falha, ou quando um dos lados recusa-se a ouvir o outro, ou quando um arroga-se possuidor da verdade ou “naturalmente superior” e conclui: “nada tenho o que conversar com essa racinha, com esses selvagens, com essa ralé, com essa gentinha de estirpe degradada…”

A arrogância, a prepotência, a soberba, o narcisismo, o egocentrismo: razões para a guerra. As tragédias de Ésquilo, por exemplo, a todo momento mostram as catástrofes que decorrem do excesso de orgulho demonstrado pelos homens. A ponto dos gregos terem em seu panteão politeísta uma certa deusa Nêmesis, responsável por punir as elefantíases do orgulho humano.

 E a religião, em tudo isso? A religião, como discurso fabricado por homens a fim de que dissessem a si mesmos o que mais queriam que fosse verdade, tende quase sempre a fazer agrados ao ego, inflar a vaidade humana, contar contos-de-fada reconfortantes e otimistas, fabricar genealogias gloriosas onde estaríamos inseridos em posições de prestígio: você está entre as criaturas “eleitas” pelo Criador, você é o máximo dos máximos, você é em essência imortal e inapodrecível, você tem lugar cativo garantido no Paraíso Celestial, você é o supra-sumo da Criação, a razão pela qual tudo existe; o Sol foi ali posto para te iluminar e aquecer; os mares e oceanos, para que você neles nadasse ou os singrasse nos navios; as árvores, para que você as derrubasse e fizesse casas, móveis e papéis; e os animais, para serem comida…

Quanto mais o homem se ilude com doutrinas auto-reconfortantes, agradáveis ao seu narcisismo, mais fechado se torna ao verdadeiro encontro com o Outro. “A ideia que os europeus fazem dos índios, segundo a qual estes lhes são inferiores, ou seja, estão a meio caminho entre os homens e os animais, é a premissa essencial, sem a qual a destruição não poderia ter ocorrido” (p. 211). Quanto mais, em sua vaidade, um povo pretende ser o eleito, o maioral, o predileto dos deuses, mais arreganha os dentes e empunha a espada para exterminar aqueles que julga os não-eleitos, os idólatras, os que adoram falsos deuses, os que não crêem nas “verdades sagradas” (“Quem pode negar que usar pólvora contra os pagãos é oferecer incenso a Nosso Senhor?”, escreve Oviedo [p. 219], “fonte rica de julgamentos xenófobos e racistas”).

 Quanto mais uma civilização é dominada por este narcisismo dos povos a que os antropólogos dão o nome de “etnocentrismo”, mais choques e guerras ocorrem: é sempre antipático para um povo ouvir seu vizinho dizer: “eu sou o tal, Deus me escolheu, somos os donos da verdade, temos o direito de imperar sobre o mundo e espalhar a nossa doutrina…”.

 As “raízes psicológicas” que estariam por trás da imensa tragédia histórica seriam, portanto, esta neurose comuníssima que consiste em, no encontro entre culturas e pessoas, julgar sempre que a diferença e a alteridade implica uma relação de superioridade/inferioridade. Os europeus, egocêntricos e narcísicos, justificaram todos os horrores que perpetraram com o argumento de que eles, europeus, eram superiores, já que andavam vestidos, conheciam a Bíblia e tinham fé no únido deus verdadeiro, enquanto os índios pelados eram quase animais, certamente sem alma, idolatradores de falsas divindades, cuja escravização e extermínio agradava ao Papai-do-Céu, que certamente tem imensa predileção por branquelos ambiciosos famintos por ouro.

 O saldo negativo, não só em milhões de vidas perdidas, mas em culturas inteiras dizimadas, chega a ser inimaginável de tão imenso: “os espanhóis queimarão os livros dos mexicanos para apagar a religião deles; destruirão os monumentos, para fazer desaparecer qualquer lembrança de uma grandeza antiga….” (p. 83) (…) “Quando Cortez deve dar sua opinião acerca da escravização dos índios, encara o problema de um único ponto de vista: o da rentabilidade do negócio…” (p. 189). Quanto às doenças trazidas pelos europeus, e que foram uma das causas maiores de mortes massivas de índios, os espanhóis assim pensavam: “por que combater uma doença, se ela foi enviada por Deus para punir os descrentes?” Revoltante!

