Gaia e o Antropoceno: Viveiros de Castro, D. Danowski, Isabelle Stengers, Dipesh Chakrabarty e Bruno Latour

capaandre

Se Gaia também é um mundo vivo e plural, (…) não se trata porém de um mundo harmonioso e equilibrado, e muito menos dependente, para sua persistência, da exclusão da humanidade, como se esta fosse um invasor extraterrestre chegado para estragar um idílio pastoril. (…) Gaia é antes de mais nada feita de história, ela é história materializada, uma sequência contingente e tumultuária de eventos… Na concepção de Bruno Latour, é menos a história humana que vem se fundir inesperadamente com a geohistória, mas sim a Terra-Gaia que se torna historicizada, narrativizada como história humana – compartilhando com esta, aliás, e a ressalva é essencial, a ausência de qualquer intervenção de uma Providência. Resta saber quem é o demos de Gaia, o povo que se sente reunido e convocado por esta entidade, e quem é seu inimigo.”

EDUARDO VIVEIROS DE CASTRO & DÉBORAH DANOWSKI, Há Mundo Por Vir? Ensaio Sobre Os Medos E Os Fins (2014, Editora Cultura e Barbárie, p. 120. Compre aqui.)

Tô devorando por aqui o instigante “Há Mundo Por Vir? Ensaio Sobre os Medos e os Fins”, de Eduardo Viveiros De Castro & Deborah Danowski, e coletando altas dicas de livros que eu desconhecia e que já entraram para a lista das ‪#‎LeiturasFuturas‬, a começar por este “O Mundo Sem Nós” de Alan Weisman, “a penetrating, page-turning tour of a post-human Earth…”:

TWWU
WorldWithoutUs_2

ALAN WEISMAN, “The World Without Us”
(2007, 340 pgs)

DOWNLOAD E-BOOK (PDF):
http://libgen.org/book/index.php?md5=129A059BDD7D4798C8725BB2EA35C76B

In The World Without Us, Alan Weisman offers an utterly original approach to questions of humanity’s impact on the planet: he asks us to envision our Earth, without us. In this far-reaching narrative, Weisman explains how our massive infrastructure would collapse and finally vanish without human presence; which everyday items may become immortalized as fossils; how copper pipes and wiring would be crushed into mere seams of reddish rock; why some of our earliest buildings might be the last architecture left; and how plastic, bronze sculpture, radio waves, and some man-made molecules may be our most lasting gifts to the universe.

The World Without Us reveals how, just days after humans disappear, floods in New York’s subways would start eroding the city’s foundations, and how, as the world’s cities crumble, asphalt jungles would give way to real ones. It describes the distinct ways that organic and chemically treated farms would revert to wild, how billions more birds would flourish, and how cockroaches in unheated cities would perish without us. Drawing on the expertise of engineers, atmospheric scientists, art conservators, zoologists, oil refiners, marine biologists, astrophysicists, religious leaders from rabbis to the Dali Lama, and paleontologists — who describe a prehuman world inhabited by megafauna like giant sloths that stood taller than mammoths—Weisman illustrates what the planet might be like today, if not for us.

From places already devoid of humans (a last fragment of primeval European forest; the Korean DMZ; Chernobyl), Weisman reveals Earth’s tremendous capacity for self-healing. As he shows which human devastations are indelible, and which examples of our highest art and culture would endure longest, Weisman’s narrative ultimately drives toward a radical but persuasive solution that needn’t depend on our demise. It is narrative nonfiction at its finest, and in posing an irresistible concept with both gravity and a highly readable touch, it looks deeply at our effects on the planet in a way that no other book has.”

* * * *

Este, de Isabelle Stengers:

Isabelle Stengers

Isabelle Stengers, “Au temps des catastrophes : Résister à la barbarie qui vient”
(2009, 198 pgs.)

