Shakespeare No Parque: As You Like It

Shakespeare in the Park

Uma das instituições culturais de Toronto, com mais de 30 anos de história, é o magnífico projeto “Shakespeare In High Park”. No anfiteatro natural do High Park, bem ao estilo do teatro de Dioniso na velha Atenas, acabei de assistir a uma produção supimpa de “As You Like It”.

O enredo da comédia shakespeareana se passa quase inteiramente na Floresta de Arden, onde se desenrolam as peripécias de amor relatadas pelo poeta e que a companhia teatral – Canadian Stage – trouxe à vida em uma adaptação excelente, toda pontuada por música folk (violões, banjos e cantorias).

O espetáculo, a céu aberto e em locação verdejante, transporta o espectador para um simulacro torontonita de Arden: o palco de madeira, todo rodeado por floresta e tendo o céu como abóbada, foi por duas horas observado por centenas de pares de olhos, que o observaram com grande interesse, encantamento e arroubos de hilariedade (as gargalhadas da senhora ao meu lado, que não parava de me oferecer suas frutas alaranjadas, ressoavam pelos ares como contagiosos cacarejos).

Melhor de tudo: para garantir que a população em geral tenha acesso à estas maravilhas da arte, sem o elitismo que infelizmente é marca de tantos espetáculos teatrais, a política é a seguinte: não há ingresso; cada um paga o que pode como “contribuição”, de modo semelhante ao “Quanto Vale O Show?” que A Construtora Música e Cultura pratica em seus eventos em Goiânia. Em todos os sentidos, o “Shakespeare In The Park” merece uma porção de “bravos!”

Já Shakespeare, seria chover no molhado louvar o brilhantismo de seu verbo – que se manifesta ardentemente em “As You Like It”, por exemplo, no célebre trecho: “O mundo inteiro é um palco…”

E.C.M., Sábado, 27/07/14

All the world’s a stage,
And all the men and women merely players;
They have their exits and their entrances,
And one man in his time plays many parts,
His acts being seven ages. At first, the infant,
Mewling and puking in the nurse’s arms.
Then the whining schoolboy, with his satchel
And shining morning face, creeping like snail
Unwillingly to school. And then the lover,
Sighing like furnace, with a woeful ballad
Made to his mistress’ eyebrow. Then a soldier,
Full of strange oaths and bearded like the pard,
Jealous in honor, sudden and quick in quarrel,
Seeking the bubble reputation
Even in the cannon’s mouth. And then the justice,
In fair round belly with good capon lined,
With eyes severe and beard of formal cut,
Full of wise saws and modern instances;
And so he plays his part. The sixth age shifts
Into the lean and slippered pantaloon,
With spectacles on nose and pouch on side;
His youthful hose, well saved, a world too wide
For his shrunk shank, and his big manly voice,
Turning again toward childish treble, pipes
And whistles in his sound. Last scene of all,
That ends this strange eventful history,
Is second childishness and mere oblivion,
Sans teeth, sans eyes, sans taste, sans everything.

* * * *

William Shakespeare (1564 – 1616)
As You Like It, Act II, Scene VII
Jaques to Duke Senior

Reflexões sobre a Sabedoria e a Felicidade – por Alain (Émile-Auguste Chartier, 1858-1951)

BattleofIssus333BC-mosaic-detail1

Alexandre e Bucéfalo (Detalhe de mosaico romano encontrado em Pompeia. Museu Arqueológico Nacional, Nápoles, Itália)


I. BUCÉFALO E SUA SOMBRA

“Quando Bucéfalo, cavalo ilustre, foi apresentado ao jovem Alexandre, nenhum cavaleiro conseguia se manter sobre o lombo deste animal formidável. Sobre isto um homem vulgar dizia: “Este é um cavalo malvado.” Alexandre, no entanto, procurou o X da questão, e logo encontrou, observando que Bucéfalo estava terrivelmente apavorado diante de sua própria sombra. Como o seu medo fazia agitar-se a sombra, o pavor não acabava mais. Alexandre então dirigiu o nariz de Bucéfalo em direção ao Sol, e então, nesta posição, pôde tranquilizar e domar o animal. Assim, o aluno de Aristóteles já sabia que nós não temos nenhuma potência sobre as paixões enquanto não conhecemos suas causas reais.”  ALAIN, Propos Sur Le BonheurGallimard, 1928. Pg. 9.