 Todorov, pensador audaz que não se intimida diante do horror (seu livro sobre os campos de concentração, Em Face do Extremo, é outro excelente estudo sobre as raízes do Mal…), escreveu em A Conquista da América uma obra acabrunhante, assustadora, que revela os sórdidos submundos da História Real deste que foi, talvez, o maior genocídio de que se tem notícia no caminhar de nossa espécie:

 “Lembraremos que em 1500 a população do globo deve ser da ordem de 400 milhões, dos quais 80 milhões habitam as Américas. (…) Se a palavra genocídio foi alguma vez aplicada com precisão a um caso, então é esse. É um recorde, parece-me, não somente em termos relativos (uma destruição da ordem de 90% ou mais), mas também absolutos, já que estamos falando de uma diminuição da população [nativa] estimada em 70 milhões de seres humanos. Nenhum dos grandes massacres do século XX pode comparar-se a esta hecatombe.” (p. 192)

 Destes horrores repelentes e chocantes, fica somente a aspiração por um outro mundo possível (“um pouco de possível, ou então sufoco!”) onde haja convivência e coexistência da diferença, pleno respeito à alteridade, diálogo fecundo e aberto com o Outro, sem que jamais o fato da diversidade degenere em presunções de superioridade/inferioridade. Em prol, enfim, do júbilo de ser impuro, da alegria expansiva do diálogo mutuamente iluminador, de um cosmopolitismo que nos enxergue não como cindidos em etnias e nacionalidades, mas como passageiros do mesmo barco, conviventes no mesmo planeta rodopiante que viaja pela galáxia…

(por Eduardo Carli de Moraes
Mestrando em Filosofia/UFG
Goiânia, Setembro de 2012)

Anúncios

Sobre acasadevidro.com

Weird in the head and wild at heart.

15 pensamentos sobre “A América Não Foi Descoberta! (A Invasão Européia do Novo Mundo segundo Todorov)

  1. Gisele disse:

    Triste e verdadeiro… Uma lição de história da América que não aprendemos na escola.

    Curtir

  2. Sercel Pirani disse:

    Darwin estava errado, o homem não teve origens no macaco, um animal dócil, muito manso, e sim no DEMÔNIO.

    Curtir

  3. […] Siga viagem: TODOROV – A Conquista da América […]

    Curtir

  4. Jose disse:

    Sempre fico surpreso quando leio algo como “raciocínio de toupeira”. É de uma miopia inacreditável. Você não pode interpretar os fatos de um outro tempo com os olhos de hoje. A métrica é muito diferente. Talvez dentro de 10 anos (nem vou dizer 500 ou mais) alguém se refira ao seu texto como “um texto de toupeira”, e não seria justo, dado o contexto no qual foi escrito. O mesmo vale para fatos do passado (não que isso justifique atrocidades). No entanto, é importante e honesto do ponto de vista científico (mesmo que a História não seja uma ciência) interpretar acontecimentos históricos no contexto correto; do contrário, tudo fica muito fácil. Prova-se qualquer tese assim…

    Curtir

    • acasadevidro disse:

      José, é sempre no presente que se escreve sobre a história. Cada época re-interpreta e re-valoriza sua herança cultural com seus próprios olhos, movida por seus próprios interesses: por exemplo, as relações da Cristandade Medieval com a Antiguidade Grega (p. ex. a profunda influência que exerceu a filosofia de Aristóteles na teologia de São Tomás de Aquino) são bem diferentes das relações com a “mesma” Antiguidade Grega que marcará a atitude de outras épocas, o Renascimento, o Iluminismo, o Romantismo… Cada um destes períodos históricos, me parece, interpreta os fatos de tempos idos com “diferentes olhos”, e com certeza tempos vindouros irão julgar a contemporaneidade com os olhos deles.

      No seu comentário, não fica claro o que vc considera “raciocício de toupeira” e “miopia inacreditável”. Você parece confundir uma agressão com um argumento ou pensar que um xingo contra um texto equivale a refutá-lo. Qual o “contexto correto” que vc sustenta para a interpretação da História, neste caso específico da Conquista da América? O que no meu texto vc julgou míope e falso? Estou aberto ao debate.

      O “espírito” desde artigo é influenciado pelas pesquisas de Todorov, Pierre Clastres e E. Galeano e procura revelar fatos terríveis que normalmente se varre para baixo dos tapetes quando se escreve a História Oficial, que sempre costuma “aliviar a barra” para os conquistadores brancos que aqui chegaram a partir de 1492, chegados da Europa. Meu foco é ilustrar o genocídio das populações nativas, a imposição à força de uma religião estrangeira, o roubo massivo de riquezas naturais, refletindo também sobre o que motivava Colombo e os reis Espanhóis – que, além do ouro e outras riquezas, pretendiam cristianizar as populações indígenas, ainda que fosse à força; que não hesitaram em escravizar milhões de seres humanos, sequestrados da África e trazidos às Américas na maior brutalidade; que sonhavam em reconquistar Jerusalém e prosseguiam envolvidos em conflitos com o Islã…

      É isso. Aguardo sua réplica.

      Curtir

      • Jose disse:

        Fico surpreso. Em nenhum momento ofendi nada nem ninguém.
        Muito menos tentei desqualificar o texto com ofensas. Eu me referi ao texto e, por isso, observe, coloquei entre aspas o tal do “raciocínio de toupeira” que foi, de fato, utilizado pelo autor e não por mim.