Download e-book:
http://libgen.org/get.php?md5=0DD24B5CBA0666F03219339D5F6FBC78

* * * * *

E, é claro, Latour:

Alex-Grey-Psychedelic-Painting-Art-Gallery-Gaia-1024x640

GAIA IN THE ANTHROPOCENE
By Bruno Latour

“Geologists are beginning to use the term ANTHROPOCENE to designate the era of Earth’s history that extends from the scientific and industrial revolutions to the present day. These geologists see humanity as a force of the same amplitude as volcanoes or even plate tectonics. It is now before GAIA that we are summoned to appear: Gaia, the odd, doubly composite figure made up of science and mythology, used by certain specialists to designate the Earth that surrounds us and that we surround, the truly global Globe that threatens us even as we threaten it.

If I wanted to dramatize – perhaps overdramatize – the ambiance of my investigative project, I would say that it seeks to register the aftershocks of the MODERNIZATION FRONT just as the confrontation with Gaia appears imminent.

At all events, we shall not cure the Moderns of their attachment to their cherished theme, the modernization front, if we do not offer them an alternate narrative… After all, the Moderns have cities who are often quite beautiful; they are city-dwellers, citizens, they call themselves (and are sometimes called) “civilized”.

Why would we not have the right to propose to them a form of habitation that is more comfortable and convenient and that takes into account both their past and their future – a more sustainable habitat, in a way? Why would they not be at ease there? Why would they wander in the permanent utopia that has for so long made them beings without hearth or home – and has driven them for that very reason to inflict fire and bloodshed on the planet?

After all these years of wandering in the desert, do they have hope of reaching not the Promised Land but Earth itself, quite simply, the only one they have, at once underfoot and all around them, the aptly named Gaia?”

BRUNO LATOUR.
“An Inquiry into Modes of Existence: An Anthropology of the Moderns”
Harvard University Press, 2013. Translated by Catherine Porter.
Download e-book at Library Genesis.
Join: http://www.modesofexistence.org

 

Adam and Eve (Art by Alex Grey)

* * * * *

You might also enjoy:

The Affects of Capitalism (full lecture)
(If you wanna skip the intro, Latour actually starts speaking at 12 min and 45 seconds.)

* * * *

Veja também:

PALESTRA COM DIPESH CHAKRABARTY

“Anthropocene means that collectively, human beings, thanks to their profligate use of fossil fuels, now act with the power of a geophysical force…” – Dipesh Chakrabarty, Dept. of History, University of Chicago

“History on an Expanded Canvas – The Anthropocene’s Invitation”
Lecture, 2013. 1h01min.

* * * *

“Our fossil fuel deposits, a 100.000.000 years old, could be gone in a few centuries, leaving climate impact that will last for hundred of millenia.” Dave Archer
http://en.wikipedia.org/wiki/David_Archer_(scientist)

“Fate of fossil fuel CO2 in geologic time”:
https://www2.bc.edu/jeremy-shakun/Archer,%202005,%20JGR.pdf

* * * *


“DISRUPTION”, o filme que acompanha a PEOPLE’S CLIMATE MARCH
Leia também, na Mídia Ninja, “Não Há Planeta B”

JAMES HANSEN: Why I must speak out about climate change (TED TALK) #EfeitoEstufa #AquecimentoGlobal #MudançasClimáticas

White House Effect

Top climate scientist James Hansen tells the story of his involvement in the science of and debate over global climate change. In doing so he outlines the overwhelming evidence that change is happening and why that makes him deeply worried about the future.

“Amazon Peasant Societies in a Changing Environment – Political Ecology, Invisibility and Modernity” [DOWNLOAD E-BOOK]

Amazon Peasant Societies 1

Cristina Adams 01

Amazon Peasant Societies 2

“Amazon Peasant Societies in a Changing Environment
– Political Ecology, Invisibility and Modernity”
(2009. 358 pgs. )

Originalmente publicado em português como Sociedades Caboclas Amazônicas: Modernidade e Invisibilidade

Cristina Adams 02

Sinopse da edição em inglês da Springer:

“Amazonia is never quite what it seems. Despite regular attention in the media and numerous academic studies the Brazilian Amazon is rarely appreciated as a historical place home to a range of different societies. Often left invisible are the families who are making a living from the rivers and forests of the region. Broadly characterizing these people as peasants Amazon Peasant Societies in a Changing Environment seeks to bring together research by anthropologists, historians, political ecologists and biologists.