AlainEvocando a imagem de Alexandre e Bucéfalo, Alain (1868-1951) inicia seu livro de reflexões sobre a felicidade, Propos Sur Le Bonheur, publicado em 1928. O pavor de Bucéfalo diante de sua sombra é lido por Alain como um símbolo do descontrole e da inquietude que as paixões exercem sobre suas vítimas. Alexandre, por sua vez, aparece nesta parábola como representante da inteligência, da racionalidade, capaz de serenizar os arroubos irracionais e controlar a selvageria do temor e da intranquilidade.

Eis algo que deve soar bem familiar àqueles acostumados a flanar pela história da filosofia, onde é recorrente a ideia de que a Razão deve agir como um cavaleiro que doma o corcel selvagem da Emoção. Enquanto formos semelhantes a Bucéfalo, ou seja, aterrorizados por fenômenos que não compreendemos, que nos assustam justamente pois somos ignorantes de suas verdadeiras causas, estaremos bem longe da serenidade e daquilo que em francês é conhecido pelo bela expressão la joie de vivre.

O que também me parece notável, e que eu gostaria de explorar mais a fundo na sequência, é que o “caso Bucéfalo” nos permite refletir sobre o medo distinguindo entre suas manifestações legítimas e aquilo que eu chamaria de um medo-sem-fundamento. Para evocar um exemplo que está na crista-da-onda, marcando presença nas mídias: se você é um habitante de Gaza, em Julho de 2014, tem amplas razões para temer por sua vida e por sua integridade física, mesmo que você não tenha conexão alguma com o Hamas ou com qualquer organização islâmica militante, já que existem provas empíricas aos milhares de que a ofensiva militar de Israel tem matado e ferido os palestinos sem grandes esforços de distinção entre civis e militares. Em Gaza, o medo é um afeto plenamente legítimo, justificado pela presença de perigos reais, e a ausência deste afeto em tais circunstâncias é que pareceria bizarra, incompreensível e anormal.

Bucéfalo, ao contrário, oferece-nos um exemplo de um medo desproporcional ao perigo real: a sombra, afinal, não tem o mínimo potencial de destruição. Se o cavalo se debate em pavores, é pois se equivoca em seu juízo eqüino e enxerga uma ameaça onde não há nenhuma. Dando um passo além, poderíamos inclusive dizer que Bucéfalo ilustra um comportamento supersticioso, que tem suas similaridades com o pavor sentido, especialmente em épocas mais remotas, por aqueles que presenciavam um eclipse ou um terremoto e, incapazes de compreender as causas dos fenômenos físicos, perdiam o sono em temores e taquicardias, imaginando que os deuses estavam furiosos.

Bucefalo

II. O IMAGINÁRIO COMO INIMIGO

Com esta distinção entre medos legítimos e medos injustificados em mente, fica mais fácil compreender algumas das principais teses de Alain – como esta: “o imaginário é nosso inimigo” (XV, Sur La Mort, pg 45). Os poderes de imaginação da mente humana nem sempre agem em nosso favor: não é incomum que a pessoa saudável imagine doenças possíveis e assim contamine sua saúde com males imaginados, meramente possíveis, que provavelmente não vão se materializar. Mesmo que esteja em um estado físico ótimo, sem dores corporais ou sinais de desagregação orgânica, a pessoa pode sofrer com as ansiedades, as insônias e os pavores decorrentes de uma imaginação demasiado pessimista. Em seus comentários psicológicos, Alain destaca com frequência o quanto a imaginação “compõe horrores”  (p. 39), em especial quando se lança ao futuro e representa os próximos estágios do percurso existencial – que tem a morte, necessariamente, por horizonte.

Diante das superstições humanas que levam o temporal desnorteante da esperança e do temor aos homens, Lucrécio já pintava o retrato do sábio como aquele que, de terra firme, observa sereno os navegantes em mar revolto. Se Lucrécio, em seu poema-filosófico Da Natureza, visa como um de seus objetivos supremos libertar os humanos das superstições, utilizando para isto a doutrina de seu mestre Epicuro, é pois as superstições são consideradas como doenças do imaginário que desviam-nos do caminho da sabedoria. “A superstição consiste sempre, sem dúvida, em explicar efeitos reais por causas sobrenaturais”, escreve Alain (XVIII, Prières, pg. 53).