        Eis o trecho do texto que, ao que parece, é uma citação do original:

        “Distingue os índios do continente entre os “cristãos em potencial” e os “incuravelmente pagãos”; a estes últimos, a solução é exterminar. Para os primeiros, bem… ser cristão em potencial, vocês sabem, não é o mesmo que ser cristão por inteiro… Logo (raciocínio de toupeira!) “aqueles que ainda não são cristãos só podem ser escravos” (pg. 64).”

        Portanto o uso de tal termo não é meu e, pelo que parece, nem seu.
        Se é do autor (Todorov), é de se lamentar.

        É evidente que a história admite diversas interpretações e que
        ela merece ser recontada e reinterpretada, até para que sirva de lição a aviso para as futuras gerações. Ora, se você quer entender um evento do passado, parece-me razoável e cientificamente honesto fazê-lo no contexto em que ele se passou, levando-se em conta a mentalidade do homem da época. Hoje, para nós, passados mais de 500 anos, tais atrocidades nos parecem inconcebíveis e inadmissíveis, o que nem requer explicação. Será que dentro de mais 500 anos o que nos parece aceitável continuará assim? Seria cientificamente honesto se um historiador do futuro avaliasse nossas posições e atitudes supondo uma métrica que não a nossa?

        Não li o livro, mas pela coluna, parece que o autor (Todorov) que uer provar que tudo se reduz a problemas de comunicação. Essa, de uma forma simplificada, parece ser a tese dele, não?
        Sem querer ser chato, mas isso não precisa nem de prova. Basta pronunciar as primeiras palavras que a gente percebe que todos os nossos problemas se reduzem a isso. Nossa maior bênção é também nosso maior mal.

        Finalmente, não vou comparar números, mas, a meu ver, o genocídio dos judeus e muitos dos outros que ocorrem hoje, sob nossos olhos, causados pelo homem contemporâneo, são muito mais difíceis de entender do que o dos índios. A cegueira de hoje é opcional, a da Idade Média, compulsória.

        []s e parabéns pelo blog.
        Desculpe-me se em algum momento dei a impressão de querer ofender.

        Jose

        Curtir

      • acasadevidro disse:

        Olá José! Agradeço pelos seus esclarecimentos, agora compreendo melhor sua posição. Acredito que o Todorov, que tem uma formação sólida em linguística, tendo sido aluno de Roland Barthes e outros “mestres”, tende de fato a interpretar fenômenos históricos levando em conta as dificuldades de comunicação, mas eu enfatizaria que em momento algum ele é reducionista a ponto de fazer disto a causa única dos desentendimentos, dos conflitos, das guerras – o que seria muito simplista, não acha?

        Esta obra, que julgo brilhante, em que Todorov se debruça sobre “A Conquista da América”, traz como subtítulo: “A Questão do Outro”. Ou seja, um dos conceitos mais importantes, na discussão que o autor ali realiza, é o de alteridade. O “encontro” entre os colonizadores europeus e os nativos do continente que viria a ser chamado de América aparece a Todorov como um “choque de identidades”, um conflito de diferenças, e que vai muito além da diferença linguística. Não é só o idioma que separa estas civilizações, mas também os valores, a visão de mundo, as mitologias, os sistemas de produção econômica etc.

        Você mencionou que o genocídio dos judeus lhe parece mais difícil de compreender do que do o genocídios dos habitantes nativos da América; considero ambos os eventos muito complexos e difíceis de entender por completo, mas acredito também que as reflexões de Todorov sobre a alteridade podem, nos dois casos, nos ajudar a elucidar muitos pontos. O próprio Todorov, aliás, escreveu outra obra magistral sobre a realidade do Holocausto e dos campos de concentração, “Em Face do Extremo”, em que também mobiliza o conceito de alteridade para mostrar como os nazistas tinham uma verdadeira fobia à diferença. Todos os que não se adequavam ao ideal da raça pura ariana eram perseguidos e exterminados – tentaram aniquilar a própria alteridade e inventar um mundo da mesmice. E sabemos que o III Reich não só perseguiu e aniquilou judeus, mas também ciganos, comunistas, homossexuais, deficientes…

        Para não me estender muito em um tema complexo, eu diria que Todorov destaca que muitas das atrocidades da história tem relação com a dificuldade humana de acolher a diferença, de conviver com a diversidade, de aceitar a alteridade. Um trecho de “A Conquista da América”, que exemplifica o caminho que toma a reflexão de Todorov, é o seguinte:

        “Será que é possível amar realmente alguém ignorando sua identidade? Vendo, em lugar dessa identidade, uma projeção de si mesmo ou de seu ideal? Sabemos que isso é possível e até frequente nas relações interpessoais, mas como fica no encontro das culturas? Não se corre o risco de querer transformar o outro em si mesmo e, consequentemente, de submetê-lo? De que vale então esse amor?”