A new paradigm emerges which helps understand the way in which Amazonian modernity has developed. This book addresses a comprehensive range of questions from the politics of conservation and sustainable development to the organization of women’s work and the diet and health of Amazonian people. Apart from offering an analysis of a neglected aspect of Amazonia this collection represents a unique interdisciplinary exercise on the nature of one of the most beguiling regions of the world.”

AmazonLibgen

DOWNLOAD PDF (5 MB)

* * * * *

Confira também:

Documentário de Ross Kemp, A Batalha pela Amazônia

* * * * *

AMAZÔNIA TÓXICA || VICE BRASIL (por Felipe Milanez)

José Cláudio Ribeiro da Silva, eco-ativista brasileiro assassinado em 2011, junto à árvore amazônica que ele apelidou “Majestade”. A imensa castanheira localizada no lote do assentamento do ambientalista era seu maior orgulho.

“O PODER DA COMUNIDADE – COMO CUBA SOBREVIVEU AO PICO PETROLÍFERO” (Um filme de Faith Morgan, 2006, 52 min) #HotDocs

The Power of Community

“Quando a União Soviética entrou em colapso em 1989, a economia cubana entrou em queda livre. Com as importações de petróleo cortadas em 50% e as importações de alimentos cortadas em 80%, as pessoas estavam desesperadas. Este filme encorajador e fascinante mostra como as comunidades reagiram juntas, criaram soluções e finalmente prosperaram, apesar da sua menor dependência de energia importada. No contexto das preocupações mundiais com o pico petrolifero, Cuba é uma visão inspiradora de esperança….”

Assista na íntegra, com legendas em português:
http://youtu.be/rr70FVoAXBo

The documentary, “The Power of Community – How Cuba Survived Peak Oil,” was inspired when Faith Morgan and Pat Murphy took a trip to Cuba through Global Exchange in August, 2003. That year Pat had begun studying and speaking about worldwide peak oil production. In May Pat and Faith attended the second meeting of The Association for the Study of Peak Oil and Gas, a European group of oil geologists and scientists, which predicted that mankind was perilously close to having used up half of the world’s oil resources. When they learned that Cuba underwent the loss of over half of its oil imports and survived, after the fall of the Soviet Union in 1990, the couple wanted to see for themselves how Cuba had done this. During their first trip to Cuba, in the summer of 2003, they traveled from Havana to Trinidad and through several other towns on their way back to Havana. They found what Cubans call “The Special Period” astounding and Cuban’s responses very moving. Faith found herself wanting to document on film Cuba’s successes so that what they had done wouldn’t be lost. Both of them wanted to learn more about Cuba’s transition from large farms or plantations and reliance on fossil-fuel-based pesticides and fertilizers, to small organic farms and urban gardens. Cuba was undergoing a transition from a highly industrial society to a sustainable one. Cuba became, for them, a living example of how a country can successfully traverse what we all will have to deal with sooner or later, the reduction and loss of finite fossil fuel resources. In the fall of 2003 Pat and Faith had the opportunity to return to Cuba to study its agriculture. It was a wonderful trip. They saw much of the island, met many farmers and urban gardeners, scientists and engineers – traveling more than 1700 miles, from one end of Cuba to the other. It was all they had hoped for and more. In 2004 Community Service, Inc. (CSI) began raising money and organizing a third trip (October), to film in Cuba. Greg Green, cinematographer and director of The End of Suburbia documentary, was the chief videographer. Faith Morgan shot the second camera, John Morgan did still photography and Megan Quinn, Outreach Director of CSI, was sound director. After their return from Cuba, they secured assistance and direction from Tom Blessing IV, producer, and Eric Johnson, post-production supervisor and editor. Together, they bring over 40 years combined experience in film and television production. The goals of this film are to give hope to the developed world as it wakes up to the consequences of being hooked on oil, and to lift American’s prejudice of Cuba by showing the Cuban people as they are. The filmmakers do this by having the people tell their story on film. It’s a story of their dedication to independence and triumph over adversity, and a story of cooperation and hope. Several Cubans expressed the belief that living on an island, with its natural boundaries, breeds awareness that there are limits to natural resources. Everyone who has worked on the documentary hopes that, seeing this film, people will also see the world on which we live, as another, much larger, island.