Hortus Deliciarum

Ilustração medieval do Inferno no manuscrito Hortus deliciarum, de Herrad of Landsberg (aprox. 1180) – via Wikipedia

 Àqueles que não dormem à noite, ou que se supliciam durante o dia, pois temem estarem sendo reprovados por um deus vingador, que os observa, furibundo, sentado em sua nuvem, o sábio apenas recomenda a dissipação da ilusão como melhor remédio. Assim como Bucéfalo não tem razão para temer sua própria sombra, não há razão para temer o Inferno ou qualquer outra punição do além-túmulo. Não há sabedoria ou felicidade possível sem que antes nos livremos de fantasias, compostas por imaginações humanas e escritas por mãos humanas em livros ditos “sagrados”, que tendem a disseminam temores sem fundamento e terrores sem realidade.

O X da questão, para Alain, é que tanto o cavalo Bucéfalo quanto o devoto que teme fúria de Jeová, os dos relâmpagos de Zeus ou o inferno criado por Deus-Pai para queimar os ímpios, sofrem de verdade com seus males imaginários. Para recuperar o exemplo citado acima: a pessoa saudável que age como o personagem de Moliére, o Doente Imaginário, acaba sofrendo de fato com seus temores, ansiedades e inquietudes. Pois bem se sabe que não é só fisicamente, “na carne”, que sofre o homem; um sofrimento não é menos sofrido por ser “psicológico”, por estar “na mente”.

 Ao invés de ser vítima de seus afetos, arrastado pelas circunstâncias a cóleras e pavores, transtornado constantemente  em seus humores por tudo o que lhe ocorre, o sábio tem o bom senso de temperar os arroubos passionais e serenizar seus temporais internos ao compreender – “clara e distintamente”, como recomendam Sócrates, Descartes ou Spinoza – as causas reais daquilo que é sentido. Como dirá André Comte-Sponville, fiel discípulo de Alain, compreender a causa de uma tristeza já é um começo de alegria. “Les malheurs sont rendus légers par la connaissance des causes”, escreve Alain (X, Argan, p. 30). Algo que se assemelha ao motto spinozista que recomenda “não desprezar, não lamentar, não odiar, mas compreender”. No divã do psicanalista, por exemplo, o melancólico começam a se libertar-se de suas condições de prisioneiro da paixões tristes quando começam a compreender os porquês dos afetos, das paixões, dos sonhos. Compreender, contudo, não é tudo. Falta o essencial, que é o agir.

III. O PERIGO DA RAZÃO EXTREMISTA

Não faltaram na história os que explicaram o Mal a partir da Ignorância – para ficarmos só entre os gregos, duas figuras de considerável impacto na posteridade, Sócrates e Epiteto, sustentavam que o saber racional, em especial o conhecimento daquilo que nos move, a compreensão das causas de nossos sentimentos, é o “caminho do bem”. Donde o “conhece-te a ti mesmo!”, mais célebre dos mottos socráticos, inscrito no Templo à Apolo em Delfos ao lado de outra “dica” existencial apolínea: “nada em demasia”. Um dos valores cardinais da civilização grega era justamente a sophrosyne – traduzível por temperança, moderação ou auto-controle.

O difícil, porém – e ninguém disse que a sabedoria é fácil! – é saber dosar o quanto de “controle racional” sobre as paixões deve ser exercido. Aristóteles sustentava que a virtude está em encontrar o ponto ótimo entre dois excessos: por exemplo, a virtude da coragem encontra-se entre os dois extremos, o de sua carência (a covardia) e seu excesso (a temeridade). Também a racionalidade nos oferece um risco duplo: por um lado, um excesso vicioso, o desregramento passional, que leva, por exemplo, um homem a enforcar sua esposa em um arroubo de ciúme injustificado, como faz Otelo contra Desdêmona na obra de Shakespeare; por outro lado, outro excesso vicioso, o racionalismo ultra-controlador, que pode levar alguém a dotar-se de um caráter rígido, autoritário, severo em demasia, descrito muito bem pela gíria da língua inglesa “control freak”.

9780140443295Na história da filosofia, um dos mais importantes legados do pensamento de Nietzsche é justamente ter colocado em questão a predominância, na filosofia ocidental, de um racionalismo hiperbólico que se manifesta com frequência como moralismo castrador, repressor, autoritário. A crítica que Nietzsche empreende contra o do Ideal Ascético, tão presente no seio da ética judaico-cristã,  visa justamente questionar os efeitos de doutrinas que querem lidar com as paixões com a tática do extermínio, como faria um dentista que, diante das cáries de seu paciente, só soubesse receitar a extração dos dentes. Contra Sócrates, encarnação do “homem teórico” que transforma a Razão em ídolo, Nietzsche nos põe em guarda contra aqueles que querem transformar a razão em panacéia e que pensam servir a este novo deus quando praticam, contra si e contra os outros, a repressão sexual, a supressão dos prazeres sensórios, a caça às “bruxas” e aos “hereges” etc.