        Bem, é isso! Agradeço pela visita, pela leitura e pelos comentários. E fique à vontade, se quiser, para prosseguir este nosso debate.

        Um abraço!

        Do autor do blog,
        Eduardo Carli de Moraes

        Curtir

  5. Felipe disse:

    O Popol Vuh não seria Maia?

    Curtir

  6. […] aos habitantes nativos destas terras como um medonho alienígena invasor. Nas páginas de Galeano, Todorov, Clastres ou Viveiros de Castro, dentre outros, podemos compreender a Conquista da América como […]

    Curtir

  7. Andrei disse:

    1- Os maias, astecas e derivados eram extremamente fanáticos, violentos, cruéis, atrasados ( progresso de matemática e ciência foram alcançados por eles antes de Cristo nos quais sessaram logo e mesmo assim depois dos gregos etc…), a população indígena Maia, astecas e incas eram muito doentes e oprimidas.

    2- A maior parte dos índios da América do Sul praticavam o canibalismo.

    3- no início quando Colombo chegou, alguns marinheiros e outras pessoas mais simples, quiseram ficar com os índios para uma vida melhor e mais perto da natureza, pasmem, assim que os europeus voltaram para as próximas expedições, os que ficaram foram mortos, comidos e com ritos de crueldade. Quando novas expedições chegaram, descobriram parcialmente o que havia acontecido e daí não precisa dizer o resto.

    4- Muitos jesuítas foram mortos covardemente por índios

    5- Os maias, astecas e incas eram atrasados e só conheciam ferramentas de pedra ainda, eram culturas estacionárias nas quais foram facilmente conquistadas.

    6- Os índios dizimavam tribos pequenas e as usavam para sacrifícios, os conquistadores ficaram pasmos com muito do que viram e podem imaginar esses fatos aos olhos de europeus católicos de 1500???? Portanto não comparem com hoje.

    7- ninguém é Santo, aliado a isso tudo, a Europa viu oportunidades de riquezas etc…claro!!! Assim foi Roma, Grécia, China, etc….a conquista da Gália pelos romanos foi muito pior…

    As escolas precisam realmente ensinar melhor e mostrar os dois lados da moeda e esse esquerdista deve guardar pra si sua hipocrisia. Temos que parar de viver numa MATRIX!

    Curtir

  8. Andrei disse:

    Ah e mais umas observações :

    Os índios não tinham noção de higiene, nem conheciam o sabão (já existia sabão na época)

    Tomavam banhos em rios para se refrescar e para “pseudo ” higiene, eles fediam iguais aos europeus e outros pois na época higiene era um problema global e os cosméticos e costumes de higiene foram melhor desenvolvidos durante a revolução industrial, ou seja, o ser humano deixou de ser porco a pouco tempo.

    Na cidade de São Paulo fazia mais frio, chegando a temperaturas de 5 graus no inverno de noite e 10 de dia, duvido que os índios ficavam no tiete se banhando

    Os europeus fediam claro, imagina fazer uma viagem de 1 mês numa caravela??? Naquelas condições??? Procurem saber como eram as caravelas… Já entrei num modelo, era muito precário para nós hoje. Até a Gisele Bundchen se viajasse naquela época ao Brasil com certeza chegaria fedendo.

    Muitas coisas foram ocultadas, esquecidas e até nem mesmo registradas pois os desafios da época tinham maior prioridade, portanto o que sabemos hoje é só a ponta da montanha.

    Curtir

  9. Maravilhoso este texto, e por que não um artigo que tira de cena a venda que cobre os olhos dos alunos brasileiros, com a mais pura verdade!

    Curtir

  10. […] pagãos-sem-lei as maravilhas e benefícios da “modernidade”. Como já argumentei em outro artigo, em seu clássico estudo A Conquista da América o Tzetan Todorov destaca claramente a dimensão […]

    Curtir

  11. Rubem Nascimento disse:

    Eu cheguei a este blog com a seguinte pesquisa: Por que a América não se civilizou? Bem, descobri como o meu pensamento sobre a realidade está estreito. A música de Vila lobos anda me intrigando e ando me interessando pelo Brasil, o Brasil de verdade, na verdade estou descobrindo a mim mesmo.
    Ótimo blog, ótima surpresa, parabéns!

    Curtido por 1 pessoa

    • Olá, Rubem! Obrigado pela visita e pelo comentário. Tentaram civilizar-nos, mas foram bastante incivilizados – pobres de nós, invadidos por etnocêntricos genocidas e racistas! Mas o jogo segue, e estamos aqui para inventar um Brasil novo, descolonizado e pós-barbárie…

      Volte sempre à Casa de Vidro!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s