Visite também: “The Power Of Community, How Cuba Survived Peak Oil” (2006)

http://naturalheroes.org/videos/the-power-of-community-how-cuba-survived-peak-oil/

“O Ódio à Democracia” (por Matheus Pichonelli, com Jacques Rancière e Renato Janine Ribeiro) + A “novidade” da divisão do Brasil (por Jean Wyllys)

Esquerdalhada
“O ÓDIO À DEMOCRACIA”,
por Matheus Pichonelli, na CartaCapital

“Nordestino não sabe votar”. “Pobres merecem o que têm”. “Abaixo o Bolsa Esmola”. “Vão pra Cuba”. “Muda para Miami”. “Os empregados deveriam ser proibidos de participar”. “Paulista é uma raça egoísta”. “Deveríamos nos separar do resto do país”. Não, não é por acaso que as manifestações de ojeriza à política, ao contraditório e ao voto das populações mais pobres tenham se intensificado ao longo desta eleição, a sétima desde a reabertura democrática…

Sobram patadas sobre pobres, gays, lésbicas, negros, “comunistas”, mulheres. Um exemplo foram as manifestações de ódio contra a população nordestina, onde o PT conquistou muitos votos. A repulsa chega com todos os disfarces, mas pode ser identificada, por exemplo, quando um ex-presidente da República (o FHC) atribui um resultado adverso (para ele e os seus) à cegueira coletiva dos “menos instruídos”.

Ranciere
No livro Ódio à Democracia, recém-publicado no Brasil pela Boitempo Editorial, o filósofo franco-argelino Jacques Rancière deixa pistas para entender este fenômeno. Um fenômeno que, a se fiar pela experiência europeia e pelos últimos embates, será cada vez mais comum por esses lados.

A obra é uma crítica contundente à denúncia do “individualismo democrático” – que, segundo ele, cobre, com pouco esforço, duas teses: a clássica dos favorecidos (os pobres querem sempre mais) e das elites refinadas (há indivíduos demais, gente demais reivindicando o privilégio da individualidade).

“O discurso intelectual dominante une-se ao pensamento das elites censitárias e cultas do século XIX: a individualidade é uma coisa boa para as elites; torna-se um desastre para a civilização se a ela todos têm acesso”, escreve. Para o autor, não é o individualismo que esse discurso rejeita, mas a possibilidade de qualquer um partilhar de suas prerrogativas. “A crítica ao ‘individualismo democrático’ é simplesmente o ódio à igualdade pelo qual uma intelligentsia dominante confirma que é a elite qualificada para dirigir o cedo rebanho”.

No prefácio da mesma obra, o filósofo Renato Janine Ribeiro, professor de ética da USP, lembra que um número expressivo de membros da classe média ainda desqualifica os programas sociais consolidados nos últimos anos. “Para eles, o Brasil era bom quando pertencia a poucos. Assim, quando a multidão ocupa espaços antes reservados às pessoas ‘de boa aparência’, uma gritaria se alastra em sinal de protesto. O que é isso, senão o enorme mal-estar dos privilegiados?”, questiona. “A expansão da democracia incomoda. Daí um ódio que domina nossa política, tal como não se via desde as vésperas de um golpe de 1964, condenando as medidas que favoreciam os mais pobres como populistas e demagógicas”.

Em coro com Rancière, Janine Ribeiro lembra que a democracia não é um Estado acabado nem um estado acabado das coisas; ela vive constante e conflitiva expansão. “Porque a ideia de separação social continua presente e forte”.

A democracia, prossegue Rancière, longe de ser a forma de vida dos indivíduos empenhados em sua felicidade privada, é o processo de luta contra essa privatização, o processo de ampliação dessa esfera. “Ampliar a esfera pública não significa, como afirma o chamado discurso liberal, exigir a intervenção crescente do Estado na sociedade. Significa lutar contra a divisão do público e do privado que garante a dupla dominação da oligarquia no Estado e na sociedade”.