Em seu Propos Sur Le Bonheur, Alain decerto reflete do interior de uma tradição filosófica ancestral, que atravessa os séculos, mas consegue nos dizer algo de novo, ou melhor, algo de peculiarmente seu. Quando recorda as razões que o levaram a abandonar o catolicismo, remete-nos a uma vivência que experimentou aos seus 10 anos de idade: visitar uma “capela mortuária onde os mortos permaneciam por uma semana, para edificação dos viventes. Estas imagens lúgubres  e este odor cadavérico perseguiram-me por muito tempo. Todo meu ser se revoltava e eu me livrava da religião deles como de uma doença.” (LXXIII, Bonne humeur, 10 Octobre 1909) Alain manifesta uma repulsa visceral contra a morbidez tão frequente em certos cultos religiosos Tanatocêntricos, que pregam o quietismo e a resignação.

Alain, ao contrário, busca sua sabedoria em outras fontes: em Spinoza, por exemplo, que considera um “mâitre de joie” (pg. 57). A ênfase que a filosofia spinozista devota à afetividade humana – a Ética sendo em larga medida um tratado psicológico que procura explicar os complexos mecanismos causais dos sentimentos humanos – é amplamente abraçada por Alain. A crítica da esperança e do temor, compreendidos como “irmãos gêmeos”, é algo que Alain também assume como um legado spinozista digno de permanecer vivo – e que Comte-Sponville posteriormente expandirá e detalhará como um dos temas-chave de sua obra (em especial no Tratado do Desespero e da Beatitude). O remédio contra a “síndrome de Bucéfalo”, isto é, com a tristeza de padecer com paixões que não controlamos nem compreendemos, está não só na compreensão mas também na ação. Trata-se de viver no esforço de agir ao invés de padecer; entender ao invés de ignorar; enfrentar os perigos reais ao invés de temer, na impotência e no tremor, perigos imaginários.

A felicidade, pois, não é algo que a gente receba como um presente, ou que devamos esperar sentados com a bunda confortavelmente instalada nos sofás da inação esperançosa. A felicidade está em agir para construi-la. E não há situação mais infeliz do que aquela do devoto que, em lágrimas, de joelhos, implora por ajuda do alto. Uma longa tradição filosófica, que inclui Epicuro, Lucrécio, Spinoza, Alain, Comte-Sponville, une-se em coro para cantar: “Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.” A felicidade nunca vem de graça; é preciso conquistá-la. E há boas razões para crer que jamais alguém a conquista em solidão, ao contrário do que pregam ascetas e anacoretas. Chris McCandless, vulgo Alex Supertramp, precisou buscar o isolamento extremo, nas geleiras do Alaska, para descobrir, em Into the Wild: “happiness is only real when shared”. Os filósofos assinariam embaixo, e Alain entre eles: o amor e a amizade são elementos sine qua non na construção de qualquer felicidade, que é sempre trans-individual, conectada com a presença de uma teia de relações humanas em que a convivência aumenta a potência de existir (e, logo, a alegria) daqueles que interagem.

Into the Wild

IV. EPÍLOGO: A FELICIDADE É POESIA 

A sabedoria, como aponta a etimologia,  é a meta suprema do filósofo, aquele que nutre philia (amor ou amizade) pela sophia (sabedoria). Ler Alain é uma experiência filosófica seminal pois equivale a encontrar alguém motivado por um engajamento existencial na busca pela vida sábia (e, logo, feliz). Este grande educador e escritor francês, autor de cerca de 5.000 propos (termo francês traduzível por reflexões em português, ou por remarks em inglês), teve sua obra celebrada por um de seus alunos, André Maurois, como digna de figurar em todas as bibliotecas ao lado dos Ensaios de Michel de Montaigne (1533-1592). Não é elogio pequeno. A carreira de Alain como professor de filosofia foi longa e fecunda, tendo influenciado o pensamento de alunos que viriam a marcar época, caso de Georges Canguillem (1904-1995), Simone Weil (1909-1943) e André Comte-Sponville (1952 – ).

Pouco conhecida no Brasil, onde existem poucos de seus livros traduzidos, Alain não é um filósofo de sistema, mas muito mais um pensador-artista, um filósofo-literato, cujos textos tem o sabor de pequenas obras-de-arte verbais, que instigam a refletir e ensinam os caminhos que o autor descobriu para um autêntica arte de viver e de gozar. Sem dúvida, Alain pende mais para uma sabedoria apolínea, baseada na temperança e na primazia da razão, do que para uma sabedoria trágica ou dionisíaca (como Nietzsche, p. ex., procurou pensar). De certo modo, é como se Alain quisesse agir sobre seu leitor de modo similar ao que Alexandre fez com Bucéfalo: suas reflexões parecem animadas pelo ímpeto de ajudar o leitor a curar-se das paixões tristes, dos afetos mortificantes, das confusões mentais caóticas. O caminho da serenidade passa pela compreensão das causas reais de nossos sentimentos, sustenta Alain, o que significa que grande parte dos males afetivos de que padecemos tem relação com uma imaginação desregrada que é preciso “domar”.

Para que nos libertemos da impotência triste a que nos entrega o fatalismo, da ansiedade apavorada a que nos condena um imaginário desregrado, Alain recomenda um remédio simples: compreensão e ação. A felicidade, logo, é como a poesia: é preciso criá-la, construí-la, escrevê-la, com um arranjo próprio e inimitável de palavras, ao invés de esperar por ela, rezar por ela, sonhar com ela. O ser humano gosta bem mais dos prazeres que ele conquista do que daqueles que lhe vem de graça: o alpinista, ainda que sofra e pene para atingir o topo da montanha, goza muito mais intensamente com a paisagem solar que observa quando atinge o pico, tendo ali chegado através de seu esforço e de sua ação, do que aquele que “um trem elétrico conduziu ao célebre cume e que não pode encontrar ali o mesmo Sol” (XLIV, pg. 116).

Filósofo que ama o bom humor e a alegria, Alain sabe ser duro contra “aquela feroz religião que nos ensinou que a tristeza é grande e bela, e que o sábio deve unicamente pensar na morte, enquanto cava seu próprio túmulo. (…) Resta-nos, após termos descartado as mentiras dos padres, abraçar a vida nobremente e não atormentarmos a nós mesmos e uns aos outros com declamações trágicas” (LXXIII, Bonne Humeur, pg. 184). Ao invés de exagerar a tragicidade da existência, Alain recomenda que não transformemos pequenas pedras em montanhas, nem perigos imaginários em razões para inquietudes de Bucéfalo.

Ao invés de acusar amargamente o mundo e os outros pela infelicidade própria, convêm muito mais perceber que cada um de nós é seu pior inimigo quando padece com seus juízos falsos, seus temores vãos, seus conformismos preguiçosos. O primeiro passo para a sabedoria está em despertar para o fato de que nossas relações com o futuro não devem ser norteadas pela imaginação ou pela esperança, mas sim pela ação, que constrói um futuro ao invés de padecer com um futuro que tomba sobre nós ou nos atropela. A felicidade é poesia: trata-se de sacudir a impotência, despertar nossas forças criativas e criá-la – como se escreve um poema, como se compõe uma sinfonia, como se nutre uma amizade, como se constrói um amor.

Henri Matisse, "La Joie de Vivre" (1906)

“Tout bonheur est poésie essentiellement, et poésie veut dire action; l’on n’aime guère un bonheur qui vous tombe; on veut l’avoir fait.” – ALAIN (1858-1951), Propos Sur Le Bonheur (XLII, “Agir”, pg. 111. 3 Avril 1911). Pintura de Henri Matisse, “La Joie de Vivre”, 1906.

Eduardo Carli de Moraes
Toronto, Julho de 2014.

Noam Chomsky’s “Fateful Triangle – The United States, Israel & the Palestinians”

Chom

NOAM CHOMSKY
 Fateful Triangle – The United States, Israel & the Palestinians
(South End Press Classics, 1999, 600 pgs)
Foreword by Edward W. Said

Download e-book (PDF, 2 mb): http://bit.ly/1rJLGK1
SHARE ON FACEBOOK or TUMBLR

Fateful Triangle may be the most ambitious book ever attempted on the conflict between Zionism and the Palestinians viewed as centrally involving the United States. It is a dogged exposé of  human corruption, greed, and intellectual dishonesty. It is also a  great and important book, which must be read by anyone concerned  with public affairs.  The facts are there to be recognized for Chomsky, although no one  else has ever recognized them so systematically. His mainly Israeli and  U.S. sources are staggeringly complete, and he is capable of registering contradictions, distinctions, and lapses which occur between them.  There is something profoundly moving about a mind of such noble  ideals repeatedly stirred on behalf of human suffering and injustice.” – Edward W. Said

Bloodshed in Gaza – The Historical Roots of the Conflict

Art by Venezuelan artist Eneko, with reference to Pablo Picasso's "Guernica"