Matheus Pichonelli

Leia também: 

DIVISÃO

JEAN WYLLYS, A “novidade” da divisão do Brasil

“O Brasil está dividido. Em primeiro lugar, pela divisão de classes própria do capitalismo, que, em sua versão brasileira, está marcado pela herança escravocrata que nos dividiu – a princípio literalmente e, depois, metaforicamente – em “casa grande e a senzala”. Ora, segundo o censo do IBGE de 2010, os 10% mais ricos da população ganharam, nesse ano, 44,5% do total de rendimentos; enquanto os 10% mais pobres receberam menos de 1,1%. Esses números significam que quem está na faixa mais pobre precisaria poupar a totalidade de seus recursos durante três anos e três meses para acumular a renda média mensal dos brasileiros que pertencem à faixa mais rica.

E esses dois “brasis” – o da casa grande e o da senzala – correspondem também a outras divisões igualmente históricas: o país branco e o preto; o país do sul-sudeste e o do norte-nordeste; o país do asfalto e o da favela; o dos jardins e do periferia; o país da empregada doméstica e o da patroa. A geografia de nossas cidades — “cidades partidas”, para usar a expressão de Zuenir Ventura em livro nada recente e anterior à emergência do PT ao governo federal — está marcada por uma divisão tão evidente quanto naturalizada…” – LEIA TUDO AQUI

“A democracia depende de um aprofundamento da transferência de poder para instâncias de decisão popular que podem e devem ser convocadas de maneira contínua.” (Vladimir Safatle)


Vladimir PSOL

 

“Somos obrigados a ouvir compulsivamente que ‘a divisão esquerda/direita não faz mais sentido’. Essa conversa é utilizada para fornecer a impressão de que nenhuma ruptura radical está na pauta do campo político, ou de que não há mais nada a esperar da política a não ser discussões sobre a melhor maneira de administrar o modelo socioeconômico hegemônico nas sociedades ocidentais. (…) A função atual da esquerda é, por isso, mostrar que tal esvaziamento deliberado do campo político é feito para nos resignarmos ao pior, ou seja, para nos resignarmos a um modelo de vida social que há muito deveria ter sido ultrapassado e que evidencia sinais de profundo esgotamento.”

* * * * *

“A política é, em seu fundamento, a decisão a respeito do que será visto como inegociável. (…) Este livro pretende falar, pois, do inegociável, isto é, a primeira coisa que a esquerda esquece quando assume o governo e começa a ficar fascinada por ser recebida em casas de escroques na Riviera Francesa, por ser convidada para vernissages de publicitários travestidos de artistas plásticos e por começar a ler mais sobre vinhos caros do que sobre a alienação do trabalho nas linhas de montagem da Ford.”

* * * * *

“Com o governo Lula (2003-2010), continuamos obrigados a conviver com o bloqueio reiterado da reconstrução dos fundamentos gerais do campo do político, como se a imersão na “pior política” fosse uma fatalidade intransponível. A despeito de sua capacidade de colocar a questão social enfim no centro do embate político e de compreender o necessário caráter indutor do Estado brasileiro no nosso desenvolvimento socioeconômico, o governo Lula será lembrado, no plano político, por sua incapacidade de sair dos impasses de nosso presidencialismo de coalizão. Como se a governamentabilidade justificasse a acomodação final da esquerda nacional a uma semidemocracia imobilista, de baixa participação popular direta e com eleições que só se ganha mobilizando, de maneira espúria, a força financeira com seus corruptores de sempre.”

* * * * *

“A democracia depende de um aprofundamento da transferência de poder para instâncias de decisão popular que podem e devem ser convocadas de maneira contínua. (…) Com o desenvolvimento das novas mídias, é cada vez mais viável, do ponto de vista material, certa “democracia digital” que permita a implementação constante de mecanismos de consulta popular. (…) O verdadeiro desafio democrático consiste em criar uma dinâmica plebiscitária de participação popular.