Art by Venezuelan artist Eneko updates Pablo Picasso’s “Guernica”

I’m deeply saddened and worried by the ongoing bloodshed in Gaza. One of the most densely populated areas in the planet, home for 1.8 million people, 56% of them under the age of 18, what’s happening in Gaza right now is a heartbreaking historical tragedy unfolding before our eyes.  According to the The United Nations Office for the Coordination of Humanitarian Affairs (OCHA),  these are the disaster’s description in numbers today – July 23, 2014, 16 days after the start of Israel’s military attack: 697 Palestinians killed, including at least 518 civilians, of whom 170 are children and 86 are women; 32 Israelis killed, including 3 civilians and 29 soldiers; 3.993 Palestinians injured (1.213 are children and 698 are women); more than 140.000 have been displaced and 1.2 million people in Gaza have no proper access to water.

Watch Al Jazeera’s Gaza’s Humanitarian Disaster:

The latest news about the conflict are all around the news – I particularly recommend tuning in to Al Jazeera or independent blogs such as Gazanism – so I’d like to share with you some material that can enlighten us about the historical roots of the present crisis. I’d like to start quoting from one of the world’s greatest writers and activists, Mrs. Arundathi Roy, a well-informed and highly sensitive witness to all the sound and fury of human history:

Arundhati Roy

Arundhati Roy

In 1937 Winston Churchill said of the Palestinians: ‘I do not agree that the dog in a manger has the final right to the manger even though he may have lain there for a very long time. I do not admit that right. I do not admit for instance that a great wrong has been done to the red Indians of America or the black people of Australia. I do not admit that a wrong has been done to these people by the fact that a stronger race, a higher grade race, a more worldly wise race to put it that way, has come in and taken their place’. That set the trend for the Israeli state’s attitude towards Palestinians. In 1969, Israeli Prime Minister Golda Meir said: ‘Palestinians do not exist’. Her successor, Prime Minister Levi Eshkol, said: ‘What are Palestinians? When I came here [to Palestine] there were 250,000 non-Jews, mainly Arabs and Bedouins. It was desert, more than underdeveloped. Nothing’. Prime Minister Menachem Begin called Palestinians ‘two-legged beasts’. Prime Minister Yitzhak Shamir called them ‘grasshoppers’ who could be crushed. This is the language of heads of state, not the words of ordinary people.

In 1947 the UN formally partitioned Palestine and allotted 55% of Palestine’s land to the zionists. Within a year they had captured 78%. On May 14, 1948, the state of Israel was declared. Minutes after the declaration, the US recognized Israel. The West Bank was annexed by Jordan. The Gaza strip came under Egyptian military control. Formally, Palestine ceased to exist except in the minds and hearts of the hundreds of thousands of Palestinian people who became refugees.

In the summer of 1967, Israel occupied the West Bank and the Gaza Strip. Settlers were offered state subsidies and development aid to move into the occupied territories. Almost every day more Palestinian families are forced off their lands and driven into refugee camps. Palestinians who continue to live in Israel do not have the same rights as Israelis and live as second-class citizens in their former homeland.

Art by Brazilian cartoonist Carlos Latuff

Art by Brazilian cartoonist Carlos Latuff

Over the decades there have been uprisings, wars, intifadas. Tens of thousands have lost their lives. Accords and treaties have been signed, ceasefires declared and violated. But the bloodshed doesn’t end. Palestine still remains illegally occupied. Its people live in inhuman conditions, in virtual Bantustans, where they are subjected to collective punishments, 24-hour curfews, where they are humiliated and brutalised on a daily basis. They never know when their homes will be demolished, when their children will be shot, when their precious trees will be cut, when their roads will be closed, when they will be allowed to walk down to the market to buy food and medicine. And when they will not. They live with no semblance of dignity. With not much hope in sight. They have no control over their lands, their security, their movement, their communication, their water supply.

So when accords are signed and words like ‘autonomy’ and even ‘statehood’ are bandied about, it’s always worth asking: What sort of autonomy? What sort of state? What sort of rights will its citizens have? Young Palestinians who cannot contain their anger turn themselves into human bombs and haunt Israel’s streets and public places, blowing themselves up, killing ordinary people, injecting terror into daily life, and eventually hardening both societies’ suspicion and mutual hatred of each other. Each bombing invites merciless reprisals and even more hardship on Palestinian people. But then suicide bombing is an act of individual despair, not a revolutionary tactic. Although Palestinian attacks strike terror into Israeli civilians, they provide the perfect cover for the Israeli government’s daily incursions into Palestinian territory, the perfect excuse for old-fashioned, 19th century colonialism, dressed up as a new-fashioned, 21st century ‘war’.

Israel’s staunchest political and military ally is and always has been the US government. The US government has blocked, along with Israel, almost every UN resolution that sought a peaceful, equitable solution to the conflict. It has supported almost every war that Israel has fought. When Israel attacks Palestine, it is American missiles that smash through Palestinian homes. And every year Israel receives several billion dollars from the US.

What lessons should we draw from this tragic conflict? Is it really impossible for Jewish people who suffered so cruelly themselves — more cruelly perhaps than any other people in history — to understand the vulnerability and the yearning of those whom they have displaced? Does extreme suffering always kindle cruelty? What hope does this leave the human race with? What will happen to the Palestinian people in the event of a victory? When a nation without a state eventually proclaims a state, what kind of state will it be? What horrors will be perpetrated under its flag? Is it a separate state that we should be fighting for, or the rights to a life of liberty and dignity for everyone regardless of their ethnicity or religion? – ARUNDHATI ROY

* * * * *

To delve deeper into the roots of the matter, I share with Awestruck Wanderer’s readers three excellent documentaries. They have taught me a great deal about the history of the Middle East’s conflicts and still have a lot to say to us under the present tragic situation. They are: BBC’s The Birth of Israel; Ilan Ziv’s Six Days in June – The War That Redefined The Middle East; and B.Z. Goldberg’s Promises. I’ve managed to gather these films here – including YouTube or Vimeo full-lenght videos, official synopsis and other relevant information. If you find this documentaries as relevant as I do, please share the knowledge!

the-birth-of-israel

“On 14 May 1948 Prime Minister David Ben Gurion announced the establishment of the state of Israel in the portion of Palestine allocated by the UN as a Jewish state. For the Israelis, the events of 1948 were a triumph; for the Palestinians it was the beggining of the ‘naqba’ – the catastrophe which saw them driven from their homeland. Within 24 hours the armies of Egypt, Jordan and Syria attacked. What followed was the first of many bloody wars between Israel and the Arabs – a bitter struggle which has dominated the region for the past 60 years and continues to threaten global security. Jeremy Bowen travels to Israel and the neighbouring countries involved in the conflict to take a fresh look at the events leading to the foundation of the state of Israel. Using a combination of rarely seen archive footage, historical eyewitness accounts and interviews with the surviving political, diplomatic and military figures of the time from both sides of the divide, Jeremy uses the history of the period as a prism to reflect the current state of the Israeli / Palestinian conundrum. Interviews include Shimon Peres, David Den Gurion’s right hand man and now president of Israel, and Hassan Nusseibeh, Jordanian Ambassador to the UN, among others. Challenging existing myths – promulgated by both sides – about the founding of Israel, this is a fresh perspective on an ongoing conflict.”

BBC Production. 2009. 60 mins.

* * * * *

51G1xnr4yKL

“In June of 1967, a war pitted the Israelis against the Arabs and the US against the Soviet Union. It lasted only 6 days, but it changed the Middle East, and America’s policy towards the region, and the war’s results are embodied in every aspect of the current bloody Middle East conflict. This groundbreaking documentary provides a fresh perspective on the war, bringing to life its battlefields, politics, and the personal histories of the many lives it affected. Today, the regions remains trapped in a never-ending cycle of occupation, terrorism and reprisal, much of which is caused by the same animosity that triggered the war in the first place. Shot in location in Israel, Palestine, Egyps, Syria, Jordan, Moscow and Washingston, and using newly declassified archives, home movie footage and personal photographs, evocative recreations, and dozens of interviews with participants, this film offers unprecedented insight into the story of the Six Day War. With an extraordinary cast of characters – Israeli Prime Minister Levi Eshkol, Defense Minister Moshe Dayan, Egyptian President Gamal Abdel Nasser, Field Marshal Amer, and Lyndon B. Johnson, to name a few – Six Days in June examins how the war came about, how it was fought, and how it reshaped the regional political landscape… all in six days.”