Tal dinâmica é desacreditada pelo pensamento conservador, pois ele procura vender a ideia inacreditável de que o aumento da participação popular seria um risco à democracia – como se as formas atuais de representação fossem tudo o que podemos esperar da vida democrática. Contra essa política que tenta nos resignar às imperfeições da nossa democracia parlamentar, devemos dizer que a criatividade política em direção à realização da democracia apenas começou. Há muito ainda por vir.”

VLADIMIR SAFATLE,
A Esquerda Que Não Teme Dizer Seu Nome

vlad

Eles sabem o preço de tudo e o valor de nada – Das lutas que transcendem as urnas

Wilde

A seca da Cantareira, infelizmente, é só o começo de um problemão que enfrentaremos, planeta afora, pelas próximas décadas: um relatório recente do Global Humanitarian Forum, chamado “Anatomy of a Silent Crisis” (Genebra, 2009), estima que hoje já são cerca de 325 milhões de pessoas afetadas diretamente pelo aquecimento global e que o número de mortes já é de mais de 500.000 todos os anos (1). É o mesmo número de mulheres que falecem anualmente por causa do câncer-de-mama (2). O caso de São Paulo é apenas uma das manifestações de uma crise global, que atualmente também devasta, por exemplo, o estado da Califórnia com a pior seca de sua história (3).

Em seu brilhante livro “The Value of Nothing”, Raj Patel – celebrado por Naomi Klein como um pensador essencial “para quem está faminto por um mundo mais justo” – estabelece o link entre a atual crise climática, que agrava-se a cada dia, e a história do colonialismo imposto pelos poderes capitalistas ocidentais, estes que há séculos impõe seus Impérios escravocratas, exploratórios e etnocidas lá onde não foram chamados. Estes poderes que se especializaram no genocídio de populações nativas, e no roubo em larga escala de recursos naturais, em nosso século 21 seguem agindo com métodos extrativistas ecocidas e índices obscenos de emissões tóxicas:

“A maioria das mortes que vão resultar das mudanças climáticas”, pondera Raj Patel, “irão ocorrer entre aqueles que são os menos responsáveis por causar a poluição, pessoas cujos países foram colonizados pelos mesmos poderes que causaram esta nova catástrofe.” (3)

Como seremos capazes de alimentar as 9 bilhões de pessoas que estima-se que o planeta acolherá em 2050? Hoje, com mais de 1 bilhão de famintos e a perspectiva de aumento das catástrofes climáticas no futuro, já que as emissões prosseguem crescendo e já estão muito além do limite seguro dos 350 ppm, como é que as autoridades políticas hoje no poder pretendem lidar com escassez de água e de alimentos? Vai ser com a barbárie descrita por Naomi Klein em “A Doutrina do Choque”, em que capitalistas invadem países devastados por tsunamis e furacões, aproveitando-se do colapso civilizacional para lucrar no ramo comercial super promissor das re-construções e das privatizações?

É esta a mentalidade hegemônica nos países que são ao mesmo tempo os mais ricos e os mais poluidores: vamos esperar as catástrofes chegarem e depois, sobre os cadáveres de milhares de mortos, nós construímos mundo afora as nossas maravilhosas “democracias de mercado”.

Sabemos o que está ocorrendo com a biosfera com o triunfo das doutrinas do crescimento infinito e da liberação dos mercados: China, Índia, Brasil, entre outros gigantes, entrando em peso no mundo do hiper-consumo, estão gerando situações absolutamente insustentáveis, desde as criancinhas de Xangai, que tem que vestir máscaras anti-poluição para irem à escola, ou o povo paulista, que está ameaçado de encarar anos e anos de rodízios no abastecimento hídrico devido à gestão incompetente e à falta de investimentos, já que capitalismo bandeirantista tucano preferiu, por décadas, encher de grana empresários e acionistas ao invés de oferecer um serviço público digno, de qualidade, administrado com sabedoria ecológica e capacidade de previsão. O fracasso de Alckmin é o símbolo mais forte do quão falido é este modelo do PSDB.