* * * * *

63131_414649571934638_576853723_n

Brazilian poster for B.Z. Goldberg’s Promises

“B.Z. Goldberg, an American filmmaker who was raised in Jerusalem and is fluent in both Hebrew and Arabic, returned to the Middle East to help make this documentary, which chronicles his encounters with seven children between the ages of 11 and 13, some Israeli and some Palestinian, who discuss their political views, their thoughts about the ongoing violence in their homelands and the possibility of a lasting peace, and the impact the aggression has had upon them. Encompassing extremists and moderates on both sides of the fence, the seven youngsters are interviewed individually and then brought together, where their common interests become clear — as well as the fact that it’s quite possible they’ll never live together in peace. Co-directed by Goldberg with Justine Shapiro and Carlos Bolado, Promises won the Audience Award at the 2001 Rotterdam Film Festival.” – Amg All Movie Guide

Aaron Swartz (1986-2013): assista o documentário e leia o manifesto Open Access

Captura de tela 2014-07-17 23.30.18 Captura de tela 2014-07-17 22.22.28

“Guerilla Open Access Manifesto”,
by Aaron Swartz (1986-2013)

Information is power. But like all power, there are those who want to keep it for themselves. The world’s entire scientific and cultural heritage, published over centuries in books and journals, is increasingly being digitized and locked up by a handful of private corporations. Want to read the papers featuring the most famous results of the sciences? You’ll need to send enormous amounts to publishers like Reed Elsevier.

There are those struggling to change this. The Open Access Movement has fought valiantly to ensure that scientists do not sign their copyrights away but instead ensure their work is published on the Internet, under terms that allow anyone to access it. But even under the best scenarios, their work will only apply to things published in the future. Everything up until now will have been lost.

That is too high a price to pay. Forcing academics to pay money to read the work of their colleagues? Scanning entire libraries but only allowing the folks at Google to read them? Providing scientific articles to those at elite universities in the First World, but not to children in the Global South? It’s outrageous and unacceptable.

“I agree,” many say, “but what can we do? The companies hold the copyrights, they make enormous amounts of money by charging for access, and it’s perfectly legal — there’s nothing we can do to stop them.” But there is something we can, something that’s already being done: we can fight back.

Captura de tela 2014-07-17 23.30.03

Aaron Swartz (1986-2013)

Those with access to these resources — students, librarians, cientists — you have been given a privilege. You get to feed at this banquet of knowledge while the rest of the world is locked out. But you need not — indeed, morally, you cannot — keep this privilege for yourselves. You have a duty to share it with the world. And you have: trading passwords with colleagues, filling download requests for friends.

Meanwhile, those who have been locked out are not standing idly by. You have been sneaking through holes and climbing over fences, liberating the information locked up by the publishers and sharing them with your friends.

But all of this action goes on in the dark, hidden underground. It’s called stealing or piracy, as if sharing a wealth of knowledge were the moral equivalent of plundering a ship and murdering its crew. But sharing isn’t immoral — it’s a moral imperative. Only those blinded by greed would refuse to let a friend make a copy.

Large corporations, of course, are blinded by greed. The laws under which they operate require it — their shareholders would revolt at anything less. And the politicians they have bought off back them, passing laws giving them the exclusive power to decide who can make copies.

There is no justice in following unjust laws. It’s time to come into the light and, in the grand tradition of civil disobedience, declare our opposition to this private theft of public culture.

We need to take information, wherever it is stored, make our copies and share them with the world. We need to take stuff that’s out of copyright and add it to the archive. We need to buy secret databases and put them on the Web. We need to download scientific journals and upload them to file sharing networks. We need to fight for Guerilla Open Access.

With enough of us, around the world, we’ll not just send a strong message opposing the privatization of knowledge — we’ll make it a thing of the past. Will you join us?

Aaron Swartz
July 2008, Eremo, Italy

https://archive.org/stream/GuerillaOpenAccessManifesto/Goamjuly2008_djvu.txt

SHARE ON FACEBOOK

Film

The Internet’s Own Boy – The Story of Aaron Swartz

DOWNLOAD

RUBEM ALVES (15 de setembro de 1933 — 19 de julho de 2014)

rubem-alves

R.I.P. – RUBEM ALVES
(15 de setembro de 1933 — 19 de julho de 2014)

“Epitáfio é uma frase que se grava numa lápide, contando algo sobre o enterrado. Já escolhi a minha. Não é original. É a mesma de Robert Frost: ‘Ele teve um caso de amor com a vida…’. Quintana, sabendo que a morte o esperava em alguma esquina, escolheu a sua: ‘Eu não estou aqui…’. Já imaginaram? Caminhando pelo cemitério, as lápides se sucedendo graves e fúnebres. ‘Aqui jaz’, ‘Aqui jaz…’. De repente olhos batem na frase ‘Eu não estou aqui’. É possível evitar o riso? É possível evitar amar quem assim brincou com a própria morte?” – RUBEM ALVES, em especial sobre Mário Quintana na Revista Língua, número 8.