Com tão péssimas credenciais, chega a ser cômico que figuras como Geraldo Alckmin, José Serra e Aécio Neves queiram vender-se como “nova política”, como “salvação da pátria”; se o candidato à presidência pede-nos que não olhemos no retrovisor, é pois sabe que a história registra o quão incapazes e ignorantes foram os políticos tucanos para lidar com o commons. O PT, é claro, também deixa a desejar neste quesito, mais uma razão para que a sociedade civil comece a tomar o problema em suas próprias mãos. Somos parte do problema, ou parte da solução?

Aécio Neves, José Serra, Geraldo Alckmin, são a “velha” política que tenta travestir-se com a máscara retórica do novo. Eles são justamente as velharias que nos trouxeram à esta secura, tanto de água quanto de utopias. Eles são justamente os cérebros estreitos onde só entram valores monetários, aqueles que, para citar Oscar Wilde, “sabem o preço de tudo e o valor de nada” (4). Eles são justamente os sujeitos que deixam nossas ruas fedendo com as bombas de defeito moral, que fazem com que avancem sobre nós as tropas de choque com suas armas químicas (“chemical warfare, chemical warfare!”, para citar os Dead Kennedys…).

Se todo mundo neste planeta consumisse como faz o cidadão médio dos Estados Unidos ou do Canadá, seriam necessários 9 planetas Terra para absorver toda a poluição emitida. O caminho do hiperconsumo, que é também a estrada do extrativismo frenético, é uma escolha suicida, genocida e ecocida. Suicida, pois praticando o capitalismo insustentável hoje em predomínio, civilizações cavam seus próprios túmulos, abrem suas próprias covas, encaminham-se para colapsos repletos de barbáries. Genocida, pois quem mais polui vai ficar tranquilo na cobertura com ar condicionado, como os oil-men de Alberta ou os especuladores de Wall Street, enquanto na Índia e em Bangladesh o aquecimento global ceifa vidas às mancheias.

“As mudanças climáticas vão bater pesado na Índia, com aumentos de temperatura entre 3º e 5º C. Uma das principais fontes hídricas do país – o glacier do Himalaya que banha as plantações de arroz da Ásia – está previsto para desaparecer completamente em 2035.” (5)

Caso o mundo não faça nada, cenários de distopia sci-fi podem tornar-se triste realidade: Índia, Paquistão e Bangladesh, devido à guerra por recursos cada vez mais escassos, talvez façam uso de suas bombas atômicas, talvez uns contra os outros, talvez contra os poderes “imperiais” que recusaram-se a diminuir seus ecocídios e poluições…

Podem me chamar de pessimista, paranóico ou psicopatologicamente inclinado às especulações sombrias sobre o futuro; não posso evitar, porém, sentir-me aterrorizado com a perspectiva de que a grave crise ecológica global não é tema de nossas eleições, que a nossa sociedade civil não está mobilizada em relação a esta causa (Nova York pôs 400.000 nas ruas para a People’s Climate March; no Brasil, quantos estiveram na marcha no Rio de Janeiro?).

Essa luta, enfim, não cabe nas urnas. O que não quer dizer que ela não vá ter que ser lutada.

Sabesp

* * * * *

NOTAS

1. Global Humanitarian Forum, “Anatomy of a Silent Crisis” (Genebra, 2009)

2. Raj Patel, “The Value of Nothing” (Toronto, 2009, Harper Collins).

3. “If hot thermometers actually exploded like they do in cartoons, there would be a lot of mercury to clean up in California right now. The California heat this year is like nothing ever seen, with records that go back to 1895. (…) The high temperatures have contributed to one of the worst droughts in California’s history. The water reserves in the state’s topsoil and subsoil are nearly depleted, and 70 percent of the state’s pastures are rated “very poor to poor,” according to the USDA. By one measure, which takes into account both rainfall and heat, this is the worst drought ever…” via SYSTEM CHANGE, NOT CLIMATE CHANGE (ECOSOCIALIST ALLIANCE)

4. OSCAR WILDE. O Retrato de Dorian Gray.

5. RAJ PATEL, op cit.

6. Idem.

Leia também: